.
8.5

Análise do jogo "The Chronicles of Riddick: Assault on Dark Athena" para PC escrito por GameVicio

Escrito por GameVicio, nota 8.5 de 10, enviado por DarkLocust,
[t1]Enredo[/t1] Basicamente, a história do segundo título "Assault on Dark Athena" se passa após o final do episódio em Butcher Bay, retratado no primeiro Chronicles of Riddick. Num breve resumo, temos Riddick à deriva no espaço em sua nave quando esta é capturada pela Dark Athena, uma imensa base militar. Alguns rostos familiares são vistos lá dentro, incluindo personagens do Escape from Butcher Bay, e a missão principal de Riddick, além de escapar da Dark Athena, é claro, e resgatar uma pequena garotinha que o aborda durante uma de suas "caminhadas" num duto de ventilação. Os inimigos em sua maioria são humanos escravizados e transformados em andróides, fazendo a trama parecer bem mais macabra do que o primeiro título. Assim, podemos ver que o enredo não é dos melhores, mas ao menos justifica os fins de Riddick e nos motiva a continuar jogando até o final. Já é alguma coisa. Por sorte, no mesmo DVD do título "Assault on Dark Athena" temos o totalmente remasterizado "Escape from Butcher Bay", algo que com certeza vai ajudar os menos familiarizados com a série The Chronicles of Riddick a entender mais profundamente a história. [t1]Gameplay[/t1] Literalmente falando, em Assault on Dark Athena, temos a mesma jogabilidade vista em Escape from Butcher Bay. Os golpes com adagas, facas e bastões estão ali, incluindo os socos de mãos nuas e os belos movimentos usados por Riddick em momentos de espionagem. De certa maneira, quando nos é apresentado o sistema de "camuflagem" usado por Riddick, nos sentimos jogando um Splinter Cell em primeira pessoa. Assim, para passar por guardas sem ser percebido, basta usar lugares escuros e andar sorrateiramente sem que ninguém o veja, mas ao invés dos "óculos triplos" de Fisher, temos os olhos de Riddick que clarea nossa visão e nos permite enxergar em qualquer lugar sem o uso das chamativas lanterninhas amarelas. Em certos trechos do game somos colocados no controle de alguns andróides "zumbis", o que faz com que a tela do ecrã fique com um tom vermelho. Desta forma temos uma jogabilidade bastante variada e que consegue nos manter entretidos durante um longo tempo, destacando The Chronicles of Riddick: Assault on Dark Athena dos demais FPS de mesmo gênero. [t1]Armamento[/t1] Diferentemente do Escape from Butcher Bay, em que os rifles eram bloqueados por uma espécie de codificação no DNA, em Assault on Dark Athena temos todo o arsenal já disponível. Dentre o armamento entregue a Riddick, temos o Rifle de Assaulto, a potente Shotgun, uma pistola tranqüilizadora, uma pistola comum, uma submetralhadora de aparência bem incomum, etc; além do armamento branco (bastão, faca, adaga, etc). A munição às vezes é escassa, mas por sorte sempre temos um ou outro cara despercebido o qual podemos estrangular a surdina, fazendo o máximo possível de uso das armas brancas sem ter que descarregar um pente inteiro do Rifle de Assaulto. [t1]Gráficos[/t1] Como já dito antes, a versão remasterizada do Escape from Butcher Bay mostra o primeiro título de uma forma totalmente nova, com texturas em alta resolução, iluminação dinâmica avançada, melhor estruturação do cenário e uma interface dos personagens mais modelada, sem aquelas curvas retas que víamos nos ombros ou na cabeça dos NPC's em jogos como Doom 3 ou o próprio Escape from Butcher Bay original. Um detalhe que com certeza de destaca, além é claro da brilhante iluminação bastante similar a usada em games como Splinter Cell ou o recente Velvet Assassin, é a movimentação dos lábios dos personagens, que flui suavemente e acompanha com perfeição a excelente dublagem. Mas nem tudo são flores. As expressões dos NPC's e até mesmo do próprio Riddick são mortas e muitas vezes não demonstram o sentimento deles na ocasião, deixando as cenas não-interativas e um pouco pobres demais. E não é raro, principalmente na versão para PC, vermos a taxa de frames por segundo despencar sem qualquer explicação em cenários fechados e com poucos elementos, algo que ocorre até mesmo em máquinas mais robustas. Então não espere encontrar um jogo tão leve quanto o primeiro The Chronicles of Riddick. [t1]Som[/t1] A trilha sonora não é das melhores, mas segura o game com facilidade, principalmente em cenas de ação ou nas não-interativas. A dublagem, seguindo uma linha de qualidade, é simplesmente perfeita, e a voz usada para dublar o personagem Riddick é sombria e com toda a certeza demonstra o quão impiedoso e determinado é este assassino do escuro, causando arrepios em quem o ouve. [t1]IA[/t1] A inteligência Artificial dos inimigos merece crédito. Eles são inteligentes, têm boa mira, se escondem atrás de paredes e muitas vezes te alvejam em grandes grupos, fazendo a familiar tela de Game Over surgir no monitor várias vezes. Até mesmo nos momentos de espionagem não é incomum ser visto mesmo no escuro, ainda mais quando o inimigo chega muito próximo. Mas como em qualquer outro game, a IA do Assault on Dark Athena tem seus defeitos, vide o clássico efeito Pause que os inimigos têm mesmo quando você está na frente do nariz deles. De qualquer forma, a dificuldade do jogo é bem reforçada graças à IA, algo que com certeza dá alguns pontos a mais ao game. [t1]Multiplayer[/t1] Como eu ainda não joguei o Multiplayer, não posso dizer se é bom ou ruim, mas recomendo que o testem. Pelos vídeos parece ser bem interessante. Sem dúvida alguma, The Chronicles of Riddick: Assault on Dark Athena supera seu predecessor, entretanto o jogador durante boas horas e nos mostrando o quão sombrio um homem pode ser. [b][i]"They say hope begins in the dark"[/i][/b] [t1]Notas[/t1] [b]Som:[/b] 8,5 [b]Gráfico:[/b] 9,0 [b]Jogabilidade:[/b] 9,0 [b]História:[/b] 7,5 [b]Diversão:[/b] 8,5
Fonte: GameVicio
DarkLocust
Enviado por DarkLocust
Membro desde
23 anos, Monte Carmelo, Minas Gerais, Brasil
label