.

Halo 5: Guardians Hunt The Truth Boletim 10

Enviado por Anônimo, , 702 visualizações, 0 comentários
Nessa semana, duas novas imagens foram subidas no site Hunt The Truth, como sempre ligadas ao episódio anterior dos podcasts semanais de Ben Giraud, podendo conter algo que venha a ser citado no seguinte. Segue abaixo as imagens com suas respectivas legendas traduzidas:

Heróis Caídos

[img]hide:aHR0cDovL3d3dy5oYWxvcHJvamVjdGJyYXNpbC5jb20uYnIvd3AtY29udGVudC91cGxvYWRzLzIwMTUvMDUvdHVtYmxyX25vcm56NUZqT3cxdW9rcGExbzFfMTI4MC0zMDB4MjE5LmpwZw==[/img]

"Parecia que toda a humanidade estava em luto. Havia memoriais em toda parte. Mas foi um em Biko, onde eles acharam o corpo de Richard Sekibo, aquilo eu não conseguia tirar da minha mente."

Pânico nas Ruas

[img]hide:aHR0cDovL3d3dy5oYWxvcHJvamVjdGJyYXNpbC5jb20uYnIvd3AtY29udGVudC91cGxvYWRzLzIwMTUvMDUvdHVtYmxyX25vdmdiaWZsMnExdW9rcGExbzFfMTI4MC0zMDB4MjAwLmpwZw==[/img]
"Ficar incógnito me cortou completamente. Escolas fechadas, a paranoia… as multidões de milhares de colonistas, gritando pela cabeças da ONI."

Essa semana, foi lançado o episódio número 09 de Hunt The Truth, com o nome de "PHAMTOMS", segue abaixo o áudio e sua tradução:

[url=hide:aHR0cHM6Ly9zb3VuZGNsb3VkLmNvbS9odW50dGhldHJ1dGgvZXBpc29kZS0wOS1waGFudG9tcw==]Clique aqui para escutar o Audio[/url]

[spoiler=Clique aqui para ler a tradução]Benjamin: Sim, só não se mexa muito, isso atrapalha o som.

Anthony: Ah, imaginei.


Tudo estava chegando a uma conclusão. Em algumas horas, FERO iria hackear uma sessão a portas fechadas entre a UEG e a ONI e eu iria expor toda a verdade sobre os segredos da Inteligência para os senadores. Tendo Petrosky gravando remotamente uma afirmação tão ousada assim, iria me dar uma variável a menos para me preocupar. Mas eu ainda estava esperando por alguns materiais de Mshak e não havia tido notícias de FERO o dia todo. Eu estava urgentemente tentando juntar as coisas. Eu estava desesperado.


Benjamin: Vai, vai…


Considerando que ele iria acusar a ONI de violações atrozes, Petrosky parecia bem calmo. Ele quis jogar conversa fora sobre o Chief.


Anthony: Então… que traição. Você acha que é real?

Benjamin: É, eu acho. É o que as pessoas estão dizendo. Você pode ficar sentado assim, por favor?

Anthony: O Master Chief… Caramba, essa vai ser complicada pro relações publicas da ONI, hein? Você sabe, todos os militares vão se sentir como se isso fosse uma festa do pijama ou algo assim.


Três dias atrás, FERO vazou um relatório de incidente suprimido da embaixada das Colônias Exteriores que deixou todos desacreditados sobre o que tinha ocorrido. Vinte e quatro horas depois, FERO jogou a verdadeira bomba, um vídeo de segurança daquela mesma embaixada. De acordo com isso, tudo no relatório era verdade: o Master Chief transformou acordos de paz em algo estremecido, o que custou dezenove vidas. O choque do segundo vazamento imediatamente transformou-se em um ultraje, pulverizando a todos na mesma geografia familiar: os patriotas enfezados da Terra contra os survivalistas das Colônias Exteriores. Era o mesmo regionalismo sob encomenda que era recente demais para nos achar. E agora, todas essas velhas ideologias estavam rastejando de volta. Mascarando opiniões, raivosamente escancarando as cicatrizes. Enquanto isso, Master Chief, o assunto de toda a minha investigação, estava se tornando o homem mais procurado da galáxia. Eu nem mesmo tive uma chance de cavar isso a fundo.


