.

Os melhores jogos indies da oitava geração de consoles

Enviado por renatito91, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original

Novos consoles vindo aí, e cá estou eu fazendo um apanhado para reconhecer os melhores jogos desta oitava geração. Nesta publicação tratarei dos jogos indies, jogos que dividem opiniões: amados por uns, subestimado e odiado por outros. Na opinião deste humilde colaborador, os jogos indies são um mar de criatividade num deserto de ideias novas que se tornou a indústria Triple A nos últimos anos. Com os jogos estando cada vez mais caros para se produzir, as empresas tem evitado se arriscar muito, entregando jogos que agradem uma maior parcela de jogadores, ficando assim na safe zone. Os jogos indies como possuem orçamentos menores e expectativas menores, eles acabam tendo espaço para ousar e entregar experiências diferenciadas. Eu sei que a geração não acabou ainda, mas acho difícil algum indie ganhar grande destaque até o final deste ano (Mãe Diná mode on).

Usei como critério os jogos indies que mais apareceram nas listas de melhores jogos de outros sites, com uma pitada do meu gosto pessoal. Não quis fazer uma lista extensa, por isso coloquei apenas 10 jogos, então logo de antemão, peço compreensão caso eu tenha deixado algum jogo de fora. Coloquei os jogos em ordem alfabética, pois não consigo dizer qual é melhor que o outro. Considerei também jogos lançados para PC no período de 2013 até a presente data. Sem mais delongas, vamos a eles!


CELESTE


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Matt Makes Games
Data de lançamento: 25 de janeiro de 2018
Avaliação no Opencritic: 91

Quando Celeste foi lançado, poucos tiveram ciência da existência dele, apesar das análises extremamente positivas. O jogo ganhou notoriedade mesmo quando a The Game Awards de 2018 o anunciou como um dos concorrentes ao Jogo do Ano. Após a fama espontânea, muitos deram uma chance ao jogo e perceberam que o game era realmente aquela Coca Cola toda. Celeste é um jogo de plataforma divertido e bem colorido que trata de temas como ansiedade e depressão. Um dos poucos jogos a abordarem esses problemas modernos. Sua trilha sonora também é bastante elogiada e promete agradar a maioria dos jogadores.


CUPHEAD


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: MDHR
Data de lançamento: 29 de setembro de 2017
Avaliação no Opencritic: 88

O tímido projeto dos irmãos canadenses Chad e Jared Moldenhauer tinha como objetivo ser apenas um jogo de batalha de chefes. A Microsoft achou o game promissor e decidiu investir no projeto e ele acabou tendo a adição de fases e mais chefes, tornando-se mais completo. Aqui podemos jogar com os irmãos Mugman e Cuphead que vão acertar contas com o Diabo depois de terem perdido uma aposta para ele. O jogo foi aclamado pelos jogadores e crítica, seja pelos seus lindos gráficos desenhados a mão, ou pelo Jazz primoroso que compõe a trilha sonora. A empreitada que começou com 3 pessoas acabou se tornando um dos indies de maior sucesso nos últimos anos, com as vendas superando e muito as expectativas dos produtores. Agora prepare-se para passar muita raiva, pois o jogo é um dos mais difíceis da atualidade, se destacando também por isso. Zere-o se for capaz.


DEAD CELLS


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Motion Twin
Data de lançamento: 7 de agosto de 2018
Avaliação no Opencritic: 89

Dead Cells é o encontro do metroidvania com o souls like, tem o feeling do Castlevania com a dificuldade do Dark Souls. No jogo, somos colocados na pele de um guerreiro sem cabeça, mas no lugar onde ficaria a cabeça, há uma espécie de alma e assim seguiremos numa trama totalmente misteriosa. Certo que hoje, graças aos indies, temos inúmeros jogos com essa pegada, mas Dead Cells se diferencia por ser desafiador e os mapas reagirem de forma procedural, mudando conforme o jogador morre. Ele venceu o prêmio de melhor de ação e concorreu a melhor jogo independente na The Game Awards 2018. Se você gosta do gênero, dê uma chance ao Dead Cells, pois ele é um metroidvania com identidade própria.


