.
69

Análise do jogo "Guitar Hero: Van Halen" para PS3 escrito por E-Zine/MyGames

Escrito por E-Zine/MyGames, nota 69 de 100, enviado por Giordano Trabach,
Nos anos 80, no universo musical, havia uma banda que se destacava de todas as outras pelas suas acrobacias incríveis e solos de guitarra fora do normal. Essa banda era Van Halen, um grupo de hard rock/heavy metal que, nos seus tempos áureos, oferecia um espectáculo ao vivo fora do comum, com as acrobacias do vocalista David Lee Roth e os solos de guitarra do virtuoso Eddie Van Halen. Após mudanças de vocalistas, durante os anos, separações da banda e problemas internos, a banda regressou em 2007 com uma tourné mundial, incluindo os membros originais excepto o baixista, o qual foi substituído pelo filho de Eddie Van Halen, Wolfgang Van Halen. Os fãs de Van Halen que se preparem, porque estes são os únicos membros da banda que irão ver durante todo o jogo. O modo carreira não tem nada a ver com os modos carreira que se têm visto nos últimos Guitar Hero, mais principalmente nos Guitar Hero focados especialmente numa banda. Neste modo iremos jogar uma mescla de músicas entre Van Halen e outras bandas, como Blink-182 ou Weezer, numa localização e, para ter acesso a outras localizações, é necessário desbloquear um certo número de estrelas, estrelas estas que nos serão atribuídas ao finalizar as poucas músicas que estão disponíveis no início. Ao contrário de jogos como Guitar Hero: Aerosmith ou Guitar Hero: Metallica, não vamos acompanhar a banda desde o seu início de carreira. Não existe qualquer acontecimento memorável nem duelos contra outros guitarristas de renome. Um dos pontos mais baixos deste título é o facto de não ser compatível com DLC's de outros capítulos Guitar Hero. A falta de extras é inadmissível depois de títulos como Guitar Hero: Aerosmith e Guitar Hero: Metallica; não existem vídeos ???behind the scenes???, vídeos antigos ou algo relacionado com a banda, como factos. Um dos pontos altos do jogo é a dificuldade que as músicas trazem ao jogador, oferecendo um desafio um pouco diferente e bastante divertido. A localização final, que desbloqueia a banda no formato anos 80, oferece um bom desafio até aos jogadores mais experientes em Guitar Hero. Algumas bandas dão a sensação que foram incluídas à ultima da hora, tendo pouca ou nenhuma ligação com Van Halen. A apresentação visual não mostra qualquer melhoria comparativamente com os capítulos anteriores, e as personagens parecem ter sido feitas à pressa, havendo apenas duas versões de cada membro com poucas animações. A versão da banda nos anos 80 padece de qualquer energia, característica comum da banda nessa altura, e da presença do baixista Michael Anthony. As músicas de Van Halen incluídas representam apenas a era do David Lee Roth, sendo que músicas das eras posteriores, como as de Sammy Hagar ou Gary Cherone, não estão incluídas. Numa visão geral, Guitar Hero: Van Halen foi um dos projectos mais preguiçosos com o nome Guitar Hero, notavelmente pela sua falta de extras relacionados com a banda, um modo career muito fraco e a sua incompatibilidade com DLC's. Guitar Hero: Van Halen servia muito bem como um simples DLC, e não como um jogo para venda na loja. [t2]Prós:[/t2] [list]Van Halen Músicas desafiantes aos jogadores experientes[/list] [t2]Contras:[/t2] [list]Animações pobres Poucos ou nenhum extra Incompatibilidade com DLC's Modo carrer muito fraco Poderá agradar apenas aos fãs de Van Halen[/list]
Fonte: E-Zine/MyGames
Giordano Trabach
Enviado por Giordano Trabach
Membro desde
23 anos, Espírito Santo
label