Publicado por TelaBrancaDoAkuma, em .
Clique para ver a imagem em tamanho original


Depois de tanto olhar para o futuro nos artigos passados, chegou a hora de olharmos para o passado em busca de um gênero que tem uma legião de fãs em todas as mídias: Faroeste.
Então limpe a pólvora do seu revólver, dê dez passos em linha reta e entre nesse duelo.


História e Origem do Faroeste



Clique para ver a imagem em tamanho original


O Western ou faroeste é um gênero de vários tipos de arte que contam histórias ambientadas primordialmente no Velho Oeste dos Estados Unidos do século XIX, normalmente centrado na vida dos cowboys ou pistoleiros armados com revólveres e rifles da época, em cima dos seus cavalos. É comum no gênero uma abordagem crua quanto a violência explícita nos atos dos seus personagens, visto que na época a Lei e suas aplicações simplesmente ainda não chegavam em todo território americano.
Embora a colonização do território tenha começado no século XVI com a chegada dos europeus, o objetivo de alcançar a costa oeste deveu-se principalmente à iniciativa governamental do presidente Thomas Jefferson, depois da Compra da Luisiana em 1803. A expansão da fronteira foi considerada como uma oportunidade de riqueza e progresso.
Esta incessante e prolongada migração de pessoas para o oeste deslocou culturas ancestrais e oprimiu minorias étnicas de ameríndios. Em contraste, o período suscitou importantes avanços na indústria, comunicações e agricultura, à custa em vários casos de uma intensa exploração dos recursos humanos e naturais.


Clique para ver a imagem em tamanho original


A expressão faroeste nasce da união dos termos ingleses 'far', que tem o sentido de 'distante', e 'west', que indica 'oeste', ou ocidente, em algumas interpretações o limite entre a civilização e a área mais remota, não urbana, no contexto da colonização do território norte-americano; em outra análise, uma forma de contrapor o Ocidente esclarecido ao Oriente.
Em princípios do século XIX, o Oeste era considerado um território selvagem e inóspito, com escassas possibilidades de ser habitado. Para esta opinião não influía o fato de que os povos ameríndios estavam há vários milénios a viver lá. O avanço do Leste civilizado sobre o Oeste selvagem foi o encontro e choque entre dois mundos mutuamente exclusivos. A apropriação de territórios e o deslocamento dos nativos justificou-se com a doutrina do "destino manifesto", uma ideologia que afirmava que todos estes acontecimentos eram parte de um plano divino previsto para a América do Norte e para o mundo.

O Western no cinema



Clique para ver a imagem em tamanho original


A primeira grande obra cinematográfica a ser caracterizada como 'western' foi "O Grande Roubo do Trem", uma película de dez minutos veiculada em 1903. Até então eram realizados apenas documentários sobre esta temática. A produção teve um sucesso estrondoso ao ser lançada, pois continha todos os elementos necessários para agradar o público, desde o assalto a um comboio e tiroteios, até assaltantes tentando escapar, montados em seus cavalos. As pessoas ficavam excitadas ao ver as armas apontadas na direção da plateia.
A era de ouro do faroeste americano foi liderada por dois mestres do cinema, John Ford, para muitas pessoas o maior de todos, responsável por sucessos como No Tempo das Diligências, Paixão dos Fortes e o clássico Rastros de Ódio, protagonizado por um dos melhores atores do gênero, John Wayne; e Howard Hawks, diretor de Rio Lobo, El Dorado, entre outros.

