Microsoft e Sony assinam acordo para manter Call of Duty no Playstation

Microsoft e Sony assinam acordo para manter Call of Duty no Playstation

Finalmente eles chegaram a um acordo
#Games Publicado por T1cT4c, em

A Sony concordou com um acordo para Call of Duty com a Microsoft. O CEO de Jogos da Microsoft, Phil Spencer, afirma que a Sony e a Microsoft concordaram com um "acordo vinculativo" para manter Call of Duty no PlayStation. Não está claro imediatamente se esse é um contrato de 10 anos, como a Microsoft assinou com a Nintendo e outros provedores de nuvem.

Temos o prazer de anunciar que a Microsoft e PlayStation assinaram um acordo vinculativo para manter Call of Duty no PlayStation após a aquisição da Activision Blizzard. Estamos ansiosos por um futuro em que os jogadores de todo o mundo tenham mais opções para jogar seus jogos favoritos.

Isso encerra uma batalha amarga entre as empresas que foi travada tanto em particular quanto publicamente ao longo do último ano, após a Microsoft anunciar sua proposta de aquisição da Activision Blizzard. O acordo pode ser semelhante a um acordo de 10 anos entre a Microsoft e a Nintendo, bem como os vários acordos que a Microsoft fechou com plataformas de jogos em nuvem concorrentes para trazer Call of Duty a esses serviços.

A Sony resistiu a assinar um acordo para Call of Duty com a Microsoft depois que a empresa ofereceu inicialmente um contrato de 10 anos em dezembro de 2022. Em vez disso, em documentos enviados a reguladores, a Sony repetidamente afirmou que teme que a Microsoft possa tornar Call of Duty exclusivo do Xbox ou até mesmo sabotar as versões do jogo para PlayStation.

No entanto, ouvimos um email bombástico do chefe da PlayStation, Ryan, lido em tribunal durante a audiência FTC v. Microsoft, revelando que ele não estava realmente preocupado com a exclusividade de Call of Duty e estava "bastante certo de que continuaremos a ver Call of Duty no PlayStation por muitos anos". Os advogados da Microsoft argumentaram que Ryan inicialmente não tinha preocupações com o acordo e havia conversado com o chefe do Xbox, Phil Spencer, para buscar garantias sobre Call of Duty em janeiro de 2022.

O acordo ocorre após meses de discussões e contrapropostas nos últimos 18 meses entre a Microsoft e a Sony sobre o futuro do conteúdo da Activision no PlayStation. Durante a audiência FTC v. Microsoft, também foi revelado que um email de 26 de agosto do chefe do Xbox, Spencer, para o chefe da PlayStation, Ryan, incluía uma lista de jogos da Activision que permaneceriam no PlayStation, e Ryan não ficou satisfeito:

"Não era uma lista significativa. Essa lista representava uma seleção específica de títulos antigos que permaneceriam no PlayStation, por exemplo, Overwatch está nela, mas Overwatch 2 não está, a versão atual do jogo".

Este email claramente causou uma ruptura nas comunicações entre Spencer e Ryan. Poucos dias após o envio, Spencer disse ao The Verge que Call of Duty permaneceria no PlayStation "por pelo menos vários anos além do contrato atual da Sony". Ryan não ficou satisfeito com Spencer tornando públicas as negociações contratuais e disse que a oferta era "inadequada em muitos aspectos e não levou em conta o impacto em nossos jogadores".

Na época, Ryan também afirmou que "não pretendia comentar o que eu entendia ser uma discussão de negócios privada, mas sinto a necessidade de esclarecer as coisas porque Phil Spencer trouxe isso para o fórum público". As tensões em torno do destino do acordo entre a Microsoft e a Activision Blizzard realmente atingiram o ápice quando Jim Ryan conversou com o CEO da Activision, Bobby Kotick, em 21 de fevereiro de 2023 - o mesmo dia em que Microsoft, Activision, Sony e outros estavam se reunindo com reguladores da União Europeia.

Ryan disse a Kotick: "Eu não quero um novo acordo para Call of Duty. Eu só quero bloquear sua fusão." Jim Ryan confirmou a reunião durante o depoimento na audiência FTC v. Microsoft. "Eu disse a ele [Bobby Kotick] que eu achava que a transação era anti-competitiva, esperava que os reguladores fizessem seu trabalho e a bloqueassem". Kotick aparentemente queria "se resguardar" com um acordo estendido para Call of Duty com a Sony caso a transação com a Microsoft não fosse concluída.

A Microsoft sempre afirmou que manteria Call of Duty no PlayStation, argumentando que não faz sentido financeiro remover o jogo dos consoles da Sony. O chefe do Xbox, Spencer, tentou encerrar a discussão em novembro antes de comparecer ao tribunal no mês passado e reiterou, sob juramento, que Call of Duty permanecerá no PlayStation 5.

Fonte: Theverge
T1cT4c
T1cT4c

Não é isso que você está procurando.

Usuário do Site
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.
Publicações em Destaque