.

Phil Spencer: "Seria legal comprar um estúdio japonês"

Enviado por renatito91, , 0 comentários
Ele admite que a farra dos gastos ainda não acabou.


Clique para ver a imagem em tamanho original

Estava destinado ser a E3 do Xbox.

Sem ser incomodada pelo seu maior concorrente pela primeira vez em sua história, a Microsoft poderia ter aparecido com apenas alguns novos anúncios e ainda ter reivindicado a E3 por conta própria. O fato de ter feito isso com uma vitrine repleta de jogos, novo hardware, novos serviços, dois novos estúdios e um Keanu Reeves, deixou claro que o Xbox está vindo com tudo.

Houve uma coisa que uniu todas as revelações da Microsoft na E3 (de Halo Infinite a Project Scarlett, e Project xCloud ao Gears 5) que foi o Game Pass. O serviço de assinatura foi constante durante a conferência do Xbox na E3. Mais da metade dos 60 jogos em exibição estrearão no Game Pass, e a estratégia de expansão e aquisição de estúdios da Microsoft é quase totalmente influenciada por esse modelo de negócios.

A Double Fine é a mais recente empresa de alto nível a se juntar à família de desenvolvedores internos do Xbox, e seu objetivo (juntamente com seus 14 estúdios irmãos) é criar jogos que possam ser usados ​​para atrair e reter clientes no Game Pass.

Falando ao GamesIndustry.biz, o chefe do Xbox, Phil Spencer, admite que a farra de gastos não está de forma alguma terminada. A estratégia será familiar para qualquer um que tenha seguido a história da Netflix. A plataforma de streaming de TV teria gastado entre US $ 12 e US $ 13 bilhões em conteúdo no ano passado, e esse número deve subir este ano.


"Eles estão expandindo seus negócios", observa Spencer. "Eu acho que eles fizeram um bom trabalho ao investir para onde eles veem o negócio. Para nós, como a Microsoft, temos o apoio da empresa por trás de nós. Satya Nadella, nosso CEO, e Amy Hood, nosso CFO, e nosso conselho, veem os jogos como uma importante categoria de crescimento. Você pode olhar para o nosso P & L de nossa empresa, não gastar US $ 12 bilhões em videogames hoje, mas conforme as assinaturas crescem e atingem mais clientes, acho que é importante para nós continuarmos investindo em conteúdo. Não é todo ano que vamos adicionar sete novos estúdios, mas acho que é importante observarmos os alvos específicos que precisamos."


Não há cota de aquisição para Spencer e sua equipe atingirem. Em vez disso, o objetivo é encontrar desenvolvedores que possam adicionar algo diferente para o Game Pass.


"Uma das coisas que eu amo sobre Tim [Schafer] e a equipe da Double Fine é que eles constroem jogos diferentes em relação ao que nossos outros estúdios constroem", diz ele. "E isso é importante. Porque assim como no vídeo, assim como na música, não há uma música que todo mundo adore. Não há um filme, nem mesmo um gênero que todo mundo adore. Então, com o Game Pass, nós pensamos sobre milhões de jogadores diferentes e os diferentes tipos de jogos que eles vão jogar. Essa diversidade é realmente importante."



Ele continua: "Eu acho que seria bom se nós encontrássemos um estúdio asiático, em particular um estúdio japonês, para adicionar [aos nossos estúdios]. Eu gostaria se nós tivéssemos alguns estúdios first party no Japão. Nós temos uma pequena equipe, mas acho que podemos fazer mais que isso. Eles disseram, através de nossas viagens ao Japão, que amariam ver Phantasy Star de volta ao nosso palco com a Sega - eu achei fantástico. Miyazaki-San, antes com Dark Souls e agora com Elden Rings no nosso palco... os criadores japoneses tem aparececido mais e mais."


Se o Game Pass continuar crescendo, a Microsoft precisará comprar estúdios ou adquirir conteúdo. Embora tenha uma grande variedade de jogos clássicos, ele precisa de novos títulos para não apenas trazer novos assinantes do Game Pass, mas mantê-los lá. Embora existam jogos multiplataformas incluídos no Game Pass, a Microsoft precisará de conteúdo próprio que entre no lançamento.

Na verdade, as maiores publishers estão desenvolvendo seus próprios serviços de assinatura (como EA e Ubisoft), ou rejeitam completamente a ideia do serviço. O CEO da Take-Two, Strauss Zelnick, disse no mês passado que um modelo de assinatura é um "negócio terrível para os editores".


"Eu vou dizer hoje que os parceiros que temos no Game Pass estão vendo que estão encontrando mais jogadores com seus jogos", defende Spencer. "Para nós, olhamos para os primeiros jogos que estreamos no Game Pass... vendemos mais cópias desses jogos do que achamos que teríamos se não estivessem no Game Pass. Porque hoje, o marketing de jogos é muito sobre o que a comunidade está jogando e sobre como ter um anúncio em algum lugar. Então, State of Decay 2 foi um jogo que estreou no Game Pass, e quando foi lançado, milhões de pessoas começaram a jogar, o que aumentou a divulgação do jogo.''



