.
9

Análise do jogo "The Sims 3" para PC escrito por Finalboss

Escrito por Finalboss, nota 9 de 10, enviado por Alan Bessa,
Muita gente gosta de sentar à frente da TV por vários minutos e assistir Big Brother. Uma parcela pequena dentro destes que curtem o programa paga uma boa quantia para ter acesso irrestrito ao que acontece dentro da casa, 24 horas por dia, através de serviços prestados por TVs de assinatura. Paralelamente, existe uma quantidade de pessoas talvez maior que simplesmente ignora e até repudia este tipo de programa, seja pelo seu intuito banal ou por não trazer um conteúdo interessante ou informativo. O fato é que, assumindo ou não, existem várias pessoas que se sentem interessadas pela vida de outras pessoas. Geralmente este tipo de gente acompanha não só o supracitado programa, mas também confere a vida de artistas ou até de pessoas normais através de jornais, revistas e matérias na internet. Mas o que será que chama tanto a atenção das pessoas no que diz respeito à vida alheia? Há quem diga que tudo não passa de mera curiosidade, mas já imaginou ter total controle sobre a vida da pessoa, definindo o seu destino, seus amores e paixões e até mesmo sua morte? Foi pensando nestas possibilidades que Will Wright, célebre produtor que deu a vida ao clássico Sim City, decidiu criar aquilo que é hoje uma das mais bem sucedidas séries no mundo dos games: The Sims. A premissa é simples e conhecida por praticamente todos. Você cria um personagem e controla a sua vida quase que completamente. Qual o desafio então? A resposta é boba e ao mesmo tempo assustadora: que tal a vida? Crescer, estudar, namorar, casar, ter filhos, ter um bom trabalho... coisas tão conhecidas, mas muitas vezes assustadoras, são tratadas de forma bastante simples no game. Você simplesmente diz o que o seu personagem vai fazer e o resto é conseqüência. Bem, também não é exatamente assim. Lembre-se que você está lidando com uma espécie de ''simulação humana'' e como tal, ele ou ela terá seus próprios desejos, necessidades, gostos e mais. Ainda assim, grande parte das coisas é configurável e esta é uma das grandes sacadas de The Sims 3. A equipe de desenvolvimento aprimorou o título de várias maneiras diferentes e uma delas é a forma com que você cria o seu Sim, forma como os ''humanos'' são chamados dentro do game. Diferente dos outros títulos da série, o jogador pode agora selecionar um número pré-definido de informações que permitirão simular a personalidade de seu Sim. Seu Sim é curioso? Tem facilidade para leitura? Que tal ser alguém nervoso e que se estressa fácil? Ou então alguém que já tem uma pré-disposição para fazer o bem? O fato é que a combinação destes fatores, que são vários e bastante diferentes uns dos outros, acaba por criar personagens bastante diferentes uns dos outros, com convicções distintas e outros detalhes bem realistas. Estas características também conferem alguns bônus no dia a dia dos personagens. Por exemplo, se o seu personagem for um ''Devorador de livros'' ele poderá ler e escrever muito mais rápido do que os demais Sims que não tiverem isso como característica básica de sua personalidade, de modo que a leitura sirva também como fonte de diversão. Vale lembrar que existem algumas características que colidem umas com as outras. Por exemplo, você não pode ser medroso e corajoso ao mesmo tempo, portanto é bom prestar bastante atenção durante a fase de criação para que seu personagem seja equilibrado neste aspecto, ganhando tanto características boas quanto ruins, que porventura podem trazer algum benefício apesar de sua natureza. Em relação às características físicas, as mudanças foram bastante modestas desde sua última edição. ?? claro, é possível agora alterar atributos bastante sutis em relação a detalhes no rosto como a sua forma, altura das orelhas e olhos, tamanho de ambos, formato da boca, queixo, enfim, vários detalhes realmente interessantes e configuráveis. Por outro lado, temos uma quantidade pequena de cortes de cabelo e acessórios. Piercings continuam inexistentes, apesar de ser algo bastante normal e popular nos dias de hoje, limitando o personagem a ter até um par de brincos simples. Ok, criado o personagem e escolhidos seus traços de personalidade, chega o momento de decidir qual será o seu grande objetivo de vida. Levando em conta