.

Relembre os jogos de Hideo Kojima que não são da série Metal Gear

Enviado por Catos, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original


Nesta sexta (8), Death Stranding finalmente chega ao PlayStation 4, marcando o primeiro jogo elaborado e produzido por Hideo Kojima e seu estúdio, a Kojima Productions, desde sua saída da Konami.

Antes disso, o designer ganhou fama principalmente pela franquia Metal Gear, principalmente após 1998 com Metal Gear Solid e suas diversas sequências.

A carreira de Kojima na Konami, porém, não se resume apenas a Solid Snake, Big Boss, nanorrobôs e La-Li-Lu-Le-Lo.

Confira abaixo alguns dos projetos de Hideo Kojima sem relação com Metal Gear:

Penguin Adventure



Clique para ver a imagem em tamanho original


Lançado em 1986 para o MSX e essencialmente desconhecido fora do Japão, Penguin Adventure é uma sequência de Antarctic Adventure cujo principal legado é o de ser o primeiro jogo no qual Kojima participou, trabalhando como designer assistente.

Na época, ele encontrava-se um tanto frustrado dentro da empresa por diversas razões - incluindo a de não estar trabalhando em jogos para o Famicom/NES -, mas Penguin Adventure traz uma série de melhorias em relação ao seu antecessor, com novas mecânicas de combate, áreas diversas e até finais diferentes.

O quanto isso é influência direta do próprio Kojima é difícil dizer. De qualquer forma, no ano seguinte, o designer finalmente encontrou seu lugar ao assumir um projeto de outro desenvolvedor da Konami: um jogo conhecido como "Metal Gear".

Snatcher



Clique para ver a imagem em tamanho original


Provavelmente o jogo mais conhecido de Kojima fora da série Metal Gear (com uma possível exceção em breve), Snatcher é um adventure game/visual novel lançado originalmente em 1988 para o PC-8801 e MSX2.

Inspirado por (para não dizer quase totalmente copiado de) filmes como O Exterminador do Futuro, Invasores de Corpos e principalmente Blade Runner, Snatcher conta a história de Gillian Seed, um homem com amnésia que trabalha para uma organização conhecida como JUNKER, que tem como missão destruir os chamados Snatchers - androides capazes de tomarem as identidades de seres humanos ao roubarem suas peles.

Considerado até hoje um dos melhores games do gênero cyberpunk, Snatcher não foi um grande sucesso em seu lançamento, mas ganhou um status de "clássico cult" nos anos seguintes, por tratar de temas complexos e seu aspecto cinematográfico, que Kojima refinaria nas décadas seguintes.

Este também foi o jogo em que o designer começou a criar referências a seus projetos anteriores, ao incluir uma clube com o nome Outer Heaven e colocar como parceiro de Gillian um pequeno robô conhecido como Metal Gear Mk. II.

Snatcher só chegou a ser lançado no Ocidente uma vez, em 1994 pelo Sega CD, mas também foi um enorme fracasso de vendas. Com a popularidade de Kojima, diversos fãs tiveram oportunidade de testar o jogo via traduções feitas pela comunidade.

Policenauts



Clique para ver a imagem em tamanho original


Outro adventure elogiado com direção e roteiro de Kojima, Policenauts foi lançado originalmente para o Japão em 1994.

No game, o jogador controla Jonathan Ingram, um "policinauta" (astronauta com treino policial que protege a paz nas colônias) que acaba se perdendo durante uma missão, encontrado só após 28 anos em estado criogênico.

Agora vivendo como detetive particular, Jonathan deve resolver o desaparecimento do novo marido de sua ex-mulher, Lorraine.

Assim como Snatcher, o jogo ficou marcado por sua narrativa e estilo cinematográfico, assim como suas influências originais, incluindo principalmente Máquina Mortífera (desta vez no espaço).

Este também é o primeiro jogo que conta com a aparição de Meryl Silverburgh, personagem que ganharia mais fama em um game que desenvolveria anos mais tarde para o primeiro PlayStation.

Infelizmente, o jogo nunca foi lançado fora do Japão, mas já foi traduzido por fãs.

