Remedy Entertainment fala sobre os motivos que levaram a volta de Alan Wake no mercado

Remedy Entertainment fala sobre os motivos que levaram a volta de Alan Wake no mercado

Estúdio fala sobre como a Epic Games e a Microsoft foram importantes na multiplataformização de AW
#Games Publicado por Billy Butcher, em

Quando Alan Wake chegou ao Xbox 360 em maio de 2010, ele enfrentou uma grande competição.

Caso não se lembre, maio de 2010 foi o mês encabeçado por Red Dead Redemption da Rockstar, que se tornou um sucesso global. Como resultado, e apesar das críticas fortes, Alan Wake teve dificuldade em encontrar o público de que precisava. Fora isso, naquele mesmo mês vimos o lançamento de títulos como Blur (Activision), ModNationRacers (Sony) e Split/Second (Disney Interactive).

11 anos depois, a desenvolvedora Remedy, tendo obtido os direitos da IP de Alan Wake da Microsoft, lançou Alan Wake Remastered para consoles modernos. E apesar de este ser um dos anos mais silenciosos para videogames em muito tempo, Alan Wake está aparecendo mais uma vez durante um par de semanas extraordinariamente agitado, com nomes como FIFA 22, Far Cry 6, Back 4 Blood e Metroid Dread lutando por qual vende mais.

“Eu me pergunto se é apenas um karma nosso, pois sempre lançamos nossos jogos em datas que não são nada atrativas”, ri o diretor comercial da Remedy, Johannes Paloheimo.

"Estamos nos mantendo fiéis a essa tradição com Alan Wake Remastered, lançando ele numa data bem competitiva."

Claro, o mercado de jogos é diferente hoje. Considerando que, em 2010, aquelas primeiras semanas são cruciais para o sucesso comercial de um jogo, esse não é o caso hoje, principalmente após a ascensão do digital e o declínio dos usados.

E Alan Wake não é mais uma nova IP carregada de muitas expectativas. Em 2010, este foi o primeiro jogo da Remedy em 7 anos após seus aclamados títulos Max Payne, e foi um jogo exclusivo para o Xbox 360, o grande líder de mercado da sétima geração.

"Lembro-me de quando o jogo foi lançado, eu ainda estava fazendo jornalismo", começa Thomas Puha, diretor de comunicação da Remedy.

“E o maior jornal da Finlândia me ligou para perguntar: 'Este jogo não vendeu 1 milhão, o que houve?' As primeiras semanas são supercríticas, mas não foi útil comparar Alan Wake com algo como Max Payne. Passaram-se quase 8 anos entre os jogos e as coisas mudaram tremendamente.''

"Alan Wake demorou muito para ser lançado. As pessoas esperavam por isso todos os anos, inclusive eu. Então, não será lançado neste ano, nem neste ano, nem neste ano, e em algum momento você simplesmente perde o ímpeto.''

"Quando entrei para a Remedy, uma das primeiras coisas que perguntei foi: Então o que você fez durante 7 anos? Foi uma discussão fascinante, porque havia pessoas que trabalharam nisso todos os dias. E nós definitivamente aprendemos muito com isso."

Paloheimo acrescenta:

"Eu era um estranho na época, mas vejo isso sendo um pouco como a síndrome do segundo álbum. Saindo de Max Payne, a Remedy tinha todo o tempo e recursos financeiros para criar seu próximo grande jogo. E essa é uma posição difícil estar em.''

"As ambições eram muito altas para Alan Wake. Mas eles tiveram que voltar e fazer grandes mudanças. Eles mudaram de um mundo aberto para uma experiência mais linear. E houve muita pesquisa interna sobre... o que pode ser feito? E como eles podem fazer isso?"

Por toda a conversa sobre o que deu errado com Alan Wake, vale lembrar que a franquia não apenas sobreviveu ao seu início desafiador, mas se tornou um clássico-cult. Existem fan sites dedicados a ele, e a Remedy ainda conseguiu reviver a série via DLC para seu último jogo, Control.

Pode não ter vendido em grande quantidade, mas para aqueles que descobriram o jogo, Alan Wake viveu muito na memória.

