.
9.5

Análise do jogo "Manhunt 2" para PS2 escrito por GameVicio

Escrito por GameVicio, nota 9.5 de 10, enviado por Czarna Msza 666,
Em 2003 a Rockstar Games lançou um dois games mais polêmicos da história: Manhunt. O título do jogo já mostrava a vocação polêmica do game que foi acusado de influenciar um assassinato e foi banido em muitos países, o que aumentou a sua procura. 4 anos se passaram e a polêmica recomeçou ao ser anunciada a sequência do game. Desta vez o problema foi ainda maior, pois o jogo foi censurado em vários países antes mesmo de ser lançado e a rockstar foi obrigada a refazer o game (Ainda que a versão sem cortes tenha sido lançada na Holanda). A análise vai comparar as duas versões e dizer o que há de diferente. [title]Tradição de jogabilidade[/title] Os fãs do game anterior terão motivos de sobra para ficar felizes pois toda a mecânica original foi, não só mantida, mas aprimorada. Os três níveis de execução continuam intactos, mas desta vez a brutalidade dos assassinatos está muito, mas muito maior. Além disso, agora existem execuções com o ambiente e execuções com pulo (O psicopata pula sobre o rival para matá-lo), ambas já no nível vermelho (Máximo). Os combates francos estão mais fáceis do que o segundo no corpo-a-corpo (Apesar de menos variados) e os combates com armas de fogo permanecem quase idênticos. Em geral a dificuldade caiu um pouco devido as novas capacidades como se baixar e escalar. [title]Conteúdo adulto[/title] O maior destaque do game é esse, e, finalmente, lhes direi a diferença entre as duas versões: nenhuma! Na verdade, os vídeos de execuções são os mesmos na versão censurada, mas as cores se embaralham e dificultam a visão, mas o efeito é mínimo, pois, fora a versão do Nintendo WII em que é impossível saber o que está acontecendo, nas versões da sony é possível ver perfeitamente o que está acontecendo, em alguns casos são mais perturbadoras pois insinuam que o personagem está sob o efeito de drogas. As execuções são variadas e brutais, incluem: arrancar os testículos do rival, pregá-lo à uma cadeira com facas e inserir uma broca em sua garganta, abrir a barriga dele, espancá-lo até um bueiro e matá-lo com a tampa do mesmo, enfiar o revolver na boca dele e puxar o gatilho fazendo voar pedaços de cérebro e por ai vai. Além disso, o jogo usa e abusa das drogas, sexo e muitas palvras de baixo calão. [title]Gráficos[/title] Estilizados e estilosos, os gráficos em si não impressionam em nada, mas são cheios de estilo, existe muito grão na imagem para transmitir a atmosfera "suja" do game e a direção de arte é perfeita, contando com um hospício, prostíbulo, clube de tortura (Parecido com O Albergue), zonas rurais, ruas, um cinema (Este transmite um vídeo pornô hilário), laboratórios, mansões e muito mais, tudo cheio de sangue nas paredes. [title]Enredo[/title] Mas uma vez a rockstar acerta em cheio, uma trama sobre paranóia que retrata a vida de um médico chamado Daniel Lamb que, junto de Leo Kasper, forma uma dupla de "Serial-Killers" (Assassinos em série) depois que um projeto falha. A trama guarda uma grande surpresa para o final, vou contá-la, se não jogou ainda e quiser evitar spoilers (Revelações sobre o enredo), não leia o próximo parágrafo. [title]Spoiler[/title] Os assassinos Daniel Lamb e Leo Kasper (Ambos são controlados durante a trama, mas Lamb é o protagonista) são a mesma pessoa, Leo Kasper é uma personalidade cruel que seria ativada quando alguém precisasse morrer, transformando Daniel Lamb em Super-Matador. Existem várias dicas sobre isso durante o jogo, a principal é o fato de Leo e Danny nunca aprecerem juntos durante o tempo jogável, mas, mesmo assim, um pode escutar a vóz do outro. Outro, este está bem escondido na animação final de segunda fase (Ghosts), reparem que quando Danny injeta algo no seu braço, Leo também responde à injeção, parecendo estar abatido. [title]Som[/title] Prefeito, dublagem perfeita sem uma fala fora o tom, trilha sonora que segue bem o estilo do jogo (Silêncio na maior parte do tempo, o que é ótimo para criar tensão e ainda permite ouvir a falas dos rivais), frases perfeitas e efeitos sonoros de tiros, impactos e outros também perfeitos. [title]Conclusão[/title] Apesar de mais fácil e sem o mesmo impacto do primeiro Manhunt, o jogo prende a atenção do jogador com sua história, clima de suspense, humor negro, boa jogabilidade e conteúdo adulto. Se o primeiro Manhunt tinha o elemento surpresa e um desafio maior, este o desbanca com uma jogabilidade mais divertida, enredo inovador e conteúdo adulto mais forte. Em relação a polêmica, meu conselho é o seguinte: O jogo tem a mecânica de atacar pelas costas, é muito realista e violento, se você acha que seu filho não aguenta jogar algo assim sem ser influenciado, não o deixe jogar. Se você acha que ele é capaz de distinguir realidade de ficção, não censure, é uma ótima experiência jogável.
Fonte: GameVicio
Czarna Msza 666
Enviado por Czarna Msza 666
Membro desde
23 anos, Porto Feliz - SP
label