.

Os Melhores Jogos de Terror Lançados

Enviado por Dex_K.O.R, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original

Recentes rumores sobre novos jogos de terror começaram a pipocar pela internet. Com isso, meu lado fã do gênero me estimulou a trazer uma lista com os melhores jogos de terror.
Pra formar a lista, dei uma pesquisada em um grande número de "Best of" pela internet e coloquei aqui os que mais aparecem nas listas, sem uma ordem de colocação. Alguns jogos podem pecar em algum aspecto, mas tratam com primazia em causar pânico e tensão ao jogador.
Espero que curtam

Silent Hill


Clique para ver a imagem em tamanho original

O primeiro a ser lembrado sem dúvidas é um dos jogos que mais causou calafrios nos jogadores. Lançado em 1999, considerado por muitos no momento de seu lançamento como o jogo mais assustador de todos os tempos, o primeiro Silent Hill levou Survival Horror ao nível máximo no que diz respeito a terror psicológico. Os jogadores assumem o papel de Harry Mason, um viúvo que leva sua filha, Cheryl, para passar férias em Silent Hill. Na estrada acontece um acidente e Harry fica desacordado. Ao despertar, ele percebe uma névoa tomando conta do local e Cheryl sumiu. O Protagonista inicia assim sua jornada em busca pela sua filha sem saber que eventos dos mais macabros possíveis, o aguardam. Combinando uma história bizarra, uma trilha e efeitos sonoros tão pesados quanto sua atmosfera, Silent Hill apresenta um mundo retorcido e bizarro, em que ao mesmo tempo afasta alguns jogadores menos "corajosos", prende e faz com que tantos outros fiquem presos e submersos nesse "inferno virtual". Com um radinho a pilha servindo como detector de inimigos, uma lanterna que mais atrai os inimigos do que ilumina o breu, armas com munição "contada" e um cenário bizarro, o primeiro Silent Hill é até hoje uma obra prima do medo.

Silent Hill 2


Clique para ver a imagem em tamanho original

Sim, Silent Hill será a única série que terá dois jogos na lista. Os debates que vejo sobre qual dos dois é melhor sempre alternam o vencedor e por pouca margem, então, nada mais justo que colocar ambos.
Depois do sucesso de Silent Hill, já era de se esperar uma continuação. Silent Hill 2 amadureceu todas as idéias vistas em Silent Hill e trouxe talvez a melhor narrativa do gênero. O jogo não se trata de uma sequência direta do primeiro, e nos traz James Sunderland como protagonista. James recebe uma carta de sua ex-esposa pedindo para que ele encontre-a em Silent Hill. Aqui, o culto responsável pela treta toda, fica mais pra segundo plano e o jogo foca mais em torno de James e sua mente "danificada". Sem dúvidas um dos jogos com um dos melhores Plost Twist, não só do gênero, mas dos games em geral. Silent Hill 2 é um jogo desconfortável em muita partes, pelo lado bom.
Não espere "relaxar" nesse jogo, pois o que você terá pela frente será uma espécie de purgatório tomado por uma névoa, cheio de criaturas sinistras, e pra piorar, encontrar um "carrasco" com um "capacete" em formato de pirâmide, que faz de "Doll" as outras criaturas bizarras do jogo. Se nunca jogou, pare o que está fazendo e vá jogar agora mesmo, se tiver coragem.

