.
5

Análise do jogo "Uncharted 2: Among Thieves" para PS3 escrito por Uol Jogos

Escrito por Uol Jogos, nota 5 de 5, enviado por Giordano Trabach,
"Uncharted 2: Among Thieves" é o jogo que fãs sempre quiseram para Indiana Jones ou Lara Croft. A Naughty Doug, no entanto, deu uma das aventuras mais eletrizantes e sofisticadas do videogame para seu aventureiro malandro Nathan Drake, que antes estrelou apenas "Drake's Fortune", um dos primeiros sucessos exclusivos da plataforma Playstation 3. Anos depois do game original, Drake se vê envolvido em outra grande caça a tesouro. Ele se alia a dois sócios para encontrar pistas deixadas pelo explorador veneziano Marco Polo a respeito da mítica cidade de Shangri-La e suas riquezas escondidas. Claro que muitas traições, reviravoltas e combates acontecem no decorrer da trama, em situações que lembram bastante as vistas nos filmes do herói de chapéu e chicote criado por Steven Spielberg e George Lucas. [t2]Como o primeiro, mas melhor[/t2] A mecânica não se distancia muito do primeiro exemplar da série e não apresenta grandes variações. Os usuários devem lutar contra inimigos armados, desarmar oponentes em situações furtivas e, claro, interagir com objetos para desligar alarmes, ativar portas e encarar armadilhas e desastres mortais espalhados pelos cenários. ?? o aspecto mais convencional do título e o que mais apresenta imperfeições, como pequenos problemas de colisão na hora de se encostar em paredes ou outros elementos do cenário e um comportamento irregular de inimigos. No entanto, tais problemas são mínimos e jamais interferem na diversão. O grande charme do game está na maneira como a equipe de desenvolvedores dosou suas características mecânicas em um primoroso trabalho de balanceamento. A aventura que não deixa o usuário parar para respirar em nenhum momento de ação e varia bem os momentos de exploração, combate e resolução de problemas ao disparar surpresas e improvisações a todo instante, como uma metralhadora giratória. [t2]Detalhes que fazem a diferença[/t2] O mais bacana é que não estamos ainda na melhor parte. O grande trunfo de "Uncharted 2", o ponto que o coloca em um patamar acima dos concorrentes, está no excelente trabalho de caracterização dos personagens. Drake é um dos mocinhos do videogame mais humanos da história; é alguém com quem o usuário pode se identificar facilmente e se importar com ele, de verdade, não só porque ele é a ferramenta de trabalho para chegar ao final do jogo. Logo no início, quando o encontramos ferido e preso a um trem destroçado no alto de uma montanha, já é possível perceber a fragilidade do personagem. Ao escalar o vagão e ver suas peças caírem no gelo infinito, notamos a animação genial que lhe dá vida, como quando o protagonista esfrega as mãos para se esquentar, manca de maneira irregular e se esgueira entre ferragens com uma sofrida expressão de dor. O mesmo vale para os personagens secundários, desde a sensual Chloe ao soldado inimigo número 76 que foi colocado lá só para morrer; todos se mostram mais cheios de vida do que muitos heróis de filmes animados de Hollywood. O trabalho da Naughty Dog foi bastante sensível e eficaz. Tememos pela vida de Drake quando explosões o nocauteiam sem dó, quando armadilhas com lanças tentam perfurá-lo ou quando piratas tentam acertá-lo, também porque a equipe conseguiu criar situações sempre interessantes. A narrativa vai e volta no tempo com eficiência para dosar bem as revelações do script e utiliza ângulos de câmera e cortes dramáticos com precisão, o que causa grande impacto até mesmo em situações mais triviais dependentes de clichês do gênero. [t2]Evolução tecnológica[/t2] Toda a imersão criada por "Uncharted 2" se deve ao grande avanço tecnológico. ?? quase covardia comparar os aspectos técnicos deste jogo com o original. Não há mais traços de tearing - aquele efeito que parece quebrar os polígonos da tela em giros rápidos de câmera - ou daquele aspecto plastificado dos personagens, para citar dois elementos. Tudo roda de maneira lisa, com riqueza de detalhes impressionante que tornam o mundo ameaçadoramente realista, especialmente em áreas abertas como montanhas geladas e matas. Os efeitos complementam o trabalho de maneira eficaz e aproximam o jogo do cinema de forma inteligente. Há mudanças de foco de câmera, efeitos que borram movimentos do mocinho e todo tipo de barulhinho que um bom sistema de home theater - com suporte a áudio DTS 5.1 - pode reproduzir. De quebra, o título traz uma efêmera integração com o Twitter, que permite que mensagens sejam publicadas para narrar o progresso do jogador, e um modo multiplayer online dos mais completos. Há a opção de encarar um modo cooperativo na pele dos mocinhos em missões diversas, que pedem trabalho em equipe para resolver problemas e dar cobertura em tiroteios, ou encarar até 9 adversários pela rede em várias modalidades. Neste modo competitivo é possível participar desde obrigatórios Deathmatch ou Team Deathmatch a outras opções mais gratificantes, que imitam características clássicas como capturar bandeira ou pontos estratégicos de jogos online, com direito a opções de customização e ranking. [t2]Considerações[/t2] "Uncharted 2: Among Thieves" é um belíssimo trabalho da Naughty Dog, que conseguiu reunir humor, ação e suspense em uma aventura memorável, tanto do ponto de vista narrativo quanto técnico. A performance impecável que garante riqueza de detalhes é impressionante, especialmente na caracterização dos personagens, o que garante uma sensação de imersão superior e um elo emocional forte com os mocinhos. Com um clima cinematográfico irresistível e modos extras robustos, o título é com certeza um dos mais importantes lançamentos do ano e um novo divisor de águas para a indústria.
Fonte: Uol Jogos
Giordano Trabach
Enviado por Giordano Trabach
Membro desde
23 anos, Espírito Santo
label