Anthony: Então, você acha que ele fez isso?

Benjamin: Quê?

Anthony: Você acha que o Master Chief atirou naquela embaixada em Biko?

Benjamin: Ah…

Anthony: Talvez ele finalmente tenha descoberto… Talvez ele tenha achado que ainda estão lutando contra insurgentes ou algo assim, eu não sei. Mas cara, trabalhando pro Covenant? É um exagero, certo?

Benjamin: Eu realmente não sei, cara, me desculpe, nós ainda temos que analisar por camada.

Anthony: Tudo bem.


Nós estávamos ficando sem tempo, e eu precisava de que Petrosky mantivesse o foco. Nós começamos a gravar. Eu pedi a ele que se apresentasse e contasse ao mundo sobre o Programa Spartan. E daí em diante, ele estava totalmente concentrado.


Benjamin: Então… diga quem você é e depois faça o que tem que ser feito.

Anthony: Ok… Eu sou Anthony Petrosky, soldado aposentado da divisão de ODSTs. Estou depondo por livre e espontânea vontade, não estou sob as diretrizes de partido algum, e desejo fazer a seguinte afirmação: em abril de 2525, eu estava servindo no UNSC Atlas. Eu testemunhei em primeira mão um incidente envolvendo um homem de doze, treze anos que se identificava como John-117. Ele havia cicatrizes extensas em seu torso, consistindo no tipo de cicatriz pós-processual que eu vi em spartans recém doutrinados. E sob ordens de um suboficial da ONI, John assassinou dois ODSTs e feriu gravemente outros dois em um ataque que excedia notavelmente a habilidade natural humana.


Ele não gaguejou. Sua voz não tremeu. Seus pensamentos eram claros como cristal, ditos com propósito, como se ele estivesse esperando por toda sua vida para falar com toda essa convicção. Após a carreira militar que tomou seu braço esquerdo, Anthony deveria ter recebido a oportunidade de uma vida digna. Em vez disso, ele se tornou um dos sem-número de militares aposentados que o governo deixou para trás. Mas esse era seu momento, e ele nunca soou tão vivo. Ao passo que ele expunha seu desafiador depoimento sobre o melhoramento biológico da ONI com crianças, eu sabia que FERO estava certa. As palavras de Petrosky iriam humanizar a história e persuadir até mesmo os senadores mais aborrecidos a ouvir. Eu tinha exatamente o que precisava de Petrosky.


Anthony: Estou depondo com certeza absoluta de que a velocidade, poder e coordenação dessa pessoa eram categoricamente impossíveis sem os benefícios de toda uma bateria de melhorias a nível militar. Além disso, o Escritório de Inteligência Naval não deveria ter ordenado supressão absoluta de nenhuma responsabilidade sobre esse incidente. Foi coação, abuso de poder. Somos ordenados a nunca falar disso publicamente… E aí, como foi? Ficou bom?

Benjamin: Sim! Foi incrível, eu não poderia te agradecer o bastante.

Anthony: Tudo bem, tenho que ir.


Agora eu estou apenas rezando para que Mshak entre em contato, FERO possa penetrar o mais eficiente sistema de segurança da história e eu pudesse espionar uma reunião entre as pessoas mais poderosas ainda vivas. Eu precisava de um milagre. Eu precisava de que isso acontecesse nos próximos noventa minutos.


Sou Benjamin Giraud e essa é a Caça À Verdade.


Benjamin: Ah, Deus, o quê eu tava pensando?


