.

Microsoft confirma: Edge não terá suporte a Silverlight

Enviado por Cristianogremista, , 2130 visualizações, 0 comentários
A Microsoft quer se livrar da imagem negativa que o Internet Explorer construiu ao longo dos últimos anos. Para tanto, a companhia está, entre outras medidas, tomando cuidado para evitar que o Microsoft Edge incorpore recursos ultrapassados ou que nunca funcionaram a contento. É o que a levou a confirmar que o navegador não terá suporte a Silverlight.

[img]hide:aHR0cHM6Ly90ZWNub2Jsb2cubmV0L3dwLWNvbnRlbnQvdXBsb2Fkcy8yMDE1LzA0L21pY3Jvc29mdC1lZGdlLWJhcnJhLTcwMHgzOTMucG5n[/img]
Na verdade, o Edge não terá suporte a controles ActiveX, como a Microsoft deixou claro há alguns meses, e isso implica na falta de compatibilidade com o Silverlight.

Segundo a companhia, essa é uma medida que condiz, por exemplo, com a decisão do Google de deixar de suportar no Chrome plugins baseados em NPAPI. Trata-se de um movimento que visa trazer à tona extensões que utilizam recursos mais atuais e, consequentemente, ofereçam mais desempenho e segurança.

O Silverlight não deve mesmo fazer falta. O formato surgiu em 2007 para fazer frente ao Flash. Naquela época, a Microsoft ainda tinha a mentalidade de que deveria ter um produto seu competindo em todos os segmentos web possíveis (a empresa chegou até a ter um concorrente para o YouTube chamado Soapbox).

[img]hide:aHR0cHM6Ly90ZWNub2Jsb2cubmV0L3dwLWNvbnRlbnQvdXBsb2Fkcy8yMDE1LzA3L21zX3NpbHZlcmxpZ2h0LTcwMHg0MzcuanBn[/img]
Embora longe de alcançar a abrangência do Flash, o Silverlight teve lá seus adeptos. O formato foi mandatório, por exemplo, na Netflix, mas hoje o serviço é plenamente compatível com HTML5.

É esse caminho que a Microsoft indica a desenvolvedores que ainda baseiam suas aplicações em tecnologias mais antigas. Além do HTML5 em si, a companhia recomenda a adoção de recursos como DASH (Dynamic Adaptive Streaming over HTTP) e CENC (Common Encryption).

O Silverlight não será abandonado de vez. O formato continuará sendo suportado pelo Internet Explorer 11, assim como pelo próprio Windows 10, mas somente para compatibilidade com aplicações legadas - em outras palavras, para haver um tempo de transição. Não é surpresa: desde que Satya Nadella tomou as rédeas da companhia ficou evidente o foco da Microsoft em padrões mais recentes e universais.
Cristianogremista
Enviado por Cristianogremista
Membro desde
25 anos, Santa Rosa-RS
label