os traços de personalidade escolhidos pelo jogador, o game propõe algumas inspirações de vida, que representam o grande sonho de seu Sim. Os objetivos também estão bastante variados, como se tornar um grande cirurgião ou um astro do rock, mas todos são igualmente difíceis de se conseguir. Isso chega com o objetivo de finalmente definir um desafio para todo o game, de forma que o jogador comece a cuidar da vida de seu Sim seguindo um plano específico. Enquanto nos outros games da série a sua vida surgia e terminava sem um propósito definido, aqui a coisa é diferente. Só isso já deu uma revigorada monstruosa no título, de modo que cada personagem criado conte com a sua própria história, e com um desenrolar bastante realista. Vamos tentar resumir um pouco a nossa experiência com Jubileu, um dos personagens criados para esta análise. Jubileu começou sua vida em The Sims 3 como um jovem adulto, cheio de energia e infelizmente pouco dinheiro na carteira. A justificativa é simples: ele decidiu comprar uma casa humilde em Estranhópoles ??? cidade do game ??? já mobiliada, fato que o ajudou bastante na hora de começar sua vida sozinho em uma cidade pacata como estas. A escolha de comprar uma casa já mobiliada é totalmente opcional, porém de grande ajuda para os iniciantes. Em The Sims 3 o jogador pode escolher um entre dois bairros e cada um oferece ótimas oportunidades de desenvolvimento dentro do game. No fim das contas isso só serve para aumentar ainda mais a longevidade do game - e acreditem: funciona. Durante todo o game o jogador tem acesso a uma espécie de enciclopédia onde cada faceta do jogo é explicada em seus mínimos detalhes. Desta forma ele aprende mais rapidamente os principais comandos disponíveis em The Sims 3, tirando um proveito cada vez maior do jogo. Voltamos então à vida de Jubileu. Sua grande inspiração é se tornar um profissional da música, fazendo sucesso por onde passa, além de esbanjar carisma e habilidade nos instrumentos musicais. Porém existe um problema: por ser naturalmente tímido, isso pode ser uma barreira e tanto. Na tentativa de tentar consertar este pequeno traço falho de sua personalidade, Jubileu decide tentar a sua carreira na política, mas começa por baixo, como um mero varredor de palanques. O emprego lhe ofereceu algumas possibilidades de crescer, mas em pouco tempo o rapaz viu que aquilo não era para ele. Seguir o seu sonho estava cada vez mais difícil à medida que os dias passavam e as contas iam se acumulando. Até que um dia, enquanto cozinhava, percebeu que suas habilidades no preparo de deliciosos quitutes não poderiam ser desperdiçadas. No dia seguinte resolveu procurar um emprego em um dos restaurantes finos da cidade, começando então vida nova. Lá no restaurante ele conheceu Tina, uma das empregadas mais habilidosas do local, fato que o ajudou a construir uma relação interessante com seus colegas de trabalho. Seu bom humor e dedicação, pontos positivos de sua personalidade, o ajudaram a subir rapidamente no lugar, ganhando diversas promoções e se estabelecendo rapidamente como um dos mais requisitados cozinheiros de Estranhópoles. Sua relação com Tina foi se estreitando cada vez mais, até que um dia ambos decidiram morar juntos. A vida de Jubileu ia de vento em popa, contando com um bom emprego e uma pessoa bastante especial ao seu lado. Sua rede de relacionamentos aumentava cada vez mais à medida que sua fama como mestre cuca se espalhava na cidade - de tal modo que algumas pessoas até mesmo o paravam no meio das ruas, pedindo dicas sobre culinária. Bom emprego, uma linda e dedicada esposa e o melhor de tudo: o casal já estava no aguardo de um herdeiro. Mas e a carreira como músico? Como ficou o seu sonho de vida? Será que um renomado cozinheiro deve largar tudo e partir para o seu verdadeiro sonho? Jubilei não perde por esperar e o destino lhe aguarda muitas surpresas... Esse é mais ou menos o clima vivido em The Sims 3. A quantidade consideravelmente maior de ações, além do fator de ser possível passear livremente por toda uma cidade permite que situações consideradas impossíveis nos games anteriores pudessem ser retratadas com mais naturalidade aqui. ?? claro, sempre existem os contratempos de sempre em nosso dia a dia, como uma privada que entope, contas que não param de chegar, relações conturbadas com