Enquanto eu tentava e falhava repetidamente entrar em contato com Mshak, eu estava tentando não pensar demais no que eu tinha planejado até então, particularmente, porque soava absurdo. Eu estava tentando corroborar minhas acusações contra a ONI tendo Mshak Moradi convertendo dados vazados de teorias de conspiração em documentação que um senador iria achar convincente. Mas eu não tinha tempo para repensar o plano, eu precisava dos documentos. Minhas ligações para Mshak continuavam caindo, havia alguma coisa acontecendo, as redes estavam uma bagunça. Eu não tinha tempo pra isso e estava começando a entrar em pânico. Foi quando uma mensagem das Colônias Exteriores finalmente chegou.


Benjamin: É melhor que seus arquivos façam sentido, Mshak.


Mas não havia arquivos. E não era Mshak. A mensagem era de Katrina, a velha amiga de John que Ellie Bloom me deu o contato. A mulher que me contou sobre a morte de John. Eu não havia falado com ela há semanas.


Katrina: Ei, Ben. Eu não sabia mais pra quem ligar, então… eu estava esperando que pudesse me dizer que feedback está tendo das Colônias Exteriores essa semana.


Eu não tinha ideia do que os ouvintes estavam pensando. Desde que cheguei aqui eu não ouvi nenhuma mensagem deles. Estupidamente, quando eu configurei a rede, eu não verifiquei a segurança do feed, e agora, eu temia que se eu tentasse acessar o que as pessoas estavam dizendo, a ONI rastrearia minha nova localização. Eu descobri, após meu ultimo episódio, que a revelação de que a ONI teve as Colônias Exteriores como principal fonte para a abdução de crianças causaria uma forte reação. Mas do jeito que Katrina falou, a reação poderia ser mais forte do que eu poderia imaginar.


Katrina: Ele estava ficando louco. Alternando entre serviços locais de ChatterNet como se fosse há cinquenta anos atrás ou algo assim. São mentirosos comuns. Estão em toda parte, expondo suas demonstrações nas ruas, milhares de pessoas falam sobre ele e conspiram sobre. Gente falando sobre como precisamos nos preparar para boicotes, a UEG fechando… eu não sei. Parece pacífico no momento, eu acho que devíamos sair do planeta, caso as coisas desmoronem. Eu queria esquecer disso. Eu não sei se estou sendo paranoica, mas sinto que talvez alguem esteja me observando por te ajudar. E a Ellie está no mesmo barco. Todas essas quedas de força e interrupções de serviço repentinas. Da ultima vez que falei com você todo meu sistema foi invadido por arquivos corrompidos e toda a minha vizinhança ficou sem luz. Eu não sei. Se tem alguem atrás da gente, eu estou preocupada. Então, se você sabe algo sobre isso ou o que podemos fazer para nos proteger, quero dizer…


A mensagem de Katrina foi cortada. Eu não tinha ideia do que estava acontecendo, eu não tinha ideia do que o governo central iria fazer, eu não tinha ideia de como ajudar essa mulher ou a Ellie ou suas familias ou qualquer outra pessoa. Estávamos todos no escuro. Tudo que eu podia fazer era apresentar a verdade nua e crua aos senadores e esperar que eles nos ajudassem. E eu estava ficando sem tempo para tornar aquilo realidade. Felizmente, Mshak finalmente emergiu do mundo subterrâneo.


Mshak: Então, eu já mandei.

Benjamin: Perfeito! Eu já recebi. Obrigado, obrigado. Espero que seja o bastante.

Mshak: Você deve ter uma prova de que houve um padrão de abduções, particularmente nas Colônias Exteriores.

Benjamin: Eu vi, gostei disso. Parece sólido.

Mshak: E eu também fiz uma limpa nos dados da polícia que mostravam uma das crianças abduzidas voltando pra casa e encontrando seu clone.

Benjamin: Um dos suicidas?

