.

Borderlands 3 é sobre expandir o que já existe, não criar algo novo

Enviado por VSDias55, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original

Acima da ponte na nave espacial Sanctuary III, uma placa bem iluminada, mas toda rabiscada, diz "Bem-vindo ao Lar" em um movimento que realça esteticamente o tema principal de Borderlands 3: uma familiaridade confortável.

No evento de revelação do gameplay de Borderlands 3, o site GamesIndustry.biz conversou com três membros da equipe do jogo: Josh Jeffcoat, o chefe de designer de inimigos, e Anthony Nicholson e Chris Brock, os produtores do jogo. Ao longo da conversa, um ponto que era repetido com frequência é que Borderlands 3 não é um grande afastamento dos jogos anteriores. Todos os três desenvolvedores disseram que ao criar o último jogo, a equipe passou muito tempo analisando os pontos básicos da série e os expandindo, em vez de tentar fazer algo drasticamente novo ou inovador.

Nicholson disse:

Sabemos no que somos bons e o que as pessoas amam em Borderlands. Nós já tínhamos uma base sólida, então se tratava mais sobre encontrar as coisas que sabíamos que as pessoas realmente gostavam e o que sabemos que fazemos bem, e expandir essas coisas. Se tratou mais sobre nós darmos uma olhada no espelho, olhando para o que sabemos que é bom com base no que fizemos antes, e tornar isso ainda melhor.


Clique para ver a imagem em tamanho original

Brock concordou com ele:

Queremos ter certeza de que somos fiéis à nossa origem. Queremos ter certeza de que o que foi bem sucedido nos últimos jogos de Borderlands, que seremos capazes de fazer isso em Borderlands 3 também. É um desafio. Estamos sempre olhando para o passado e nos perguntando: "Como fizemos isso? Devemos mudar a maneira como fazemos isso, ou devemos nos basear nas coisas que sabemos que é bem-sucedida?"

Esse compromisso de manter a familiaridade é verdadeiro, apesar de uma lacuna de sete anos entre Borderlands 2 e 3, na qual surgiram vários jogos conceitualmente semelhantes. Como Brock disse, "esse gênero surgiu" entre os dois primeiros jogos da série, mas ele e Jeffcoat enfatizaram que o foco na narrativa dos Borderlands continua a os distinguir apesar do sucesso dos looter shooters.

Quanto mais você espera, mais você cria uma expectativa. Tem sido interessante ver Destiny e The Division, e é interessante ver o que as outras pessoas nesse gênero estão fazendo, e nós olhamos para isso e vemos o que podemos aprender com eles, mas acho que há muitas coisas em que nós somos os melhores no gênero.


Clique para ver a imagem em tamanho original

Seria fácil dizer que precisamos de uma grande novidade, um "algo" novo para Borderlands 3, mas o que estamos fazendo é ampliar. Estamos fazendo o que fazemos da melhor forma possível. Há um vazio agora: o tipo de coisa que somos realmente bons em fazer está em falta, então estamos fazendo isso.


Jeffcoat disse:

Nós olhamos muitos outros jogos e perdemos muitas horas de sono jogando muitos outros jogos. Mas uma das coisas que sempre nos fez mais forte é que sempre fomos muito focados na história e personagens. Isso ditava a forma que o jogo poderia funcionar. Se você for fazer um jogo de tiro de mundo aberto onde as pessoas estivessem constantemente indo de um lado para o outro, é realmente difícil contar uma narrativa forte. Nós decidimos no começo que iríamos contar uma história e ter uma grande e longa jornada através dela, e isso ainda nos torna bem únicos hoje em dia.

Manter a familiaridade com um novo jogo da série significava aumentar o tamanho do jogo em vez de sua profundidade, de acordo com Jeffcoat. Ele diz que isso significou avanços óbvios, como melhorar a variedade de personagens e as árvores de habilidade, além do fato de se vangloriarem com "mais de um bilhão de armas". Mas isso também significou um grande aumento na escala, já que este é o primeiro jogo da série que tira o jogador do sistema Pandora e o leva a outros planetas, como Promethea. De acordo com ele, isso foi um enorme desafio para a equipe, especialmente porque eles tinham que criar não apenas novos inimigos, mas inimigos que eram diferenciados dos existentes em Pandora, mas ainda assim que combinassem com o estilo de Borderlands.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Borderlands 3 está sendo desenvolvido por cerca de 350 pessoas nos estúdio em Frisco e Quebec, com o desenvolvimento começando de verdade após Battleborn ter sido lançado em 2016, de acordo com Jeffcoat. Ele e os outros desenvolvedores dizem que Borderlands 3 possui mais colaboração entre as equipes que qualquer um dos jogos anteriores da série, especialmente em áreas complexas como as cidades agitadas e futuristas de Meridian Metroplex em Promethea, e a já mencionada nave espacial Sanctuary III.

Jeffcoat também diz que esse tipo de colaboração permitiu que os desenvolvedores individuais de todas as equipes vissem as ideias de cenários, inimigos ou histórias se tornarem realidades, com a estrutura colaborativa do estúdio permitindo muitos toques pessoais. Um exemplo é o de Mouthpiece, o orador de um culto de Pandora chamado de Children of the Vault, cujos ataques são baseados em sons. A arena, armas, habilidades e design deles envolveram grandes colaborações com a equipe de áudio do jogo, resultando em detalhes únicos, como as barras de áudio visíveis no escudo do Mouthpiece sincronizando com seu discurso.

Se tivermos uma ideia legal para alguma peculiaridade estranha ou um inimigo especial que queremos fazer, às vezes apenas fazemos e deixamos isso de lado. Eventualmente vamos trabalhar com os criadores de cenários ou história. "Ei, eu tenho esse cara, e ele faz essa coisa estranha, você tem um lugar onde isso pode se encaixar?" Então vamos conversar, vamos ter certeza de que ele tem um nome legal que faz sentido, e vamos trabalhar juntos para o encaixar nessa área e contar uma pequena história sobre ele. É muito divertido, mas é uma das coisas que mais consumem tempo, quando você tem todos esses departamentos se juntando para fazer algo em colaboração.

Eu passei muito tempo trabalhando em Brothers in Arms, o qual é histórico, real e muito reverente. E você fica realmente esgotado depois de um tempo. Então em Borderlands 2, quando eu finalmente consegui me juntar oficialmente a essa equipe, foi como respirar ar fresco, porque eu podia fazer qualquer coisa. As regras eram: "Se ele pode correr, você provavelmente pode o colocar no jogo". Então, qualquer ideia esquisita que você tenha, há um lugar onde você pode colocá-la no jogo. E com o tamanho da equipe que temos agora, é muita gente colocando seus toques pessoais em todos os lugares.


Clique para ver a imagem em tamanho original

Jeffcoat e os outros mencionaram "peculiaridades estranhas", que, embora seja algo vago, ainda assim são um dos pontos principais da série Borderlands. Os jogos são conhecidos pelo seu humor bizarro, cheio de piadas, irônico, discreto e grosseiro, algo que Brock diz que a equipe vai apostar com tudo no terceiro jogo.


Algumas das coisas que você viu durante a revelação eram legais seis meses atrás, mas nós olhamos e dissemos: "Isso não é Borderlands o bastante. Joguem uma enorme caveira feita de pistolas nisso." Tem que haver um acabamento de, bem, nós costumamos usar muito a palavra "badass", mas é definitivamente o tom do nosso jogo.
VSDias55
Enviado por VSDias55
Membro desde
26 anos, Florianópolis
label