Os first-person shooters que se destacaram nesta geração
Publicado por Renatito, em .
E continua o nosso tributo à oitava geração de videogames! Como muitos de vocês já sabem, estamos fazendo uma série de artigos elencando os melhores jogos desta geração que está prestes a acabar, devidamente separado em categorias. O primeiro deles foi com os jogos de mundo aberto, caso não tenha visto, é só clicar aqui. O segundo será sobre um dos gêneros mais famosos e mais antigos no mundo dos games, o FPS (First-Person Shooter ou Tiro em Primeira Pessoa).

Mais uma vez contei com a ajuda do nosso Moderador Billy Butcher, sem ele ficaria complicado de fazer esse artigo. Ficamos discutindo um pouco sobre quais jogos colocar entre os 10 melhores e quais deixar apenas nas menções honrosas; foi uma tarefa divertida. Pensamos juntos para não cometer injustiças e é claro que essa lista não vai agradar a todos. Caso tenhamos deixado algum jogo de fora foi porque não jogamos ou não gostamos dele. Sim, a lista foi baseado em nosso gosto pessoal e em nossas experiências, logo é perfeitamente normal que você discorde dela, mas discorde com educação e exponha sua opinião nos comentários.

A oitava geração deixou bons jogos de FPS para os jogadores (e ainda pode deixar), e agora chegou o momento de relembrar os melhores deles. Só lembrando que a lista não está do melhor ao "pior" ou vice-versa, está disposta em ordem alfabética. Esperamos que gostem.



OS 10 MELHORES


Renatito | Battlefield 4


Clique para ver a imagem em tamanho original

Um senhor jogo. Criticado no lançamento, mas que só foi melhorando com a chegada de atualizações e expansões. Campanha ok com um multiplayer robusto, frenético e com muitos jogadores até hoje. BF4 nos impressionou com os seus gráficos no ano de 2013, sendo um dos primeiros jogos lançados para a oitava geração, sem deixar de lado a sétima, sendo assim um título cross-gen. O Levolution, que são mudanças dinâmicas que ocorrem nos mapas do multiplayer ao decorrer das partidas, foi bem aceito e gerou um marco na franquia que já se diferenciava das demais pelos mapas enormes e destruição de cenários. BF4 foi o último Battlefield de guerra moderna lançado e, para muitos, o melhor Battlefield dessa geração.



Billy | Call of Duty: Advanced Warfare


Clique para ver a imagem em tamanho original

Este que foi o primeiro Call of Duty completo sendo desenvokvido pela Sledgehammer Games, em Advanced Warfare o estúdio quis dar novos ares pro formato Moderno da franquia. Para começar, o Motor Gráfico da franquia foi redesenhado para os novos consoles lançados no ano anterior, e com isso puderam aplicar melhores texturas e física no geral. Uma das grandes adições á jogabilidade foi os Trajes Exo, que possibilitam os jogadores a darem um Double Jump e ter acesso a melhorias de defesa e ataque com armas, granadas e rifles. Um dos destaques no seu modo campanha foi sem dúvidas a introdução de um grande elenco de atores famosos de Hollywood, em especial a do ator Kevin Spacey, que é o grande vilão do jogo, mas também vale ressaltar a presença de outros atores de renome como Gideon Emery e Troy Baker, ambos protagonistas do jogo. A trama do jogo é bem encaixada, e outras das grandes melhorias para deixar a imersão e narrativa ainda mais profundas é que todas as Cutscenes do Jogo são feitas com a Tecnologia CGI de mais alta geração da época, trazendo um foto-realismo sem precedentes. Quanto aos elementos de Gameplay no geral, o jogo trás uma nova granada teleguiada que você joga no ar e ela detecta o inimigo mais próximo para explodir automaticamente nele, sem a necessidade de mirar exatamente no alvo, e outras são a de armas com visão a laser, que revelam inimigos que estão usando cobertura, e enquanto revelado, seus tiros perfuram esses obstáculos, facilitando a forma de você eliminá-los. Advanced Warfare também é o 2° jogo da franquia sem ser da série Black Ops a usar do modo Zombies, com sua versão própria, os Exo Zombies. No modo, você é um membro fugitivo da Atlas, que estava realizando testes escondidos para melhorias em humanos, mas que deu errado, e agora você tem a missão de salvar os humanos.
A história do modo é alternativa a da Campanha original, considerada não canônica, mas é bem colocada em meio ao caos dos modos Sobrevivência, Horda e PvE com os Zumbis modificados.



