.
9

Análise do jogo "DiRT 2" para PS3 escrito por Finalboss

Escrito por Finalboss, nota 9 de 10, enviado por Giordano Trabach,
?? curioso acompanhar a evolução de alguns games. A série Colin McRae Rally começou cheia de pretensões e até que conseguiu se destacar bastante dentro do seu gênero de corrida, mesclando sempre belos gráficos com jogabilidade mais voltada para a simulação. E assim foi ao longo dos anos, gerando um total de cinco games, sempre utilizando suas mais conhecidas mecânicas. Mas no mundo dos videogames, ou você evolui com o tempo e apresenta algo novo ou acaba sendo engolido pela concorrência. E foi aí que a Codemasters, empresa responsável pelo desenvolvimento da série, resolveu lançar o excelente Colin McRae DiRT. Mas o que diferenciava DiRT dos demais games do gênero? Além de oferecer foco total na corrida no estilo Rally, o título conseguiu também mesclar com maestria jogabilidade arcade com algo realista, fazendo com que o título pudesse agradar tanto aqueles que procuravam por um desafio mais descontraído quanto os que são aficionados por corridas e estão sempre atrás de novas oportunidades de desenvolver suas habilidades no volante. E a investida deu certo, tanto que o game foi acolhido de maneira bastante positiva, não só pelo público, mas também pela mídia especializada. Quais são então as grandes novidades em DiRT 2, além da infeliz morte do corredor Colin McRae no decorrer do ciclo de desenvolvimento do game? Não demora muito para que o jogador perceba que o grande foco desta versão está nas corridas e competições onde existe mais de um carro na pista. ?? claro, ainda existem os rallys cujo objetivo é terminar o percurso no menor tempo possível, mas é bastante perceptível o aumento de provas onde o competidor precisa lutar pelo primeiro lugar. E quando dizemos lutar, não estamos brincando. As corridas não chegam a lembrar um Burnout ou Destruction Derby da vida, mas ainda assim são bastante acirradas. A jogabilidade sofreu algumas alterações muito bem vindas e que certamente irão agradar muitos dos que curtiram o game anterior. A escolha de níveis diferentes de dificuldade é uma delas. Existem diversas variantes que acabam contribuindo para alterações sensíveis na jogabilidade. Além da forma tradicional de se escolher quão difícil o jogo será, existe também a possibilidade de ligar ou desligar a necessidade de se alterar as mudanças internas dos componentes de seu veículo. Normalmente o seu carro já vem ''pré-configurado'' para as pistas no qual você ingressar, mas existe ainda a possibilidade de escolher configurações distintas para aquele terreno. Se por um lado isso pode auxiliar e muito o seu rendimento durante uma corrida, por outro exige que o jogador tenha um conhecimento um pouco maior sobre o funcionamento de partes específicas do carro, como suspensão, calibragem dos pneus, regulagem de altura dos aerofólios dentre outras características que alteram pouco a pouco a maneira com que seu carro interage com o terreno. Outro fator ligado diretamente ao nível de dificuldade escolhido está relacionado à outra novidade presente no game. Na verdade esta ''novidade'' veio diretamente do game Grid, que é o sistema de segunda chance durante as partidas. Digamos que você esteja indo bem, liderando a corrida, quando de repente, por puro descuido, atravessa por uma inclinação na pista fazendo seu carro capotar e perdendo assim o primeiro lugar. Neste caso, basta pressionar o botão de replay automático, voltar no tempo um pouco antes do acidente e voltar a jogar daquele momento em diante, como se nada tivesse acontecido antes. O número de chances extras presentes em cada corrida está intimamente ligado ao nível de dificuldade escolhida pelo jogador. Isso significa que quanto maior a dificuldade escolhida, menos chances o jogador terá de errar durante uma corrida. Esta possibilidade de corrigir seus erros na íntegra pode soar como trapaça, mas não vai demorar muito para descobrir que este recurso acaba sendo bastante útil. Isso porque a física empregada no game é bem realista, assim como o sistema de danos aplicado nos carros durante batidas e capotagens, fator que pode alterar de forma dramática a forma com que o jogador controla o seu veículo durante uma prova. E como as pistas não são nadas amistosas em relação a seu formato e obstáculos, não é difícil de imaginar as possibilidades que este tipo de sistema pode proporcionar após a primeira metade do game. Alternar entre as câmeras do game também pode ser uma maneira simples de modificar a experiência como um todo e o desafio durante as competições. ?? diferente ter uma visão aérea e uma maior noção do que vem a frente e o que existem ao seu redor do que quando usamos a visão interna do carro, que além de limitar a nossa percepção sobre o que está ocorrendo à nossa volta, ainda acrescenta alguns fatores extras de distração como vidros rachados, água no pára-brisa e outras coisas que