Western Spaghetti



Clique para ver a imagem em tamanho original


Inicialmente o termo Spaghetti western, originário dos Estados Unidos, indicava somente os longa-metragens rodados em italiano, pobres de meios, segundo as convenções dos primeiros westerns, em parte intencionalmente, como consequência da limitação financeira. Embora o público tenha apreciado o gênero, a crítica reconheceu unicamente o valor dos filmes dirigidos por Sergio Leone, os quais alcançaram um sucesso notório também nos cinemas norte-americanos.
Entre os filmes mais conhecidos, e provavelmente os arquétipos do gênero, estão aqueles da considerada Trilogia dos dólares, dirigidos por Sergio Leone, com Clint Eastwood, que deu vida ao papel do pistoleiro sem nome, e as famosas trilhas sonoras de Ennio Morricone: Por um Punhado de Dólares (Per un pugno di dollari) em1964, Por uns Dólares a Mais (Per qualche dollaro in più) em 1965 e Três Homens em Conflito (Il buono, il brutto, il cattivo) em 1966. Também dirigidos por Leone, Era uma Vez no Oeste (1968) e Quando Explode a Vingança (1971).


Clique para ver a imagem em tamanho original


Em geral os westerns-spaghetti são mais orientados para a ação do que seus parceiros americanos. Os diálogos são escassos e alguns críticos têm apontado que foram construídos como óperas, utilizando a música como um ingrediente ilustrativo da narrativa.

Expoente também nas HQ's: Tex



Clique para ver a imagem em tamanho original


Tex é um dos personagens de westerns mais longevos da história dos quadrinhos, sendo publicado em diversos países do mundo.
Foi no dia 30 de setembro de 1948 que surgiu a primeira história de Tex. Chamava-se "Il Totem Misterioso" (em italiano, "O Totem Misterioso"). Com o balão "Por todos os diabos, será que ainda estão nas minhas costas?", começava a saga de um dos mais famosos cowboys dos quadrinhos. De 1948 a 1967 foram 36 histórias no formato de tiras semanais. No começo, Tex cavalgava sozinho, seu cavalo Dinamite nem tinha nome e ele era fora-da-lei.
Tex foi criado pela dupla Giovanni Luigi Bonelli e Aurelio Gallepini. No começo, as histórias eram publicadas no formato de tiras com no máximo 3 quadrinhos. Cada semana saía um gibi com 32 páginas (32 tiras) e uma aventura levava várias semanas para chegar ao fim, levando os leitores a comprar as próximas edições. Essa estratégia culminou num sucesso incrível na Itália. Inicialmente apenas mais um personagem entre tantos outros que apareciam naquela época, o ranger fez tanto sucesso que se decidiu pela publicação de uma revista. As tiras foram todas compiladas, sendo que em cada página da revista havia no máximo 3 tiras, como hoje.
Além de muita ação em todas histórias, com chumbo grosso voando por todos lados, o que torna a leitura interessante é o conhecimento que as histórias trazem. Você fica por dentro da cultura dos índios, da vida dos pioneiros, de episódios marcantes e reais na história dos Estados Unidos, dos hábitos da época. Detalhes mínimos foram pesquisados antes de tornarem-se texto e desenhos, para que o leitor tivesse a noção exata do ambiente em que se passavam as aventuras. Tex pretendia aliar cultura e diversão e isso pode justificar o seu sucesso em muitos países do mundo.


O Faroeste nos Games


Vários jogos usaram esse tema no decorrer da história dos games. Alguns focaram-se em mostrar uma visão mais realista do gênero, enquanto outros acabam por se ater a satirizar o mesmo, se focando mais em diversão do que realismo. Vejamos alguns exemplos

Red Dead Redemption (1 e 2)



Clique para ver a imagem em tamanho original


Simplesmente o maior exemplo do gênero, a franquia criada pela gigante Rockstar é considerada a que melhor representa o gênero, com o seu segundo título sendo eleito por muitos como um dos melhores jogos da história.
No ano de 1911, John Marston, um antigo fora da lei, é forçado a trabalhar para o Escritório de Investigação depois destes terem tomado sua esposa e filho como reféns. Marston se vê obrigado a seguir com isso para poder ter sua família de volta e ter a tão sonhada paz junto com quem ele ama. RDR1 é um jogo simplesmente impactante, onde redenção e vingança andam lado a lado, deixando um nó no estômago dos jogadores

