.

Cartões clonados, prostituição e pedofilia: crimes escondidos no mundo dos jogos online

Enviado por Frocharocha, , 768 visualizações, 0 comentários
[img]hide:aHR0cDovL3MwMi52aWRlby5nbGJpbWcuY29tL3gzNjAvNDMyNjUyMS5qcGc=[/img]
Agora pouco foi exibida uma matería no programa de televisão; Fantastíco que trata dos vicios e crimes cometidos dos jogos online. Dentre eles está o exemplo de jogadores chegam a usar cartões clonados e dem oderadores que davam e praticavam pedofilia.

A matería do fantastíco também afirma que o vicio em games é algo real e é chamado pela comunidade medíca de transtorno por jogos de internet" e é classificado como uma doença mental e lembra vicio por cassinos e jogos de azar.

É só um jogo. É virtual. Um clique e tudo desaparece. Desaparece? Não é simples assim. O chamado "transtorno por jogos de internet" entrou oficialmente no manual usado por psiquiatras do mundo todo para o diagnóstico de doenças mentais. E por um motivo simples: nada é real, mas as consequências do vício são. "Esses jogos são montados de uma maneira em que, nas fases iniciais, você consegue ganhar pontos de uma maneira muito fácil e rápida, exatamente, para mexer com a sua autoestima.

explica o psicólogo Cristiano Nabuco.

Apesar de existir punição para casos e crimes cometidos mas as autoridades dizem que nem sempre podem agir, porque os crimes não são denunciados. "A internet não é uma terra sem lei. As pessoas têm que acabar com esse mito de que na internet elas não são identificadas. São identificadas e devem ser punidas se praticarem crimes. O importante é denunciar", afirma a procuradora regional da República Neide de Oliveira.

Foi o que aconteceu com uma jovem de 19 anos. Ela tinha acabado de ser aprovada para uma universidade federal. Entre o vestibular e o início das aulas, seis meses de espera. O jogo seria um passatempo, mas passou tempo demais. Por causa do vício, desistiu da faculdade. "É como se fosse uma droga. É um vício muito grande e as pessoas, infelizmente, não têm ideia, acham que é idiotice, acham que é bobagem, que é fase, mas não é", diz a moça.

O caminho para vencer o vício é duro. É o que conta Isabel Ferreira, que precisou ser internada. Ela jogou por quatro anos sem parar. "Foram quatro anos de perda de tempo. Foram quatro anos de ilusão, de fuga da realidade", relembra Isabel Ferreira.

Apesar disso, o mercado de games continua em ascenção. Deve movimentar 81 bilhões de doláres este ano e está em alta no Brasil.
Frocharocha
Enviado por Frocharocha
Membro desde
38 anos, São Paulo
label