Cibercriminosos intensificam ataques a Trabalhadores Remoto

Cibercriminosos intensificam ataques a Trabalhadores Remoto

Além deles sistemas de Saúde também foram um dos principais alvos em 2020
#Segurança Publicado por Allan Kardec, em

Os pesquisadores da Check Point Research (CPR), braço de Inteligência em Ameaças da Check Point Software Technologies Ltd. (NASDAQ: CHKP), publicaram o Relatório de Cibersegurança 2021, que revela os principais vetores de ataque e as técnicas criminais, políticas e de ataques de estado-nação que afetaram e continuam impactando organizações de todos os setores da economia mundial. Atualmente, o mundo se depara diariamente com mais de 100 mil sites maliciosos e mais de 10 mil arquivos maliciosos; e 87% das organizações sofreram uma tentativa de exploração de uma vulnerabilidade existente já conhecida.

No relatório publicado conta com informações detalhadas dos profissionais de segurança e executivos de nível C sobre como proteger as organizações contra esses ciberataques e as ameaças avançadas de quinta geração (GEN V).

Os principais destaques do Relatório de Cibersegurança 2021 da Check Point são listados a baixo:

  1. Adoção da nuvem corre à frente da segurança: no ano de 2020, os planos de transformação digital das organizações avançaram em mais de cinco anos em resposta à pandemia, mas a segurança da nuvem pública ainda é uma grande preocupação para 75% das empresas no mundo. Além disso, mais de 80% das empresas descobriram que suas ferramentas de segurança existentes não funcionam totalmente ou têm apenas funções limitadas na nuvem, mostrando que os problemas nesse ambiente continuarão em 2021.
  2. Trabalho remoto é o alvo: em 2020, os cibercriminosos intensificaram os ataques do tipo " thread hijacking ", os quais usam tópicos de e-mail legítimos para roubar dados ou acessar as redes através dos cavalos de Troia Emotet e Qbot, o que afetou 24% das organizações globalmente. Ataques contra sistemas de acesso remoto, como RDP e VPN, continuam a aumentar drasticamente.
  3. Aumento de ataques de ransomware de dupla extorsão: no terceiro trimestre de 2020, quase metade de todos os incidentes de ransomware envolveram a ameaça de liberação de dados roubados da organização atingida. Em média, uma nova organização se torna vítima de ransomware a cada dez segundos em todo o mundo. Estima-se que o ransomware custou às empresas globalmente US$ 20 bilhões em 2020, contra US$ 11,5 bilhões em 2019 .
  4. Ataques ao setor de Saúde se tornaram uma epidemia: no quarto trimestre de 2020, a divisão CPR relatou que os ciberataques (especialmente ataques de ransomware) em hospitais aumentaram 45% em todo o mundo, porque os cibercriminosos acreditam que essas instituições são mais propensas a cederem e pagarem aos pedidos de resgate devido às pressões dos casos da COVID -19.
  5. Dispositivos móveis são alvos em movimento: 46% das organizações tiveram pelo menos um colaborador que efetuou o download de um aplicativo móvel malicioso em 2020, colocando em risco as redes e os dados corporativos. O aumento do uso de smartphones durante o isolamento social imposto pela pandemia em todo o mundo também impulsionou o crescimento de cavalos de Troia móveis para roubo de informações e de credenciais bancárias.

IMAGEaHR0cHM6Ly9zdGF0aWMuZ2FtZXZpY2lvLmNvbS9pbWFnZW5zX3VwL2JpZy8zNy8wMzY0MjEuanBn

Segundo Dorit Dor, vice-presidente de produtos da Check Point:

"Globalmente, as empresas se surpreenderam com a velocidade com que implementaram suas iniciativas digitais em 2020. Estima-se que a transformação digital avançou em até sete anos. Mas, ao mesmo tempo, os atacantes e os cibercriminosos também mudaram suas táticas para que pudessem tirar proveito dessas mudanças e da disrupção na pandemia, com um alto crescimento do número de ataques em todos os setores" ... "Agora, precisamos agir para impedir que essa pandemia cibernética se espalhe e fique fora de controle. As organizações precisam ‘vacinar’ suas redes hiperconectadas para evitar esses ciberataques que causam tantos prejuízos e transtornos."

O relatório da Check Point foi baseado em dados de inteligência da ThreatCloud da empresa, uma das redes colaborativas de combate ao cibercrime que fornece dados de ameaças e tendências de ataques a rede global. Durante os 12 meses de investigação os pesquisadores e profissionais de Segurança/TI examinaram as ameaças emergentes mais recentes em todos os setores da economia para oferecer uma visão abrangente das tendências no cenário de malware e violação de dados e ciberataques.

Allan Kardec
Allan Kardec #okardec

Analista e Administrador de Sistema vulgo Programador

Amante de artes, com gostos peculiares e até duvidosos!

Todo dia [ou quase] criando uma análise ou indicando um indie interessante ou desconhecido.

Vem me ver testar algum joguim aleatório https://www.twitch.tv/okardec

Administrador do Site, Luziânia, GO, Brasil