.

YouTube está sendo investigado por sua incapacidade de proteger as crianças

Enviado por Nightcrowley, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original

De acordo com jornal Washington Post, o Youtube está sendo investigado pelo governo federal americano por causa de seus problemas recentes envolvendo conteúdo infantil, a Comissão Federal de Comércio (FTC) estaria investigando as práticas de coleta de dados e a falha em proteger as crianças. A investigação está em fase avançada e foi instaurada após reclamações de grupos de consumidores e defensores da privacidade.

O senador Edward Markey (D-MA) chamou a investigação de "o tratamento do YouTube com crianças na rede está em atraso", em um comunicado à imprensa divulgado nesta quarta-feira (19), acrescentando que "a empresa ainda precisa tomar as medidas necessárias para proteger seus usuários mais jovens".

Tanto os executivos do YouTube quanto do Google, incluindo seus respectivos CEOs Susan Wojcicki e Sundar Pichai, aceleraram as buscas por uma solução para o problema. Então a empresa optou por fechar as seção de comentários da maioria dos vídeos com crianças em Fevereiro como uma forma de prevenir que comentários predatórios se espalhem. A empresa também proibiu que menores façam live stream sem um adulto na sala.

Um dos maiores pedidos que os executivos do YouTube receberam de formuladores de políticas, críticos e até mesmo de alguns funcionários é parar de recomendar vídeos que contenham crianças. Um porta-voz do YouTube disse ao The New York Times no início deste mês que isso afetaria os criadores de conteúdo. Em vez disso, a empresa limitou "recomendações sobre vídeos que considera colocar crianças em risco", segundo o Times.

Wojcicki e Pichai parecem estar buscando medidas mais fortes para resolver o problema, de acordo com várias matérias publicadas na semana passada, incluindo duas investigações do Bloomberg e do Wall Street Journal. Uma possível solução, de acordo com o Journal, é transferir todos os conteúdos para crianças para o aplicativo independente do YouTube, o YouTube Kids. Um porta-voz do YouTube havia dito anteriormente que a empresa analisa "várias ideais para a melhoria do YouTube".

Mesmo assim ele tem os seus próprios problemas. O app, apesar de ser mais seguro que a plataforma principal, tem enfrentado uma série de desafios de moderação, incluindo discussões gráficas sobre p****fia e suicídio, linguajar sexualmente explícito em desenhos e exemplos de práticas inseguras como brincar com fósforo acesos.

Também há a questão de que as crianças não utilizem tanto o app como o site principal. A matéria do Bloomberg cita fontes internas no YouTube que sugeriu que crianças "tendem alterar para o site principal do YouTube antes delas completarem 13 anos." Mesmo que o aplicativo veja mais de 20 milhões de pessoas por semana, um porta-voz da empresa disse ao Bloomberg, que é apenas uma fração do número de visualizações que os canais populares de crianças estão recebendo no site principal.

Conteúdo com crianças é generalizado no site, causando problemas assustadores de moderação. As crianças são frequentemente incorporadas ao vlogging familiar, um setor em franca expansão; eles estrelam em seus próprios canais fazendo unboxing ou brincando com amigos; muitos até mesmo fazem parcerias com vloggers populares - o criador Jake Paul costuma colaborar com um menino de quatro anos chamado Tydus em seus vídeos. Seria difícil para o YouTube remover todos os vídeos com crianças e migrá-los para o YouTube Kids sem afetar a maior comunidade de criadores de conteúdo. Embora proteger as crianças seja uma das principais prioridades da empresa, lidar com a reação dos criadores é algo que a empresa sempre considerou.
Nightcrowley
Enviado por Nightcrowley
Membro desde
25 anos
label