acabam tirando a sua atenção do que está acontecendo no game, mesmo que seja por alguns segundos. O efeito disso tudo é espetacular e garante um nível de realismo realmente alto durante as provas, sendo desta forma uma troca: o jogo fica mais realista e você arca com esse realismo extra. Que tal? Além dos rallys de tempo e as competições contra outros participantes, existe mais uma prova bacana. O objetivo dela é fazer com que seu carro destrua várias paredes amarelas espalhadas pelo cenário. Geralmente estas pequenas paredes amarelas estão espalhadas em locais que fazem um uso contrário das forças empregadas nas pistas. Desta forma, se naturalmente o seu carro vai sofrer com a força centrípeta naquela curva, pode apostar que o objeto estará no local mais difícil de se atingir. Não é uma modalidade muito difícil, mas de certa forma serve como treino para alguns destes estágios já que o jogador precisa se policiar mais em como correr naquela determinada pista. A quantidade de conteúdo presente no game é bem razoável. São várias provas divididas geralmente por regiões, além de utilizarem categorias distintas de carros, algo até comum quando falamos de Rally. O mais bacana é a progressão das provas. Inicialmente o jogador conta com somente três eventos distintos, cada um com uma quantidade específica de provas, mas com o tempo outros eventos vão surgindo. Para que isso aconteça, o jogador precisa acumular experiência no mundo do Rally e isso é medido através de níveis, como em um RPG tradicional. Ganhar provas significa experiência, e conquistar boas posições nelas torna as coisas ainda mais dinâmicas. Uma novidade interessante é que agora os demais competidores podem acabar criando vínculos de amizade com você. Sendo assim, não é difícil que alguns deles o desafiem para corridas amistosas, uma espécie de ''revanche'' por ter ganhado deles em alguma prova. Estes eventos isolados geralmente oferecem uma quantidade bem alta de experiência, facilitando ainda mais a vida do jogador. Também existem os eventos do X-Games, que geralmente reúnem os melhores do esporte em corridas disputadíssimas. Além de oferecer uma boa recompensa em grana para os vencedores, estes eventos também podem presentear o jogador com veículos especiais e é claro, muita experiência. Boa quantidade de conteúdo, carros variados, possibilidades de customização... muito interessante, mas e o multiplayer? Como alguns devem lembrar, a experiência multiplayer do game anterior não era das melhores. O jogador simplesmente escolhia um veículo enquanto o jogo escolhia todo o resto, incluindo circuito e tipo de evento. Felizmente esta parte evoluiu bastante e se mostra extremamente sólida nesta nova versão. Diferente do anterior, agora é possível configurar toda a partida, tal como o tipo de prova, veículos usados e também os circuitos. O mais bacana é que durante os nossos testes, não experimentamos nem um pouco de lag, o que tornou a experiência realmente interessante e dinâmica. Infelizmente não existe mais suporte a partidas locais e tela dividida, provavelmente fruto da evolução gráfica presente no título. E por falar nisso, prepare-se para conferir um dos mais realistas games de corrida presentes no mercado até o momento. O visual de DiRT 2 apavora, apresentando cenários bastante detalhados além de inúmeros efeitos especiais que acabam por deixar tudo ainda mais vivo. A recriação de certas localidades, mesmo que não conhecidas, é bem interessante. No interior da China temos casebres feitos de barro e inúmeras plantações de arroz, tal como acontece de fato no país. Enquanto isso, as pistas projetadas para as provas na Inglaterra contam com iluminação especial e uma imensa platéia, que comparece em peso para apreciar as acirradas competições. Outra coisa interessante é o sistema de danos causados nos veículos. No lugar de pedaços voando no simples toque com outros carros, temos alterações mais sutis, ao mesmo tempo que prezam mais pelo realismo dos acidentes. Os carros se destroem sim, mas temos que lembrar que estamos lidando com veículos preparados para este tipo de prova. Isso significa que eles se destroem de forma diferente que um veículo comum, já que a segurança do piloto está sempre em primeiro lugar. Ainda assim, é praticamente impossível terminar uma prova com o carro totalmente inteiro. As partes mais afetadas são clássicas: pára-brisas destruídos, retrovisores deixados no meio da pista e pára-choques que voam após um impacto mais violento. Existe também uma visível deformação na carcaça dos carros, principalmente após capotagens e choques violentos, mas ainda assim não chegamos ao nível de um ''Burnout'', onde os carros quase partem no meio. ?? visualmente crível e isso acaba tornando o espetáculo gráfico apresentado pelo game ainda mais interessante. A iluminação é um outro ponto que sofreu inúmeros ajustes. O primeiro DiRT chegava a abusar do HDR, efeito que simula o excesso de luz