"Tivemos 34 jogos em nosso palco [na E3] que estão estreando no Xbox Game Pass, e estamos encontrando grande suporte de nossos parceiros. Mas também estamos sempre ouvindo. Não vou dizer que sempre temos todas as respostas hoje, os jogadores adoram: lançamos o Game Pass para PC, com mais de 100 jogos para um player de PC, e depois criamos o Ultimate [um novo nível de assinatura com o Game Pass para console, PC e Xbox Live Gold]. Acho que tivemos uma reação tão grande quando anunciamos que nossa loja parou um pouco."



Spencer continua: "Eu diria que a diferença do Game Pass, em relação a algumas outras assinaturas, é apenas sua escala. O Game Pass está no ponto em que tem milhões e milhões de inscritos. Quando você coloca um jogo no Game Pass, você instantaneamente alcançou milhões de pessoas que podem jogar o seu jogo. Se você tem algo para comprar no jogo, se houver conteúdo adicional, você está obviamente alcançando mais jogadores.''



"Mas isso só aumenta a divulgação. Um dos jogos que eu estou jogando agora é o The Outer Wilds [Obsidian Entertainment]. Eu acho que é um jogo fantástico para o Game Pass. Porque é um grande jogo - você tem que frisar isso - e não é uma IP que alguém conheça, e você não vai ver um anúncio de televisão para ele. Então ele lança no Game Pass, sim, algumas pessoas vão optar por se inscrever para jogar, mas muitas pessoas escolherão que eles querem possuir seus jogos, e é por isso que oferecemos essa escolha. E no PC, estamos até mesmo dando a você a escolha de quais lojas você quer comprar. Colocamos nossos jogos para PC no Steam e em nossa própria loja."


Spencer repetidamente deixa claro na conversa porque o PC é um grande negócio para o Xbox. O Project Scarlett pode ter sido o anúncio do novo console, mas, no final das contas, é outra ferramenta para levar as pessoas ao Game Pass. E o PC desempenha o mesmo papel.

No entanto, a relação entre PC e Xbox é fácil de ignorar, porque já estivemos aqui antes. Várias vezes, na verdade. Disseram-nos como o PC é vital para os planos da Microsoft, até porque ele pode ser uma porta de entrada para o Xbox, talvez com o Age of Empires.


"O próximo passo para nós é mostrar ao jogador de PC que estamos tão comprometidos com ele quanto estamos no console [com o Game Pass]", diz Spencer. "Quando lançamos ele [Game Pass] no console há dois anos, havia algumas perguntas da comunidade sobre se eram apenas jogos antigos e 'não sei se quero me inscrever', o que era justo. Vimos os inscritos crescerem e, em seguida, adicionou nossos first party, e agora temos muito mais multiplataformas que estão estreando seus jogos. Ele se tornou uma força realmente positiva nos jogos, na minha opinião.''



"Então, acho que temos essa mesma jornada com o cliente do PC. O cliente que não possui um Xbox, não possui um console - não quer, também - eles querem jogar no PC. Há um sistema saudável. Há um certo ceticismo sobre se somos realmente fiéis a esse cliente. Ou isso é apenas mais um truque para fazermos que eles comprem um Xbox? Não é verdade. Então, acho que nosso próximo passo, honestamente, é cumprir a promessa de levar o Game Pass para o PC.''



"Mas eu acho que se você olhar para fora, você diz: eu quero ter algum jeito de ter acesso a jogos, eu posso comprar um PC de jogos, eu posso comprar um console, talvez haja algo que eu possa assinar que me dê acesso a [um console] na nuvem. Então, eu quero ter uma assinatura com os jogos que eu seja capaz de jogar, acho que há um desbloqueio para conseguir mais pessoas para jogar, facilitando a aquisição de jogos para mais pessoas. Estamos num momento em que somos uma das poucas indústrias que ainda vendem conteúdo por US $ 60. Mas sabemos que quando você alcança o mercado mais amplo, então tem um modelo de preço mais variável que permite que as pessoas entrem onde podem pagar, isso é importante."


A terceira maneira de acessar o Game Pass será o Project xCloud. O serviço de streaming é a maneira da Microsoft trazer a enorme população de jogos que não possui um PC ou um console. Mas Spencer não está esperando que isso aconteça da noite para o dia, e ele acredita que, para a maioria dos jogadores, o xCloud será algo adicional.


"Sabemos que os primeiros clientes do xCloud serão pessoas que possuem um Xbox. Será: 'Ah, quero jogar meu Xbox quando estiver fora'. No mês passado, Catherine [Gluckstein, chefe de equipe / estratégia do Xbox] e eu estávamos na África. Não há muitos Xbox One's na África. Não há muitos consoles de jogos. 1,2 bilhão de pessoas no continente africano. A idade média dele é de 19 anos. Eles conhecem Fortnite, conhecem Halo, conhecem Gears of War. Eles simplesmente não têm um dispositivo.''



