Nova ordem mundial dos games? Caros, incompletos, não otimizados e muitas DLCs

Nova ordem mundial dos games? Caros, incompletos, não otimizados e muitas DLCs

Evolução dos games e as estratégias dos estúdios de produção para elevar e/ou disfarçar o real preço final dos games.
#Artigos Publicado por Serginho, em

"Raiz do problema"

Se você tem pelo menos oito anos de vivência no mundo dos games, já deve ter notado a grande evolução de conteúdo e modelo de serviço que os games em geral tem sofrido.

O pontapé inicial sem dúvidas foi o lançamento do cliente da Steam para a plataforma PC em 2003, onde a oferta de compra de games online rapidamente ganhou adesão.

O mesmo rumo foi seguido pelas plataformas de consoles, com o lançamento do PS3 em 2006, também surgiu o serviço PSN. Embora a Microsoft tenha lançado serviços para os antigos Xbox, foi a partir do Xbox 360 que a rede ganhou notória adesão (Xbox Live - Xbox Network) e posteriormente foi estendido para o PC através do serviço Games For Windows - Live.

Entre erros e acertos destas plataformas, serviços e produtoras, o que todas elas tem em comum são o aparecimento de conteúdo parcial de games, intitulados como DLC (Downloadable Content).

Não apenas as DLCs, hoje também temos uma grande nomenclatura de produtos e serviços adicionais para "turbinar" a evolução ou agregar diversão ao conteúdo do game.

Entre eles posso citar:

  1. Starter Packs / beginner packs.
  2. Pré-compra com vantagens e exclusividades.
  3. Pré compra para ter acesso a beta.
  4. Serviços premium/Vip.
  5. Passes de batalha.
  6. Prólogo, onde o player tem acesso mínimo ao game, sendo necessário pagar pelo conteúdo completo.
  7. Serviços de GaaS em games diversos, game como um serviço, onde extensões de mapas e serviços internos são pagos por temporada ou mensalidade, entre outros.

Para fins de comparação, o game Resident Evil 4 foi lançado por aproximadamente R$92,00 em 2005, não havia conteúdo adicional, todos os upgrades e modos adicionais eram obtidos com a finalização do game ou a sua gestão monetário no jogo.

IMAGEaHR0cHM6Ly9jZG4uY2xvdWRmbGFyZS5zdGVhbXN0YXRpYy5jb20vc3RlYW0vYXBwcy8yNTQ3MDAvc3NfOGRmODYzMjcwMWQ1OTBiYzg5YTcxM2QzMWNmM2M3NmE2YTc1ZWVkMi4xOTIweDEwODAuanBnP3Q9MTY1MDg2MDYxMA==

Na Steam, o game Resident Evil the Village foi lançado a versão básica por R$179,99 (Hoje já está mais barato), porém para adquirir tudo o que o game oferece, o comprador terá que desembolsar outros R$116,95 em DLCs, o custo total do game seria de R$296,94, ou seja, 322% mais caro que um game lançado em 2005.

IMAGEaHR0cHM6Ly9jZG4ucG9ja2V0LWxpbnQuY29tL3Ivcy94MTkyMC9hc3NldHMvaW1hZ2VzLzE1Njc0Ny1nYW1lcy1yZXZpZXctcmVzaWRlbnQtZXZpbC12aWxsYWdlLXdlYi1zdG9yeS1pbWFnZTQtZ2JsMHMzbnRwZC5qcGc=

Os custos de produção e complexidade de games vem aumentando ano após ano, este é o discurso dos estúdios de produção e suas publishers, não obstante, percebemos que a venda de um game básico separado de seu conteúdo adicional (DLCs) é muito lucrativo para quem produz.

Por consequência, o player que joga nos dias atuais tem pagado de 3 a 5 vezes o valor do game, e a prática tem se tornado recorrente e largamente defendida pelas produtoras, que figuradamente, tem definido uma "Nova Ordem Mundial" no modelo de negócio e comércio dos games.

"Tiro nos pés"

Esta prática tem gerado larga resistência entre os players, pois além de encarecer o custo total, quem recebe o game base tem aquela "sensação de ter comprado pizza e ter que pagar a mais para ela vir com recheio"

Algo semelhante aconteceu com a franquia Tomb Raider.

Shadow of the Tomb Raider foi vendido o game base, porém boa parte das tumbas de exploração e importantes missões secundárias que davam consistência ao enredo, estavam nas DLCs.

Quem comprou o game "pelado" em 2018, teve a sensação do jogo estar incompleto, o que acarretou em má avaliações na mídia especializada em games, o resultado veio à tona na má fama que o terceiro game teve, além da sua baixa vendagem no primeiro ano do game.

Qualidade dos games não condiz com os preços

Como mencionado no título, a qualidade e desempenho dos games tem piorado na mesma velocidade que os preços aumentam, potencializando o sentimento que estamos pagando cada vez mais por conteúdo de menor quantidade e qualidade.

Como exemplo recente, temos Cyberpunk 2077 que além de custar R$250,00 (PS5) teve todo aquele alvoroço pelo péssimo desempenho e ausência de conteúdo prometido.

Também é notório o tremendo fracasso do game Babylon's Fall, que foi considerado natimorto e já tem data de encerramento dos servidores para 2023.

A atual forma de comércio de DLCs em games te incomoda? O aumento dos preços dos games tem limitado sua aquisição de novos títulos? Já pensou em abandonar os games por conta da direção que a indústria dos games tem tomado?

Serginho
Serginho #SerginhoPersonal
Usuário do Site
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.
Publicações em Destaque