.
9

Análise do jogo "Bayonetta" para X360 escrito por Outer Space

Escrito por Outer Space, nota 9 de 10, enviado por Giordano Trabach,
O diretor Hideki Kamiya, o mesmo por trás de Devil May Cry, criou sua própria produtora e decidiu que o carro-chefe seria um jogo no mesmo estilo de ação das aventuras de Dante. Bayonetta aproveita muita coisa da franquia da Capcom e ainda adiciona à receita uma heroína carismática e muitas risadas. [t2]Madame Butterfly[/t2] Em Bayonetta não existem mocinhos ou bandidos. Os Lumen Sages são seres celestiais, enquanto as Umbran Witches respondem as ordens do todo poderoso rei do inferno. Ambos viveram em total respeito e sem conflitos por 500 anos, buscando uma harmonia entre poderes sem interferir na vida dos mortais. O problema começa quando, sem saber ao certo o porquê, uma revolta ocorre entre os dois líderes do grupo. O todo poderoso celestial envia seu exército de arcanjos, anjos e todo o tipo de divindades a Terra para combater as Umbrans. No entanto, existe um pequeno problema: com o passar do tempo as Witches não existem mais, restando apenas o corpo de uma delas. Não tem jeito, quando o chifrudo chama é melhor atender e é nesta hora que Bayonetta sai do seu túmulo para acabar com a festa dos Lumes. A história é mais louca do que parece, mas não deve ser levada a sério. Na verdade, nada deve ser levado a sério no jogo. As piadas são constantes e arrancam boas risadas do início ao fim. A protagonista, que abusa da sensualidade, chupando pirulito e vestindo um modelito feito com os próprios cabelos, é responsável por diversas piadas de cunho sexual, algo bastante previsível, mas não menos engraçado. [t2]Devil May Cry com calcinha[/t2] Não há como negar: Bayonetta é um clone de Devil May Cry. A jogabilidade é muito semelhante com seus combos e sequências aéreas. A bruxa é uma arma viva. Socos e chutes dividem espaço com pistolas espalhadas pelas mãos e pés, criando ??? à medida que se evolui na campanha ??? combos violentos e devastadores. Com pouco tempo de jogo já fica claro que em Bayonetta não é um jogo de esmagar botões ??? muito pelo contrário, ficar apenas apertando tudo de forma desenfreada dificilmente terá o mesmo resultado que uma estratégia consistente durante os combates. O sistema de defesa foi além do convencional. Cada vez que o jogador conseguir uma esquiva perfeita, no tempo certo, o Witch Time é acionado, deixando por poucos segundos o jogo todo em câmera lenta, dando a possibilidade para executar diversos golpes sem se preocupar com o contra-ataque inimigo. [t2]Grandioso[/t2] A parte gráfica do Bayonetta é um capítulo a parte. Tudo é de encher os olhos. Seja a parte técnica, construída sobre o Unreal Engine, como a concepção visual dos personagens e inimigos. Não existe outra palavra para melhor representar o que se vê na tela do televisor do que grandioso. Seja pela qualidade como pelo tamanho mesmo. Os inimigos são grandes, ricos em movimentos e ataques; vilões ocupam mais espaço que a tela pode oferecer e os cenários são de cair o queixo. Agora, cabe espaço para duas reclamações: as cutscenes, que ocorrem entre um capítulo e outro, usam uma moldura estilo filme antigo, em sépia e desbotado, porém, usando a própria engine. Não incomoda, é verdade, mas se a preocupação com a qualidade gráfica era grande, por que reduzir esta característica logo no momento em que o jogador pode largar tudo e prestar atenção nos detalhes? Outra complicação enfrentada são os slowdowns que aparecem em batalhas poluídas, ora com hordas de inimigos, ora em chefes gigantescos. Não chega a influenciar diretamente na jogabilidade, entretanto entristece quem esperava um jogo acima de qualquer suspeitas. [t2]O Veredicto:[/t2] Bayonetta é um jogo de ação engraçado e fácil de jogar. Os combates divertidos e as batalhas épicas contra chefes são exemplos do que há de melhor neste gênero, e quem gostou do estilo Devil May Cry ou God of War se sentirá abençoado ao eliminar centenas de anjos na companhia da sexy bruxa. A Platinum Games acertou ao investir nesta nova franquia, e não será surpresa se Bayonetta for a sucessora de Lara Croft no papel de personagem feminina mais marcante dos games. [t2]Prós:[/t2] [list]Combates divertidos e empolgantes; Chefes memoráveis; Personagem carismática; Gráficos deslumbrantes.[/list] [t2]Contras:[/t2] [list]Slowdonws corriqueiros; Filtro desnecessário nas cutscenes.[/list]
Fonte: Outer Space
Giordano Trabach
Enviado por Giordano Trabach
Membro desde
23 anos, Espírito Santo
label