Zone of the Enders



Clique para ver a imagem em tamanho original


O jogo de mecha Zone of the Enders, tal qual como sua sequência, The 2nd Runner, são casos curiosos dentro de sua carreira, já que ele não esteve envolvido diretamente nem com a direção ou o design do projeto.

Neste caso, seu papel principal foi como produtor do projeto, ajudando a equipe de desenvolvimento em diversos aspectos do processo e dando suas próprias sugestões para o game em si.

Zone of the Enders também conta com a arte de Yoji Shinkawa, grande colaborador de Kojima em Metal Gear Solid e (futuramente) em Death Stranding.

Apesar de não ser um jogo desenvolvido diretamente por ele, Kojima ainda valorizou e homenageou o trailer a sua própria maneira, colocando diversos pôsteres de Zone of the Enders em áreas de Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty - cuja demo, inclusive, veio no pacote original daquele jogo.

Boktai: The Sun is in Your Hand



Clique para ver a imagem em tamanho original


Lançado para o Game Boy Advance em 2003, Boktai é outro jogo produzido por Kojima, e traz uma mecânica inovadora e curiosa: no papel do herói Django, um caçador de vampiros, o jogador dependia de uma arma especial que era energizada pelos raios do sol.

Mas não dentro do jogo. O sol de verdade.

Por meio de um sensor de luz no cartucho, o jogo era capaz de medir a intensidade da luz, e a potência da arma se adaptava a isto. Caso o jogador estivesse longe da luz (ou jogando à noite) e sua munição acabasse, o ideal é tentar evitar combate.

Apesar de ser apenas produzido, não dirigido ou elaborado por Kojima, a ideia do medidor de raios de sol é o tipo de conceito não-ortodoxa típica do desenvolvedor, e em 2011 disse ter se arrependido de não estar mais envolvido com o projeto - também em parte pela inexperiência da equipe principal.

Castlevania: Lords of Shadow



Clique para ver a imagem em tamanho original


Castlevania: Lords of Shadow foi desenvolvido principalmente pelo estúdio MercurySteam, mas participação importante de Kojima e a antiga Kojima Productions durante a produção do projeto, sugerindo mudanças no visual do protagonista, Gabriel Belmont, e um envolvimento com a parte de dublagem e localização da versão japonesa.

Curiosamente, de acordo com o produtor Dave Cox (via Siliconera), Kojima é o motivo principal pelo game ser parte da série Castlevania! Originalmente, a Konami achou que o gameplay seria uma mudança radical demais para a série, e passou a chamá-lo apenas de Lords of Shadow.

Ao demonstrar o jogo para os gerentes da companhia, porém, Kojima exclamou: "Isso é incrível, por que não é Castlevania?"

Embora o papel de Kojima não tenha sido tão extensivo quanto outros projetos, talvez a ajuda dele pudesse ter resolvido alguns dos problemas maiores da desastrosa sequência Lords of Shadow 2.

P.T.



Clique para ver a imagem em tamanho original


No que seria um de seus últimos feitos dentro da Konami, e último projeto a ter qualquer relação com Metal Gear, P.T. ainda é considerado um dos grandes feitos de Kojima como game designer, e uma das maiores fontes de especulação sobre o que acabou sendo um projeto com potencial cancelado abruptamente.

Lançado durante a Gamescom 2014, P.T. (de "Playable Teaser", ou Teaser Jogável em tradução livre) nada mais é do que um anúncio especial para Silent Hills, jogo dirigido por Kojima e estrelado por Norman Reedus, com colaboração de Guillermo del Toro.

O teaser em si, porém, é extremamente elaborado, cheio de complexidades e tons assombrosos, com o jogador se deparando com visões sinistras, desde um feto abortado até o espírito de Lisa, uma mulher assassinada.

Infelizmente, Silent Hills acabou sendo cancelado não muito tempo depois, e Kojima saiu da Konami após o lançamento de Metal Gear Solid V: The Phantom Pain.

Como sabemos hoje em dia, ele e Norman Reedus (e, em menor escala, del Toro) voltariam a trabalhar juntos pouco tempo depois.
Catos
Enviado por Catos
Membro desde
28 anos, Goiânia
label