.
9.1

Análise do jogo "Tales of Monkey Island Chapter 3: Lair of the Leviathan" para PC escrito por Finalboss

Escrito por Finalboss, nota 9.1 de 10, enviado por marped,
A série Monkey Island tem como um de seus maiores trunfos o humor afiado, com aquelas tiradas extremamente sagazes, e seus personagens também têm um senhor peso nesta impressão. Felizmente, Tales of Monkey Island ??? a recente série episódica da LucasArts, desenvolvida pela Telltale ??? mantém esta chama acesa. Enquanto há uma nova leva de jogadores por conta da versão WiiWare e PC (incluindo aí aqueles que não jogavam na época dos clássicos), os fãs das antigas têm recebido uma boa quantidade de piscadelas para a câmera ??? sabe como é, aquela referência que os seguidores de outrora reconhecerão na hora. O terceiro episódio é rico nestas tiradas de chapéu à série original... e como é de se esperar, fica bastante difícil esquivar dos "spoilers" em potencial em relação aos capítulos anteriores. Portanto, fica aqui o aviso para os usuários mais sensíveis a isto. Em Lair of the Leviathan, o navio de Guybrush é engolido por um gigantesco peixe-boi - só que isto não é o fim da linha para o atrapalhado pirata: existem pessoas vivendo tranquilamente no interior, como Coronado de Cava (um explorador citado em outros episódios da série) e sua tripulação amotinada. Pois é: enquanto Coronado montou um acampamento na língua do bichão, seus três ex-parceiros de navegação decidiram viver a vida no estômago, com direito a abrir uma cantina, tocar música e explorar o mar... mesmo que sem ver o que acontece lá fora. O objetivo é fazer com que o peixe-boi ache seu caminho até o lugar onde a mítica La Esponja Grande ??? que promete curar o vírus vodu de LeChuck ??? o aguarda. Como é de se imaginar, grande parte deste episódio é ambientado no interior do peixe-boi, e a resolução de enigmas do game envolve prestar atenção nos aspectos fisiológicos do bicho, como reconstituir a cóclea (ou caracol) do ouvido dele, assim recuperando seu senso de direção e evitando que fique só nadando em círculos. Só que fica difícil fazer isso com um explorador recluso ??? e potencialmente maluco ??? e os três revoltosos do navio. Ah, e ainda por cima estas duas partes não se dão bem uma com a outra. Este episódio traz de volta dois tipos de enigmas que remetem ao primeiro e quarto "Monkey Island" originais: o primeiro, que lembra o duelo de insultos do título original, envolve ter a respostinha certeira para as frases citadas pelo personagem; o outro lembra o Monkey Kombat do quarto game, sendo que desta vez é um duelo de caretas entre Guybrush e Bugeye, um dos amotinados do estômago (ok, admitimos, esta frase soa muito estranha dentro ??? e fora ??? do contexto. Enfim, coisas que "Monkey Island" faz por você). Este último brinca bastante com o sistema de animação facial dos personagens, com combinações bem absurdas e engraçadas. A variação no estilo de enigmas deste capítulo é um dos seus pontos mais fortes. O maior ponto contra do game é, provavelmente, a claustrofobia do tempo que se passa no interior do peixe-boi ??? chutamos que seja uns 70% do jogo. O aspecto audiovisual mantém algo constante, como a apresentação de um cenário completamente inédito; a impressão é melhor do que a do episódio anterior, The Siege of Spinner Cay, onde era possível notar um leve reaproveitamento de cenários (pelo menos eram os da floresta, né? Quem já viu um monte de árvores juntas, afinal...), pois o único aspecto repetido é o convés do navio The Screaming Narwhal ??? mesmo porque não há grande razão para este mudar. As caretas do duelo contra Bugeye são hilárias, tanto no visual quanto no som (uma das expressões é acompanhada de um sample de voz de Homsar, criatura bizarra do desenho Homestar Runner e presente no adventure Strong Bad's Cool Game For Attractive People). E por falar em vozes engraçadas e visual idem, um queridinho dos fãs da série voltou: Murray, a caveira demoníaca! Falastrão como de costume, o maligno ex-tripulante de LeChuck aparece em grande estilo, com suas tiradinhas megalomaníacas e sinistras, tentando apavorar todo mundo com suas ilusões de grandeza (mas ainda assim ele consegue atazanar a vida do nosso herói, né? Paciência...). Também foi divertido notar as piadas entre episódios, como olhar para o mastro do navio e falar em voz alta: "esse é o mastro do meu navio, The Screaming Narwhal!" e contar com um grunhido de irritação da Morgan, referência a uma reação dela no episódio 2. Por fim, os fãs de longa data reconhecerão uma cena recriada em 3D - Guybrush mergulhando do navio: a tomada de câmera e tudo mais é igualzinha à de Monkey Island 2: LeChuck s Revenge. Até o momento, Lair of the Leviathan é o melhor episódio da série Tales of Monkey Island. A maior variedade nos estilos de puzzle ??? alguns lembram um bocado os duelos de insulto do primeiro "Monkey Island", e a luta de macacos (Monkey Kombat!) do quarto ??? ajudam nesta impressão. Além disto, o roteiro e o humor continuam afiados, e cada vez mais referências bacanas aos outros jogos da série são bem utilizadas. Enquanto vagar no interior do peixe-boi perdido é interessante, é uma pena que tanto tempo do jogo aconteça dentro dele. Ah, sim: se não citarmos o retorno triunfal de Murray, a poderosa caveira demoníaca, é capaz de termos nossos pés puxados (ou mordidos) durante o sono... melhor não arriscar, né?
Fonte: Finalboss
marped
Enviado por marped
Membro desde
Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
label