Um dos maiores universos de Ficção-Científica já criados
Publicado por Billy Butcher, em .
Para celebrar o 10° Aniversário do jogo lançado em 2010, StarCraft II, hoje iremos relembrar toda a trajetória da franquia lendária na qual se formou, abordar sua história, univerdo, inovação, e até outras mídias.

Chamado popularmente de Xadrez da Velocidade da Luz, os jogos da franquia são conhecidos pelo seu enredo complexo, pela sua jogabilidade repleta de formas que você pode abordar, e pelo seu forte senso de estratégia em defesa e ataque.

Antes de partir para a Empresa da Franquia e os Jogos da Franquia, já quero agradecer a todos que estavam esperando e haviam me pedido que retornasse com o Legado de Franquias.

Quis retornar com StarCraft para demonstrar uma nova fase de Artigos, e nada mais justo que iniciar a 2° Temporada com minha franquia favorita nos PC's.

Estúdios da Franquia


Blizzard Entertainment


Clique para ver a imagem em tamanho original

Blizzard Entertainment é a empresa por trás de todos os jogos da franquia StarCraft. Sendo um dos seus três grandes universos até 2016, a franquia foi a última grande criação da empresa desde Warcraft e Diablo até sua data.

A empresa foi fundada em 1991, em Irvine, na Califórnia, e em 2007, após ser comprada pela Vivendi, o estúdio foi fundido a Activision Inc., se tornando a empresa que conhecemos hoje como Activision-Blizzard Inc.

Os jogos da franquia StarCraft foram desenvolvidos principalmente no Studio Development 3 da Blizzard, sob a direção dos grandes Dustin Browder, Chris Metzen e James Phinney.

Devido ao seu forte apelo ao seu cenário de e-Sports e ser uma das franquias favoritas na Coréia do Sul, a Blizzard sempre deu uma grande atenção ao país nativo da franquia, apesar de sua maior popularidade ainda ser nos Estados Unidos entre os americanos, muito devido a sua Trama e seu estilo de Ficção Científica.

Jogos da Franquia


  1. 1998 | StarCraft

Clique para ver a imagem em tamanho original

Lançado em 1998, StarCraft iniciou toda a jornada desta franquia que marcou Gênero RTS em muitos sentidos. O jogo foi produzido pela Blizzard Entertainment Studios 3, e lançado apenas para os PC's.

Sua trama é uma Ficção-Científica Militar de estética Fantasiosa e com elementos Místicos. Sua ambientação se passa durante o Século 26, e centra-se em uma luta galáctica pelo domínio entre quatro espécies, os terráqueos adaptáveis ​​e móveis, o insetoide Zerg em constante evolução, o enigmático Protoss poderoso, e o divino Xel'Naga, raça do criador, em uma parte distante da galáxia e da Via Láctea conhecida como Setor Koprulu.

O jogador assume o papel de três personagens anônimos ao longo do jogo. No primeiro ato, o jogador atua como o magistrado confederado de um mundo colônia periférica de Mar Sara, ameaçado tanto pelos Zerg quanto pelos Protoss, e é forçado pelos eventos a se juntar aos rebeldes Filhos de Korhal sob seu líder Arcturus Mengsk. A campanha de Mengsk é acompanhada por Jim Raynor, um policial moralmente consciente de Mar Sara, e Sarah Kerrigan, uma assassina psíquica e a segunda em comando de Mengsk.

No segundo episódio do jogo você é um cerebrado, um comandante dentro do Enxame Zerg. O jogador é governado pelo Zerg Overmin, a manifestação da consciência coletiva do Enxame e o principal antagonista do jogo, e recebe conselhos de outros cerebrados de posição e status mais elevados enquanto realiza os objetivos do Enxame.

Na parte final de StarCraft, o jogador é um novo executor nomeado dentro do exército Protoss, reportando-se a Aldaris, um representante do governo Protoss. Aldaris está em desacordo com Tassadar, o ex-ocupante da posição do jogador, sobre sua associação com Zeratul, um membro de um grupo herético conhecido como templário das trevas.

