.

Noticias sobre o Winning Eleven: Pro Evolution Soccer 2007

Enviado por Anônimo, , 0 visualização, 0 comentários
No Japão, é "Winning Eleven". Na Europa, "Pro Evolution Soccer". Agora, nos EUA, foi rebatizado com os dois nomes. O tradicional game de futebol da Konami é confuso na hora de receber títulos, principalmente na terra do Tio Sam, mas sua qualidade é indiscutível e disputa com a série "FIFA" a primazia entre os games que tem no esporte paixão nacional como tema.

Há defensores de ambas as franquias, mas o argumento mais forte de cada lado é que "FIFA" tem melhor apresentação - além da inegável vantagem de ter tudo licenciado -, enquanto o game da Konami vence "dentro de campo", quando rola a bola.

"Winning Eleven: Pro Evolution Soccer 2007", na verdade, nada mais é que o "Winning Eleven 10" japonês. Mias precisamente, tem praticamente as mesmas atualizações de "Pro Evolution Soccer 6", lançado no final do ano passado na Europa, com uma diferençazinhas aqui e acolá.

A série sempre prezou o lado de "simulador" do esporte, sendo mais fiel à realidade que seu concorrente. Isso não é diferente com a edição 2007 do game. De uns tempos para cá, as modificações da série, que recebe versões anuais para PlayStation 2 - enquanto faz sua estréia para Xbox 360 -, ficaram cada vez mais sutis. Mas algumas novidades vão fazer os fãs da franquia sorrirem de orelha a orelha, como o suporte a oito jogadores online no console da Sony.

Analisando todos os aspectos da edição para Xbox 360 e PlayStation 2, esta leva vantagens, apesar da grande superioridade gráfica do console de nova geração. O segundo possui as opções mais completas, mais conteúdo, melhor controle e, pasme, até um online melhor.

Seleção de craques

A Konami começa a caprichar um pouco mais no aspecto estético do game. A apresentação, por exemplo, é cheia de estilo e lembra aqueles comerciais de material esportivo. O menu é básico, mas as opções de jogo são relativamente ricas: há várias formas de disputa, desde uma partida individual até uma liga inteira. Mas não no mesmo nível de "FIFA", que conta com os principais times do mundo.

Ainda assim, "Pro Evolution Soccer 2007" traz bastante time oficiais, com escudos uniformes e nomes corretos e esquadrões atualizados (cobre até a janela de transferência de agosto de 2006), ou seja, o "kit" completo. Ã o caso das primeiras divisões da Espanha, Itália, Holanda e França, a novidade da edição. No entanto, a Bundesliga alemã foi cortada, sobrando apenas o Bayern de Munique para contar a história.

Além disso, há times oficiais "avulsos", como é o caso dos inéditos Manchester United (Inglaterra), Olympiakos (Grécia), Benfica e Sporting (Portugal). Ainda há representantes (um ou dois, no máximo) de vários países da Europa, como Escócia, Dinamarca, Noruega, Suécia e Turquia.

Os outros clubes, principalmente os ingleses, têm nomes de jogadores reais, mas todo restante é fictício. Por fim, há aquela categoria em que é tudo inventado, deixando transparecer apenas a inspiração, como é o caso de "Caopolo", baseado no São Paulo Futebol Clube, a única agremiação "brasileira" de "Pro Evolution Soccer 2007".

Entre as seleções nacionais há 11 com o "kit" oficial completo, incluindo Japão, Argentina, Inglaterra, França e Itália. O Brasil, cuja escalação é aquela da Copa do Mundo, se enquadra na categoria que tem nomes reais, mas não o uniforme e o brasão. Uma pisada de bola foi incluir os EUA com jogadores fictícios. Em se tratando de uma versão americana - na qual a brasileira é baseada -, isso não cai nada bem.

Vitória da geração que passou

Essas limitações incomodam muito, mas há como contornar usando os editores que o game possui, pelo menos na versão para PlayStation 2. No Xbox 360, muitas opções foram tolhidas, como aconteceu com "FIFA 07". No console de nova geração, você pode apenar mudar o nome do jogador e suas estatísticas. Nada de editar kits, aparência do jogador, mudar o nome da liga, criar jogadores nem transferir jogadores (exceto na Master League).

O console da Sony tem um modo de jogo a mais, a International Challenge, que imita a eliminatórias das Copas na Europa, América do Sul ou da região da Concacaf, que inclui as Américas do Norte e Central. Falta ainda ao Xbox 360 opções de salvar replay e a análise de estatísticas, cujas ausências chegam a ser inexplicáveis. E há apenas o modo de treino livre para praticar suas habilidades.

Ademais, todas as outras opções estão presentes, como os modos de copa ou liga, além da Master League, a principal opção para um jogador. Aqui, como sempre, o usuário faz as vezes de atleta, técnico, manager e administrador, tendo que cuidar das finanças do clube e da compra e venda de jogadores. Novamente, você pode ligar ou desligar a evolução dos atletas, que faz com que os jovens se aprimorem e os veteranos sintam o peso da idade.