Red Dead Revolver



Clique para ver a imagem em tamanho original


É o primeiro título da série Red Dead e foi lançado para PlayStation 2 e Xbox em maio de 2004. A história segue Red Harlow, um caçador de recompensas que parte em vingança contra os responsáveis por matarem seus pais.
O jogo se passa no final dos anos 1880. Nate Harlow e seu parceiro "Griff" encontraram ouro na Montanha do Urso (Bear Mountain). Griff é capturado pelo exército mexicano e condenado à fuzilamento por suposta espionagem. Ele oferece ao General, Javier Diego, metade do ouro encontrado se ele poupar sua vida, dando-lhe também a localização exata de seu companheiro Nate Harlow. Diego aceita a oferta. Logo em seguida, o General envia o Coronel Daren, seu braço direito, para assassinar Harlow e sua família. Daren atira em Nate e sua esposa, mas seu filho, Red, consegue atirar no braço de Daren utilizando a arma de seu pai. Red retira então a arma de uma fogueira, deixando-o com marcas na mão.
Red Harlow cresceu e se tornou um caçador de recompensas. O jogo se inicia com ele lutando contra a gangue liderada por Blood Tom. Esperando receber sua recompensa pelos corpos dos integrantes, ele os leva à cidade de Window's Patch. Em Window's Patch, ele é atacado pela gangue de Ugly Chris. Red e o xerife local conseguem eliminar a gangue, no entanto o xerife fica gravemente ferido, tendo que ser encaminhado para um doutor da cidade de Brimstone.

Wild Gunman



Clique para ver a imagem em tamanho original


Wild Gunman possui duas versões visualmente bem distintas, mas que possuem o mesmo princípio em gameplay: um duelo de saque de armas. No momento em que o jogo indicar é necessário sacar sua arma e atirar no adversário primeiro. É ou não é a essência de um pistoleiro do velho oeste retratado em um game?
A versão mais conhecida é a do Nintendinho, que possui o adversário em estilo visual "cartoonizado", entretanto o game original era jogado em uma tela de 16mm e possuía vídeos filmados dos adversários e ambientes.

Gun.Smoke



Clique para ver a imagem em tamanho original


Gun.Smoke é um divertido shooter de scroll vertical, lançado originalmente em 85 para arcades, pela Capcom. Posteriormente o game recebeu versões e foi relançado para diversas plataformas.
Seguindo a premissa básica de um bom jogo de Velho Oeste, em Gun.Smoke o jogador controla um caçador de recompensas que vai atrás dos foras de lei mais procurados atirando em todo mundo que estiver em seu caminho.
A cada nova fase enfrentamos hordas de bandidos até alcançar o chefe da mesma, que é um dos foras da lei mais procurados do Velho Oeste.
O scroll da tela é automático e apesar do ângulo da direção dos tiros do personagem principal serem fixos, o design geral do jogo foi pensando considerando tal limitação, então apesar do possível estranhamento inicial a experiência de se jogar é fluente e instintiva.

Darkwatch



Clique para ver a imagem em tamanho original


Pegue a ambientação e o feeling do Velho Oeste, misture com uma pitada de cyberpunk e complete a montagem do prato com uma história que inclui uma organização secreta contra vampiros e monstros afins. Isso é, basicamente, Darkwatch.
Nesse jogo você controlará Jerico, que além de ter sido recrutado pela organização Darkwatch está pouco a pouco se transformando em um vampiro após ter sido mordido pelo vilão do jogo, o vampiro Lazarus.
Esse FPS cheio de ação "vampírico pistoleiro solitário" possui uma boa variedade de armas e inimigos e se beneficia de ser um jogo pós-Hallo, o que garante uma boa jogabilidade, mesmo sendo um game exclusivo para consoles (PS2 e Xbox).
É realmente uma pena que sua sequência tenha sido cancelada. Assim sendo, desde seu lançamento nas idas de 2005, o mundo gamer nunca mais pode revisitar o criativo e interessante universo de Darkwatch.