E como consiste o Gameplay de StarCraft? Pois bem, no jogo, existem três raças distintas de uso para a jogabilidade, algo que foi muito elogiado pela Blizzard, e que revolucionou o gênero de RTS (Estratégia em Tempo Real) devido sua complexidade e velocidade surreais, o que fez ganhá-lo o apelido de Xadrez da Velocidade da Luz. Todas as unidades são exclusivas de suas respectivas raças e, embora possam ser feitas comparações aproximadas entre certos tipos de unidades na árvore de tecnologia, cada unidade tem um desempenho diferente e requer táticas diferentes para o sucesso do jogador.

Os Protoss psiônicos e tecnologicamente aptos têm acesso a unidades e máquinas poderosas e tecnologias avançadas, como escudos de energia e capacidades de se dobrarem em sua localização, alimentados por suas características psiônicas. Porém, suas forças possuem processos de fabricação demorados e caros, estimulando os jogadores a seguirem uma estratégia de qualidade de suas unidades em detrimento da quantidade.

Os insetóides Zerg possuem unidades e estruturas inteiramente orgânicas, que podem ser produzidas rapidamente e com um custo de recursos muito mais barato, mas são, portanto, mais fracas, contando com números absolutos e velocidade para subjugar os inimigos. Enquanto isso, os humanóides terráqueos fornecem um meio-termo entre as outras duas raças, fornecendo unidades versáteis e flexíveis. Eles têm acesso a uma variedade de tecnologias e máquinas militares mais balísticas, como tanques e armas nucleares.

Cada raça depende de dois recursos para sustentar suas economias de jogo e construir suas forças: minerais e gás vespeno. Os minerais são necessários para todas as unidades e estruturas e são obtidos usando uma unidade de trabalho para coletar o recurso diretamente dos nós minerais espalhados pelo campo de batalha. Os jogadores precisam de gás vespeno para construir unidades e edifícios avançados, e eles o adquirem construindo um edifício de extração de gás em cima de um gêiser e usando unidades de trabalho para extrair o gás dele.

A construção de edifícios Protoss e Zergs é limitada a locais específicos: edifícios Protoss precisam estar ligados a uma rede elétrica, enquanto quase todas as estruturas Zergs devem ser colocadas em um tapete de biomassa, chamado creep, que é produzido por certas estruturas. Os edifícios terráqueos são muito menos limitados, com certas estruturas de base primárias possuindo a capacidade de decolar e voar lentamente para um novo local.

Indo para o setor Multi-Player de StarCraft, o primeiro ponto a mencionar é dele ser alimentado pela Battle Net, da Blizzard Entertainment. Com isso, um máximo de oito jogadores podem competir em uma variedade de modos de jogo, incluindo simplesmente destruir todos os outros jogadores (que podem ser competitivos, como no Ladder Game, ou não classificados, como no Corpo-a-Corpo), até o Rei da Colina e Capture the Flag. Além disso, o jogo ainda recebeu duas expansões, chamadas StarCraft: Brood War e StarCraft: Insurrection, cujo qual falaremos mais tarde.

Com seu lançamento em 31 de Março de 1998, StarCraft quebrou os recordes mundiais em jogos de PC em seu ano, sendo o mais vendido naquele ano. Em um ano de mercado, ele adquiriu 3.5 milhões de unidades no mercado, e adquiriu notas de aclamação total pela Mídia Especializada e Jogadores, que atribuíram a média de 93+ para o título de RTS, chamando-o de inovador, viciante e imersivo. Em 2007, a Blizzard Entertainment divulgou que StarCraft já havia ultrapassado a marca de 10.5 milhões de unidades totais, se tornando um dos três jogos mais vendidos da história na empresa naquela época.

Seu sucesso foi muito característico principalmente na Coréia do Sul, onde eventualmente ele fez seu caminho para se tornar o e-Sporte eletrônico nacional após estabelecer um cenário de jogos profissionais de sucesso. Os jogadores profissionais na Coréia do Sul são celebridades da mídia e os jogos StarCraft são transmitidos em três canais de televisão dedicados ao cenário de jogos profissionais. Jogadores profissionais na Coreia do Sul ganharam contratos de televisão, patrocínios e prêmios em torneios, permitindo que um dos jogadores mais famosos, Lim "BoxeR" Yo-hwan, ganhasse um fã-clube de mais de meio milhão de pessoas.