"Tem algo a ver com a forma como construímos jogos", sugere Paloheimo

"As histórias, os mistérios, o mundo... há muitas coisas que não foram contadas. A maneira como Sam Lake e nossos outros criadores abordagem dessas experiências, isso apenas deixa um monte de mistério sobre a mesa que as pessoas desejam saber mais. Vai muito fundo em sua alma."

Alan Wake foi certamente único para sua época, um mistério de terror de grande orçamento que atraiu comparações com Twin Peaks de David Lynch, que também teve um retorno graças ao seu fandom duradouro. O que foi crucial para o retorno de Alan Wake, no entanto, foi a Remedy assumindo o controle da IP da Microsoft.

Em 2012, a desenvolvedora conseguiu publicar o jogo no PC via Steam, o que imediatamente trouxe um novo público e permitiu que a empresa tivesse um relacionamento direto com seus fãs.

Também permitiu que a Remedy tentasse coisas que uma grande empresa como a Microsoft teria dificuldades para ver muito valor em fazer.

"Ter mais liberdade com seus jogos permite que você faça mais o trabalho de base e construa lentamente o público", explica Paloheimo.

"Esse tipo de trabalho exige muito tempo e esforço, e o retorno pode não parecer significativo o suficiente para uma grande empresa.''

"O Steam foi um grande sucesso financeiro para Alan Wake, mas também escolhemos a Nordic Games (hoje THQ Nordic) para criar uma versão em mídia física para PC de Alan Wake. Vimos todos esses pequenos riachos se juntam para se tornar um rio, e continuou crescendo a partir daí.''

''Demorou muito tempo e esforço, e para a Microsoft isso teria sido muito trabalho para pouco retorno."

Puha acrescenta:

"Nunca teríamos feito Alan Wake sem a Microsoft. É completamente compreensível que empresas maiores passem para o próximo passo. Essa é uma visão muito diferente da nossa, onde realmente é nossa e estamos bem que a os fluxos de receita são pequenos."

''A Microsoft nos ajudou no nosso pior momento, quando tivemos muito perto da falência, e estendeu a mão para produzir o projeto sob seu financiamento, e apesar do pouco retorno nas vendas, o acordo ainda permaneceu (onde daí surgiu Alan Wake's American Nightmare e Quantum Break).''

Paloheimo novamente:

"Estamos muito gratos por toda a equipe do Xbox, e muitos elogios vão para a Microsoft, por nos permitir criar o jogo, por nos deixar expandir esse universo ao PC em 2012, e agora, por dar a oportunidade de expandir Alan Wake fora do ecossistema do Xbox."

Alan Wake Remastered foi anunciado de uma forma incomum. O jogo foi revelado, apenas cinco semanas antes do lançamento, através do site de fãs do The Sudden Stop, algo sugerido pela agência de relações públicas Edelman and Remedy achou que era a ideia perfeita.

E então, dias depois, o jogo teve uma revelação ainda mais profunda como parte do showcase do PlayStation da Sony.

"As estrelas concordaram que poderíamos fazer uma abordagem amigável para a comunidade para anunciá-lo e, alguns dias depois, fazer uma aparição ao lado da Sony", disse Paloheimo.

"Foi uma aposta muito arriscada. Nunca se sabe como essas coisas vão se desenrolar. Somos uma empresa que tenta fazer grandes coisas, mas ainda somos pequenos e ágeis e podemos fazer coisas que as grandes editoras podem considerar muito arriscadas. Sony pode ter dito 'não, você não pode anunciá-lo antes de nós'. Mas eles nos apoiaram muito."

O momento também funciona para o retorno de Alan Wake, Puha diz. Embora a série tenha lutado pelas vendas em geral, seu sucessor espiritual, o Control de 2019, alcançou 10 milhões de jogadores. É este jogo que permitiu a desenvolvedora criar o 'Remedy Connected Universe' (RCU) e trazer de volta Alan Wake.

A Remedy espera que os fãs de Control usem esta oportunidade para dar uma chance a Alan Wake. E há também outro público que a Remedy espera atrair com esta remasterização.

