.

'EUA podem desligar a internet de qualquer pais', diz comitê brasileiro

Enviado por Frocharocha, , 7725 visualizações, 0 comentários
[img]hide:aHR0cDovL3MyLmdsYmltZy5jb20vWVlIUF9fTXVkZFJuU2JPVmZCTVFTT3ZqRjZNPS9zLmdsYmltZy5jb20vam8vZzEvZi9vcmlnaW5hbC8yMDE1LzA3LzAzL2hhcnRtdXRnbGFzZXJjZ2lici5qcGc=[/img]
Secretário da entidade que zela pela governança da web no Brasil explica por que há tanta pressão por uma gestão internacional da rede.

A visita da presidente Dilma Rousseff aos Estados Unidos, nesta semana, teve como um de seus objetivos virar a página do mal estar criado nas relações bilaterais pelas denúncias de que a Agência de Segurança Nacional americana (NSA) teria espionando figuras do alto escalão do governo brasileiro.

Foram tais denúncias, feitas pelo ex-funcionário da NSA, Edward Snowden, que levaram Dilma a cancelar uma visita oficial ao país em 2013. Dois anos depois, ainda é impossível ter garantias de que esse tipo de espionagem não possa voltar a ocorrer, segundo Hartmut Glaser, secretário-executivo do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), entidade que administra a distribuição de endereços eletrônicos e zela pelo bom funcionamento da rede no país.

Segundo Glaser, porém, um dos resultados positivos do caso foi dar ao Brasil protagonismo em uma área que tende a ganhar importância nos próximos anos: a busca pela formulação de um sistema de governança internacional da internet.

O secretário-executivo do CGI diz que, em parte pressionados pelo escândalo da NSA, os Estados Unidos concordaram em abrir mão da tutela que, desde os anos 90, exerciam sobre a chamada Corporação da Internet para Designação de Nomes e Números (ICANN), entidade que administra questões técnicas fundamentais ligadas a internet, como a distribuição de domínios.

Por que isso é importante? Segundo Glaser, o problema é que hoje, tecnicamente, os Estados Unidos podem "desligar a internet" de qualquer país.
Frocharocha
Enviado por Frocharocha
Membro desde
38 anos, São Paulo
label