  1. 2010 | StarCraft II: Wings of Liberty

Clique para ver a imagem em tamanho original

StarCraft II: Wings of Liberty é a tão aguardada sequência de StarCraft de 1998, lançada 12 anos após o jogo original, e que comporta uma trilogia, Wings of Liberty, Heart of the Swarm, e Legacy of the Void. Foi desenvolvido pela Blizzard Irvine Studio e Blizzard LA Studio, sendo publicado pela Blizzard Entertainment, em 27 de Julho de 2010, para os PC's e MacOS.

Assim como no anterior, Wings of Liberty apresenta o retorno das três espécies do jogo original: Protoss, Terran e Zerg. Na campanha terráquea, a sala de instruções original de StarCraft é substituída por uma versão interativa do formador de batalhas, Hyperion, com Jim Raynor, um capitão mercenário amargo, como o personagem central de WoL.

Diferentemente dos jogos anteriores da Blizzard, a campanha não é linear, com Raynor aceitando empregos por dinheiro e usando esse dinheiro para comprar unidades adicionais e atualizações. Embora cada jogada varie, o resultado final permanece consistente, mantendo o enredo linear. O vice-presidente da Blizzard, Rob Pardo, havia enfatizado na época que cada campanha funcionará de maneira muito diferente.

Wings of Liberty apresenta aproximadamente o mesmo número de unidades do StarCraft original. Algumas unidades do jogo original voltaram, algumas com novas atualizações e habilidades. Por exemplo, o Protoss Zealot, uma unidade corpo-a-corpo do jogo original, tem a capacidade de pesquisa para avançar e alcançar rapidamente os inimigos próximos como um refinamento de seu upgrade de velocidade do original. Outras unidades foram substituídas ou removidas.

Algumas mudanças no design da unidade foram inspiradas por eventos de história em StarCraft e sua expansão StarCraft: Brood War, substituindo unidades antigas por versões novas ou renomeadas que apresentam atributos e habilidades diferentes.

Outra diferença perante o StarCraft original ao StarCraft II é que o novo jogo não permite jogar em LAN. Todos os jogos em rede são roteados pela Internet por meio dos servidores de jogos da Blizzard. O atraso de latência entre os comandos emitidos e a resposta do jogo quando jogado online é bastante reduzido ao jogar em uma LAN e isso permite um controle muito mais preciso sobre as unidades do jogo. Antes havia preocupações de que um cenário profissional não se desenvolveria como resultado.

O enredo da campanha de StarCraft II ocorre quatro anos após StarCraft: Brood War, e apresenta o retorno de Zeratul, Arcturus Mengsk, Artanis, Sarah Kerrigan e Jim Raynor. Ele também apresenta novos personagens, como Rory Swann e Tychus Findlay. Em StarCraft II, os jogadores revisitam mundos familiares, como Char, Mar Sara e Tarsonis, bem como novos locais, como o planeta da selva Bel'Shir e New Folsom. Os Xel'Naga, uma antiga raça espacial responsável pela criação dos Protoss e Zergs, também desempenham um papel importante na história.

Na conclusão de Brood War, Kerrigan e suas forças Zerg se tornaram a facção dominante no Setor Koprulu, tendo aniquilado a Força Expedicionária do Diretório da Terra Unida, derrotado o Domínio Terrano e invadido o planeta natal Protoss de Aiur.

No entanto, após a conclusão da Guerra do Chiado, Kerrigan recua para Char, apesar de ter poder mais do que suficiente para esmagar toda a resistência restante no Setor Koprulu. Nos quatro anos que antecederam os eventos de StarCraft II, ela não foi vista ou ouvida por nenhum dos outros personagens.

Duas trilhas sonoras foram lançadas para StarCraft II: Wings of Liberty. A trilha sonora original, composta por Derek Duke, Glenn Stafford, Neal Acree, Russel Brower, Sascha Dikiciyan e Cris Velasco foi lançada em CD e também na iTunes Store. Ambas as versões contêm 14 faixas e a versão do iTunes contém extras digitais adicionais.

