Publicado por VSDias55, em .
Clique para ver a imagem em tamanho original

É de partir o coração.


Um documentário de TV sul-coreano que foi ao ar no dia 6 de fevereiro mostra Jang Ji-sung, uma mãe de quatro filhos, usando um headset VR e luvas hápticas para poder se encontrar com uma recriação virtual de sua filha Nayeon. Nayeon morreu em 2016 por causa de uma doença incurável com apenas sete anos de idade.

De acordo com o Aju Business Daily, a equipe de produção de documentários passou oito meses construindo Nayeon, incluindo sua voz real. Uma cena elaborada no parque foi o cenário de fundo, onde as duas celebraram o aniversário de Nayeon.

Um trecho de 10 minutos do documentário, compartilhado pela Middle East Broadcasting Company, mostra Jang Ji-sung se encontrando com a versão virtual pela primeira vez.

É um vídeo bem difícil de se assistir. Há o fato misterioso de que nada disso é real, mas a dor que Jang experimenta é bem clara. Ela chora de imediato, e parece hesitante em interagir com a Nayeon VR, mas eventualmente se acalma, conversando e brincando com o estranho reflexo de alguém que ela deu à luz e claramente amou. O resto de sua família vê a cena se desenrolar, compartilhando algumas lágrimas.

Vídeo do YoutubedWZsVEs4YzR3MGM=
Um artigo sobre Futurismo no documentário postula que interagir com a pessoa falecida em VR pode se tornar a norma. Ele aponta que algumas startups já estão trabalhando na criação de avatares digitais e chatbots de falecidos. A tática popular parece ser compilar todos os dados existentes da pessoa - fotos, vídeo, áudio - e depois usar algoritmos de aprendizado para criar assistentes digitais no estilo da Cortana.

Por mais perturbador que seja para um espectador de fora, não posso realmente chamar esse tipo de coisa de distópica, pelo menos conceitualmente. Os motivos subjacentes das empresas de tecnologia frequentemente se concentram no lucro e na coleta de dados a todo custo, por isso é fácil imaginar mal usos dessa tecnologia. Mas acho que podemos deixar essa passar.

A morte é estranha e o luto nunca acaba. Colocamos corpos em caixões e fazemos fila para olhá-lo. Às vezes queimamos os corpos e os colocamos em potes. Poder ter a chance de rever aquela pessoa de quem sentimos saudades parece bom. Seria saudável para mim? Não sei dizer. Mas seria bom? Sim, seria.
VSDias55
VSDias55
Colaborador do site, 27 anos, Florianópolis
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Gosta do site e quer ajudar a o manter online? Apoie-nos!.
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.