.

ZR16 Primeiro microcontrolador 100% brasileiro

Enviado por -DGC-, , 4614 visualizações, 0 comentários
[img]hide:aHR0cDovLzIuYnAuYmxvZ3Nwb3QuY29tLy1JSXFjV3Vzc192Yy9UeWxWN05YODkwSS9BQUFBQUFBQUFBby9ZVlVia3dZX0w1cy9zMzIwL2NoaXBicmFzaWxfaW1nLmpwZw==[/img]
Produto desenvolvido em Santa Maria apresenta custo e consumo menores do que importados

Na sede do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), no campus da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), está começando uma revolução que pode, no futuro, mudar significativamente o panorama da balança comercial brasileira. Isso porque a Santa Maria Design House (SMDH) - empresa sem fins lucrativos vinculada à Fundação de Apoio à Tecnologia e à Ciência (Fatec) e à UFSM - desenvolveu o ZR16, um microcontrolador 100% nacional. Como a palavra de ordem dos dias atuais é importar componentes como esse, a turma do campus está querendo virar esse jogo.

"O grande apelo é mudar o paradoxo do Brasil. Nossa competência com o projeto do microcontrolador prova a mudança. Entramos em um mercado de bilhões por ano", diz o diretor de tecnologia da SMDH, Julio Leão da Silva Jr.

Na área de microeletrônica, o ZR16 é o mais novo produto projetado em solo gaúcho. Com um preço que pode baixar de R$ 1 para uma quantidade grande de produção, esse microcontrolador se torna até 100 vezes mais barato se comparado ao processador Atom da Intel, e seu consumo é de até 100 vezes menor se comparado ao mesmo processador, ou, para citar um exemplo do nosso dia-a-dia, 1000 vezes menos que o consumo de uma lâmpada fluorescente de 6W.

O ZR16 tem ainda flexibilidade de programação tornando-o apto para utilização em aplicações variadas, como: automação de equipamentos; eletrodomésticos (eletrônica de consumo); brinquedos eletrônicos; controle industrial; automação residencial e predial. Só para citar um exemplo do uso, uma geladeira moderna usa três microcontroladores, podendo chegar a sete.

Para o primeiro semestre de 2013, o diretor de tecnologia da SMDH anuncia que será fabricado um lote-piloto com 5 mil unidades do ZR16 - 1 mil só para a empresa Exatron, de Porto Alegre, que é uma indústria líder no mercado brasileiro em controles para iluminação e é parceira da SMDH, sediada no Inpe. O primeiro protótipo do ZR16 foi fabricado justamente para atender uma demanda da Exatron.

Próximos passos - No primeiro semestre de 2013, também serão disponibilizados para empresas interessadas na utilização do ZR16 em seus produtos kits de hardware e software, contendo programador, compilador e simulador, todos desenvolvidos nacionalmente. No segundo semestre, começa a produção em alto volume. No planejamento da família ZR16, está em fase de projeto uma nova versão que terá funcionalidade reduzida a um custo de R$ 0,50 e consumo 20 vezes menor que o primeiro protótipo.

Como surgiu - O desenvolvimento do ZR16 teve início em 2010 na SMDH, originada da pesquisa acadêmica do Grupo de Microeletrônica da UFSM - surgido em 2001 - , somada à experiência industrial internacional da Chipus (empresa catarinense desenvolvedora de microeletrônica).Hoje, a SMDH - que faz parte do programa CI-Brasil, do Ministério da Ciência e Tecnologia, cujo objetivo é inserir o país no seleto mercado de semicondutores - já emprega 16 engenheiros - dois com doutorado, sete com mestrado e sete graduados (três já com mestrado em andamento), e a tendência é que a equipe aumente nos próximos anos.

"Essa história de formar pessoas e depois elas irem embora está mudando. Estamos criando aqui, mantendo o pessoal aqui e atraindo pessoas de outros lugares", celebra Silva Jr.

E a SMDH não para por aqui. Já estão sendo desenvolvidos três novos projetos, e a previsão, por baixo, é arrecadar R$ 3,3 milhões no biênio 2012-2013. O futuro só está começando para os lados do campus da UFSM.

A linha de produção do ZR16

Cada etapa é feita por equipes diferentes da Santa Maria Design House:

Especificação - Um documento é feito a partir da necessidade do cliente, com especificações como quais funções o microcontrolador vai exercer, que velocidade vai desenvolver e quanto de energia irá consumir

Codificação - Os projetistas escrevem todas as funções descritas na especificação e transformam isso em uma linguagem de computador

Verificação - No computador, são feitas simulações com o produto desenvolvido, para verificar se tudo funciona a contento e corrigir eventuais problemas

Layout - Um software gera um layout de como deve ser o microcontrolador. É esse layout que é enviado para a empresa que vai fabricar o protótipo do ZR16

A cadeia de produção dos semicondutores

Design
É a criação do projeto do semicondutor, testando no computador o funcionamento e criando um layout que será encaminhado para a fabricação. É o que fazem a Santa Maria Design House e a parceira Chipus, de Santa Catarina

Fabricação
É a etapa em que o chip efetivamente se torna realidade. No caso do ZR16, a fabricação poderá ser feita pela Ceitec, empresa estatal sediada em Porto Alegre

Encapsulamento
É a etapa final da cadeia, que é quando o chip é inserido em uma carcaça com fios, pinos e outros microconectores com funções específicas. É o encapsulamento que viabiliza a comunicação do chip com outros tipos de circuitos. Para o microcontrolador projetado em Santa Maria, o encapsulamento poderá ser feito pela HT Micron, de São Leopoldo

Para mais informações [iurl=http://www.tec.abinee.org.br/2011/arquivos/s205.pdf]clique aqui[/iurl]
-DGC-
Enviado por -DGC-
Membro desde
23 anos, Ponta Grossa, PR
label