Assim como seu antecessor, StarCraft II: Wings of Liberty foi criticamente aclamado pela crítica e jogadores no geral, obtendo a mesma média de nota do jogo original, um 93+, e em seu primeiro ano de vida, obteve 1.5 milhões de unidades vendidas, não superando o original, mas sendo ainda assim o jogo de PC mais baixado em 2010, até mesmo na pirataria, onde obteve 2.5 milhões de jogadores. A última estatística de venda de Wings of Liberty foi compartilhada em 2013, antes do lançamento de StarCraft II: Heart of the Swarm, onde a Blizzard compartilhou que ele ultrapassou a marca de 4.5 milhões de unidades.

  1. 2013 | StarCraft II: Heart of the Swarm

Clique para ver a imagem em tamanho original

Heart of the Swarm é parte da trilogia StarCraft II iniciada em 2010 por Wings of Liberty, sendo uma expansão que você adquire com o jogo original. Foi desenvolvida pela Blizzard LA Studio, enquanto a Blizzard Irvine Studio, que trabalhou junto da LA Studio no jogo original de 2010 ficou desenvolvendo o StarCraft II: Legacy of the Void, que seria lançado em 2015. Heart of the Swarm foi lançado globalmente em 12 de Março de 2013, para as mesmas plataformas do jogo original, PC's e MacOS.

Nele, somos apresentados a uma campanha para com 20 missões (mais sete missões de evolução que permitem ao jogador atualizar unidades) e continua a história de Wings of Liberty. O jogador joga da perspectiva de Sarah Kerrigan, recentemente retornada à sua forma humana por Jim Raynor.

Semelhante ao Wings of Liberty, a sala de instruções permite a exploração interativa, desta vez no Leviathan, uma enorme raça Zerg que funciona como uma nave biológica. Kerrigan e seus aliados estão localizados no centro nervoso. Ela tem uma câmara pessoal para alterar suas habilidades e há um poço de evolução onde ela pode atualizar suas unidades e realizar missões de evolução com o mestre da evolução Abathur.

Falando sobre as unidades presentes no jogo, os Terrans foram inicialmente esperado para caracterizar duas novas: o Shredder e Warhound. O Shredder era uma torre móvel de escavação baseada no projeto do Zerg Spine Crawler, atacando através de nuvens de gás tóxico que eram devastadoras para unidades biológicas. Testes internos revelaram que o Shredder era muito flexível e poderoso e, portanto, foi substituído pela Widow Mine, uma unidade móvel de escavação que dispara mísseis, causando danos por projeção.

O Warhound era um andador de combate bípede com um canhão de alto calibre montado no braço; também possuía um míssil para uso contra unidades mecânicas. Durante o teste de beta fechado, os jogadores profissionais condenaram o Warhound por não funcionar como pretendido, com isso, ele acabou por ser removido da jogabilidade multiplayer de StarCraft II, embora possa ser combatido na campanha principal.

Com o lançamento da expansão, StarCraft II obteve uma renovação de curto prazo do interesse no cenário multi-player competitivo do jogo, e trouxe a padronização da competição pela Blizzard Entertainment através do redesenhado StarCraft II World Championship Series, porém, isso gerou um declínio de longo prazo no interesse, patrocínio e visualização dos torneios em geral.

Lançado em Março de 2013, StarCraft II: Heart of the Swarm obteve uma média de 86+ pela crítica, sendo uma das expansões mais aclamadas já criadas para um jogo da Blizzard, apesar de suas mudanças um tanto fortes. Suas vendas durante o primeiro ano foram de 2.1 milhões de unidades, e serviu como o último terreno até a chegada de Legacy of the Void.

  1. 2015 | StarCraft II: Legacy of the Void


Clique para ver a imagem em tamanho original

Legacy of the Void é o encerramento final da Trilogia StarCraft II iniciada em 2010. Foi desenvolvido pela Blizzard Irvine Studio e publicado pela Blizzard Entertainment para PC's e MacOS. Diferente de Heart of the Swarm, o Legacy of the Void é uma Expansão Stand-Alone, na qual contém seu preço um pouco mais elevado, e possui sua própria edição de colecionador, sendo possível comprá-la em separado ao StarCraft II original.