vizinhos e, se você tiver muito azar, um incêndio repentino em sua casa ou a invasão de um ladrão, levando tudo aquilo que lhe é de valioso e com tanto custo foi comprado. O fato é que as ações feitas em The Sims 3 possuem um impacto muito mais realista, já que tudo se encaixa de alguma forma. Perder o seu emprego pode fazer uma relação ir às ruínas quando um dos dois entra em depressão e não consegue buscar forças para se reerguer. Ou quando o seu emprego começa a ficar muito puxado, a ponto do seu personagem não agüentar mais o tranco. Aliás, algumas mudanças interessantes estão disponíveis agora no sistema de emprego. Como agora nós podemos circular tranquilamente pela cidade temos a chance de irmos calmamente a pé para o trabalho, caso você se programe bem para tal, ou simplesmente pegar um táxi. Você vê para onde o seu personagem está indo, pode ver a fachada do estabelecimento, assistir as pessoas entrando e saindo, enfim, existe um contato muito maior com o seu emprego do que existia antes. Na verdade, o único contato que você tinha antes era com o dinheiro, mais nada. O sistema de promoções ficou também melhor. Todas as vezes que o personagem está no seu emprego, existe a opção de mudar a sua atuação lá dentro. Que tal dar duro e tentar chamar a atenção do chefe? Ou prefere ficar de papo para o ar conversando com os colegas de trabalho? Também existe a opção de treinar o seu ofício e melhorar cada vez mais o seu rendimento, o que garante cargos mais vantajosos em um curto período de tempo. O custo disso é que as chances do seu personagem chegar em casa mais cansado do que o habitual são grandes, então vale dar uma regulada entre uma ação e outra. Outra coisa interessante é a presença das oportunidades de crescimento. Jubileu, por exemplo, recebeu várias destas oportunidades. Uma delas era aprender uma nova receita e colocar seu conhecimento em prática no restaurante. Outra era de simplesmente levar um amigo para comer no lugar em um horário fora do seu expediente normal. Prepare-se para ter grandes surpresas em relação a isso, de forma que a jogabilidade fique em constante mudança ao longo da experiência. ?? difícil citar todas as mudanças presentes em The Sims 3, sendo estas acima as mais importantes e significativas. Mas isso não quer dizer que acabou. A experiência continua fora do jogo com a nova comunidade criada pela Electronic Arts, onde os jogadores podem trocar objetos personalizados, histórias de seus personagens, além de terem um bom nível de interação online. Você criou um objeto interessante e gostaria de compartilhar? Eis aí a sua chance. Tudo isso é concentrado em um portal online, que pode ser acessado diretamente da tela de ''startup'' do game. Alí é possível observar quais são as novidades no mundo de The Sims 3, além de poder adquirir as últimas atualizações do game. E é claro, a Electronic Arts não ia perder a chance de ganhar uma boa grana com isso. Desta forma ela aproveitou a estrutura desta comunidade que gira em torno do game e decidiu implementar um sistema de micro-transações, vendendo novos objetos e opções de customização ''oficiais'', por um preço é claro. Logo de cara, o jogador que registrar seu game online ganha o equivalente a R$24 em SimPoints. E é através desta moeda que o jogador pode ou não adquirir novos produtos. Uma ótima jogada para a EA e um extra interessante para aqueles que procuram sempre conseguir algo original para o seu game. Resta saber agora se teremos as incessantes expansões, já conhecidas da série. Graficamente as mudanças em The Sims 3 foram bastante sutis em relação à segunda versão do game. Em primeiro lugar, sai o character design mais cartoon e entre outro um pouco mais realista. Não existe nenhum motivo aparente para a mudança, mas como o jogo oferece um nível de customização física maior, até que a adoção de um visual mais realista veio a calhar. ?? claro, temos agora alguns efeitos mais bem feitos com o uso de técnicas mais recentes de pixel shader, o que garante refração realista na água e vidros, sistema de partícula que confere mais detalhes às cenas, animações mais verossímeis e menos quebradas dentre outras coisas. A animação facial também melhorou, talvez fruto do novo character design. Ainda assim, fica aquela sensação de que tudo está muito limpo. As cidades não possuem muito