.
2.5

Análise do jogo "Fuel" para X360 escrito por Uol Jogos

Escrito por Uol Jogos, nota 2.5 de 5, enviado por ekans,
Gráficos soberbos, saltos e velocidades insanas e um gigantesco mundo aberto onde disputar as corridas. Estas eram as promessas que a Codemasters, mesma produtora do renomado "DiRT", fez para este novo título. Mas, apesar de todas as qualidades do simulador de rali automobilístico, "Fuel" promete muito e não cumpre tudo. [b]Muita poeira para nada[/b] ?? disposição o jogador encontra um enorme mapa com 5,000 quilômetros quadrados - segundo a produtora - de terrenos áridos onde pode disputar corridas valendo títulos, provas que habilitam novos padrões de cores e veículos e andar a esmo por tudo isso atrás de novos itens. Tudo muito bonito de se ver, mas bem cansativo de explorar. O terreno realmente é gigantesco, mas ficar percorrendo distâncias gigantescas ou, literalmente, procurar agulhas em meio à tanta areia só para parecer mais pomposo nas corridas não é exatamente incentivo a investir horas e mais horas para habilitar todos os extras do jogo. Nas corridas, enquanto você luta para tentar manter na pista veículos - entre carros, motos, ATVs e buggys, cada um com categorias especificas - que teimam em andar de lado, seus adversários fazem curvas em velocidades muito maiores e ainda em ângulos retos. Levando em conta a velocidade indicada no velocímetro (normalmente acima de 120 km/h), a lógica seria de haver várias colisões e acidentes espetaculares, mas, além da baixa sensação de velocidade, a física parece aplicar-se só a você. Então, as corridas consistem basicamente em manter-se na pista sem bater até que, próximo ao final da prova, por algum acaso desconhecido - mas que assola todas as provas do jogo - os primeiros colocados, que se encontravam quilômetros à frente, começam a perder velocidade, você os ultrapassa e vence a corrida. Ou, mesmo assim, perde, e tem de disputar novamente provas que chegam a ter até dez minutos de duração. Para auxiliar, o jogador ainda pode utilizar vários atalhos espalhados por todos os cantos da pista e usar turbo, acumulado sempre que o piloto realiza uma acrobacia em meio aos enormes saltos de rampas e ladeiras. [b]Depois da tempestade[/b] Mecânicas estranhas à parte, o visual do jogo é bacana, com cenários bonitos, mas algumas texturas lavadas nos veículos. Surpresas climáticas diversas vezes colocam o jogador em meio a tempestades de areia que tiram totalmente a visão do piloto - e alguma velocidade da taxa de frames, fazendo-o confiar somente no GPS, indicado por setas que aparecem no topo da tela e indicam a direção da pista. A passagem do tempo indicada por dia e noite também se faz presente e dificulta muito a pilotagem em meio ao breu total, mas a mudança ocorre tão abruptamente que o efeito parece falso demais para ser analisado com bons olhos. O maior destaque do jogo fica para o modo online, no qual jogadores podem disputar provas entre si, o que elimina praticamente tudo aquilo que tira a diversão do modo offline - apesar de algumas variações na taxa de transmissão dos dados, os chamados 'lags', fazerem jogadores surgirem em sua frente do nada ?? possível também juntar um grupo e vasculhar o enorme mapa dos jogos atrás dos itens habilitáveis, além de criar suas próprias pistas para competir contra outros jogadores. [b]CONSIDERA????ES[/b] Depois de tanta expectativa, promessas e vídeos com demonstrações incríveis, ter o jogo em mãos e encontrar tantos defeitos realmente desanima os que estavam mais afobados. Nada que "Fuel 2" não possa consertar, mas dessa vez, a Codemasters escorregou feio na curva.
Fonte: Uol Jogos
ekans
Enviado por ekans
Membro desde
label