.

FBI investiga jogos de azar no mundo virtual do Second Life

Enviado por Anônimo, , 413 visualizações, 0 comentários
Investigadores do FBI visitaram os cassinos virtuais do Second Life, a convite da Linden Lab, criadora do mundo virtual, mas o governo norte-americano ainda não decidiu sobre a legalidade dos jogos de azar virtuais.
"Convidamos o FBI diversas vezes a observar o que acontece no Second Life, e a expressar quaisquer preocupações que lhes surgissem, e conhecemos pelo menos um caso em que agentes federais visitaram um cassino virtual", disse Ginsu Yoon, até recentemente diretor jurídico da Linden Lab e hoje vice-presidente de assuntos empresariais do grupo.
O Second Life é um popular mundo virtual com milhões de usuários registrados, e economia e moeda própria (o dólar Linden), que pode ser convertida em dólares norte-americanos.
Yoon disse que a empresa estava solicitando orientação quanto às atividades de jogos de azar virtuais no Second Life, mas que as autoridades norte-americanas até agora não haviam estabelecido regras firmes.
O FBI e o procurador federal dos Estados Unidos para a região norte da Califórnia se recusaram a comentar. Centenas de cassinos que oferecem jogos de pôquer, máquinas caça-níqueis e blackjack existem no Second Life. Embora seja difícil estimar a dimensão total da economia do jogo em Second Life, os três maiores cassinos de pôquer online estão realizando lucros de modestos US$ 1,5 mil por mês, de acordo com proprietários de cassinos e pessoas que conhecem o setor.
A alta nas atividades de jogo do Second Life coincide com a repressão ao jogo online no mundo real pelo governo norte-americano, que ordenou a detenção de executivos de empresas online de jogos de azar cujas sedes ficam fora do território dos Estados Unidos.
A maioria dos advogados concorda em que realizar apostas denominadas em dólares Linden provavelmente representa violação dos estatutos norte-americanos de repressão ao jogo, que cobrem circunstâncias nas quais "algo de valor" seja apostado. Mas o grau de responsabilidade da Linden Lab sobre a prática e a probabilidade de que medidas repressivas venham a ser adotadas continuam a ser fatores desconhecidos.
O advogado especializado em tecnologia emergente do escritório Squire, Sanders & Dempsey, Brent Britton afirma que a Linden Lab pode ser potencialmente responsabilizada em acusações criminais segundo a legislação Illegal Gambling Business Act, de 1970, ou o Unlawful Internet Gambling Enforcement Act, aprovado no ano passado e que se foca em companhias de cartões de crédito e outras formas de transferência eletrônica de fundos que permitem a jogatina na Internet.
"Se você está comprando dinheiro Lindex e utilizando ele para fins de jogo de azar, a Linden pode ter um grau de responsabilidade muito maior", disse Britton.
As regras da Linden Lab proíbem atividade ilegal. "Não é sempre claro para nós saber se uma simulação 3D de um cassino é a mesma coisa que um cassino, legalmente falando, e a questão não é clara para as autoridades com quem conversamos", disse Yoon. E mesmo se a lei fosse clara, ele afirmou que a companhia não teria como monitorar ou impedir o jogo no Second Life.
label