“O público do PlayStation não experimentou Alan Wake, e os fãs do PlayStation têm uma tendência a gostar de jogos focados em narrativas, que é o que fazemos”, argumenta Puha.

"Isso não quer dizer que não haja muitos fãs no Xbox que não tenham experimentado Alan Wake, que também gosta de jogos para um jogador. Tenho jogado Psychonauts 2 (publicado pela Microsoft) nos últimos dois semanas, e é brilhante que algo assim seja lançado nos dias de hoje.''

"Nos últimos anos, os jogos single-player têm... Eu não diria que eles voltaram, porque nunca foram embora. Mas aquela discussão sobre a morte dos jogos narrativos... Acho que nós agora pode esquecer isso. As pessoas adoram jogos single-player. E Alan Wake é uma experiência narrativa bastante única, com certeza.''

A Remedy é proprietária de Alan Wake, mas a empresa não está publicando sozinha. Na verdade, é um dos primeiros jogos a sair da nova divisão de publicação da Epic Games.

"Foi em 2019 quando recuperamos a parte final dos direitos de publicação e sentimos que podíamos prosseguir com essa remasterização", diz Paloheimo.

"Conhecemos Hector Sanchez, chefe da Epic Games Publishing, antes de ele entrar para a Epic. Tínhamos um relacionamento lá e nos avisamos sobre a iniciativa de publicação. Entramos em contato com ele e dissemos: 'Que tal fazermos algo junto com Alan Wake?'''

"A forma como eles veem os estúdios criativos e talentos, e sua abordagem diferente para a publicação, realmente ressoou em nós. Era algo que queríamos apoiar e fazer parte."

Puha diz:

"Naquela fase, a Epic Games Publishing era basicamente apenas Hector. Portanto, estávamos bem cientes de que estávamos entrando no assunto enquanto eles ainda estavam construindo aquela operação. Mas a reunião inicial foi muito boa. Em vez de o negócio levar seis meses, eu acho que os detalhes de alto nível foram resolvidos em semanas.''

De volta a Paloheimo:

"Foi muito bom desde o início. As formas de longo prazo que tendem a ser a parte difícil de uma negociação editorial, que foram feitas e eliminadas em nenhum momento.''

"Alan Wake Remastered é um bom produto para começar um relacionamento editorial. Não é como se estivéssemos criando um novo IP ou algo arriscado e desconhecido."

Se for para acreditar na especulação (e nem Puha nem Paloheimo confirmariam ou negariam nada), esta não é a última vez que ouviremos de Alan Wake. E o estúdio assinou um contrato de dois jogos com a Epic, que a Remedy confirmou no início deste ano que se passa no mesmo universo.

Mas a pergunta que me resta é por quê? A Remedy continua a fazer jogos para a Microsoft (a dona do Xbox vai publicar o jogo single-player e multiplayer CrossfireX, feito pela Remedy e Smilegate). Deixando de lado a fanbase cult, parece não haver razão para tirar o pó de um jogo de 11 anos que lutou para encontrar um público para começar. Então, por que se preocupar?

"Muitas pessoas vivem e respiram Alan Wake aqui", Puha responde.

"Sempre dissemos que é uma franquia que nos é cara e querida. A ideia de uma remasterização já circula há vários anos. O jogo nunca esteve em uma plataforma PlayStation, então há um grande público que estamos perdendo.''

"E, você sabe, as coisas simplesmente envelhecem. E mesmo que o jogo seja da geração Xbox 360, ele ainda parece muito bom, mesmo sendo de 2010. Remodelá-lo e atualizá-lo fez sentido.''

"Mas, realmente, é claro, essa é uma paixão para nós. Amamos Alan Wake."

Billy Butcher
Billy Butcher #BillyButcher

Um grande fã de jogos e filmes dos gêneros Stealth e Ficção-Científica.

Tenho uma paixão imensa pela franquia Metal Gear Solid, na qual considero a minha favorita, porém também sou um grande amante das sagas Halo e StarCraft.

Moderador do Site, Volta Redonda, Rio de Janeiro
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.
Publicações em Destaque
#Games, Por VSDias55,
#Games, Por T1cT4c,
#Games, Por BillyButcher,