.

Jogadores SJW estão descontentes com visual de personagem feminina de Persona 5

Enviado por Frocharocha, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original

A Atlus anunciou recentemente Persona 5: The Royal. É uma nova entrada para o Persona 5, aproveitando toda a jogabilidade básica e adicionando novos personagens e elementos de jogabilidade à história, transformando-a efetivamente em uma nova experiência. O próximo jogo será lançado no Japão em 31 de outubro de 2019 para o PS4 e está programado para ser lançado no Ocidente em 2020. No entanto, já existem grupos organizados de Guerreiros da Justiça Social tentando fazer com que o jogo seja censurado.

Tudo começou com o trailer de lançamento, que foi lançado em 24 de abril de 2019. Você pode conferir o trailer abaixo, cortesia do GameSpot.




Como relatado pelo Personal Central, há novos locais para encontrar no terceiro semestre, novos mini-jogos para jogar como dardos e piscina, novos lugares para explorar no mapa de Kichijoji, novos personagens para atender como conselheiro da escola Takuto Maruki e novos cinematics para assistir, mas todas as novas adições ao Persona 5: The Royal foram completamente ignoradas por grupos como ResetEra e os mobs de Social Justice da mídia social, todos devido a um único personagem: Kasumi Yoshizawa.

As coisas ganharam força no ResetEra em um tópico intitulado "O Persona 5 Royal deve remover as coisas problemáticas nesta nova versão?".

O grupo do fórum chegou a um consenso de que Persona 5: The Royal precisava ser censurado e ter certos conteúdos removidos, o que incluía os personagens gays, cujos retratos eles achavam que eram "problemáticos", bem como encobrir os personagens e remover qualquer insinuação dirigida a personagens como Ann.

Não demorou muito para o conteúdo do fórum começar a aparecer no Twitter.



A nova personagem feminina foi o principal foco de críticas dos usuarios do Twitter SJW. Eles atacaram o visual porque suas coxas estão expostas em sua roupa de malha, o que se encaixa no fato de que ela é uma ginasta rítmica. Alguns chegaram a chamar Atlus de "covardes" por não cobrir Kasumi como um dos combatentes da burca de Mortal Kombat 11.

Não é a primeira vez que a reclamação de grupos de SJW tenta censura um game. Por exemplo, a declaração incorreta de ResetEra da versão japonesa de Catherine: Full Body deixou a localização ocidental no ar em termos de se será ou não censurada após as queixas dos SJWs. A dubladora que trabalha na versão ocidental reconheceu as reclamações do SJW e disse que estaria lidando com o fanatismo no jogo. Então é um jogo se isso significa que o jogo será censurado.
Frocharocha
Enviado por Frocharocha
Membro desde
39 anos, São Paulo
label