DISCO ELYSIUM


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: ZA/UM
Data de lançamento: 15 de outubro de 2019
Avaliação no Opencritic: 92

Disco Elysium é um inovador RPG. Você é um detetive com um sistema de habilidades único à sua disposição e um quarteirão inteiro para explorar. Nele você pode interrogar personagens, realizar assassinatos ou aceitar subornos, podendo se tornar um herói ou um vilão. O jogo foi bastante aclamado pela crítica e concorreu a jogo do ano em vários sites de games. Ele chama atenção principalmente pela sua narrativa, mas caso você queira jogá-lo, saiba que ele não possui legendas em português, por enquanto. O jogo está disponível para PC e há uma promessa de que ele chegará este ano para o PS4 e Xbox One.


HELLBLADE


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Ninja Theory
Data de lançamento: 8 de agosto de 2017
Avaliação no Opencritic: 83

Com certeza, este é um dos jogos mais reverenciados desta geração e o que mais apareceu nas listas de melhores indies, marcando presença em todas as listas. Senua, a protagonista, é uma guerreira picta que luta contra os seus problemas mentais depois de uma invasão viking que a deixou traumatizada. A história é baseada na mitologia nórdica e mitologia celta, e mostra Senua na sua jornada para o submundo de Helheim, na tentativa de salvar a alma o seu amado Dilion. O jogo aborda muito bem a psicose de Senua, fazendo com que o jogador se sinta na pele da personagem. Desenvolvido pela Ninja Theory com um orçamento modesto e poucas pessoas na equipe de desenvolvimento, o jogo não faz feio a nenhum Triple A, com gráficos muito bonitos e som impecável. É realmente aconselhável jogá-lo com o headset para poder ter uma experiência ainda melhor. Agora o estúdio foi adquirido pela Microsoft e uma continuação já foi anunciada. Hellblade 2 promete ser, no mínimo, do mesmo nível que o primeiro.


HOLLOW KNIGHT


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Team Cherry
Data de lançamento: 24 de fevereiro de 2017
Avaliação no Opencritic: 90

Temos aqui mais um metroidvania. Hollow Knight se destaca pela sua direção artística, que torna o jogo único e que me fez lembrar os grandes clássicos do Super Nintendo. O jogo é muito lindo. Tudo nele é belo, desde as fases até os inimigos. Radiance, a entidade dos sonhos, corrompeu os selos que mantinham a paz no reino de Hallownest e cabe a você selar os poderes da mesma. O jogo se passa num lugar sombrio e os inimigos possuem um charme especial. Ele é considerado um dos melhores metroidvanias de todos os tempos, brigando pau a pau com Dead Cells pelo o posto de melhor game do gênero nesta geração. Inicialmente ele era exclusivo de PC, mas não tardou a receber versões nos consoles atuais, vendendo quase 3 milhões de cópias e creio que você não vai querer ficar de fora desse número.


INSIDE


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Playdead
Data de lançamento: 29 de Junho de 2016
Avaliação no Opencritic: 91

Dos mesmos desenvolvedores de Limbo, Inside roubou a cena em 2016 com sua simplicidade e sabendo prender a atenção do jogador com a sua narrativa misteriosa. Ele deixa subentendido que é um prequel de Limbo e conta a história de um menino que luta para sobreviver contra as forças do mal que estão tentando dominar o mundo através de experimentos em corpos humanos de uma forma totalmente questionável. Assim como Limbo chamou muita atenção em 2010, Inside teve o mesmo desempenho em 2016, concorrendo em várias categorias no The Game Awards daquele ano, como melhor narrativa, melhor design musical e sonoro, melhor direção de arte, melhor jogo independente e melhor jogo do ano, sem falar das indicações em outros sites e revistas. Não deixe de ir atrás das respostas em Inside.