F.E.A.R


Clique para ver a imagem em tamanho original

F.E.A.R é um jogo que engano o jogador. Embora seja um FPS, ele consegue impor ao jogador uma sensação de vulnerabilidade, mesmo com o arsenal poderoso que o jogo disponibiliza conforme avança. O jogo possui uma atmosfera brutal, e por mais que você possa literalmente pregar inimigos na parede, o desconforto e temor pelo que vem a seguir não desaparece em momento algum. Cheio de corredores e outros lugares claustrofóbicos, o jogo ainda traz inimigos com uma Inteligência Artificial digna de menção até os dias de hoje. Não bastasse a junção de todos os elementos citados acima, F.E.A.R traz ainda uma personagem bastante inspirada no estilo japonês, uma menina sinistra, que aparece nos locais mais inapropriados, fazendo marmanjos querendo largar o jogo e partir pra um LEGO. Embora os jogos de terror em primeira pessoa tenham seguido mais para o padrão de Amnesia e Outlast, fica o desejo de um novo jogo nos padrões de F.E.A.R.
Poucos jogos de terror conseguem te fazer se sentir Chuck Norris num momento e logo depois te fazer se sentir tão vulnerável a apavorado. Embora as duas sequências tenham perdido essa capacidade de aterrorizar jogadores, F.E.A.R merece estar em qualquer lista de jogos do gênero.

Fatal Frame II


Clique para ver a imagem em tamanho original

Fatal Frame 2 tem pouca relação com o primeiro jogo (a conexão só é feita no terceiro jogo que liga bem as duas primeiras produções)e apresenta as irmãs gêmeas Mio e Mayu Amakura enquanto exploram uma vila abandonada. Considerado um Cult, Fatal Frame II faz jus a fama do Japão em ser o melhor em qualquer produção que envolva terror e horror. Sua única arma pra enfrentar os inimigos no jogo, é uma câmera, e o pior, é que todo jogador que se aventurou em Fatal Frame II, sem dúvidas sentiu desconforto e uma certa indisposição de olhar através da câmera. Diferente de muitas produções de terror, Fatal Frame II assim como o primeiro, não banaliza a imersão através de sustos padronizados. Por mais que você de certa forma se acostume com o jogo, dificilmente você se colocará em uma zona de conforto. O que ajuda nisso é a diversidade na "índole" dos espíritos. Enquanto alguns apenas perambulam pelo local sem qualquer intenção ruim, outros são extremamente agressivos. Existem ainda alguns que ficam de certa forma escondidos. Embora a série no geral seja de grande qualidade, O Crimson Butterfly atualiza um pouco os gráficos desde o primeiro jogo, e é o mais convidativo em sua dificuldade, garantindo que haja uma ameaça sempre presente sem ficar muito frustrante. Ele também tem a melhor história, uma jornada pessoal entre duas irmãs que lidam com perda e culpa. É sempre bom quando a experiência intensa é apoiada por um enredo que é mais profundo do que 'sobreviver'. Fatal Frame II ganha o lugar na lista, e reforça o desejo de um retorno da série.

Amnesia: The Dark Descent


Clique para ver a imagem em tamanho original

Enquanto todos os outros jogos entregam ao jogador algo que possam usar parar derrotar os inimigos, Amnesia: The Dark Descent torna o jogador vulnerável e incapaz de combater os inimigos diretamente. Você está no papel de Daniel, que como o nome sugere, perdeu a memória e se encontra num prédio gigantesco. O problema, é que nessa caminhada para manter a sanidade e tentar recobrar a memória de Daniel, o jogador terá que lidar com inimigos que aparecem de forma nada linear em meio a escuridão. Sem ter como combater as criaturas, o jogador só poderá fugir, e aí o ambiente entra e joga contra.
Os únicos lugares seguros nesse inferno em forma de jogo, são locais iluminados, e pra piorar, parece que a galera da manutenção entrou em greve e quase tudo no local está tomado pela escuridão. Não bastassem esses empecilhos, o jogador não terá só que correr, mas também resolver quebra cabeças com interação point and click, principalmente pra tirar objetos e liberar passagem. Imagina tudo isso com um monte de monstrengo no cangote do jogador. E PRA PIORAR ainda, quanto mais tempo no escuro, mais o personagem perder a sanidade.
Aqui é sinceridade pai, eu mesmo até hoje só cheguei na metade do jogo. Vira e mexe eu tento terminá-lo, mas é o jogo que mais me causa desconforto (cagaço mesmo). Amnesia: The Dark Descent é na "minha opinião" não o melhor jogo de terror, mas o que mais causa terror em toda a história.