especular sobre as superfícies, como se nossos olhos estivessem expostos a uma grande quantidade de luminosidade, de maneira que fique mais difícil detectar contornos e detalhes. Felizmente esta versão traz um equilíbrio muito maior no uso do efeito. Não temos mais aquela aparência de que tudo estava meio ''Over''. Para falar a verdade, é possível assistir a um replay de uma corrida e muitas vezes confundir certos momentos da ação como uma corrida real. De fato, DiRT 2 está muito mais expressivo neste sentido. Querem ver um exemplo? Experimentem correr usando a visão interna do veículo. A câmera treme ao menor impacto, sempre tirando proveito de técnicas como Motion Blur e o próprio HDR, tornando a experiência bastante realista. Ao passar por uma poça d???água, o pára-brisas fica encharcado, tirando a sua visibilidade por alguns segundos. Nas pistas de terra, mais um contratempo: a poeira. Se um carro estiver correndo na sua frente, prepare-se para ter uma considerável redução em sua visibilidade. Tudo isso serve para deixar a experiência cada vez mais interessante, tornando as corridas realmente marcantes. Por fim, chamamos a atenção para a excelente apresentação do título. Os menus são empolgantes de se acompanhar e sempre usam elementos de um grande cenário como base, como por exemplo, o trailer do corredor. Mapas, fotos, pôsteres, enfim, uma boa quantidade de objetos normais servem como base para os menus, tornando o visual do título singular no início ao fim. E nada melhor do que ter um bom conjunto sonoro para complementar tudo isso. Os efeitos sonoros utilizados em DiRT 2 complementam esta aura de realismo presente em torno do título. ?? possível perceber isso de forma mais impactante fazendo uso da câmera interna do carro. Tudo que se ouve são roncos de motor e os objetos presentes na pista batendo contra a carroceria do carro, como pequenas pedras e a folhagem presente em determinadas partes dos circuitos. Experimente jogar nesta visão fazendo uso de um bom sistema sourround e terá uma experiência inesquecível. A seleção musical também é de primeira e se encaixa como uma luva na premissa do jogo. O mais interessante é a transição que acontece entre os menus, com mudanças bacanas na equalização das canções. Uma experiência completa para os amantes dos Rallys. DiRT 2 não traz o mesmo foco presente nos antigos games da série Colin McRae, dando uma prioridade um pouco maior às competições entre vários veículos ao invés das tradicionais provas onde o tempo é o seu maior adversário. Mas é impossível jogar algumas horas de DiRT 2 e não chegar à conclusão de que estamos diante de um excelente título. Os controles são ótimos, a quantidade de conteúdo é boa e os gráficos são de babar, tal como a parte sonora. ?? um game que oferece inúmeras possibilidades de dificuldade o que certamente vai atrair um público ainda maior, além de facilitar a vida daqueles que preferem um game mais arcade a um simulador. ?? claro que existe a chance de aumentar o desafio, fazendo uso das inúmeras opções disponíveis dentro do game, um prato cheio para os hardcores no estilo. [t2]A favor:[/t2] [list]Boa quantidade de conteúdo, com provas que vão abrindo de acordo com a evolução do jogador, além da presença de desafios específicos contra alguns corredores famosos; Corridas realistas e bastante acirradas esperam por você, incluindo a presença de vários níveis de dificuldade distintos e a introdução do sistema de segunda chance apresentado em Grid; Multiplayer finalmente ganhou uma atenção maior e está bastante divertido, com uma quantidade de opções de customização bem superior à presente no game anterior; Gráficos de babar e conjunto sonoro divino fecham com chave de ouro o conjunto da obra.[/list] [t2]Contra:[/t2] [list]Não chega a ser algo ruim, mas a mudança no foco do game, deixando um pouco de lado as provas com tempo, pode desagradar aos fãs mais ardorosos de Rally; Multiplayer está realmente excelente, mas online, porque a opção de tela dividida não existe mais.[/list] [t2]Veredito:[/t2] DiRT 2 não traz o mesmo foco presente nos antigos games da série Colin McRae, dando uma prioridade um pouco maior às competições entre vários veículos ao invés das tradicionais provas onde o tempo é o seu maior adversário. Mas é impossível jogar algumas horas de DiRT 2 e não chegar à conclusão de que estamos diante de um excelente título. Os controles são ótimos, a quantidade de conteúdo é boa e os gráficos são de babar, tal como a parte sonora. ?? um game que oferece inúmeras possibilidades de dificuldade o que certamente vai atrair um público ainda maior, além de facilitar a vida daqueles que preferem um game mais arcade a um simulador. ?? claro que existe a chance de aumentar o desafio, fazendo uso das inúmeras opções disponíveis dentro do game, um prato cheio para os hardcores no estilo.
Fonte: Finalboss
Giordano Trabach
Enviado por Giordano Trabach
Membro desde
23 anos, Espírito Santo
label