Bate-bola refinado

Mas quando o juiz apita o início da partida, "Pro Evolution Soccer 2007" mostra porque é considerado o game que mais traduz as emoções do futebol. As animações dos jogadores sempre foram destaques, e vem melhorando a cada edição, ainda que nas últimas versões as modificações estejam ficando cada vez mais sutis. Todos os trejeitos e as movimentações dos jogares em campo parecem de uma partida real. E eles parecem estar cada vez mais "espertos". Nesse quesito, quem melhorou muito foram os goleiros, que, na média, dão menos rebotes bobos.

Esta edição se enquadra na categoria dos "Winning Eleven" mais dinâmicos, com um jogo mais fluente. Os jogadores respondem aos controles com rapidez e correm, param, giram com agilidade, pelo menos aqueles que são assim na vida real. O juiz também parece menos rigoroso desta vez e até é possível utilizar os carrinhos com menos parcimônia. O único ponto que parece desequilibrar um pouco as partidas são que os atletas mais corpulentos têm bastante vantagem sobre seus adversários, com muito mais chance de manter a posse de bola ou roubá-la de seus oponentes.

Quase tudo isso vale na versão para Xbox 360, a não ser pelo ritmo da partida, que parece mais cadenciada. A diferença não chega a ponto de precisar mudar a estratégia: você ainda precisa elaborar boas jogadas se quiser chegar ao gol - vale todas as táticas da vida real, como cruzamentos, enfiadas, trocas rápidas de passe etc. -, a não ser nas dificuldades mais baixas.

O game conta com cinco níveis de dificuldade, que servem tanto para quem nunca viu um "Winning Eleven" na vida - no beginner, os oponentes têm a mobilidade e a inteligência de um cone - ou quem já esmiuçou todas as edições. Os controles servem aos dois extremos, como sempre: com os botões básicos é possível fazer a maioria dos movimentos, mas, combinando mais de um botão, saem outros tipos de jogadas que podem definir uma partida entre craques.

No PlayStation 2, os extras são comprados com a moeda Wen, enquanto no Xbox 360 são liberados ao fazer determinadas tarefas, como terminar a copa da Puma. Em "Pro Evolution Soccer 2007", as conquistas são uma questão de transpiração, já que são liberadas ao terminar Copas, Ligas e etapas da Master League, além de vencer partidas online.

"Pelada" nossa de cada dia

O melhor de "Winning Eleven" sempre foi jogar contra outros jogadores e, nesse quesito, o PlayStation 2 também leva vantagem. Não apenas por permitir até oito jogadores, seja na mesma máquina, ou através da internet. No Xbox 360 são quatro usuários locais e dois online. O edição para PlayStation 2 também traz um modo cooperativo online. Mas ainda se sente falta de opções como uma liga pela rede.

O desempenho do game na Xbox Live é muito bom, principalmente jogando contra brasileiros, que estão em número abundante aguardando por oponentes - esse é mesmo o país do futebol. Ainda acontecem algumas travadas de vez em quando, mas não chega a atrapalhar. Já contra adversários mais distantes, o "lag" se torna mais freqüente, e isso pode interferir na experiência. Porém, apesar da fama de robustez da Xbox Live, a estrutura montada para o PlayStation 2 consegue ser mais eficiente. Os passos para entrar na rede no console da Sony é bem menos prático, mas quando a bola rola, acontecem menos travamentos.

O Xbox 360 leva grande vantagem no visual, naturalmente, por se tratar de um console de nova geração. No entanto, todo esse potencial não parece ter sido aproveitado em "Pro Evolution Soccer 2007". As imagens são mais refinadas, graças à alta resolução, mas as cores são muito carregadas e as texturas, não tão definidas - os uniformes estão longe de parecerem reais. O resultado são modelos 3D que parecem bonecos de cera, meio artificiais - e quase lúgubre. A versão para PlayStation 2 tem menos detalhes, mas parecem mais "vivos". Na nova geração, "FIFA 07" conseguiu ultrapassar em qualidade gráfica, ainda que por pouco.

A definição da textura do gramado do 360 é apenas mediana. No PlayStation 2, o visual parece ter retrocedido um pouco. O campo está bem simples e a textura quase não aparece. Dá para ver bem a diferença com a tela de replay, que traz bem mais detalhes. No Xbox 360, a torcida não é de papelão, mas isso é apenas um detalhe. A parte boa é que o fluxo de tela é extremamente suave, em ambos os consoles.

Gol de bico

"Winning Eleven: Pro Evolution Soccer 2007" mantém as qualidades de seus antecessores, que tornaram a série o mito que é hoje. A estréia para o Xbox 360 não é espetacular, mas traz o essencial e, principalmente, aquela diversão intensa quando se joga contra outras pessoas, seja reunindo os amigos ou tirando "contras" pela rede. "Winning Eleven" continua batendo um bolão.

Fonte:Uol Games
label