.
5

Análise do jogo "Sniper Elite V2" para X360 escrito por Outer Space

Escrito por Outer Space, nota 5 de 10, enviado por Pedro Hick,
Assim como seu antecessor, lançado há mais ou menos sete anos, Sniper Elite V2 consegue inserir o jogador em um papel solitário de franco atirador, onde o barulho de uma bala quebrando o ar é algo raro e preocupante. Este é um jogo que proporciona uma tensão bem diferente daquela encontrada em Call of Duty e Battlefield. Quem gosta da classe poderá encontrar um pouco de diversão, mas infelizmente terá que lidar com os mesmos bugs que o antecessor tinha. É importante ressaltar que não houve melhora na inteligência do inimigo, que continua capaz de acertar seu tiro em uma mosca voando a três quilômetros de distância, mas não é capaz de desviar sua rota em meio a um tiroteio. [youtube]http://www.youtube.com/watch?v=ymX8rySTgW4&feature=player_embedded[/youtube] [b]Fatality![/b] Apesar dos inimigos em Sniper Elite V2 serem acéfalos, há uma sensação muito recompensadora em eliminá-los. O nível de carnificina que o jogo apresenta é grande, porém, graças à nova "Kill Cam", a morte se apresenta de forma bem menos real que outros títulos sem se tornar um ponto negativo. Enquanto no primeiro Sniper Elite (e como algo visto no Ghost Warrior: Sniper) o jogador acompanhava toda a trajetória da bala desde a culatra até encontrar o alvo, em V2 isso não só está presente como também foi incrementado, com a adição de um sistema de raio-x para mostrar onde a bala foi parar no corpo do inimigo e o que isso causou no seu organismo. É uma aula gratuita de anatomia que mostra, por exemplo, o tiro entrando no olho do alvo e arrancando a tampa do crânio, ou então, um certeiro tiro que literalmente explode o coração. A riqueza destes detalhes impressiona não só na preocupação em construir um esqueleto perfeito sendo violado por um tiro, mas também por mostrar a própria anatomia de um projétil que sai perfeitamente pelo cano e sofre severas alterações ao dilacerar o osso humano. No geral, toda a parte gráfica de Sniper Elite V2 está acima da média, deixando a desejar apenas em deslizes de menor importância como texturas em baixa resolução ou sombras de objetos com formatos estranhos. Felizmente, o problema chato de objetos que ficavam piscando na tela encontrado em outro título de atiradores de elite desta geração, o Sniper: Ghost Warrior, não corre aqui e isso faz toda a diferença quando o jogador usa a luneta para identificar o alvo e encontra uma pessoa em vez de uma pedra. [b]A arma do inimigo é sempre a melhor[/b] Ao longo da campanha singleplayer ou cooperativa (ambas seguem a mesma trama), o protagonista trocará eventualmente de rifle. A cada nova arma encontrada uma pequena CG toma conta da tela explicando o histórico da arma e demonstrando seus diferenciais e avanços em relação à anterior. A diferença efetiva no jogo entre uma e outra é praticamente nula, mas a explicação é bastante interessante e poderá agradar aos curiosos. Além dos rifles, o jogador contará com algumas metralhadoras e pistolas que deveriam auxiliá-lo em ataques de curta distância, porém essas ferramentas são detestáveis na hora do combate. Enquanto um atirador portando uma metralhadora real conseguiria acertar um alvo a curta distância, apesar da cadência da arma, isso não acontece em Sniper Elite V2. A dificuldade na mira cria uma margem de erro tão grande que torna o uso dessas armas insustentável durante praticamente todo o jogo. [b]Um "hard" de verdade[/b] Com um pouco de atenção e a arma certa (um rifle, por exemplo), percorrer a campanha no modo normal é mamão com açúcar. Dar um tiro certeiro na cabeça do inimigo se torna uma ação relativamente fácil, pois calculando bem a inclinação que o projétil sofrerá até atingir o objetivo, o tiro será dado com precisão cirúrgica. Para facilitar ainda mais, o protagonista pode trancar a respiração e marcar com um retângulo vermelho o local exato onde a bala atingirá o alvo. Já na dificuldade mais alta, há uma brusca (e apropriada) mudança no nível destas ações. O que antes passava despercebido interferirá drasticamente na direção do tiro. O vento e a chuva deverão receber atenção especial, pois o projétil voará sob a ação deles e, desta vez, não há o auxilio da facilitadora marcação vermelha. Para aqueles que ainda não estiverem contentes com o aumento do realismo para administrar a dificuldade, os produtores encontraram uma forma nada ortodoxa de complicar seu jogo: dar superpoderes de mira aos russos e alemães. [b]Eu te vi escondido[/b] Imagine você, um sábio e sagaz sniper, no topo de um prédio de cinco andares. Apenas a fresta de uma janela é sua abertura para o mundo e, ao dar o primeiro tiro, um soldado raso qualquer começa a disparar incessantemente com sua metralhadora alemã. Estranhamente, ele acerta todos os tiros naquela minúscula abertura pouco maior que uma caixa de fósforos... a 300 metros de distância. Este é o principal problema de jogar no modo "hard". Para justificar a dificuldade, os produtores não só aumentaram a perícia necessária com a arma como subiram radicalmente a habilidade dos inimigos, tornando a disputa quase que injusta. Mais uma vez, os inimigos em Sniper Elite V2 são detentores de uma das piores inteligências artificias da geração. Um misto de burrice extrema com clarividência. Primeiro vem a burrice (ou coragem surreal) de ver um companheiro morrer ao seu lado, dar uma bisbilhotada pela redondeza sem se preocupar com cobertura e depois voltar aos seus afazeres normalmente, como se nada tivesse acontecido. Quando a situação já está instaurada, ou seja, quando todos já sabem da presença do franco atirador e não podem descaradamente ignorá-la, a estupidez extrema se transforma em um sexto sentido dos infernos. Por mais que o protagonista rasteje tentando buscar uma localização segura e se locomova com cobertura, longe dos olhos do inimigo, eles misteriosamente saberão exatamente onde ele se encontra. Apontando imediatamente para seu novo esconderijo. Para um jogo onde furtividade é a principal meta, não ter onde se esconder parece ser um grande tiro no pé. Quando alguém perguntar como é jogar Sniper Elite V2, é necessário dar crédito ao "Kill Cam", que mostra o percurso da bala matando seu inimigo com um belo efeito de raio-x. Este é definitivamente um diferencial positivo para o jogo, mas infelizmente foi ofuscado por uma péssima inteligência artificial, metralhadoras inúteis e soldados inimigos que contam não apenas com uma capacidade de mirar sobre-humana, mas também com poderes paranormais de combate no modo difícil. Prós[list] A nova "Kill Cam" supreenderá positivamente o jogador; Modo cooperativo é bastante divertido.[/list] Contras[list] Péssima inteligência artificial; Armas secundárias inúteis; A mira inimiga é impecável.[/list]
Fonte: Outer Space
Pedro Hick
Enviado por Pedro Hick
Membro desde
27 anos, Florença
label