Outlaws



Clique para ver a imagem em tamanho original


Desenvolvida pela extinta LucasArts, Outlaws é um jogo para PCs, lançado em 1997, sem grande sucesso comercial, mas que possui fãs e defensores até hoje.
Detentor de uma trilha sonora magistral e ganhadora de prêmios, Outlaws conta a história de um aposentado xerife que volta a ação devido o sequestro de sua filha e o assassinato de sua esposa.
Um bom FPS, com um belo visual, variados e típicos cenários do Velho Oeste, trilha sonora marcante e uma jornada banhada a sangue de bandidos, resgate e vingança é o que o jogador pode esperar de Outlaws.

Gun



Clique para ver a imagem em tamanho original


Gun basicamente é uma evolução de Red Dead Revolver. Possui um mundo aberto maior, uma história um pouco mais complexa, mais opções de jogo, mais side-quests, um gameplay mais refinado, entre outros.
Gun traz uma abordagem mais séria em seu story-telling, que se não é tão carismática quanto o visto em Revolver, tem mais peso narrativo e faz um melhor trabalho em levar o jogador ao universo do jogo.
É possível explorar os grandes ambientes do jogo a pé ou a cavalo, bem como é possível eliminar os inimigos em combates corporais ou nos bons e velhos tiroteios, afinal de contas aqui é velho oeste!
O jogo conta a história de um descendente de indígenas chamado Colton White, que viaja pelo mundo com seu pai adotivo, Ned. Quando o navio da qual estão embarcados é atacado por renegados, Ned empurra Colton para a água pouco antes do navio explodir. Após acordar depois de muitas horas, Colton descobre que fora o único sobrevivente ao ataque. A partir de então, o jovem pistoleiro busca vingar a morte de Ned. Para isso, ele viaja até Dodge City, com o objetivo de descobrir quem foram os mandantes do ataque, o que o leva a fazer novos amigos e criar muitos inimigos pelo mundo. O enredo ocorre no Velho Oeste americano, especificamente Montana, Kansas e Novo México.

Wild Guns



Clique para ver a imagem em tamanho original


Wild Guns é um jogo de tiro em terceira pessoa, totalmente arcade, que é a definição de diversão multiplayer old-school.
É possível escolher entre os personagens Clint e Annie, que não possuem reais diferenças de habilidades, para sair atirando em absolutamente tudo que se mova em cada uma das telas do jogo. São seis fases, subdivididas em três telas, de puro tiroteio frenético.
Somente é possível se deslocar verticalmente a fim desviar dos tiros dos inimigos e se posicionar para mirar e atirar. As telas quase não possuem scroll, mas isso ajuda a criar um clima tenso ao longo dos tiroteios, bem como permitiram que cada uma delas contenham um nível de detalhes absurdo. Cada tela é realmente uma obra de arte em sprites. Some isso a animações de inimigos e dos heróis super fluentes e você tem um dos games mais belos do Super Nintendo.
Apesar de todo o clima de velho oeste, Wild Gun tem um pé no steampunk, com inimigos cibernéticos e elementos futuristas, mesmo que sutis, na composição geral visual do game e na maravilhosa e energética trilha sonora.

