Do DualShock ao DualSense
Publicado por Renatito, em .
A história da Sony com controles é tão ilustre quanto infame, abrangendo algumas das maiores inovações e embaraços do setor. Com a revelação do DualSense, o controle do PlayStation 5, pensamos que seria bom olhar para trás e ver a evolução dos controles do PlayStation ao longo da história. Curiosamente, a linha DualShock não foi lançada com o PlayStation One. No começo o controle era chamado sucintamente de PlayStation Controller.

Muito foi dito sobre o acordo da Sony para trabalhar com a Nintendo e desenvolver um aparelho de CD-ROM para o SNES. Isso acabou não acontecendo o que deu origem a um console independente conhecido como PlayStation e a criação do PlayStation Controller. Ao inspirar-se no controle do SNES, a criação da Sony teria várias diferenças importantes - o uso de formas geométricas para indicar seus botões de ação, dois conjuntos de botões de ombro e pegadores para facilitar o manuseio dos botões expandidos.

Clique para ver a imagem em tamanho original

O uso de formas geométricas nos botões do controle não foi uma decisão aleatória da Sony. Além de se tornar uma parte essencial do marketing do PlayStation, eles denotaram ações diferentes como Triângulo para câmera, Círculo para confirmar opções e Cruz ou X para cancelar e Quadrado para menus. É engraçado ver como isso mudou, onde o Círculo é usado para cancelar opções, enquanto o Triângulo é usado para acessar menus em muitos jogos hoje em dia.

No geral, o PlayStation Controller foi um bom esforço e lançado com o PlayStation One em 1994. Porém, coisas melhores estavam por vir. Na PlayStation Expo 96-97, a Sony apresentou o sucessor do controle - o Dual Analog Controller. Semelhante ao PlayStation Controller em quase todos os aspectos, ele possuía duas alavancas analógicas e três modos de operação. O primeiro, o Modo Digital, permitia usar os botões direcionais do controle e desativar as alavancas. O segundo foi o Analog, que ativava as alavancas, enquanto o terceiro, o Analog Flightstick, foi baseado no PlayStation Analog Joystick, que durou pouco tempo no mercado.

Começaram a surgir reclamações sobre os longos pegadores e a falta de notícias sobre a chegada dos controles analógicos duplos no Ocidente. Na época, pensava-se que a Sony estava mantendo os preços de fabricação baixos. A empresa citou que o controle apresentava muitos problemas, daí a exclusão do Ocidente. Nos bastidores, porém, a guerra por violações de direitos autorais estava tomando forma. O PlayStation Analog Controller foi lançado em abril de 1997 e foi posteriormente descontinuado em 1998.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Felizmente, a Sony teria um substituto pronto em novembro de 1997 - o DualShock, o controle definitivo daqui pra frente.

Com duas alavancas analógicas, cada uma com um motor de vibração, o DualShock também ficou mais confortável graças à textura de borracha nas alavancas analógicas. Não demorou muito para que as alavancas fossem adaptadas aos jogos por várias desenvolvedoras diferentes. Houve até lançamentos como o Ape Escape, que exigiam tocar com as duas alavancas analógicas, em vez do D-Pad ou dos botões de ação.

Com o PlayStation já sendo um sucesso excepcional, o DualShock se consolidou como um dos melhores controles da época. O design sofreu pequenas mudanças quando o PS One, a versão slim do PlayStation 1, foi lançado, mas ainda era o mesmo controle.

Para surpresa de ninguém, a Sony não tentou mudar o que já estava dando para a próxima geração. O DualShock 2 foi lançado com o PlayStation 2 em 2000 e manteve o mesmo layout de botões, duas alavancas analógicas (que parecem um pouco mais rígidas que os de seu antecessor), dois botões de ombro e assim por diante. Algumas diferenças importantes foram incluídas, como o suporte analógico para os botões L3 e R3 e o D-Pad, com a sensibilidade adicionada em alguns títulos do PS2 e menos peso do que o DualShock original.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Aproveitando a onda do sucesso do PlayStation 2, o DualShock 2 foi um seguimento digno e se destacou em uma era de controles grandes como o do Xbox e controles não ortodoxos como o do GameCube da Nintendo. O DualShock 3 estava destinado a continuar essa linha de controles e estava aparentemente pronto para ser lançado com o PS3 a tempo da sétima geração de consoles.

Claro, a ideia original não era bem assim. Em vez disso, a Sony revelou algo completamente diferente - um controle em forma de bumerangue. Ele apareceu na E3 2005 e era rotineiramente ridicularizado por seus pegadores longos e formato estranho (que a empresa esclareceu ser apenas um conceito e não o design final). Infelizmente ou não, a empresa apresentou o controle atual para o PS3 - o Sixaxis. Espere, você pode perguntar. "Como você passa dos DualShock 1 e 2 para o PS1 e PS2, respectivamente, para este novo controle Sixaxis para o PS3?"

A ausência da marca registrada DualShock não era o único problema. Em vez de vibração, também conhecida como rumble, o Sixaxis empregava tecnologia de detecção de movimento. Os jogadores podem inclinar o controle nos eixos X, Y e Z de maneiras diferentes, proporcionando seis graus de liberdade. Curiosamente, o Sixaxis teve alguns outros novos recursos, incluindo a introdução do botão PS para substituir o botão analógico; o uso de sinais analógicos e digitais; alterar os botões L2 e R2 para funcionar mais como gatilhos; e mais.

