.
8

Análise do jogo "Silent Hill 2" para PS2 escrito por Outer Space

Escrito por Outer Space, nota 8 de 10, enviado por Giordano Trabach,
Quer saber o quanto um jogo de videogame pode ser perturbador e assustador? Nada melhor então do que dar uma jogadinha na série Silent Hill, que chega ao seu segundo episódio embalada pelo poder gráfico do Playstation 2. A Konami fez de tudo para que até o mais durão dos jogadores fizesse xixi nas calças, e tivesse os pêlos de seu braço totalmente arrepiados. [t1]Inspiração "David Lynchiana"[/t1] A história de Silent Hill 2 é bastante simples e surreal. James Sunderland recebe uma carta da mulher, Mary, morta há anos, que pede para ele reencontrá-la na velha e conhecida cidade de Silent Hill. Desesperado e apaixonado, James segue à risca o pedido da carta, na esperança de rever o seu grande amor. Chegando lá, ele vê que as coisas não mudaram muito em relação ao primeiro jogo, e Silent Hill continua sendo um lugar amaldiçoado, abandonado, inóspito e muito assustador. Seu objetivo durante a jogatina consiste basicamente em encontrar pistas para achar Mary. James parece não acreditar que a esposa morreu, e durante muitos momentos, a história te leva a crer que você poderia estar delirando, que há alguma coisa errada com aquilo tudo. Afinal de contas, que lugar é esse, cheio de monstros, fantasmas e poucas pessoas vivas, que parecem ter algum distúrbio mental? Se você está esperando uma história certinha, com princípio, meio e fim, então Silent Hill 2 não é para você. O jogo, basicamente, é uma história de amor inspirada no estilo do diretor David Lynch de fazer cinema, tendo referências claras de filmes como Twin Peaks, A Estrada Perdida e Mulholland Drive. O clima mórbido, acontecimentos sem pé nem cabeça, analogias sutis com a vida real, personagens saturados de emoções, sexualidade implícita, visual desconcertante e associações livres são características fortes presentes no jogo da Konami. E é isso o mais legal em Silent Hill 2. Assim como nos filmes de Lynch, ele é um jogo em que cada um pode criar sua própria interpretação dos detalhes, fatos e história. Não existe o certo e nem o errado, só o duvidoso. Esse contexto deveras esquizofrênico serve como combustível para atormentar ainda mais sua cabeça em uma espécie de terror psicológico, muito sutil. Quando você desliga o Playstation 2, terás a sensação de que algumas daquelas cenas encontradas no jogo poderiam acontecer com você, um mero mortal. E é aí que reside o fator "medo" de Silent Hill 2, na crença da improbabilidade dos acontecimentos supra-normais. [t1]Eu já vi esse filme antes[/t1] O maior problema de Silent Hill 2 é que o jogo não é uma evolução substancial do primeiro episódio; este sim, que quebrou paradigmas na indústria dos jogos. O "engine" gráfico parece ser o mesmo do Silent Hill original (que era, graficamente, à frente de seu tempo) lançado há mais de dois anos, e apenas adaptado ao poder de processamento do Playstation 2. A neblina agora está bem realista, a distância de visão do horizonte é maior, os movimentos dos personagens são mais suaves e as texturas, bem variadas e trabalhadas. A iluminação recebeu uma significativa melhora, e finalmente, mostra as sombras dos objetos perfeitamente, variando conforme o ângulo da luz. O jogo também tem aquele efeito granulado para dar um efeito de escuridão, igual ao visto quando você entra em um quarto escuro. Mais uma vez, constatamos que todo o aparato tecnológico do Playstation 2 não foi utilizado no seu potencial pleno. Felizmente, as cenas em computação gráfica são bastante críveis, e apesar de alguns movimentos truncados dos personagens, são de excelente qualidade. A trilha sonora é composta de músicas melancólicas e de suspense, que são muito bem trabalhadas, fazendo o seu cérebro virar um poderoso "Emotion Engine". O som perturbador de Silent Hill 2 é o que mais te deixa no clima, e não os gráficos. A jogabilidade é idêntica ao do primeiro jogo da série, em um estilo similar a Resident Evil. Você tem que explorar bastante o cenário, achar pistas, ir ali, trazer um objeto, resolver puzzles, etc. Este é um tipo de jogabilidade, diga-se de passagem, já bastante desgastada. Em muitas horas, você fica vagando pelo imenso cenário sem saber o que fazer, experimentando, procurando alguma coisa, voltando aonde já foi... Alguns itens também são muito difíceis de se ver no escuro, e você poderá perder horas apenas tentando encontrá-los. Em suma, Silent Hill 2 é frustrante em muitos momentos, e não te deixa ligado o tempo todo. Isso pode irritar os mais impacientes. Mas, de um modo geral, Silent Hill 2 tem muito mais aspectos positivos do que negativos. [t1]O Veredicto:[/t1] Silent Hill 2 é um polimento do jogo anterior, sem as mesmas surpresas que fizeram tanto impacto na época do seu lançamento. ?? indicado para quem aprecia o clima e o desenrolar da história, e tem estômago forte. Suas cenas são para adulto nenhum botar defeito, misturando sexualidade, horror e suspense em doses generosas. Boo! [t2]Prós:[/t2] + História e cenas perturbadoras; + Tema muito adulto, não é para os fracos; + Gráficos bons, apesar de nada espetaculares; + Clima de mistério e suspense na medida certa; + Som assustador e de primeira qualidade; + Reviravoltas na história são bacanas. [t2]Contras:[/t2] - O efeito de "luz no escuro" cansa em muitas partes; - Jogabilidade ultrapassada, repetitiva; - Pode irritar e frustrar os mais impacientes; - O combate com os monstros é chato pacas; - Chefes meio esquisitos.
Fonte: Outer Space
Giordano Trabach
Enviado por Giordano Trabach
Membro desde
23 anos, Espírito Santo
label