A campanha Single-Player de LoTV apresenta um número par de missões semelhantes a Wings of Liberty e Heart of the Swarm, girando em torno do personagem Protoss, Artanis, hierarca dos Khalai Protoss e dos Nerazim (Dark Templar). A história geral de Legacy of the Void foca nos Protoss.

Diversas mecânicas do Multi-Player foram modificadas em SCII: Legacy of the Void. Mais notavelmente, o sistema de recursos foi alterado a fim de incentivar a agressão e o controle territorial, e para minimizar a falta de ação no início das partidas Multi-Player.

As mudanças incluem diminuir a quantidade de recursos e aumentar o número de trabalhadores gerados no início do jogo. Mudanças específicas também foram feitas nas habilidades e na mecânica de cada corrida jogável. O jogo ainda está sendo modificado e equilibrado até hoje, resultando em algumas das mudanças descritas estarem desatualizadas.

Como o centro das atenções dessa expansão, os Protoss sofreram mudanças. A principal foi na habilidade Sobrecarga de Fótons, onde agora pode ser lançado em Pylons, mas não em Nexuses. Além disso, a habilidade Chrono Boost não pode mais ser lançada em estruturas múltiplas, mas em vez disso se concentra em uma única estrutura infinitamente, embora seja limitada a uma por Nexus. O Oráculo do Coração do Enxame agora tem suas habilidades Revelation e Envision combinadas em uma.

Quanto ao seu enredo, a história de Legacy of the Void começa quando Artanis lidera a Armada Dourada em uma invasão de seu mundo natal, infestado de Zergs, Aiur, abandonado desde a Guerra da Ninhadaseis anos antes. Zeratul chega para avisar Artanis do retorno de Amon, mas a invasão prossegue de qualquer maneira.

Amon desperta em Aiur e assume o controle da maioria da raça Protoss através do Khala, o elo telepático que une todas as emoções para as facções Khalai e Templários dos Protoss. Apenas Zeratul e os Nerazim, os Templários das Trevas, permanecem inalterados como resultado do corte ritualístico de seus cordões nervosos, que cortou sua conexão com os Khala.

Zeratul e os Nerazim lutam para salvar o maior número possível de Aiur Protoss, cortando seus cordões nervosos, enquanto defendem as ninhadas Zerg de Amon e os Protoss possuídos.

Como mencionei no final do texto em Heart of the Swarm, o cenário competitivo profissional de StarCraft II estava em declínio antes do lançamento do Legacy of the Void. Não muito tempo depois de seu lançamento, a competição primária de StarCraft II sancionada pela Blizzard Entertainment, o StarCraft II World Championship Series, foi mudada conforme o formato passou de um formato de liga, com competição continuando consistentemente por semanas ou meses, para um formato de circuito, com foco em alguns eventos de fim de semana ao longo do ano.

Com seu lançamento agendado para 10 de Novembro de 2015, ao lado de titãs como Fallout 4 e Rise of the Tomb Raider, o StarCraft II: Legacy of the Void se saiu muito bem. Obteve uma média da crítica de 88+, superando Heart of the Swarm, e vendendo 1 milhão de unidades em apenas 24 horas no mercado, batendo vários recordes da Blizzard.

  1. 2016 | Nova Covert Ops - StarCraft II


Clique para ver a imagem em tamanho original

StarCraft II: Nova Covert Ops - Mission Pack, como o nome diz, é um Pack de Missões Single-Player dividido em 3 partes, todas lançadas em 2016, sendo uma parte bônus para Wings of Liberty. Foi desenvolvido e publicado pela Blizzard Entertainment, e seu lançamento foi exclusivo para os PC's.

O enredo se concentra nas consequências de StarCraft II: Legacy of the Void, ambientado algum tempo após sua conclusão em 2508. O protagonista é a operativa psiônica, Nova, uma personagem anunciada em 2002 como a protagonista do jogo StarCraft: Ghost, que foi cancelado durante o desenvolvimento.

A Gameplay de Nova Covert Ops mantém a mesma jogabilidade geral do jogo base. Ele é focado em torno da unidade de herói Nova, semelhante a Sarah Kerrigan em StarCraft II: Heart of the Swarm. Como uma unidade de herói, ela recebe habilidades únicas e características aprimoradas.