Clique para ver a imagem em tamanho original

No entanto, os controles de detecção de movimento foram recebidos negativamente, principalmente por causa do momento do anúncio. Foi revelado vários meses após a revelação do Nintendo Wii, que tinha um Wii-mote para detecção de movimento, o que era encarado como uma imitação. E, apesar de ser o principal atrativo do Sixaxis, não havia muitos jogos confirmados que tivessem suporte a controles de movimento antes do lançamento.

Inevitavelmente, vimos Warhawk e Lair, jogos que supostamente foram modificados a fim de darem suporte aos controles de detecção de movimento. Ainda não se sabe o quanto a Sony exigiu de suporte ao Sixaxis para seus jogos, mas ele existiu em grandes lançamentos como Heavy Rain e Killzone 2 ao longo dos anos.

A Sony forneceu razões para introduzir a tecnologia de detecção de movimento e remover o rumble, mas a resposta real estava naquele processo judicial em andamento com a Immersion. A Immersion ficou ofendida com as empresas que violaram seus direitos autorais por tecnologia háptica. Embora a Microsoft tenha resolvido a situação - e até tenha adquirido uma participação de 10% na empresa - a Sony não chegou a um acordo com a Immersion antes do lançamento do PS3. Como resultado, o DualShock 3 foi deixado de lado em favor do Sixaxis.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Felizmente, isso não durou muito. O DualShock 3 foi revelado em 2007 e lançado mundialmente em 2008, com os rumores voltando. Porém, em termos de design e outros recursos, os dois controles eram idênticos - o DualShock 3 contava também com tecnologia de detecção de movimento. Em abril de 2008, o Sixaxis foi completamente descontinuado e o DualShock 3 passou a ser o controle padrão do PS3 daqui pra frente.

2013 sinalizou a chegada da próxima geração de consoles. A Microsoft estava ocupada reformulando o Xbox One para uma solução de entretenimento tudo-em-um, com seu controle sendo alterado para refletir o mesmo. O DualShock 4 da Sony estava introduzindo algumas mudanças importantes, incluindo uma que serviria como uma pequena revelação.

Revelado em fevereiro de 2013, o DualShock 4 era muito semelhante ao seu antecessor em termos de layouts de botões, alavancas analógicas, gatilhos e implementação de sensor de movimento. Em termos de pegada, os analógicos ostentavam anéis externos para facilitar a manipulação e o D-pad era mais côncavo, com o centro sendo recuado. A Sony passou um tempo excepcional ajustando o D-pad para fazer com que o controle fosse melhor para os jogos de luta.

Clique para ver a imagem em tamanho original

No entanto, um grande touchpad agora adornava a frente do controle onde costumava estar o logotipo "Sony". O botão Options combinou as funções dos botões Start e Select em um só. Um alto-falante mono estava visível logo abaixo do touchpad e transmitia sons com base no jogo, sendo capaz de reproduzir alguns áudios do jogo. E no topo do controle havia uma barra de luz que poderia mudar sob diferentes circunstâncias (e seria útil para outro periférico da Sony no futuro, o PlayStation VR). Sua cor padrão era azul, mas poderia mudar - se um segundo jogador se juntasse ao mesmo console, sua barra de luzes ficaria vermelha para distinguir, por exemplo.

Havia também o botão Share, que permite aos jogadores fazerem capturas de tela e vídeos de gameplay. Embora o Xbox One também possa fazer capturas de tela do jogo, o botão Share foi mais transparente e significativamente mais otimizado, especialmente ao compartilhar nas mídias sociais. Provavelmente não é coincidência que o controle do Xbox Series X agora tenha seu próprio botão Share.

Apesar de alguns problemas com a superfície da alavanca analógica esquerda, o DualShock 4 foi um sucesso juntamente com o PS4. A barra de luz, inicialmente foi vista com algum ceticismo sobre a sua real funcionalidade e discrição, mas posteriormente a Sony lançou um patch que permite diminuir a intensidade da luz. A segunda versão do DualShock 4, lançada em setembro de 2016, apresentou pequenas melhorias, como melhor duração da bateria e a barra de luz visível na parte superior do touch pad.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Após todos esses anos, agora temos o DualSense para o PlayStation 5, com um design arrojado de duas cores. A barra de luz mudou da parte superior para as bordas do touchpad; um novo conjunto de microfones, com cancelamento de ruído, permite conversar sem um fone de ouvido; um conector USB-C agora é usado para conectar e carregar o controle; e o botão Share foi substituído pelo botão Create. A Sony ainda não mostrou detalhes mais refinados sobre as funções do controle, mas confirmou uma maior duração da bateria e um peso relativamente leve.

Talvez os recursos definidores do DualSense sejam seus gatilhos adaptáveis ​​e feedback háptico que podem simular diferentes tipos de pressão - o exemplo mais comum é usar uma flecha com um arco. Espere mais informações sobre outras maneiras pelas quais isso será implementado, além de como o botão Create funciona nos próximos meses.

É uma loucura olhar para trás e perceber que a marca PlayStation existe há quase três décadas. Parece quase ontem quando nos maravilhamos com as possibilidades de duas alavancas analógicas no DualShock original ou questionamos o horror que era o Sixaxis. Mesmo que o DualSense seja recebido com algum ceticismo e vários memes, mal podemos esperar para ver como esse controle definirá a experiência do PlayStation 5 nos próximos anos.
renatito91
Renatito #renatito91
Historiador e fã de Xbox
Moderador do Site, 28 anos, Recife
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Gosta do site e quer ajudar a o manter online? Apoie-nos!.
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.