Billy | Destiny 2


Clique para ver a imagem em tamanho original

Em 2014, o estúdio da Bungie lançou ao mundo sua mais Nova IP após dedicar 10 anos de carreira exclusivamente a franquia Halo. Apesar do jogo seguir um gênero conhecido, o Looter-Shooter, com Destiny, a Bungie elevou a fórmula a outros patamares, trazendo uma grande nova leva de recursos e formas de jogar, deixando o gênero com mais cara de MMO. Isso popularizou muito o gênero, que graças a Destiny, surgiu diversos jogos paralelos a ele e tentando usar um pouco de sua fórmula. Voltando ao básico, Destiny 2 refina os defeitos do jogo anterior, onde faltava uma Narrativa e um Senso de Direção e Tomada por parte do estúdio com o universo. Apesar de em The Taken King e Rise of Iron terem trazido alguns personagens que são principais destaques em Destiny 2, no primeiro jogo eles serviram apenas para tentar dar mais embasamento a todos os ocorridos naquele mundo. Você, assim como os outros jogadores, é um Guardião, e contém sua Luz e de seu Ghost, que segue com você em toda a sua trama, já que seu personagem é Mudo (ao menos em grande parte do início do jogo). A grande façanha de Destiny foi colocar todo um jogo de formato Looter Shooter que geralmente são jogados sozinhos de forma totalmente Online, possibilitando jogadores de te ajudar em todo o caminhar da aventura. Como um FPS em sistema MMO, Destiny 2 trás diversos poderes e itens que de inúmeras categorias e níveis para evoluir e melhorar, além de classes de personagem no início do jogo, onde você não pode alterar depois que escolhe. Sua jogabilidade é bem suave e remete muito aos jogos Halo Reach e CoD: Modern Warfare 3, onde é fácil mirar e adaptar sua forma de jogar. No jogo, também existem um grande evento de jogo que deixou o formato Looter-Shooter muito popular, as Raids. Você e outros 5 jogadores exploram dungeons caçando recompensas e buscando melhores itens enfrentando hordas e chefões, onde é necessário uma tática e estratégia para escapar de lar com vida. Esse elemento foi incorporado por diversos outros jogos posteriores após a existência de Destiny, como The Division, Anthem e Ghost Recon. Apesar de possuir gráficos de ponta e ser um jogo que necessita conexão constante com a Internet para se manter ativo, Destiny é um jogo suave e bem otimizado, capaz de rodar facilmente em PC's mais fracos. Seu formato de progressão também é viciante, pois te instiga a sempre estar melhorando seus equipamentos e explorando mais do vasto mundo do jogo, que aliás, é Open-World.



Billy | DOOM Eternal


Clique para ver a imagem em tamanho original

Melhorando tudo de seu Reboot original trazido em 2016, DOOM Eternal é a prova definitiva de que é possível criar grandiosos First Person Shooters focados na Campanha que não fiquem enjoativos e repetitivos. Aliado de uma monstruosa trilha sonora que varia entre Rock, Heavy Metal e Eletrônica produzida pelo grande Mick Gordon, DOOM Eternal é a mais recente e possivelmente última produção da Id Software na 8° Geração, e possível ver que o estúdio deu tudo de si para se dedicar a obra. Eternal possuí um Design de Fases e Design de Mundo fantásticos, com diversos Puzzles e formatos de Mundo bem projetados que tornam o jogo frenético e veloz. Você, como em todos os jogos da franquia, é o Doom Slayer, que está indo agora para a Terra após os eventos em Marte do 1° jogo, onde foi traído pelo Dr. Samuel Hayden. O jogo dá uma ênfase maior as mitologias do mundo de Doom, como os Arcanjos e Seres do Céu, mas mantém a caricatura e formato único de ser um jogo brutal e violento ao extremo.