Mshak: Sim. Um oficial recebe uma ligação de que houve uma invasão à domicílio desse casal de meia idade e seu filho que está numa cadeira de rodas. Ele pergunta se houve alguma vitima ou algo do tipo e analisa a situação. Não teve nenhum tipo de confronto, coisas de valor faltando e ainda falaram que o garoto teve sorte. O que aconteceu foi que ele entrou na casa, foi até o quarto do filho, o filho se assustou com a cena, blá, blá, blá, tudo pareceu estar bem. Enquanto escrevia o relatório, o oficial foi surpreendido por um som, possivelmente tiros em algum lugar ali perto. O mesmo oficial saiu para olhar um tempo depois e descobriu um corpo em um campo próximo. A criança definitivamente teve uma morte auto-infligida.


Esse foi o relatório que o oficial expediu. Não levou muito tempo.


"Exatamente a mesma criança. A criança da casa. Quero dizer, parecia um irmão gêmeo idêntico. Eu não sei o que dizer."


Os dados médicos que Mshak mandou junto com o áudio fez a figura ainda mais horrorosa. O filho estava numa cadeira de rodas porque meses de procedimentos médicos haviam o deixado com lesões permanentes nos nervos desde que ele tinha seis anos de idade, sob tratamento para autoimunidade e distúrbios cognitivos significativos. Aqueles procedimentos que o deixaram paralisado eram bastante idênticos aos dos registros médicos de John. Antes que os sobreviventes tivessem sido removidos dos dados, esse garoto era um dos pontos no gráfico de dispersão de Mshak de prováveis clones. Eu não sabia o que dizer.


Mshak: Eu percebi que é bagunçado. De qualquer maneira, se você puder usar ou não, pelo menos agora você sabe.


Eu não tive tempo suficiente para refletir sobre essa nova peça, então eu fiz a difícil escolha de não usá-la. Mas ouvir outra historia de terror da ONI me deixou ainda mais determinado a escancarar tudo. Eu só precisava de que FERO aparecesse nos próximos minutos com a solução milagrosa e abrisse a porta.


Benjamin: Obrigado, Mshak. Então tudo vai acontecer em… ah…

Mshak: Não fique nervoso, você se sairá muito bem. Tenho todos meus canais abertos, prontos para o momento. Os senadores estão se dispondo a encontrar a ONI, é o tipo de conversa que dá pistas. Então não se preocupe. Vai dar certo.

Benjamin: Obrigado, cara. Eu vou…

Mshak: Ei, bem rápido. Eu sei que você está bem com a sua perseguição da honra, mas assim que puder, você precisa se informar do que está acontecendo nas Colônias Exteriores. O último episódio está causando o maior furor, precisamos falar sobre…

FERO: Ben vai te ligar de volta.


Hackeando e cortando Mshak, uma entrada ainda mais dramática de FERO. E essa foi um momento muito breve.


Benjamin: FERO, o que está acontecendo? Estou pronto, você já achou o caminho para entrar?

FERO: Eu já estou dentro. E é assim que vai funcionar. Você vai aprontar os arquivos para upload, eu vou assegurar a conexão e te dar um canal direto à reunião. Você vai apresentar o depoimento de Petrosky, upar os arquivos e fazer o caso. Rapidamente, pois eles farão tudo que estiver ao alcance para nos desligar. Eles até mesmo podem rastrear sua localização. Se eu ouvir interferência demais eu terei que usar um feed de mão única, então nós podemos até ficar cegos, mas eles ainda vão ver e ouvir tudo que disser enquanto eu puder manter a conexão aberta. Você está pronto para jogar de verdade?


Eu tinha que estar.


Benjamin: Sim.

FERO: Ótimo. Estou te colocando dentro agora. Vá para a verdade, Ben.


Então era isso. Todo e qualquer pedaço de integridade enquanto jornalista que ainda me restava estava prestes a ser exposto. Eu tinha uma opinião fortemente tendenciosa e eu iria entregá-la aos mais importantes legisladores no governo. Isso não era apenas uma exposição das obras da ONI, mas uma acusação que constituía um alerta para a realidade. Eu apenas esperei que os senadores me escutassem. Não havia áudio, mas de repente eu tive ampla visão da câmara do congresso na qual aconteceria a reunião. Eu não podia acreditar que isso estava acontecendo. Eu observei a sala. Os doze senadores representando as forças armadas pareciam estar lá, três dos seis diretores da ONI alinhados na frente deles. Meu coração estava acelerado. Aí, eu vi alguém a mais.


