.

Pesquisadores descobrem nova falha de segurança grave nos processadores Intel

Enviado por TecoTecoNaCuia, , 0 comentários
Ano novo, vulnerabilidade nova, novamente a Intel tem seu nome na mídia atrelado a um problema de segurança. Pesquisadores da Universidade de Amsterdã, da Universidade Católica de Leuven, da Universidade de Graz, da Universidade de Adelaide e da Universidade de Michigan descobriam uma nova brecha nos processadores da gigante de Santa Clara. Intitulado CacheOut ( CVE-2020-0549 ), a falha, assim como já tínhamos visto com Meltdown e Spectre em 2018, explora imperfeições no mecanismo de execução especulativa dos processadores, permitindo que o atacante obtenha informações do cache L1 da CPU.

A execução especulativa é uma técnica que melhora o rendimento do processador, atuando num processo de "futurologia", tentando adivinhar qual parte do código precisa ser executada em seguida. Como explica Cleber Brandão, gerente da empresa de segurança Blockbit Lab, uma das faces da moeda dessas falhas é que a produtividade acabou passando por cima da segurança.

Esse novo problema afeta todos os processadores Intel lançados desde 2015, exceto os últimos lançamentos da companhia, os chips da família Ice Lake. Os chips da IBM e ARM, onde mecanismos semelhantes são utilizados, também estão em risco. Os processadores da maior concorrente da Intel, a AMD, não são afetados. A falha CacheOut é classificada como de risco médio pelos pesquisadores. Na escala CVSS, ela recebeu 6,5 pontos (o máximo é 10).


Clique para ver a imagem em tamanho original


Até o momento, a falha foi explorada apenas em um ambiente de testes, em condições de estudo dos envolvidos para poder municiar a Intel com informações sobre esse novo problema. Os pesquisadores envolvidos explicam que a falha representa um grande perigo para os provedores de serviços em nuvem, já que os invasores podem obter acesso aos dados de máquinas virtuais, ignorando todos os sistemas de segurança existentes. A operação CacheOut pode ser "suavizada", desabilitando a tecnologia Hyper-Threading e o TSX (Transactional Synchronization Extensions).

"A engenharia de segurança da Intel (ou melhor, a falta dela) ainda é normal. Esses problemas não são triviais para corrigir. Mas depois de dezoito meses, eles ainda estão esperando que os pesquisadores reúnam provas de conceito de cada pequena variação do ataque para eles? Isso é incrível. Não conhecemos o funcionamento interno da equipe da Intel. Mas não é uma boa olhada do lado de fora, declarou Cristiano Giuffrida, da Universidade Vrije, Amsterdã."

A Intel, que foi avisada pelos pesquisadores com antecedência do problema, já está preparando patches qu serão implementados na forma de atualizações para o sistema operacional ou do microcódigo, com um update de BIOS. Desde 2018 a Intel vem lançando patches e novos processadores com correções via hardware para essas novas descobertas relacionadas a segurança de seus processadores, mas até o momento suas soluções não resolveram completamente a questão. A Intel inclusive declarou que o CacheOut acaba ignorando as atenuações via hardware implementadas durante o caso Meltdown, exigindo que a empresa lance novos patches.Até o momento não foi dito se as correções causarão algum impacto na performance dos processadores.
TecoTecoNaCuia
Enviado por TecoTecoNaCuia
Membro desde
31 anos, Maceió
label
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no CANAL, Facebook, Twitter, e na nossa curadorida da Steam.