Desenvolvedor revela alguns dos termos de contrato incoerentes para ser um funcionário da Amazon Games

Desenvolvedor revela alguns dos termos de contrato incoerentes para ser um funcionário da Amazon Games

Empresa é extremamente exigente e restringe por completo a criatividade dos estúdios com que trabalha
#Games Publicado por Billy Butcher, em

Amazon Game Studios, ou simplesmente Amazon Games, é uma divisão de videogames da famosa varejista digital fundada em 2014, na época que a empresa comprou a Double Helix, estúdio do Killer Instinct de Xbox One.

Mesmo já possuindo 4 estúdios internos e mais de 500 funcionários, até hoje não vimos um grande jogo sair do papel na Amazon Games, e sempre é feito a pergunta: o que há de errado lá? No início deste ano, soubemos que a Amazon Games investe cerca de US$ 500 milhões em sua divisão de jogos todos os anos.

Já vimos muitos projetos da divisão sendo cancelados, muitos no início do desenvolvimento, outros já tendo sua produção total sendo iniciada, como Crucible, que lançou, e depois que obteve uma recepção mediana, voltou para o Beta, só para no fim ele ser cancelado de vez.

Hoje no entanto, algo mais profundo surgiu a respeito desse assunto, através de um desenvolvedor, James Liu, que falou como a Amazon restinge toda a criatividade para sua divisão de jogos, onde basicamente é "o que é meu, é meu, e o que é seu... também é meu."

Abaixo você encontra o documento de condicionantes do acordo que James Liu recebeu da Amazon e que, em última instância, o fez dizer 'não' a uma vaga de emprego da Amazon Game Studios (é importante destacar que o documento se refere a 2018, portanto não se sabe se algum destes pontos foram modificados ao longo do tempo):

IMAGEaHR0cHM6Ly9hcmVhanVnb25lcy5zcG9ydC5lcy93cC1jb250ZW50L3VwbG9hZHMvMjAyMS8wNy9pbWFnZW4tMjAyMS0wNy0wOC0wOTAyNTguanBn

Também é relevante que a posição rejeitada por James Liu não estava diretamente relacionada ao desenvolvimento de um novo jogo da Amazon Games, mas voltada para a engenharia geral de software da divisão de videogames da empresa.

Ainda assim, os pontos 7 e 8 parecem absurdamente restritivos em termos gerais, novamente, para alguém que não estava diretamente envolvido no caso, a Amazon cita:

  1. Ponto 7: O funcionário pode desenvolver videogames por conta própria e em seu tempo livre, mas no processo ele concederá royalties e uma licença de propriedade intelectual do produto desenvolvido para a Amazon.
  2. Ponto 8: O desenvolvimento do jogo próprio do desenvolvedor somente poderá ser realizado com outros funcionários da Amazon que se valem das mesmas condições de acordo. É estritamente proibido trabalhar em um projeto pessoal com alguém de fora da empresa.

Basicamente, a ideia é que, ao ingressar na equipe de engenharia de software da Amazon Games, toda liberdade criativa será praticamente eliminada de imediato.

Isso implica que por mais que se possa criar um projeto fora do marco estabelecido, tudo o que dele se inclui e deriva deve ser reportado e vinculado a Amazon. Em termos de desenvolvimento, isso é bastante grave, pois dá poucos espaços para um dev trabalhar livre em sua obra, dando dificuldade extrema na hora de entrar na produção total de um título.

Billy Butcher
Billy Butcher #BillyButcher

Um grande fã de jogos e filmes dos gêneros Stealth e Ficção-Científica.

Tenho uma paixão imensa pela franquia Metal Gear Solid, na qual considero a minha favorita, porém também sou um grande amante das sagas Halo e StarCraft.

Moderador do Site, Volta Redonda, Rio de Janeiro
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.
Publicações em Destaque
#Games, Por ricklek550,
#Games, Por taffarelkupkovski,
#Games, Por Frocharocha,