.

Confira um entrevista com Kazutoki Kono, o diretor de Ace Combat Infinity

Enviado por Don_Alves, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original

O site EuroGamer.pt fez uma entrevista com o diretor de Ace Combat Infinity, Kazutoki Kono, onde um dos temas foi a passagem da série para o modelo free-to-play.

Abaixo você pode conferir a entrevista completa:

Clique para ver a imagem em tamanho original

Eurogamer Portugal: Obrigado pela entrevista, deixe-me começar por lhe perguntar o porquê da decisão de transitar uma série clássica como esta para um modelo free-to-play?.

Kazutoki Kono: A decisão teve ao olhar para o estado da própria indústria, onde muitos dos títulos estão influenciados. Ou você coloca um grande investimento na produção de um título e espera vender muito bem, estilo 5 milhões de cópias, ou tem um pequeno investimento com uma equipe reduzida e aproveitas a dedicação dos fãs mais dedicados.

O nosso alcance ao longo dos últimos anos tem estado no espaço de 1 milhão de unidades por jogo, e estes títulos têm passado por dificuldades que nos obrigaram a apontar as baterias para algo diferente, de modo a aumentar a nossa base de fãs. Isto foi o que nos levou a optar pelo modelo free-to-play.

Já que oferecemos o jogo gratuitamente, vai ser muito mais fácil convidar os teus amigos para experimentar o jogo. Se conseguirmos entre 3 a 5 milhões de download, podemos depois estudar com a nossa companhia quais as melhores oportunidades para o futuro, para aproveitar esse interesse.

Eurogamer Portugal: Pode nos explicar esse modelo exatamente, que tipo de coisas planeja vender?

Kazutoki Kono: É mais uma questão de pagar por tempo, não existe nada que não seja capaz de adquirir apenas pelo ato de jogar, desde que estejas disposto a jogar durante um tempo suficiente.

As opções de pagamento servem para aqueles que querem jogar, mas talvez não tenham tempo suficiente para conseguir desbloquear o que desejam, e assim podem comprar boosters e certos itens que de outra forma não conseguiriam.

O sistema não cai nunca no pay-to-win, onde alguém consegue comprar imediatamente um determinado avião de guerra. Gastas dinheiro por mais conveniência. Estamos também estudando outras formas de financiamento, onde as pessoas poderão gastar dinheiro para testar outro estilo de jogo…

Eurogamer Portugal: Pode explicar melhor essa parte?

Kazutoki Kono: Ainda estamos estudando essa questão (risos), não podemos entrar em detalhes, mas queremos tentar algo diferente definitivamente.

Eurogamer Portugal: Existe uma história por detrás deste jogo?

Kazutoki Kono: Existe uma história sim, mas evitamos falar dela para não estragar a surpresa. Ao ver atentamente o trailer já se consegue perceber algumas coisas, existe uma ligação com eventos dos jogos anteriores, em alguns casos, revisitamos algumas coisas para revitalizar essas histórias.

Apesar disto, é importante ter em conta que o personagem principal é você, o jogador. Pode ter reconhecido algum dos personagens que aparecem no trailer, mas você é que tem o papel principal. Queremos que o jogador sinta o que é ser um piloto.

Eurogamer Portugal: Que novidades poderemos ver em termos de gameplay, quando comparado com os jogos anteriores?

Kazutoki Kono: Comparando com o Ace Combat: Assault Horizon, que teve bastantes adições às suas mecânicas, regressamos às raízes e tornamos a jogabilidade muito mais simples e focada nas mecânicas básicas.

Ao fazer isto, garantimos que as pessoas se habituam rapidamente aos controles básicos, para que possam enfrentar os novos modos de jogo, incluindo o online. Ace Combat sempre esteve longe da simulação, sempre o consideramos um flight shooter, onde a simplicidade é chave. .

Eurogamer Portugal: Pensa que por ser um free-to-play, o principal foco estará no modo online?