"Há jogadores lá, mas o dispositivo que eles têm é um telefone Android. Então, hoje eles estão por fora do que uma E3 é - fora de assistir - por causa da infraestrutura que eles têm.''



"Quando penso nos dois bilhões de jogadores em todo o mundo, que é um número que triplicou nas últimas duas décadas, eu realmente penso em como atendermos os dois bilhões que jogam hoje com o máximo de conteúdo e serviços que podemos oferecer, mas também ir a lugares como a África. Eu estava olhando para alguns dos números do PUBG mobile na Índia e eles são loucos - eles tiveram 100 milhões de downloads ou algo assim. Você vê esses mercados onde os jogos podem crescer para os próximos dois bilhões ou ainda mais... Há sete bilhões de pessoas no planeta. Para mim, acho que todos deveriam jogar videogame."


Claro que ele faz, e o streaming pode ser a solução mágica para chegar de alguma forma lá. Mas Spencer não espera que de repente substitua o hardware do console.


"Temos mais dispositivos ao nosso redor do que nós já tivemos. Não é que a nuvem tenha alterado tudo o que você faz e todos nós estamos apenas carregando dispositivos sem utilidade. Essa coisa [aponta para o smartphone] é tão poderosa quanto um Xbox original, talvez até como um Xbox 360. Então este mundo... onde todos os seus dispositivos locais desaparecem, e tudo está na nuvem, não é o mundo que vejo hoje. O que eu vejo hoje - e o que chamamos na Microsoft - é um híbrido com a nuvem. Há computação local cada vez mais à nossa volta, mas tudo é sincronizado via nuvem e, em certos casos, entregue via nuvem.''



"A experiência de mais alta fidelidade nos jogos, durante anos, será jogada a partir de um dispositivo local que tenha uma conexão direta com aquela televisão e uma conexão direta aos seus jogos. Eu não estou tentando dizer que o xCloud será uma maior experiência de fidelidade do que a experiência que você tem hoje em um console. É outra opção para você jogar, mas é uma escolha diferente."


"Escolha" é um pouco do slogan corporativo da Microsoft, embora tenha se originado de uma época (lançamento do Xbox One) quando não oferecia opções aos consumidores. Hoje, os planos do Xbox One parecem estar à frente de seu tempo, mas a Microsoft aprendeu da maneira mais difícil que você não pode forçar a mudança.


"Quando falamos sobre o xCloud, não dizemos 'seu console está ruim, você deve transmitir' ou 'parar de jogar no seu PC'. Você quer comprar um jogo, baixar um jogo e jogá-lo no seu Xbox ou PC local, nós damos-lhe uma tonelada de opções para fazer isso. Nós vemos a nuvem como uma forma de estender a experiência que você está tendo, para um dispositivo que hoje você não pode ir jogar esses jogos. Mas nós não estamos tentando dizer-lhe que essa é a única escolha. A questão sobre ser muito cedo é quando eu tento te dizer o que você deve fazer. Aí eu estaria sendo uma plataforma que não está escutando."


Ao contrário do streaming, o Game Pass está se tornando um modelo de negócios comprovado. Ele teve uma rápida aceitação do público do Xbox, está gerando receita forte, está ajudando na divulgação e agora há um grande grupo de jogadores de console que possuem a mesma linha de jogos. Há dúvidas sobre se isso é comercialmente viável para desenvolvedores e editores, e se os jogadores realmente terão títulos suficientes para justificar uma taxa mensal, mas há claramente um forte impulso por trás do modelo.

No entanto, modelos como este, conceitos como streaming, e que o número de dois bilhões de jogadores que a Microsoft lança atrai alguns concorrentes importantes. A Sony pode não estar na E3 este ano, mas há algumas empresas de entretenimento ainda maiores para temer além dela.


"Eu realmente não estou com muito medo. Talvez isso seja uma desvantagem para mim", conclui Spencer. "Eu acho que é uma E3 interessante este ano. Phil [Harrison] fez sua apresentação na quinta-feira com o Google Stadia. Amazon está aqui com o Twitch. Eu posso ver roxo em todos os lugares. Eu sei que a Netflix acabou de fazer uma palestra. Eu sou velho o suficiente para lembrar da E3 quando era THQ e Sega, e o Xbox eram os novos garotos que chegavam. Mas agora você olha para as empresas que estão aqui, e há um mercado de quase trilhões de dólares... algumas das maiores empresas do mercado / planeta estão aqui na E3.




"O que me fortalece é que estamos nessa indústria há décadas. Temos grandes parcerias com criadores de conteúdo e com outras empresas de plataformas. Somos uma grande editora como a Sony e a Nintendo. O fato de sermos parte da indústria de jogos, e tem sido assim por muitos anos, nos ajuda à medida que olhamos para frente, mas claramente, como outras grandes empresas estão entrando e investindo, é um momento divertido estar na indústria agora, porém não diria que estou com medo."
renatito91
Enviado por renatito91
Membro desde
27 anos
label