.
8

Análise do jogo "Sengoku Basara X" para PS2 escrito por GameTV

Escrito por GameTV, nota 8 de 10, enviado por Anônimo,
[img]hide:aHR0cDovL3d3dy5wbGF5dHYuY29tLmJyL3BsYXl0dm1uZ3IvY2tlZGl0b3IvY2tmaW5kZXIvdXNlcmZpbGVzL2ltYWdlcy9mdG9fZnQxXzY3ODQwLmpwZw==[/img] Aproveitando o ensejo dos novos jogos de luta da parada - Street Fighter IV, Blazblue e KOFXII - a análise de hoje vai ser de um jogo de luta japonês que não vai dar as caras pelo ocidente, apesar de sua contra-partes já estar no catálogo americano. O jogo? Sengoku Basara X (Cross). A Capcom, que não precisa de ajuda para formular um bom jogo de luta - isso claro, se não contarmos o vexame que foi o Capcom Fighting Jam! -, utilizou de seus bons contatos para deixar seus personagens históricos nas mãos de pessoas tão competentes quanto, a Arc System Works, responsável pela série Guilty Gear e BlazBlue. Aí você junta personagens legais, com um estilo de animação bem japonês, com aqueles sprites 2D super detalhados que nem os de GG e um sistema de luta cheio de pormenores - que serão explicados logo mais - e joga no mercado para a galera se divertir. A versão que saiu para o PS2 chegou com dois personagens além dos já selecionáveis no arcade, somando um total de 12 deuses da guerra (como são carinhosamente apelidados no Japão), para o deleite dos jogadores. Em Sengoku Basara X, as disputas são realizadas em duplas, mas em um estilo distinto das conhecidas Tag Battles das séries versus em geral. Aqui, sue companheiro funciona apenas como um striker na hora do quebra, auxiliando em alguns combos e livrando-o de possíveis enrascadas. Existe uma barra que marca a porcentagem de energia do seu parceiro na hora da luta, que começa em zero e vai até 100%. Quanto mais você demorar para chamá-lo, mais a barra vai encher, consequentemente, mais forte será seu ataque. O sistema de combate é uma variável do encontrado em GG, com os botões divididos em fraco, médio, forte e um exclusivo para chamar seu personagem striker. Existe um ataque mais forte, que é acionado ao apertar os botões médio e forte ao mesmo tempo. Esse ataque pode ser carregado por um tempo determinado e, se acionado com o controle segurado para baixo, aciona o gancho para início do combo aéreo. O mix de ataques é bem variado, possibilitando uma infinidade de combos diferentes para cada personagem. Aquela sequência, fraco, médio e forte pode ser seguida à regra, além de poder ser repetida a cada pulo extra ou mesmo sem ele - mas aí vai depender exclusivamente da altura do seu pulo e da velocidade que você aperta os botões. Pode parecer que sim, mas esse sistema NÃO privilegia o estilo 'smash button', pois além da velocidade, a sequência correta de botões precisa ser seguida. Para os golpes especiais, o bom e velho 'hadouken' e 'shoryuken' são aplicáveis também. São todos variações desses comandos, já incrustados na mente de cada um dos jogadores viciados em fighting games. E cada um dos personagens tem sua cota exclusiva de golpes, uns 4, no mínimo, para cada. Os super especiais também estão disponíveis, cada qual com seu comando. Para acioná-los, é preciso ficar de olho na barra de energia localizada abaixo, na tela, que acumula até cinco vezes. Com mais de uma barra de estoque é possível acionar os especiais em conjunto com seu striker e também os super cancels, comandos feitos durante um determinado golpe que acionam um super logo em seguida. É lógico que o jogo lhe dá armas para escapar dessa insanidade de ataques que podem ser desferidos de uma vez. Guard Crushs, guard cancels, tudo está a disposição do jogador. Para a defesa, existe uma barra, logo abaixo à barra de energia, que indica a quantidade de guard cancels você ainda pode executar, mas se chegar a zero, a coisa fica complicada. Nunca se esqueça que os jogos de luta da Arc System prezam muito mais um bom ataque à defesa. Além dos golpes especiais e super especiais, existem os Basara Finishers, que são os Destroyers de Sengoku Basara X. Para acioná-los,é preciso entrar no modo Basara, apertando os três botões de ataque simultaneamente e depois seguir o comando de cada um dos personagens. Esse especial finaliza o round, não importando a quantidade de energia do oponente. Existem dois grandes problemas em Sengoku Basara X. O primeiro deles é a quantidade limitada de persoangens, já que na série original (Sengoku Basara 2), só de destraváveis, ele já ultrapassa o Basara X, com 15 personagens secretos. Entre personagens que deviam (ou não) estar na lista, muita gente se perdeu e não há esperanças de uma continuação para corrigir essa falha. Outro grande problema do jogo são as vozes dos personagens, que quase transformam o jogo em um pirata de segunda linha. As vozes dos personagens não foram mixadas, estão todas chiadas e com uma baixíssima qualidade. Se compararmos com os efeitos sonoros, a cosia complica ainda mais, porque alguns estão excelentes, enquanto outros parecem serem executados em caixinhas de áudio daquelas bem velhinhas. Esse é um problema bem grave, porque os personagens não conseguem ficar quietos um segundo sequer durante a luta, é um bate-papo sem fim, pelo menos até o final de cada round. O pior, é que se você vai até o sound test, as vozes que aparecem por lá estão perfeitas, sem um chiado sequer. Um dos maiores atrativos dos jogos da série Sengoku Basara são seus dubladores, gente muito famosa do ramo lá no Japão e que a Capcom conseguiu reunir em um mesmo jogo. Sengoku Basara X é um excelente fighting game, com boa jogabilidade, excelentes personagens e uma alternativa à todos os fãs que ficam meio de saco cheio da mesmice da série e querem um pouco mais de ferocidade em suas partidas.
Fonte: GameTV
label