Kazutoki Kono: Já que se trata de um título free-to-play, colocamos muita importância na comunicação entre os utilizadores, nesse sentido sim, o modo online tem um papel preponderante em Ace Combat: Infinity, mas isso não significa que a campanha irá ser sacrificada.

Este modo é muito importante para os fãs de Ace Combat, e a medida que realiza a campanha, você aprende as mecânicas básicas para o online cooperativo, como ultrapassar as missões cooperativas. Esta aprendizagem pode não ser notada pelos jogadores, mas esse é o nosso objetivo.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Eurogamer Portugal: Um dos melhores modos de Ace Combat era o Dog Fight, porque é que este não estará em Infinity?

Kazutoki Kono: Ace Combat: Assault Horizon foi um desafio diferente para nós, neste Infinity queríamos tornar tudo mais simples, para que as pessoas não fossem forçadas, mas fossem dirigidas a aprender o sistema, focando-as nas mecânicas básicas do jogo.

Não estou dizendo que o modo Dog Fight era ruim nem nada disso, aliás, como se trata de uma experiência muito arcade, estamos utilizando o conceito para criar uma máquina com um modo similar. Temos um arcade no Japão, que corre em um modo muito similar ao de Dog Fight. Essa é uma das coisa que fazemos para expandir a nossa série.

Eurogamer Portugal: Vocês consideraram levá-lo para a realidade virtual com o Projeto Morpheus?

Kazutoki Kono: Gostaria que o fizéssemos?

Eurogamer Portugal: Bom, sim?

Kazutoki Kono: (Risos) Quando me fazem essa pergunta, eu respondo sempre com essa pergunta, e julgo que a resposta é 100% das vezes que sim. Ace Combat adequa-se lindamente a esse tipo de dispositivos. É algo que teremos que considerar com atenção.

Isto é um segredo, mas quando o Oculus Rift estava no início, experimentamos o Ace Combat nele, e a experiência foi francamente positiva.

Eurogamer Portugal: Se Infinity resultar, você pretende manter o apoio a este modelo, como pensa que será o futuro para a série?

Kazutoki Kono: De uma certa perspectiva, não queremos limitar o nosso próprio futuro, e como estamos quase lançando Ace Combat, vamos focar-nos nele primeiro, e se correr bem, logo veremos quais são as possibilidades que se abrem para o futuro da franquia. Claro que não prendemos limitar ao free-to-play, da mesma forma que não queremos limitar à venda de jogos de console na caixa.

Eurogamer Portugal: A trilha sonora de Assault Horizon foi um dos seus pontos mais fortes, podemos esperar o mesmo nível de qualidade desta vez?

Kazutoki Kono: No momento, estamos utilizado o que chamamos de "greatest hits", retirados dos jogos anteriores. Temos feito combinações com os temas que tiveram melhor recepção dentro da música de Ace Combat.

Pretendemos também atualizar a música da mesma maneira que iremos fazer para o jogo, adicionando novas combinações ou músicas originais, dependendo do feedback dos jogadores.

Pessoalmente, acredito que a diversão em Ace Combat tem 40% a ver com a música, por isso levo-a muito a sério nos jogos, nesse sentido, não admito que a qualidade seja comprometida de forma nenhuma. Com isso podem contar.

Eurogamer Portugal: A equipe que trabalhou neste jogo foi a mesma dos títulos anteriores?

Kazutoki Kono: O núcleo é praticamente o mesmo, mas claro, já estamos nisto há 20 anos, alguns membros estão velhos (risos), e vamos adicionando novos membros com o tempo.

Os veteranos já têm autoridade para trabalhar no que quiserem, e por isso por vezes ajudam em projetos diferentes, no entanto, o núcleo principal esteve envolvido no processo.

E sim, temos outros projetos em produção, mas não posso dizer nada sobre isso de momento.

Eurogamer Portugal: Obrigado pelo seu tempo.

Kazutoki Kono: Muito Obrigado.
Don_Alves
Enviado por Don_Alves
Membro desde
21 anos, Carapicuíba (São Paulo)
label