Outlast


Clique para ver a imagem em tamanho original

"You were here, weren't you? Little pig. I'll find all of you whores."
Bebendo da água de Amnesia, Outlast traz um jogo absolutamente perturbador em todos aspectos. Assim como Amnesia, o jogador não tem qualquer chance de combater os inimigos. Enquanto Amnesia se utilizava de uma lamparina, em Outlast uma câmera gravadora é a melhor amiga do jogador. Utilizada para gravar os acontecimentos violentos dentro do manicômio, ela é fundamental para que o jogador consiga enxergar em meio a escuridão utilizando a visão noturna do aparelho. Se já com as luzes acessa, o jogo já causa incomodo aos jogadores mostrando corpos mutilados por toda a parte, os residentes do manicômio que estão espalhados pelo local, durante o breu isso tudo é potencializado ao máximo. Pra piorar a situação, o jogador deverá dosar bem o uso da câmera, que já que câmera possui bateria limitada e as reposições são limitadas. O jogador se coloca vê em situações de extrema agonia, como ter que ligar 3 geradores numa espécie de porão, tendo que após ativar cada um, ter que fugir e se esconder desesperadamente, como ter que fugir de um dos internos do manicômio que se acha "cirurgião" e principalmente contra um troglodita que é capaz de decapitar sua presa com as mãos. Outlast não se prende apenas em Jump Scares, ele até os tem, mas a maior característica do jogo é seu ambiente hostil que faz com que o jogador não consiga respirar tranquilamente em nenhum momento. Mesmo após uma fuga alucinante, o jogador não consegue se dar ao luxo de aproveitar nem que seja uma breve calmaria.
Pouca Luz, uma câmera, muita ação e terror.

Rule of Rose


Clique para ver a imagem em tamanho original

Jennifer, 19 anos, perdida em meio a lembranças distorcidas. Essa é a personagem principal de Rule of Rose. Uma mansão abandonada, um grupo de crianças sádicas já são itens suficientes para chamar a atenção de qualquer amante do gênero de terror. Com armas nada convencionais como um garfo, tesoura, uma seringa, além de outras, o jogador entra numa jornada em busca de desfragmentar as lembranças de Jennifer, enquanto foge do grupinho de crianças que torturam todos, que causaria inveja a Jigsaw. O jogador ainda receberá a ajuda de um cachorro chamado Brown, que pode descobrir itens e detectar inimigos.
Enfrentar inimigos não é nada fácil. Jennifer não possui muita habilidade de combate, tento dificuldades em empunhar os objetos, além disso, o jogo adota os estilos de câmeras fixos, estilo Resident Evil clássico. O faz alusão a crueldade e a sexualidade infantil, o que causou muita polêmica no mundo todo. Em muitos países da Europa, por exemplo, era quase impossível encontrar o jogo a venda, chegando a ser cancelado no Reino Unido. Rule of Rose é um jogo pesado, tenso, que por mais que o jogador tenha capacidade de combater os inimigos, impõe dificuldade nisso. Tudo isso torna o jogo hostil e ao mesmo tempo charmoso. Uma pérola da 6ª geração que passou despercebido por muitos jogadores.

Haunting Ground


Clique para ver a imagem em tamanho original

Depois da Clock Tower 3, o estúdio da Capcom desenvolveu o Haunting Ground. Embora tecnicamente não seja um jogo oficial da Clock Tower, ele ainda está conectado à série Clock Tower como um "sucessor espiritual ", pois foi feito com muitos dos membros da equipe que trabalharam na Clock Tower 3. Haunting Ground também possui muitas semelhanças com a série Clock Tower , como perseguidores , um sistema de pânico e esconderijos. Há rumores de que Haunting Ground foi originalmente desenvolvido como Clock Tower 4, e contém matérias que não foram aproveitados em Resident Evil 4 .
Haunting Ground gira em torno de uma adolescente, Fiona Belli, que fica presa em um castelo cheio de horrores e residentes hostis que a querem morta ou impregnada. Para escapar e sobreviver, ela deve usar seu companheiro canino Hewie. Ao longo do caminho, Fiona descobre muitas verdades, e o jogo aborda temas como filosofia, psicologia, alquimia, espiritualidade e religião. Fiona é incapaz de usar armas, forçando o jogador a procurar esconderijos sempre o mais rápido possível. Haunting Ground é bem provável ser o último jogo ligado a série Clock Tower (mesmo que não oficialmente).

