.

Que fim levou? Saiba o que aconteceu com alguns dos antigos campeões dos eSports

Enviado por okardec, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original


Os eSports nunca foram tão populares como agora e o sucesso mundial de alguns dos principais gamers do mundo faz com que a carreira nos esportes eletrônicos seja cada vez mais desejada por jovens jogadores.

Só que as estrelas atuais só desfrutam de tamanho patamar atual devido ao trabalho de outros gamers no final da década de 1990 e no início dos anos 2000. As primeiras lendas dos esportes eletrônicos pavimentaram o caminho para o sucesso de outros e muitos desses antigos campeões ainda continuam na indústria - só que em funções diferentes.

Co-fundador da NiPde volta ao mercado

Um dos principais exemplos de sucesso na carreira empresarial é o sueco Tommy Ingemarsson, conhecido nos tempos de gamer como Potti. Atualmente com 38 anos, ele foi uma das primeiras grandes estrelas do CounterStrike e ficou ativo entre 1999 a 2006. O sueco deixou um legado impressionante e muitos o apelidavam como "Michael Jordan do CS". Nessa época, porém, os esportes eletrônicos não davam muita grana (comparado a hoje) e Potti ganhou cerca de US$ 70 mil na carreira.

Só que, diferente de outros gamers da época, Potti foi esperto o suficiente para investir o dinheiro no setor em que ele mais gostava. Ainda em 2000, quando tinha apenas 20 anos, ele formou junto com o amigo Tootzi o lendário time Ninjas in Pyjamas.


Clique para ver a imagem em tamanho original


Diversos problemas contratuais fizeram com que o time da NiP se dissolvesse ainda no início da década 2000, só que a equipe voltou em 2005, quando Potti e nomes como HeatoN, Hyper e outros reestruturam o time. Com quase 20 anos de história, esse time é um dos mais consagrados da história do CS e tudo começou com a ideia de Potti.

Atualmente Potti não está na função de CEO do time, no entanto, seu legado como gamer e empresário jamais será apagado. Mesmo sem estar mais no comando da NiP, o sueco voltou ao cenário dos esportes eletrônicos. Nos dias atuais ele é CEO da AreaAcademy, uma escola de eSports.

Do StarCraft ao título mundial do poker

Diferente de Potti, o francês Bertrand Grospellier tomou um caminho diferente na carreira profissional. No início dos anos 2000, ele dominava como um dos principais gamers fora da Coréia do Sul no StarCraft.

Conhecido como ElkY, o francês chegou a participar de grandes campeonatos e foi parte importante na popularização dos esportes eletrônicos na Europa. Uma das estrelas da AMD Dream Team, ele chegou na semifinal da SKY OSL em 2002, quando perdeu em um duelo clássico diante de Boxer. Com o avanço da idade, ElkY decidiu mudar o seu foco para o poker.


Clique para ver a imagem em tamanho original


Nos dias atuais, ElkY é um dos grandes jogadores de poker do mundo. Um dos embaixadores do partypoker, o francês tem no seu excelente currículo um título do World Series ofPoker - circuito mais importante do mundo.

Da mesma época de ElkY, Patry ficou na Coréia e virou influencer

ElkY não era o único estrangeiro que incomodava os coreanos no StarCraft durante o início da década de 2000. GuillaumePatry, que utilizava o apelido Grrrr..., foi campeão mundial do game em 1999.

Assim como ElkY, o canadense mudou para a Coreia do Sul para se especializar ainda mais. Além de ter ganho o título mundial, Patry venceu o Hanaro OSL e se consolidou como um dos grandes dos esportes eletrônicos.

Com o avanço da idade, Patry não conseguiu acompanhar as inovações do StarCraft e eventualmente se aposentou em 2004. No entanto, ele aproveitou toda fama que conquistou na Coreia do Sul e aumentou sua reputação nos anos seguintes trabalhando em diversos programas televisivos locais.


Clique para ver a imagem em tamanho original


Com mais de 120 mil seguidores no Instagram, o canadense de Quebec virou um influencer na Coreia. No início de maio deste ano, ele anunciou que estava se mudando para o Canadá para ficar mais tempo com os pais após 20 anos morando em Seul.

Ex-melhor do mundo de CS foi para as criptomoedas

Já Danny Montaner, conhecido nos tempos de gamer profissional como fRoD, foi para outro ramo. Quando jogava CS, ele foi uma das principais lendas do game e chegou a ser considerado como o melhor jogador americano da década de 2000. Em 2005, chegou ao auge da carreira, quando levou o prêmio de melhor jogador de CS do mundo.

Quando parou de jogar, Montaner se dedicou às criptomoedas. No ano passado, ele anunciou uma parceria com a TriForceTokens como conselheiro em um projeto do ramo."A TriForceTokens ganhou minha atenção rapidamente com o objetivo de ser um token centrado na comunidade. Não apenas há várias formas de proteção e segurança, há também tudo que você precisaria para se engajar com a sua comunidade. Além disso, é importante notar que há diversas fontes de geração de renda inexploradas para qualquer criador de conteúdo e desenvolvedor", disse o americano em comunicado oficial.


Clique para ver a imagem em tamanho original


fRoD está de volta ao mundo do CS como coach da Lazarus Sports, mas segue antenado com o mercado das criptomoedas.

Paradeiro de outros gamers aposentados

Além dos quatro que foram citados acima, vale a pena mencionar outros ex-gamers profissionais. Um deles é o coreano Chun Jung-hee, conhecido como "Sweet". Ele fez uma carreira de sucesso no Warcraft III como um dos melhores jogadores do mundo antes de se aposentar em 2008.

Atualmente com 33 anos, Sweet é treinador e já trabalhou em diversos times. Um deles é o Jin Air Greenwings, organização coreana que compete no StarCraft II e no LeagueofLegends.

Já Emil Christensen, conhecido na época de CS como "HeatoN", foi para o ramo empresarial. Com projetos em diferentes setores, recentemente ele esteve envolvido na inauguração de um bar sueco chamado Kappa Bar.


Clique para ver a imagem em tamanho original


O sueco também é um dos acionistas da NiP, pois ele esteve entre um dos personagens que reinauguraram o time em 2005. No fim do ano passado, porém, HeatoN deixou de ser o embaixador do time.

Com o crescimento cada vez maior dos esportes eletrônicos, é provável que os futuros ex-jogadores invistam nesse ramo para usar seus respectivos investimentos e prestígio a favor do mercado. Quem tem a crescer com tudo isso são os eSports.
okardec
Enviado por okardec
Membro desde
34 anos, Luziânia, GO, Brasil
label