OUTLAST


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Red Barrels
Data de lançamento: 4 de setembro de 2013
Avaliação no Opencritic: 76

Na oitava geração tivemos pouquíssimos jogos de terror. Falo de jogos bem feitos, pois jogos ruins do gênero tivemos aos montes e por serem tão fracos, acabaram passando batido. Creio que Outlast influenciou os jogos de terror em primeira pessoa seguintes. Jump scares, mapas, perseguições, a impossibilidade de se defender são suas características e foi um modelo que foi repetido por outros jogos lançados depois dele. Desculpe se outro jogo fez isso antes, não sou uma enciclopédia humana. Apesar de ter recebido críticas mistas, Outlast foi um jogo bastante presente nas listas de melhores indies, assim como o Hellblade, fora que foi um jogo que me agradou. Você levará muitos sustos e ficará tenso na maior parte do tempo. Recomendo jogar com headset.


ROCKET LEAGUE


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Psyonix
Data de lançamento: 7 de julho de 2015
Avaliação no Opencritic: 87

Rocket League fez um sucesso enorme na época em que foi lançado. Ele mostrou duas coisas: 1) que é possível jogar futebol com carros, e 2) que é possível fazer sucesso com ideias simples e diferentes. O jogo passou a marca de 50 milhões de jogadores, gerou muito dinheiro para a modesta Psyonix e concorreu e ganhou diversos prêmios em 2015. Aqui você usa veículos movidos a foguete para acertar o gol do adversário e marcar pontos ao longo da partida, contando com modos para um jogador e multijogadores, que podem ser jogados localmente ou on-line. Rocket League é diversão garantida!


UNDERTALE


Clique para ver a imagem em tamanho original

Desenvolvedora: Toby Fox
Data de lançamento: 15 de setembro de 2015
Avaliação no Opencritic: 94

Acreditem se quiser: Undertale foi desenvolvido por uma única pessoa! O dono desse feito foi o Toby Fox, que desenvolveu o jogo durante um pouco mais de 2 anos, cuidando desde a parte gráfica, até a trilha sonora. Com jogabilidade simples e intuitiva, Undertale ganhou uma fan base imensa, e foi altamente elogiado pela internet inteira. Inspirado em jogos como Mother, RPG's de Mário & Luigi e até mesmo na série do Mr.Bean, Undertale é um RPG onde controlamos Frisk, o oitavo humano a cair no inferno. No jogo teremos que completar vários desafios, e derrotar todos os monstros que quiserem roubar sua alma. O jogo ficou marcado pela sua jogabilidade, personagens, escrita e trilha sonora. Undertale virou um jogo cult e concorreu a diversos prêmios em 2015, tendo fãs apaixonados que trouxeram diversas teorias e curiosidades sobre o jogo.



Não poderia deixar de fazer menções honrosas a Spelunky, Abzu, Shovel Knight, Owlboy, Outer Wilds, Katana Zero, My Friend Pedro, Firewatch, SOMA, What Remains of Edith Finch, Guacamelee 2, Bastion e a tantos outros que não couberam aqui. Sei que alguns de vocês irão perguntar pelo Ori and the Blind Forest, mas o Ori não se enquadra como jogo independente, já que ele foi publicado pela Microsoft. Não esqueçam que nem eu e nem alguns jornalistas definirão o que é melhor pra você, apenas fiz uma lista com os jogos indie mais aclamados da indústria que possam despertar o seu interesse. Logo, é perfeitamente normal que você discorde da lista e goste mais de outros jogos que ficaram de fora. O importante é você perder o preconceito em relação aos indies e tentar dar uma chance a eles, pois lhe garanto que pelo menos algum deles irá te surpreender.

Vou ficando por aqui, espero que tenham gostado do artigo e não deixem de dizer o que acharam. Nos vemos na próxima!
renatito91
Enviado por renatito91
Membro desde
28 anos
label
Deixe seu comentário para sabermos o que você achou da publicação
Não se esqueça que você pode participar do nosso Discord.
E também nos seguir no CANAL, Facebook, Twitter, e na nossa curadorida da Steam.