.

Pirataria cresce em todo o mundo, mesmo com popularização do streaming

Enviado por Cristianogremista, , 1125 visualizações, 0 comentários
Você, com certeza, já ouviu um amigo ou conhecido falando que, desde a chegada dos serviços de streaming, ficou com preguiça de baixar filmes e séries. Isso até pode ser verdade no seu círculo, mas no mundo, como um todo, a pirataria continua crescendo, principalmente aquela permitida por meio de torrents ou serviços P2P, cujos números, na maioria dos países, são bem superiores aos dos serviços de transmissão.

[img]hide:aHR0cHM6Ly9lLWRvdS5jb20uYnIvd3AtY29udGVudC91cGxvYWRzLzIwMTYvMDkvcGlyYXRhcmlhLW5hLWludGVybmV0LmpwZw==[/img]
Os números da Irdeto, uma empresa voltada para sistemas de segurança antipirataria, mostram que o download ainda é a forma preferida dos usuários para obtenção de conteúdo de entretenimento. A pesquisa foi realizada de acordo com o tráfego dos 962 maiores serviços P2P e de transmissão online nos 19 países que mais consomem mídia dessa maneira (o que inclui o Brasil) e mostra que, em alguns deles, as ascensão do streaming nem mesmo freou o crescimento dos bucaneiros.

No Brasil, por exemplo, foram 335,9 mil visitas a sites de torrent ou serviços de download P2P entre janeiro e setembro de 2017, em comparação com 82 mil registradas a plataformas de streaming – o que inclui conteúdo licenciado e original ou igualmente pirata. A disparidade é grande, mas não está entre as maiores. A campeã nesse quesito foi a Rússia, com nada menos do que 23 milhões de acessos a plataformas do tapa-olho, contra apenas 422 mil em opções de transmissão.

Por outro lado, em alguns poucos países, o tráfego de streaming já supera os downloads. É o caso, por exemplo, dos Estados Unidos, com 4,8 milhões de acessos deste tipo contra 2,7 milhões em redes P2P; ou do Canadá, com 1,2 milhão contra 908 mil. Na Itália, também, a diferença é mínima: 869 mil para a transmissão contra 653 mil para a turma do navio.

Outras questões também devem ser levadas em conta para entender tais números. A Alemanha, por exemplo, possui rígidas leis relacionadas ao download de conteúdos protegidos, fazendo com que esse seja o único país em que os números de streaming sejam dezenas de vezes maiores. Por lá, são mais de 1,5 milhão de acessos a plataformas de transmissão, contra apenas 182 mil a sistemas P2P. Afinal de contas, aqueles que arriscam, podem receber uma cartinha do governo, com direito até mesmo a multa.

[img]hide:aHR0cHM6Ly9jb21wdXRlcndvcmxkLmNvbS5ici93cC1jb250ZW50L3VwbG9hZHMvMjAxNy8xMS9waXJhdGFyaWFfMC5qcGc=[/img]
Como aponta o TorrentFreak, entretanto, os números da Irdeto servem como panorama, mas não podem ser levados a ferro e fogo pela falta de filtragem e o fato de, por exemplo, apenas acessos por meio de desktops terem sido computados. Países com maior densidade populacional, como a Rússia, por exemplo, logicamente terão números maiores de acesso, o que não significa necessariamente um ganho de popularidade. Além disso, não houve distinção entre serviços de streaming licenciados ou não, o que poderia aumentar ainda mais os números relacionados à pirataria.

Por outro lado, a pesquisa chega a algumas conclusões interessantes, como um total de 800 milhões de downloads mensais, no mundo, no P2P, o que mostra que ele está longe de se tornar irrelevante. Além disso, a Irdeto aponta para o fato de que plataformas desse tipo, muitas vezes, são as "fornecedoras" de conteúdo para serviços de streaming ilegal, com seus administradores baixando filmes e séries para, na sequência, as disponibilizarem em seus sites.
Cristianogremista
Enviado por Cristianogremista
Membro desde
25 anos, Santa Rosa-RS
label