.

Confira um preview de Crackdown 3

Enviado por macmi, , 0 comentários
Vamos de mãos dadas com um jogo de conquistar da cidades



Clique para ver a imagem em tamanho original


Depois de jogar Crackdown 3 por algumas horas, eu saio me sentindo vagamente decepcionado. Não é que o jogo de tiro de mundo aberto da Microsoft seja desagradável ou ruim. É meio divertido. Mas não parece um exclusivo AAA criativamente ousado. Parece apenas um compromisso.

Quando este jogo foi exibido pela primeira vez em 2014, foi apresentado como uma maravilha dos jogos na nuvem, um mundo totalmente destrutível no qual todas as coisas seriam possíveis. Cinco anos depois, essas promessas mal podem ser encontradas em Crackdown 3. Na campanha para um jogador, a destrutibilidade ambiental dificilmente existe. No componente multijogador, ele é reduzido a pouco mais que buracos nas barreiras e paredes.

O histórico de desenvolvimento do Crackdown 3 é um conto de atrasos, saídas de executivos e expectativas decrescentes. Agora, aproximando-se da data de lançamento em 15 de fevereiro no Windows PC e Xbox One, o jogo parece um jogo de tiro em mundo aberto perfeitamente comum.

CIDADE DE NÉON

A cidade de New Providence é um conglomerado de néon de tropos próximos do futuro, como megaempresas e tecno-gangsters, onde carros elétricos se aproximam de rodovias. Eu sou um "agente", encarregado de derrubar vários chefões criminosos que estão todos conectados com uma conspiração para controlar a rede elétrica do mundo.

Minhas habilidades de combate incluem movimentos básicos de combate corpo a corpo, força incrível, um jetpack e acesso a uma variedade de armas. Durante todo o jogo, minhas habilidades são aprimoradas simplesmente passando pelas ruas, destruindo esconderijos e causando destruição. Se eu pegar um carro e jogá-lo em um inimigo, minhas estatísticas para pegar as coisas subirão. O mesmo para fotografar, dirigir, pular e assim por diante. Cada vez que mato um inimigo, pequenos orbes flutuam em minha direção, significando meu progresso, sempre melhorando a natureza.

Enquanto eu começo com um jetpack fraco que tem todo o poder do espirro de um gatinho, depois sou capaz de criar algo mais impressionante, permitindo-me escalar grandes edifícios ou atirar-me contra inimigos.

O mapa está totalmente aberto, o que significa que posso ir a qualquer lugar a qualquer momento e enfrentar qualquer inimigo, incluindo o chefe final. Na realidade, o jogo verifica minhas estatísticas e me dá uma probabilidade percentual de sobreviver a cada local inimigo. Esta é uma técnica de soft-gating que me permite experimentar inimigos de nível mais alto, se eu realmente quiser.

Durante meu tempo com o Crackdown 3, as missões que escolho tendem a atacar matilhas de inimigos, acessar um terminal e iniciar algum tipo de invasão de computador para libertar prisioneiros ou outros. Às vezes eu vou especificamente para derrubar um cara malvado ou destruir recursos inimigos. As missões são codificadas por cores de acordo com organizações criminosas específicas. Eu trabalho em meu caminho através de uma hierarquia de tenentes e capos da máfia, até que eu tiro os principais chefes.

Clique para ver a imagem em tamanho original

ARMAS DE FOGO E EQUIPAMENTOS

Onde quer que eu esteja na cidade, posso pular em carros aleatórios, à la Grand Theft Auto, ou posso convocar meu próprio passeio.

Escolho o meu próprio equipamento de combate de várias armas de fogo, mas as batalhas em si tendem a produzir muitas alternativas. Os inimigos denunciam sua própria resistência a certos tipos de armas, com letras grandes que dizem "RESIST" aparecendo na frente deles. Esta é a minha sugestão para trocar, digamos, meu rifle elétrico por uma arma de lama tóxica. Eu também posso mirar partes distintas dos inimigos do corpo, permitindo-me, digamos, matar um guarda com um enorme escudo atirando nele no pé.

As áreas de batalha estão repletas de fragmentos que eu posso pegar e jogar em inimigos, como lixeiras, automóveis e corpos de outros inimigos. Estes produzem danos significativos. Claramente, os desenvolvedores da Sumo Digital querem que eu me envolva com todos esses detritos, em vez de simplesmente correr e atirar. É divertido tirar um ninho de inimigos jogando um cadáver neles.

Essa tolice permeia a narração do jogo, que se transforma em ironia. Mas em um mundo onde algo genuinamente escandaloso como o Saints Row, o humor parece melhor do que o normal.

O modo multijogador me leva a uma arena futurista de torres e plataformas, onde eu jogo como gato e rato junto com os inimigos, fazendo buracos nas paredes para atirar neles ou me escondendo atrás de colunas. Um indicador em neon atribui a mim sempre que eu sou alvo, e eu aprecio o desafio de sacudir o meu perseguidor, ou mesmo virar a mesa. É um pouco decente de diversão.

O Crackdown 3 parece uma peça de entretenimento divertida e descontraída, que é provável que encontre popularidade entre os fãs da série, que não receberam uma sequência em quase nove anos. Mas não é a maravilha que originalmente deveria ser, nem o blockbuster exclusivo da plataforma que a Microsoft precisa que seja. Eu suspeito que ele servirá melhor como uma atração decente no serviço de assinatura Xbox Game Pass de bom valor da empresa. Fique de olho na análise completa de Polygon nos próximos dias
macmi
Enviado por macmi
Membro desde
label