Condemned: Criminal Origins


Clique para ver a imagem em tamanho original

Olha aqui novamente a Monolith, que já entrou na lista com F.E.A.R.
Proibido na Alemanha como resultado de sua brutalidade, Condemned é um jogo em primeira pessoa que não teme em mostrar as depravações da humanidade. Um jogo com aspecto "sujo" que tem coragem de desbravar o lado mais sombrio que o ser humano pode alcançar. Jogando como Ethan Thomas, você deve rastrear um serial killer enquanto afasta as mentes retorcidas de Metro City. É tenso, inabalável e, como todos os bons jogos de Survival Horror, ele nunca se torna fácil.
Na pele de Ethan, o jogador passa a seguir os rastros de um serial killer, e nesse caminho começa algo como movimento de pessoas isoladas do convívio social, como viciados, moradores de rua. Começa então a se criar uma linha de uma possível ligação entre uma violência maior nos assassinatos em sério com o crescimento da criminalidade em geral? Esta passa a ser o maior foco depois que o agente Thomas é acusado pelo assassinato de dois policiais. Agora ele deve resolver e parar os assassinatos para se livrar dos crimes de que é acusado. Além da ambientação formidável, que como eu disse, da uma aparência suja ao jogo, a gameplay e interação do jogador com o mundo são muito acima da média. O jogador deverá investigar locais onde crimes foram cometidos usando equipamentos forenses, armas de fogo estão a disposição mas, é bem comum o jogador ficar sem munição tendo que se virar com pedaços de cano, machado, pá entre outras coisas. A tensão criada pela trilha sonoro, direção de arte, gameplay e a diversidade de situações, garantem um lugar a Condemned: Criminal Origins na lista.

Forbidden Siren 2


Clique para ver a imagem em tamanho original

O jogo conta a história de vários personagens que ficam presos na Ilha Yamijima, uma ilha na costa do Japão continental. Em 3 de agosto de 1976, um cabo subaquático foi misteriosamente cortado e toda a energia da ilha foi perdida. Durante o apagão subsequente, todos os ilhéus desapareceram e a ilha ficou deserta. 29 anos depois, em 2005, um editor de revista chamado Mamoru Itsuki está visitando a ilha para realizar pesquisas para um artigo quando a balsa que ele e um pequeno grupo de outros passageiros estão é atingida por uma maré vermelha. Pouco tempo depois de sua chegada, um grupo de soldados aterrissa na ilha após o helicóptero ter problemas. Todos devem encontrar maneiras de sobreviver aos "monstros" da ilha, o shibito. Cronologicamente, a sequência de eventos no jogo começa milênios atrás. Mother é uma antiga divindade da água que está presa sob a terra após a criação da luz. Ao mesmo tempo, o companheiro de mãe, Otoshigo, fugiu para as profundezas do oceano. Mother sempre desejou retornar à superfície e, como tal, enviou seres humanos "possuídos" sobre os quais ela exerce um certo controle para preparar o caminho para seu retorno. No entanto, eles falham continuamente em cumprir sua missão e nunca retornam ao submundo.
Diferente do primeiro, Siren 2 não foca exclusivamente no Stealth. Agora o jogador poderá optar por ser furtivo ou encarar os inimigos diretamente. No jogo podemos controlar vários personagens e cada um possui sua própria perspectiva. Durante o jogo encontraremos armas brancas e armas de fogo, porém normalmente essas armas só são encontradas quando dropadas por um Shibito. Siren 2 tem uma ambientação fenomenal, que vão de casas tradicionais do estilo japonês, instalações abandonadas pela ilha, pequenas cavernas, floresta e etc. O jogador se sentirá por diversas vezes acuado e intimidado pela escuridão que toma a ilha e limita muito a visão do jogador e os gritos dos shibitos ao fundo.