Benjamin: Espere, aquele é o Sully?

FERO: Ben, você vai ao ar em três, dois, um…


Eu vi o meu rosto aparecer na tela principal na ponta da sala. Os movimentos pareceram parar ao passo que todos os olhos se voltaram para mim. Por um momento, eu congelei.

E aí eu comecei.


Benjamin: Senhores representantes do Governo Unificado da Terra e do Escritório de Inteligência Naval, meu nome é Benjamin Giraud. Eu fui um jornalista contratado pelo Comandante Michael Sullivan para fazer um perfil do Master Chief Petty Officer John-117 e meu contrato foi terminado por expor um grande encobrimento de fatos pela ONI e seus agentes.


Enquanto eu falava, eu tentava olhar para a câmera e ignorar o retorno. A imagem do meu próprio rosto falando para uma sala cheia de pessoas supremamente poderosas me distraía incrivelmente, embora eu pudesse ver de canto de olho que estava funcionando. Eles estavam ouvindo. Aí meu feed ficou preto.


FERO: Continue falando, Ben. Eu tive que cortar o retorno mas você ainda está ao vivo na sala.


Eu tentei me focar.


Benjamin: ONI passou por grandes procedimentos para manter vocês e o público longe de saber informações críticas sobre o programa Spartan, sua falta de controle institucional do Master Chief nas Colônias Exteriores e as modificações genéticas de crianças abduzidas que eventualmente se tornaram guerreiros como o Master Chief. O que estou prestes a lhes mostrar é um depoimento do ODST Anthony Petrosky em relação ao programa Spartan.


Enquanto eles escutavam o depoimento de Petrosky, eu estava começando a duvidar se eu ainda estava ao vivo ou não. Foi quando recebi uma mensagem de Sully, que dizia:


"Você está fora de controle, Ben. Última chance de parar."


Eu respondi:


"Não posso ser um cúmplice de um crime que você e o resto da ONI cometeram. Não mais. Já acabei."


Houve uma breve pausa, e ele respondeu:


"Sim. Você acabou."


Meu estômago revirou. Mas eu não ia voltar atrás.


FERO: Você vai ter que terminar rápido, Ben. Eles estão tentando fechar a conexão e eu não vou poder mantê-la por muito tempo.


Quando Petrosky terminou, eu comecei a editar minha peça final, cortando toda e qualquer parte desnecessária. Então, era hora de trazê-lo à tona.


Benjamin: Senadores, para o programa Spartan, a ONI sequestrou crianças pequenas e ilegalmente produziram clones destinados a morrer para substituí-las. Eles mantiveram as crianças como propriedade do governo, sujeitando-as a um regime de treinamento horrível e sem ética e mais tarde, a perigosas intervenções biológicas enquanto ainda estavam crescendo. Foi assim que eles criaram os spartans. Metade dessas crianças muito provavelmente não sobreviveram. Eu providenciei a vocês arquivos que corroboram minhas afirmações, já que isso é uma grave violação dos direitos humanos. Eu peço que revisem tais documentos com mentes abertas. A ONI passou por muitas coisas para esconder essa história incluindo fabricações elaboradas…

FERO: Vai acabar, Ben.

Benjamin: Eu também providenciei claras evidências desse encobrimento perturbador…

FERO: Vamos lá…

Benjamin: Assim como evidências em áudio das ameaças que recebi nas ultimas semanas por perseguir essas informações…

FERO: Estou perdendo o feed.

Benjamin: Eu corri um grande risco à minha segurança pessoal…

FERO: Vai, vai, vai…

Benjamin: E tudo que eu espero é que olhem pros fatos e levem isso aos diretores da ONI…

FERO: Continua.

Benjamin: E a todos os responsáveis por essas atrocidades… obrigado pelo seu tempo.


O feed foi cortado no último momento, eu estava em choque. O que tinha acabado de acontecer?