Mais escolha está presente na personalização de Nova, em comparação com os caminhos mais diversos e cumulativos de Sarah Kerrigan. Nova geralmente recebe maior durabilidade, dano e habilidades do que as outras unidades.

Em missões com elementos de construção de base, Nova pode morrer e reaparecer depois de passar um tempo suficiente. Em missões sem elementos de base, no entanto, a morte de Nova causará a derrota do jogador.

As missões, como as das campanhas anteriores de StarCraft II, são destinadas a evitar a formação e destruir projéteis visto nas 3 campanhas de StarCraft II. Elementos stealth e de plataforma estão presentes em Nova Covert Ops, dando um ar diferenciado para o jogo.

Quanto ao enredo, Nova acorda em um local desconhecido, sem memórias de seu passado recente. Depois de receber um aviso para escapar, Nova eventualmente descobre que ela e alguns de seus companheiros Ghosts foram capturados e sofreram uma lavagem cerebral pelo grupo rebelde Man Defenders.

Depois de se separar com os outros, Nova contata a nave capitânia do Dominion, o Hyperion. Nova descobre com o chefe militar do Dominion, almirante Matt Horner, que ela é procurada por desertar para os Defensores do Homem.

Apesar da ideia da Blizzard de tentar manter StarCraft II mais vivo com o Nova Covert Ops, sua recepção foi um pouco amarga. Os jogadores reclamaram da sua duração um tanto curta, em comparação ao preço exigido na época. Sua média atribuída foi de 71+, sendo a primeira vez que StarCraft emplaca um "Amarelo" no seu High Score, vendendo pouco mais de 800.000 unidades.

  1. 2017 | StarCraft: Remastered


Clique para ver a imagem em tamanho original

Lançado no aniversário de 19 anos do jogo original, StarCraft: Remastered trás o jogo de 1998 e sua expansão Brood War de uma forma mais atualizada, porém mantendo seu visual tão marcante. Foi produzido pela Blizzard CG Team, e publicado pela Blizzard Entertainment para PC's e MacOS.

Foi o primeiro jogo feito pela Blizzard CG Division (Blizzard Classic Games Division), criado para re-criar e dar vida á jogos antigos da empresa em uma nova era moderna e refinada de PC's. Ele mantém a jogabilidade do StarCraft original, mas apresenta gráficos de ultra-alta definição como o Ultra HD, áudio regravado e o moderno conjunto de recursos online da Blizzard.

A remasterização foi desenvolvida ao longo de um ano e incluiu testes de jogadores profissionais de StarCraft, para saber como eles achavam da estética geral, onde, na mente da Blizzard, seria melhor reconstruir todo o visual, mas os jogadores pediram para manter a essência clássica que fez do StarCraft original tão marcante.

Sua recepção foi muito calorosa e amigável pela Crítica e Jogadores, conseguindo uma média de 85+ e vendendo 3 milhões de unidades em seu primeiro ano de vida no mercado. É considerado até hoje como uma das melhores Remasterizações já feitas na indústria de videogames.

StarCraft em outras mídias


Clique para ver a imagem em tamanho original

Como um universo sempre em expansão, StarCraft transcende os videogames e vai além, possuindo diversos Livros para expandir seu enredo principal. Em sua maioria, eles retratam eventos que ocorreram entre Wings of Liberty e Heart of the Swarm, também possuindo um Prólogo para o StarCraft de 1998, e um Spin-Off para falar de um grande amigo de Jim Raynor.

Alguns títulos possuem versões adaptadas para o Português Brasileiro, como os StarCraft: Demônios do Paraíso, StarCraft: Ponto Crítico, e StarCraft: Essências. Já outros, seguem necessitando do aprendizado com o Inglês. Ao todo, a franquia StarCraft possuí mais de 10 livros, e em 2018 ultrapassou a marca de 20 milhões de exemplares vendidos ao redor do mundo.

Outlive - Menção Honrosa


Clique para ver a imagem em tamanho original

Como esse artigo fala de um dos RTS mais icônicos de todos os tempos, eu não poderia deixar de fazer uma menção honrosa ao saudoso Outlive, jogo desenvolvido aqui no Brasil pela Continuum, que por pouco não nos colocou em uma posição respeitada no mercado de games mundial.