Desperados 2: Cooper's Revenge



Clique para ver a imagem em tamanho original


O marechal Ross Cooper (irmão de John Cooper) foi torturado até a morte pelos capangas de um criminoso conhecido como Angel Face, e John promete vingá-lo. Para investigar a misteriosa Face do Anjo, John envia Doc McCoy ao Ninho da Águia - a fortaleza de Pablo Sanchez - para reunir ele e Sam Williams.
Quando Doc chegou, a fortaleza havia sido tomada à força por Rodriguez - o líder bandido rival de Sanchez, e seus amigos foram capturados. Depois de libertar os dois, eles se reúnem com John e Kate O'Hara em Santa Fe, onde John concordou em proteger alguns colonos em sua jornada.
Em um passe conhecido como Olho da Agulha, eles encontram um bloqueio de toras criadas pelos nativos americanos hostis. Depois que eles conseguem sobreviver à emboscada, uma tropa da cavalaria dos EUA sob o capitão Clarke aparece e leva um prisioneiro indiano inconsciente. Suspeitos de Clarke, John, Doc e Kate seguem os soldados até um acampamento, onde eles os espionam. Assim, eles descobrem que Angel Face subornou Clarke e a maioria de seus homens para orquestrar o ataque indiano aos colonos, o que desencadeará um conflito entre o governo dos EUA e as tribos nativas. Kate segue Clarke enquanto ele transporta o índio cativo para sua base em Fort Wingate. Enquanto John e Doc continuam ouvindo, eles sabem que os soldados estão prestes a atacar os colonos novamente para silenciar todas as testemunhas. Eles retornam bem a tempo de unir forças com Sam e Sanchez e repelir com sucesso o ataque.
Lançado pela Atari, Desperados é uma série de jogos de estratégia que fez muito sucesso no PC. O primeiro jogo da série lançado em 2001 com o nome de Desperados: Wanted Dead or Alive, era divertido e viciante, porém a história deixava muito a desejar. Cinco anos depois a continuação veio para resolver o problema da história, e alguns problemas técnicos. A inteligência dos inimigos e as estratégias do jogo são excelentes e fazem dessa série inesquecível.

Call of Juarez: Gunslinger



Clique para ver a imagem em tamanho original


Em "Gunslinger", você assume o papel de Silas Greaves, um caçador de recompensas que perseguirá os mais famosos fora-da-lei do Oeste norte-americano. Em suas andanças, Silas vai encarar personalidades notáveis como Billy the Kid, Jesse James, Pat Garret e Butch Cassidy, entre outros sujeitos rápidos no gatilho. A aventura é narrada pelo próprio Silas, misturando histórias reais com a ficção bem elaborada e divertida do jogo. Há uma boa variedade de armas para brincar e você pode evoluir as habilidades do mocinho, ajustando o personagem ao seu estilo de jogar.

Sunset Riders



Clique para ver a imagem em tamanho original


Deixei o meu favorito para o final da lista. Só de ler esse nome já me vem o "yahooo" na cabeça. É fácil eu me lembrar de várias tardes em que eu e meu irmão jogávamos Sunset Riders sem parar até conseguir zerar ele, o que não era tarefa fácil.
A premissa é simples: Um grupo composto por quatro caçadores de recompensa irão atrás dos bandidos mais procurados do velho oeste por um belo punhado de ouro. No caminho, irão atirar em todo mundo.
Sunset Riders pode ser aproveitado por 4 jogadores simultâneos nos arcades, cada qual controlando um dos personagens do grupo. Dois deles usam pistolas e dois usam shotguns, que podem melhorar dada a coleta de power-ups.
Assim como em todos os jogos da Konami para fliperama desse período, tecnicamente Sunset Riders é incrível, com personagens grandes, muito bem animados, assim como os cenários. A trilha sonora é empolgante e gruda na mente como poucas. Finalizar Sunset Riders sem perder fichas é para poucos, pois o game é bem desafiador.
Versões do game foram lançadas para Super Nintendo e Mega Drive. Apesar das limitações técnicas dos consoles frente aos arcades, ambas as versões são bem satisfatórias, em especial a do console da Nintendo. Infelizmente o multiplayer foi reduzido de quatro para dois jogadores, o que para um game do gênero e para consoles está ótimo.
Ah sim, e só um adendo, aqui é #TeamBilly (mas te perdoo se você só escolhia o Cormano também hahaha)

--

Chegamos ao final de mais um Universo nos Games. Gostaram? Tem críticas e sugestões? Então me encontra no Saloon mais próximo pra falar cara a cara, quem sabe eu te pago uma bebida, ou então vamos duelar. Até a próxima.
TelaBrancaDoAkuma
TelaBrancaDoAkuma
Colaborador do site, 26 anos, Curitiba
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Gosta do site e quer ajudar a o manter online? Apoie-nos!.
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no Facebook, Twitter, Instagram e na nossa curadorida da Steam.