Renatito | Far Cry 4


Clique para ver a imagem em tamanho original

Tivemos vários jogos da franquia Far Cry nesta geração, mas talvez o mais marcante tenha sido mesmo o 4. O vilão meio ausente e mesmo assim carismático, Pagan Min, dá uma dose de adrenalina ao jogo quando ele aparece, e a bela região de Kyrat é um show à parte. Divertido como todo Far Cry, colorido como todo Far Cry, o quarto título numerado da franquia vai te garantir muitas horas de diversão com muito tiroteio e muita caça, e aquela pitada de humor que todo jogo da Ubisoft tem. Foi um dos títulos mais bem sucedidos da série e vendeu horrores aqui no Brasil. Um dos melhores FPS de mundo aberto em que você vai por a mão.



Renatito | Halo 5: Guardians


Clique para ver a imagem em tamanho original

Criticado pela sua campanha de marketing que não correspondeu no final e pela sua história, Halo 5 ainda é um bom jogo. O jogo apresenta belos gráficos, trilha sonora que honra a franquia e novidades, como as habilidades Spartan. É o que tem a melhor jogabilidade da franquia, com a possibilidade de usar o propulsor em qualquer altura, correr, deslizar, utilizar o cover de maneira rápida entre outras coisas que deram um maior dinamismo ao gameplay. O multiplayer é o melhor da franquia, com foco nos modos competitivos e até hoje são bastante jogados. O jogo foi muito lucrativo, rendendo milhões de dólares só na semana de lançamento, sendo um dos títulos mais rentáveis, senão o mais rentável para a Microsoft nessa geração. Halo 5 pode não ser do mesmo nível dos anteriores, mas ainda assim é um bom Halo e um dos melhores FPS da geração. Halo Infinite pode tomar o posto de Halo 5 nessa lista, mas aí temos que aguardar para ver.



Renatito | Metro Exodus


Clique para ver a imagem em tamanho original

Que jogaço, meus amigos, que jogaço... Metro Exodus ocorre após os eventos do Metro: Last Light e na sequência do Metro 2035. Ele é um FPS que mistura elementos de survival horror e stealth, sendo bom em todos esses pontos. Exodus leva a franquia para um mundo semi-aberto que é muito interessante de se explorar, ao contrário dos dois jogos anteriores que tinham uma pegada mais linear. Artyom volta mais uma vez como protagonista, auxiliado pela sua esposa Anna e uma equipe de Spartan Rangers na jornada pela Rússia radioativa. A narrativa é o ponto alto desse jogo, é altamente envolvente e cativa o jogador; uma história desse calibre só poderia ser oriunda de um livro. Os gráficos são um dos melhores dessa geração e o jogo cumpre bem os seus aspectos técnicos. Para mim e para muitos, Metro Exodus é o melhor da franquia. Venha se apaixonar por esse mundo desolador.



Billy | Overwatch


Clique para ver a imagem em tamanho original

Criador de seu próprio gênero, o Hero Shooter, que é baseado na fusão de Team Fortress 2 + Borderlands, a Blizzard agraciou o mundo com sua primeira Nova IP após 25 anos sem criar um mundo novo, sempre se baseando em Warcraft, Diablo e StarCraft em suas outras obras. Overwatch é o grande Game of the Year 2016, e antes de ser o que é hoje, ele seria um MMORPG que sucederia World of Warcraft, na época chamado 'Project Titan'. A Blizzard fala que Overwatch é apenas 30% do que seria Titan se tivesse chegado à total realidade, mas isso fica agora a imaginação do público de tentar imaginar o que isso significa. Diferente de títulos mais táticos como CS GO e Valorant, em Overwatch, tudo é caótico e mais frenético, com heróis tendo inúmeros poderes, classes e formas de jogar diferente, desde um Tanker, a um Melee, Sniper, Atirador, Suporte, entre outros. Apesar de não possuir uma trama exata, muito da narrativa de Overwatch é deixada em suas Cinemáticas e Falas de Personagens, com muitos heróis bem caricatos e bem construídos, dando vida, profundida e características únicas que apegam os jogadores aos seus heróis favoritos.