A ideia de Outlive era ser um Warcraft com ambientação futurística podendo escolher entre 3 raças diferentes, uma demo do jogo apresentando todas essas características estava disponível para ser jogada no final de 1997, e tinha tudo para dar certo pois ele iria inovar em vários aspectos incluindo a sua temática futurista, a não ser por uma concorrência não planejada com a Blizzard que lançou o aclamado StarCraft em 1998, época que Outlive ainda estava sendo desenvolvido, então vocês devem imaginar como os produtores da Continuum se sentiram com esse lançamento, afinal eles eram um estúdio minusculo contra a gigante Blizzard.

Quando Outlive foi lançado no mercado brasileiro em 2000, StarCraft já estava muito bem estabelecido a praticamente 2 anos, e devido a pequena quantidade de pessoas que trabalhavam no projeto, o escopo do jogo teve que ser reduzido para encaixar somente 2 raças.

A situação fica mais feia ainda quando ele foi lançado no exterior em 2001, ficando conhecido como "Clone de StarCraft" e teve uma recepção muito negativa por parte da critica. Apesar de ter sido distribuído pela Take-Two no exterior, as vendas do jogo infelizmente foram um fracasso.

Outlive foi uma ideia excelente e o resultado poderia ter sido muito diferente se as circunstâncias também fossem, e se eles tivessem um investimento maior como a Blizzard teve? E se os produtores tivessem se conhecido 2 anos antes? E se a Blizzard tivesse lançado StarCraft mais tarde?

Infelizmente essas hipóteses irão ficar somente na nossa imaginação, de qualquer forma Outlive ainda é querido por muitos brasileiros e quem joga desacredita que o produto é nacional devido a qualidade que ele apresenta.

Infelizmente para quem quiser jogar vai ter que recorrer a meios paralelos, pois o jogo não é vendido em nenhum lugar de maneira oficial.

Bem que poderiam reviver o jogo através de um remaster e lançar em grandes plataformas como a Steam, acredito que iriam conseguir boas vendas hoje em dia para quem quisesse experimentar um RTS das antigas.

Vídeo do YoutubeTWp4bTVhWjkteG8=
O Legado da franquia StarCraft


O legado da franquia StarCraft se perpétua até os dias de hoje. Sendo uma das poucas franquias de Real-Time Strategy que já arrecadou mais de 2.2 Bilhões em Receita geral, a saga contempla mais de 250 prêmios somando todos os jogos, foi usada de inspiração por muitas empresas ao redor do mundo, inclusive da própria Blizzard, e contém uma das 5 maiores comunidades na história de jogos no PC, sendo um dos maiores apices da plataforma até os dias de hoje.


_____________________________________________________________



Pois bem então pessoal, esse foi o Legado de Franquias de hoje. Há alguns meses já tinha na ideia de retornar com o quadro, mas estava um tanto sem inspirações para continuar, e eis que com o aniversário do meu jogo favorito dos PC's, StarCraft II, completando seus 10 aninhos em 2020, me veio a vontade criá-lo. Este em específico eu recebi a colaboração de um dos meus companheiros de equipe da moderação, Regin, que me ajudou com a adição do Outlive, além de ter colaborado com ajustes no texto e consertos gerais no formato inserido para leitura, muito obrigado pelo apoio parceiro.

E é isso então, qualquer duvida, erro, agradecimento ou crítica, só me avisar pela Aba de Comentários abaixo, ou pelo Discord da GV, espero que todos fiquem bem, e tenham um excelente dia.

-Billy Butcher.
Evil E.
Billy Butcher #Evil E.
Um jogador casual que aprecia o gênero de Ficção-Científica, Ação-Aventura e Espionagem.

Minha franquia favorita é Metal Gear Solid, acompanho ela desde o primeiro jogo (MGS) de 1998, além de ser amante das sagas Halo e StarCraft.
Moderador do Site, 25 anos, Volta Redonda, Rio de Janeiro
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Gosta do site e quer ajudar a o manter online? Apoie-nos!.
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.