detalhes, apesar de serem bem feitas. As texturas são simples e fazem bem o seu trabalho, mas não chegam a chamar a atenção por conta de nenhuma característica especial. Um fato chatinho é que o interior das construções, pelo menos a grande maioria, não é mostrado. Quando seu Sim entra no prédio onde trabalha não é possível ver o que está acontecendo lá dentro. Você simplesmente precisa esperar ele sair, para então prosseguir no jogo. Isso ocorre bastante e talvez seja um pouco frustrante para aqueles que esperavam uma cidade realmente completa e cheia de vida. Apesar disso, todos conhecem que The Sims é uma série em que devemos esperar por dezenas de expansões, algumas bacanas, outras nem tanto. O fato é que isso provavelmente será melhor resolvido mais para frente, tornando o game uma espécie de "investimento para o futuro". A parte sonora está excelente, de verdade. As "dublagens" continuam engraçadas, com os Sims falando sua peculiar língua que no fim das contas não significa nada. As músicas estão presentes em grandes quantidades e isso é possível ver nitidamente quando aprendemos um instrumento musical. O violão, por exemplo, possui pelo menos duas composições para cada nível de aprendizado, indo de barulhos simples e dissonantes a peças inteiras nas seis cordas. A qualidade das composições orquestradas, utilizadas em grande parte do jogo, indo de simples jingles a trilhas sonoras inteiras, também foram muito bem cuidadas pela equipe responsável. Os efeitos estão muito bem colocados e gravados, contando também com uma variedade bastante satisfatória. The Sims 3 mostra que a série de simulação da Electronic Arts ainda tem muito o que oferecer. A evolução do título é notória em algumas partes, mesmo que em outras ela tenha sido um pouco menos aparente. Ainda assim é um jogo que oferece inúmeras possibilidades durante sua vida útil, que por sinal é bastante longa. A interação entre usuários foi uma das grandes novidades e certamente fomentará uma comunidade bastante ativa em torno do game, o que é bom para todos os fãs do gênero. Uma pedida indispensável para aqueles que já curtiam os dois anteriores e uma boa dica para aqueles que sempre tiveram curiosidade de encarar a série, mas que ainda não tiveram coragem. [u]Configuração usada no review[/u] Sistema Operacional: Windows Vista 64-Bit SP1 Processador: Intel Core 2 Quad CPU Q8300 2.5 GHz Memória: 4 GB de RAM Placa de Vídeo: NVIDIA GeForce 9800 GTX+ 512MB VRAM Gamepad USB Microsoft X360 [b]A favor:[/b] - Modificações no jogo vieram a calhar, dando uma renovada na fórmula de sucesso criada por Will Wright; - Sistema de criação de personalidade é bacana e complexo, além de influenciar de forma bastante incisiva no resultado final de suas ações e interação com os demais personagens existentes no game; - Mesmo que não seja exatamente uma cidade completa, é muito bom não ter que ficar enclausurado em sua própria casa, já que agora é possível sair e andar para qualquer lado; - Modificações no sistema de sonhos e recompensas deixou o jogo ainda mais dinâmico e as combinações de inúmeros sistemas diferentes permitiu que o título se tornasse um pouco mais estratégico e realista que seus antecessores. [b]Contra:[/b] - Como comentamos na análise, ainda não é possível ver o interior de todos os prédios presentes na cidade, detalhe que possivelmente virá embutido em alguma expansão futura; - Implementar logo de cara um sistema de mascotes não seria nada mal não é?; - Jogo apresenta algumas quedas de frame-rate bruscas, mesmo em máquinas poderosas. [b]Veredito:[/b] The Sims 3 mostra que a série de simulação da Electronic Arts ainda tem muito o que oferecer. A evolução do título é notória em algumas partes, mesmo que em outras ela tenha sido um pouco menos aparente. Ainda assim é um jogo que oferece inúmeras possibilidades durante sua vida útil, que por sinal é bastante longa. A interação entre usuários foi uma das grandes novidades e certamente fomentará uma comunidade bastante ativa em torno do game, o que é bom para todos os fãs do gênero. Uma pedida indispensável para aqueles que já curtiam os dois anteriores e uma boa dica para aqueles que sempre tiveram curiosidade de encarar a série, mas que ainda não tiveram coragem.
Fonte: Finalboss
Alan Bessa
Enviado por Alan Bessa
Membro desde
23 anos, Santo André/SP
label