FERO: Perfeito! Agora vamos deixar queimar. A revolução começou, Ben. E você foi a faísca. De agora em diante, você está sob nossa proteção.

Benjamin: FERO?


Ela se foi. E a minha cabeça estava cheia… eu me sentia como se estivesse num sonho. O que eu tinha feito?

Eu olhei a última mensagem de Sully, sua resposta a quando eu disse que tinha acabado… era arrepiante. "Sim, você acabou". Foi tudo que ele disse. Foi tudo que ele precisou dizer. Eu me sentia tonto, eu tinha que continuar em movimento, descobrir o fato, a causa, os efeitos que essa missão tinha tido, o que quer que fosse. A primeira ondulação surgiu imediatamente. Foi uma mensagem do meu banco.


"Lamentamos em informar que sua conta foi desativada.

Para mais informações, favor entrar em contato com um representante financeiro."


Eu liguei imediatamente para um representante. Ela me disse que eu estava sob investigação por posse indevida de material sensitivo do governo. Os arquivos de audio da minha história. Eu estava sendo multado em um valor astronômico por mantê-los, e como resultado, minha conta havia sido congelada indefinidamente. Eu não podia acreditar. Eu chequei todas as minhas contas. Todas trancadas ou zeradas. Em retrospecto, sacar dinheiro deveria ter sido o primeiro passo antes de me envolver com a maior agência de segurança da história. Mas já era tarde. A ONI estava começando a agir e eu estava financialmente arruinado. Eu estava me recuperando de ter descoberto isso quando duas mensagens atrasadas apareceram na fila. A primeira foi carregada rapidamente, era de Mshak.


Mshak: Ben, as coisas tem ficado um pouco agitadas com isso que você está passando agora, mas o que eu ia te falar antes de ser cortado era… ok, nós precisamos conversar pessoalmente. É urgente, é muito… é sobre algo que achei e que não dá pra falar por aqui, então eu estou indo te ver pessoalmente, depois de amanhã. Não fale com ninguém, não tente entrar em contato comigo. Eu estarei aí em breve e nós poderemos sentar e pensar sobre isso.


Eu mal podia esperar por Mshak. Então, contra os avisos dele e meu bom senso, eu tentei falar com ele. Mas algo estava errado. Assim como todos na minha região, eu tinha muitas ligações das Colônias Exteriores na minha lista. Mas isso era diferente, como se eu nem mesmo tivesse ligado. Eu abri o feed do ChatterNet. Estava repleto de comentários de pessoas em pânico porque não conseguiam fazer contato com as Colônias Exteriores. Vários relatos de que as comunicações entre eles mesmos tinham sido cortadas. Não fazia sentido. A segunda mensagem atrasada finalmente tinha acabado de carregar. Era de Katrina.


Katrina: Ben… eu nem posso… apontar isso… as ligações se foram, nós completamente… e meus pais, Ellie, ninguém no sistema do ChatterNet… e há uma coisa… por favor, se você puder contar a alguém o que está acontecendo, ou conseguir que alguem… por favor, Ben, fale com eles… e nós…


E aí… silêncio. Era isso. Eu não podia ligar de novo. Ninguém das Colônias Interiores podia. As Colônias Exteriores foram completamente cortadas. Após anos de atrocidades cometidas silenciosamente pela ONI de sua posição elevada, parecia que seus fantasmas finalmente estavam em movimento. Alternando a paisagem com objetivos desconhecidos, em algum lugar dentro das sombras que eles criaram.

Eu ouvi a mensagem de Mshak de novo. Eu precisava da ajuda dele para analisar isso, a ideia de ficar aqui sentado esperando por ele me amedrontava mais do que devia. Eu tinha que ser paciente. Eu só precisava passar pelas próximas quarenta e oito horas.

Mas ele nunca apareceu. Aquela mensagem foi a ultima coisa que ouvi de Mshak Moradi.


Por favor, me acompanhe no próximo episódio da Caça À Verdade.[/spoiler]
label