.

Metal Gear: A Obra-prima De Um Gênio

Enviado por yohansb, , 0 comentários
Clique para ver a imagem em tamanho original


Apesar de já ter trabalhado em uma infinidade de projetos, Hideo Kojima alcançou o status de gênio por ter criado uma das franquias mais icônicas da história dos games: Metal Gear. Dando ênfase ao caráter "stealth", essa franquia chamou atenção por sua história envolvente, seus personagens marcantes e, claro, pelo seu gameplay revolucionário.

Por isso, hoje eu resolvi falar um pouco sobre esse gênio chamado Hideo Kojima, e como seria impossível desassociar Metal Gear da obra do japonês, falarei também sobre essa franquia lendária. Então, pode começar a se preparar por aí, pois este post irá voltar aos primórdios da história dos games e relembrar uma trama inesquecível. E sim, nostalgia e muita adrenalina estarão inclusas neste pacote, segure-se aí na cadeira… Vamos começar?

Hideo Kojima e a criação de Metal Gear


Basta observar o trabalho de Hideo Kojima para saber que ele tem fortes ligações com o mundo do cinema. Seus games seriam filmes incríveis e, em todos eles, as referências ao cinema saltam aos olhos. Bem, a verdade é que Kojima não havia planejado entrar para o mundo dos games. Ele queria ser cineasta.


Clique para ver a imagem em tamanho original


Contudo, por ironia do destino, ele começou a trabalhar na Konami, como designer. O primeiro jogo tocado pelas mãos de Kojima foi Penguin Adventure, um game de plataforma divertido, mas longe de ser um primor. Nesse projeto ele foi diretor assistente. Logo, não podemos dizer que foi um jogo feito por ele.

O fato é que Kojima quase desistiu do mundo dos games. Isso aconteceu, pois seus projetos estavam sendo rejeitados pela Konami constantemente. Seu primeiro game, Lost Worlds foi cancelado e isso o desanimou bastante.

Felizmente, Kojima se manteve firme e, em 1987, o primeiro Metal Gear veio ao mundo. A aventura foi desenvolvida para o computador MSX. A estreia de Solid Snake foi aclamada em quase todo o mundo. Afinal, já naquele tempo, Metal Gear apresentava uma trama envolvente e se destacava como o primeiro jogo de ação furtiva de toda a história… mas a franquia estava apenas começando…

A evolução de Metal Gear


Em 1988, o primeiro Metal Gear recebeu uma versão aprimorada no console NES. A história recebeu algumas alterações, mas o game estreou com força no console da Nintendo. Dois anos depois, em 1990, Metal Gear 2: Solid Snake foi lançado para o computador MSX2. Todavia, a aventura só foi liberada para o Japão. Essa sequência apresentou uma versão mais refinada da história, deixando todos ainda mais envolvidos.

Com seu nome registrado na história dos games, a franquia Metal Gear passou por um período sem novidades. Em 1992, Kojima criou o game Snatcher (que também tinha uma história incrível) e o Super Nintendo não recebeu uma versão do game estrelado por Solid Snake.




Após a "pausa", Metal Gear retornou para escrever uma história ainda mais gloriosa. Em 1998, Metal Gear Solid deu as caras no PlayStation e deu início a uma verdadeira revolução. Kojima foi elevado ao status de gênio com esse título. E isso não aconteceu sem motivos.

A aventura foi a primeira da franquia a ter gráficos em 3D e a presença das dublagens, feitas por atores reais, deu ao game uma aparência ainda mais "cinematográfica". A jogabilidade era inovadora e o roteiro… o roteiro era sensacional! Abordando temas complexos, de uma forma extremamente original, o jogo marcou toda a indústria dos games.

Após Metal Gear Solid, o divisor de águas


Com Metal Gear Solid, Kojima alcançou o patamar mais elevado entre os desenvolvedores de jogos. Dentro da Konami, ele se tornou um dos "mandachuvas". Obviamente, o sucesso estrondoso do game acabou jogando muita responsabilidade nos ombros do seu criador. A questão era: como fazer uma sequência à altura de uma lenda?

Em 2000, Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty foi lançado para o PlayStation 2. Se pararmos para avaliar apenas as mecânicas do jogo e a história, não seria possível dizer que o game não tinha um nível tão elevado quanto o seu antecessor. Entretanto, a aventura ainda sofreu com críticas, pois o game tinha um novo protagonista: Raiden.




Depois de ter trabalhado em outros projetos, como Boktai e Zone of the Enders, Kojima retornou ao Playstation 2 com Metal Gear 3: Snake Eater. Na linha cronológica da história, esse seria o primeiro game, colocando Solid Snake em conflitos relacionados à Guerra Fria.

Em Metal Gear 3: Snake Eater, o gênio criativo de Kojima reapareceu com tudo. A ação furtiva era o centro das atenções e a história continuava mantendo os jogadores presos do início ao fim. O sucesso do game foi tão grande que muitos membros da crítica especializada o rotularam como um dos melhores jogos já criados. Kojima havia, enfim, consolidado o seu status de gênio.

Após Metal Gear 3: Snake Eater


Em 2008, quatro anos após o lançamento do Snake Eater, Kojima trouxe a franquia Metal Gear de volta. Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots (lançado para o PS3) foi mais um sucesso de vendas aclamado pela crítica. Nos sites de reviews, o game conquistou muitas "notas máximas" em muitos quesitos.

O game tinha todo o toque especial de Kojima. Isto é, a genial ação furtiva, um roteiro envolvente e personagens muito complexos. Além do mais, o título apresenta Solid Snake envelhecido. Por conta de um vírus de envelhecimento precoce, os jogadores assumiram o controle do "novo" Old Snake. Resumindo, mais um sucesso no histórico da franquia.




Ainda assim, Kojima tinha uma carta na manga. Em 2014, chegando para as principais plataformas da época, Metal Gear Solid V: The Ground Zeroes se apresentou como a primeira parte de outra aventura épica. Mesmo não tendo sido um dos grandes sucessos de venda da franquia, o jogo aproveitou o poder das máquinas da oitava geração para oferecer uma experiência muito próxima de um filme.

Todavia, o ápice do "quinto título" foi a segunda parte: Metal Gear Solid V: The Phantom Pain. Esse game foi aclamado e vendeu milhões de cópias em todo o mundo. Os problemas da primeira parte foram resolvidos e a história, mais uma vez, roubou a atenção de todos os gamers.

Hideo Kojima e Metal Gear


Em 2015, Kojima deixou a Konami, levando a Kojima Productions a ser uma empresa independente. Isso deixou o futuro de Metal Gear bastante incerto. Por ora, o projeto que tem estado nas mãos de Hideo Kojima é Death Stranding, uma aventura misteriosa que, como dizem por aí, "vai ser revolucionária".




De qualquer forma, o importante aqui é lembrarmos que Metal Gear é, sem dúvidas, uma das franquias mais geniais da história dos games. Além dos títulos que foram apresentados, muitas versões melhoradas, complementares e spin-offs foram lançadas ao longo dos anos. Isso fez com que a influência dessa história se tornasse ainda maior.

Para encerrar, tudo o que podemos fazer é agradecer ao gênio Hideo Kojima por ter nos dado a oportunidade de acompanhar as incríveis histórias de Metal Gear. Com toda a certeza, a franquia é uma das favoritas de muitas pessoas e, consequentemente, já gerou fortes emoções por aí. Por fim, não deixe de compartilhar o post e comentar sobre a suas experiências com essa saga lendária… Metal Gear é um clássico e merece muitas horas de discussão… Até a próxima!
yohansb
Enviado por yohansb
Membro desde
label