Billy | Titanfall 2


Clique para ver a imagem em tamanho original

Trazendo tudo o que deu certo do jogo anterior e adicionando uma Campanha Single-Player muito emocional, Titanfall 2 botou a prova e marcou um grande passo para a ascensão da Respawn Entertainment. O jogo continua seguindo o formato de um FPS mais acizentado de Ficção-Científica com suas Mechas e Armaduras Futuristas, mas seu ponto chave é a introdução de mais conteúdos e modos de jogo. Assim como Destiny, Titanfall popularizou o estilo de FPS Parkour inserido em Mirror's Edge pela DICE na 7° Geração, porém se destacando com um mundo mais apropriado para o combate PvP e PvE do Shooter, além de novos elementos de gameplay com as armas para destruição dos robôs inimigos e do sistema de life repeal. Quanto a sua campanha, no jogo você controla Jack Cooper, onde após o seu Mestre ser morto em combate, você fica designado de ser o companheiro do Titã BT-7274. O jogo se foca nos laços e desenrolar da amizade entre os dois personagens, onde um sempre tenta salvar o outro em suas missões e aventura em conjunto lutando contra o mercenário e vilão do jogo, Kuben Blisk. Um dos grandes fatores que podem ter feito de Titanfall 2 um excelente FPS e um dos melhores da Geração era de que não havia muitas expectativas sobre si. Muitos achavam que seria apenas uma cópia do jogo anterior com pequenas melhorias, mas foram pegos de surpresa por um Sólido Shooter que corrigiu suas falhas, melhorou seus acertos, e introduziu uma Campanha Única e bem projetada.



Billy | Wolfenstein II: The New Colossus


Clique para ver a imagem em tamanho original

Sequência do Reboot de 2014, The New Order, a Machine Games fez um trabalho primordial com Wolfenstein II, onde capta muito bem todo esse período cruel sob a ameaça do Nazismo, uma vez que o jogo se baseia no fato de que "E se a Alemanha tivesse vencido a 2° Guerra Mundial?". Você fica sob o controle de William Blazckowicz (B.J.), que é recuperado pelo Círculo Kreisau, após sua quase morte na Fortaleza de Deathshead pelo Canhão Nuclear jogado lá. B.J. é recuperado gravemente ferido, e fica 5 meses em coma, e enquanto divaga entre o mundo dos vivos e dos sonhos em seu estado terminal, descobre que Ania, sua parceria, está grávida. O jogo segue este formato mais Cinematográfico e focado em um Enredo de Personagens que foi bem inserido em The New Order, dando um ar único a franquia Wolfenstein, e saindo do estilo de ação frenética e veloz na qual a franquia tinha no passado, onde antes estava parecendo mais um derivado de DOOM. Quanto ao Gameplay, alguns podem dizer que Wolfenstein se tornou um jogo mais travado e duro após seu Reboot, mas isso é mais para ir de acordo com a direção artística do jogo, que dá embasamento a exploração da narrativa e da trama, aliada ao seu mundo muito vívido e cheio de beleza ao redor. Ele segue os moldes de um FPS Moderno, porém mais cadenciado e progressivo.



MENÇÕES HONROSAS


Battlefield 1


Clique para ver a imagem em tamanho original

Call of Duty: Infinite Warfare


Clique para ver a imagem em tamanho original

Call of Duty: Modern Warfare


Clique para ver a imagem em tamanho original

Prey


Clique para ver a imagem em tamanho original

RAGE 2


Clique para ver a imagem em tamanho original



JOGOS QUE PODEM ENTRAR NESSA LISTA


Cyberpunk 2077


Clique para ver a imagem em tamanho original

Halo Infinite


Clique para ver a imagem em tamanho original

E é isso, pessoal. Encerramos mais uma matéria prestigiando os melhores jogos desta geração. Digam o que acharam e não esqueçam de fazer suas próprias listas no campo dos comentários. Um forte abraço do Renatito e Billy Butcher, nos vemos na próxima!
renatito91
Renatito #renatito91
Historiador e fã de Xbox
Moderador do Site, 28 anos, Recife
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Gosta do site e quer ajudar a o manter online? Apoie-nos!.
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.