Dead Space


Clique para ver a imagem em tamanho original

Na geração passada começamos a ver um declínio na quantidade de jogos de terror. A indústria começou a ser tomada por jogos focados em ação e jogos multiplayer. Em meio a isso, poucos estúdios arriscavam em uma produção que não tivesse como alvo o grande público. Porém a Viceral apoiada pela EA (isso mesmo, a EA) nos brindou com um dos melhores jogos de terror não só dos últimos tempos, mas de toda a história. Dead Space mistura Sci-Fi com terror de forma sublime. Espaço, culto alienígena macabro, desmembramento, ruídos pavorosos. Este jogo é uma história distorcida de uma raça alienígena determinada a conquistar o universo através de monólitos. Esses monólitos carregam um vírus alienígena que converte qualquer espécie que toque em necromorfos através de seus cadáveres. Os Necromorphs, mortos reanimados, espalham o vírus atacando os vivos até que eles sejam a única coisa que resta.Como personagem principal, suas opções são bastante sombrias. Você nunca pode ter certeza de qual é a decisão certa, pois as pessoas que lhe dizem o que fazer têm motivos bastante questionáveis durante todo o jogo. Além disso, Isaac é constantemente torturado por sua namorada supostamente morta e nunca temos certeza se ela não está infectada ou é um Necromorph até o final do jogo.Se você gosta de jump scare, alienígenas sanguinários, Dead Space é para você. É o terror em ficção científica no seu melhor, e é um dos jogos de terror mais brutais para jogar. Simplesmente não deixa de lado a violência e as reviravoltas narrativas.

É sempre difícil montar uma lista sobre os melhores, sempre algum jogo que pra alguns é melhor que algum da lista, ficará de fora.
Uma forma de amenizar isso é fazer menção honrosa, então segue as menções:

System Shock


Clique para ver a imagem em tamanho original

Da mente brilhante de Ken Levine vem System Shock 2 , outro marco histórico para videogames. Este jogo chegou aos livros de história por causa de sua história forte, design ambiental e a famosa reviravolta no final. A história segue um soldado sem nome que acorda após uma infecção genética. Você é contatada por uma das sobreviventes, Dra. Janice Polito, e ela lhe dá sua missão: deter a infecção, coletar todos os sobreviventes restantes e dar o fora. Embora simplista pelos padrões de hoje, o ambiente do System Shock 2 criou uma atmosfera que não havia paralelo em nenhum outro horror espacial da época. A reviravolta no final é uma homenagem a The Space Odyssey, de Arthur C. Clarke , mas surpreendeu os jogadores de qualquer maneira - foi em partes iguais aterrorizante e impressionante.

Alien Isolation


Clique para ver a imagem em tamanho original

Este jogo é um Survival Horror primoroso, basicamente jogando como um grande jogo de esconde-esconde entre você e um xenomorfo. Neste jogo, você realmente sente que, se não corresse rápido o suficiente, o grande alienígena preto certamente o mataria. Você pode ter uma arma, mas o jogo é voltado especificamente para garantir que você quase não a use.

DOOM 3

Clique para ver a imagem em tamanho original

Run n 'gun é característico da série Doom , mas em Doom 3, preferiu colocar inimigos saindo dos corredores escuros ou pulando pelos tubos de ventilação. Alguns pedirão que você os siga, deixando para trás pegadas ensanguentadas e levando-o a uma emboscada. Outros gritarão, sem dar sua posição e saltarão pra cima de você com uma rapidez capaz de causar problemas em qualquer cardíaco. Os inimigos são abundantes, é claro, mas forçando o jogador a adivinhar onde eles estão antes de atirar em tudo que se mexe ou a luz se apagar.
Dex_K.O.R
Enviado por Dex_K.O.R
Membro desde
33 anos, São Paulo, Sao Paulo, Brasil
label
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, e na nossa curadorida da Steam.