.
3.5

Análise do jogo "Call of Duty: Modern Warfare: Mobilized" para DS escrito por Uol Jogos

Escrito por Uol Jogos, nota 3.5 de 5, enviado por Giordano Trabach,
A franquia "Call of Duty" nasceu no PC em 2003, com uma proposta de fazer o jogador estar participando de um filme de guerra. De lá para cá, a fórmula foi aperfeiçoada, até que, nos últimos anos, a série se tornou uma das mais consagradas da história dos games. A edição deste ano, "Modern Warfare 2", quebrou o recorde de maior lançamento de um produto de entretenimento. No Nintendo DS, "Call of Duty" trava batalhas desde 2007 a seu modo, já que não dá para competir com os consoles de atual geração. O desafio de transportar a ação cinematográfica que consagrou a série ao portátil da Nintendo coube, mais uma vez, à n-Space, cujo trabalho mais famoso é "Geist", para GameCube. A produtora já tinha feito bons trabalhos com "Call of Duty 4: Modern Warfare" e com "Call of Duty: World at War", e desta vez, teve um desafio a mais: produzir um enredo original. "Call of Duty: Modern Warfare - Mobilized" faz parte deste universo de guerra contemporânea, do qual faz parte os dois "Modern Warfare" criados pela produtora Infinity Ward. Mas "Mobilized" acontece fora do eixo em que se desenvolve a trama do último game, envolvendo Rússia e Estados Unidos, com passagens ocasionais pelo Brasil. Aqui, o cenário é um país vizinho da América Latina com um cenário político conturbado, montado sobre a riqueza do petróleo. [t2]Guerra na palma da mão[/t2] Embora simplificado, o game para Nintendo DS funciona basicamente nos consoles: é um título de tiro em primeira pessoa, em que o jogador faz parte de um pelotão de elite, enfrentando hordas de inimigos durante as missões. Há dois modos de ação: no de deslocamento, os passos são acelerados e, por um tempo, é possível correr. Dá para atirar, mas com menos precisão. Já no modo de mira precisa, ativado pelo ícone de alvo na tela sensível, é mais fácil acertar os oponentes, mas o deslocamento fica prejudicado. Em ambos os casos, o direcional (ou os botões principais, no caso dos canhotos) controla os passos, e a mira é feita na tela sensível, através da caneta. A tela de baixo também serve para escolher as armas e granadas, e realizar ações específicas. Já os botões de ombos são os gatilhos. Esse esquema consagrado por "Metroid Prime: Hunters" funciona muito bem, apesar de, em "Mobilized" ficar prejudicado em momentos em que há muitos inimigos, e isso faz o game ficar travado, andando aos tropeços. Mas, em geral, a fluidez fica num nível aceitável. O visual pode ser considerado complexo para um game de Nintendo DS, com cenários detalhados e alguns raros objetos destrutíveis. Não dava para exigir texturas um pouco menos "estouradas", mas acabam saltando à vista. O grande problema é enxergar os inimigos que estão longe: o baixa resolução e a tela pequena do portátil colaboram para isso. A trilha sonora imita o estilo pomposo da edição para consoles e dos grandes filmes de ação - e funciona muito bem. A produção tem luxo, com muitas cenas faladas, mas bem que o grito do morte dos oponentes poderia ser mais variado. "Mobilized" se esforça para manter a ação variada. De tempos e tempos, o jogador é brindado por missões que saem da rotina, como quebrar a segurança de um computador (através de um minigame), usar artilharias, plantar bombas, dirigir tanques, comandar aviões-espiões e atirar de veículos e helicópteros. A campanha para um jogador é a modalidade principal, e para aumentar um pouco a vida útil há itens escondidos para procurar e conquistas para desbloquear. O título também conta com partidas multiplayer para até seis pessoas, seja via rede local ou pela internet. O modo online perde graça por duas razões: não é fácil encontrar oponentes e mesmo conseguindo iniciar uma partida, o desempenho é fraco. [t2]Considerações[/t2] "Call of Duty: Modern Warfare - Mobilized" é um jogo de tiro em primeira pessoa competente, com bom nível de desafio e diversão. A ação é variada, e a produção, requintada para um game de Nintendo DS. Apesar de tudo estar correto, o título só faz confirmar que a verdadeira experiência de "Call of Duty: Modern Warfare 2" está mesmo nos consoles de atual geração.
Fonte: Uol Jogos
Giordano Trabach
Enviado por Giordano Trabach
Membro desde
23 anos, Espírito Santo
label