.

Chefe da indústria da UE descarta receios de que regras de segurança possam atrasar 5G

Enviado por okardec, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original

Discussão envolve a participação ou não da gigante chinesa Huawei na implementação da rede de telecomunicações na Europa.

O chefe de política industrial da Europa, Thierry Breton, rejeitou alegações de que contar com empresas europeias para construir uma rede 5G atrasaria a distribuição da tecnologia. Com a posição, ele entra em um debate cada vez mais tenso sobre o risco representado pela chinesa Huawei.

Em discurso na conferência DLD, em Munique, no domingo (19) Breton, ex-ministro das Finanças da França, alertou os legisladores europeus que a nova tecnologia 5G exigirá regras de segurança mais rigorosas do que as gerações anteriores.

"Estabelecer condições rigorosas de segurança não criará atrasos na implantação do 5G na Europa", afirmou Breton, segundo a agência Reuters. "A Europa, incluindo a Alemanha, é claro, está no caminho certo. Não estamos atrasados ​​na Europa com a implantação do 5G".

O alerta de Breton contrasta com os comentários do ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, que disse no início desta semana que se as empresas chinesas forem excluídas, a construção da rede 5G seria adiada por pelo menos cinco a dez anos.

Os conservadores da chanceler alemã Angela Merkel estão divididos quanto a apoiar uma proposta que, se aprovada, efetivamente excluiria a Huawei da construção da rede 5G no continente.

O governo de Merkel, como toda a Europa, está sob pressão dos Estados Unidos para barrar a Huawei, cujo equipamento, segundo Washington, permitiria à China espionar outros países.

Apesar disso, para a Alemanha essa decisão é especialmente difícil: as relações com o presidente Donald Trump, dos EUA, que já ameaçou as relações comerciais com os alemães.

Por outro lado, a China é um grande mercado consumidor, que tem uma forte relação com as montadoras alemãs. "No ano passado, 28 milhões de carros foram vendidos na China, 7 milhões eram alemães", disse ao jornal "The New York Times" Wu Ken, embaixador da China na Alemanha.
okardec
Enviado por okardec
Membro desde
34 anos, Luziânia, GO, Brasil
label
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no CANAL, Facebook, Twitter, e na nossa curadorida da Steam.