.

Neurônios artificiais imitam totalmente células do cérebro humano

Enviado por Turokrj, , 798 visualizações, 0 comentários
A tecnologia ao serviço da saúde e desenvolvimento médico, num nível de pesquisa avançada, deu um salto grandioso, uma criação que poderá significar avanços no campo da medicina numa ordem de grandeza essencial à qualidade da vida humana.

Cientistas criaram o primeiro neurônio artificial do mundo que tem a capacidade de imitar totalmente as funcionalidades orgânicas de uma célula do cérebro, incluindo a capacidade de traduzir sinais químicos em impulsos eléctricos e comunicar com outras células humanas.

[img]hide:aHR0cDovL3BwbHdhcmUuc2Fwby5wdC93cC1jb250ZW50L3VwbG9hZHMvMjAxNS8wNy9wcGx3YXJlX25ldXJvbmlvX2FydGlmaWNpYWwwMC03MjB4NDE0LmpwZw==[/img]
Estes neurônios artificiais são do tamanho de uma impressão digital e não contêm partes "vivas", contudo, a equipa está a trabalhar para conseguir diminuir muito mais estes neurônios e poder implantar no ser humano. Esta criação permitirá efetivamente substituir células nervosas danificadas e desenvolver novos tratamentos para distúrbios neurológicos, como lesões na medula espinhal e doença de Parkinson.

  1. "O nosso neurónio artificial é produzido de polímeros transmissores e as suas funções são iguais à de um neurónio do ser humano".


Referiu a responsável pela investigação, Agneta Richter-Dahlfors do Karolinska Institutet na Suécia, no press release.

Até agora, os cientistas só foram capazes de estimular as células cerebrais usando impulsos eléctricos, que é como eles transmitem informações dentro das células. Mas nos nossos corpos estas são estimuladas por sinais químicos, e é assim que elas comunicam com outros neurônios.

Ao ligar bio-sensores baseados em enzimas a bombas eletrônicas de iões orgânicos, Richter-Dahlfors e a sua equipa já conseguiram criar um neurônio artificial que pode imitar esta função. Mostraram ainda que este já comunica quimicamente com células cerebrais orgânicas, mesmo a grandes distâncias.


  1. "O componente de detecção do neurônio artificial detecta uma mudança de sinais químicos num prato, e traduz isso num sinal elétrico", referiu Richter-Dahlfors.

  1. "Este sinal eléctrico é depois traduzido para libertar acetilcolina neurotransmissora num segundo prato, cujo efeito em células humanas vivas pode ser monitorizado".


Quer isto dizer que o neurónio artificial pode teoricamente ser integrado num sistema biológico complexo, como por exemplo no nosso corpo, e permitir aos cientistas substituir ou criar um bypass em células nervosas danificadas.

[img]hide:aHR0cDovL3BwbHdhcmUuc2Fwby5wdC93cC1jb250ZW50L3VwbG9hZHMvMjAxNS8wNy9wcGx3YXJlX25ldXJvbmlvX2FydGlmaWNpYWwwMS03MjB4NDA1LmpwZw==[/img]
Vamos imaginar a capacidade desta criação para restabelecer as funções de pacientes paraplégicos ou com danos neurológicos.

O desafio seguinte é diminuir consideravelmente o dispositivo para permitir o implante no corpo humano. Esse dispositivo poderá transmitir informações utilizando recursos sem-fios que serviriam em alguns casos como um gatilho para libertar neurotransmissores em diferentes partes do corpo.
Assim, se pudessem ser controlados remotamente, as oportunidades de tratamento de distúrbios seriam enormes… o futuro será certamente muito mais interessante a este nível, e cresce a ansiedade à medida que o projeto de desenvolve, como referiram os intervenientes no mesmo.

Os resultados dos ensaios em laboratório foram publicados na revista Biosensors and Bioelectronics.
Turokrj
Enviado por Turokrj
Membro desde
47 anos, Danger de Janeiro
label