.
9

Análise do jogo "Mario Kart 7" para 3DS escrito por GameTV

Escrito por GameTV, nota 9 de 10, enviado por Anônimo,
[img]hide:aHR0cDovL2dhbWV0di5jb20uYnIvZm90b3MvZnRvX2Z0MV85NTcwMC5qcGc=[/img] Tenho que começar esta resenha dizendo que anda cada vez mais difícil analisar os games da Nintendo. Eles são sólidos, bem estruturados, divertidos e com poucos bugs, quase nenhuma atualização e nem DLC. É uma compra garantida sem fru-fru bem do jeitinho de antigamente. Talvez, a única coisa que me incomode em relação aos games da Nintendo é justamente o fato deles serem tradicionais. Você sempre sabe que não importa o console que compre, sempre vai encontrar um jogo da série Mario Kart por exemplo. E mesmo que você esteja cansado de personagens felizes jogando tartarugas uns nos outros, basta colocar as mãos em qualquer um dos games da série para se divertir muito. Isso poderia acontecer também com F-Zero ou Donkey Kong, por exemplo. Enfim, basta dizer que com Mario Kart 7 não é diferente. Nesta versão para o Nintendo 3DS permaneceram os clássicos personagens e o gameplay, marcas registradas de MK, mas foram acrescentadas algumas novidades interessantes que o atualizam e diferenciam do que já foi feito. Na lista de personagens temos 8 disponíveis quando se começa a jogar e mais 9 que abrem cada vez que o jogador sobe ao pódio em primeiro lugar nos torneios do modo 150 cc (o "Hard" de MK). São 17 personagens no total, diferente dos 25 que haviam em Mario Kart Wii. Os modos de jogos também são familiares para a maioria dos "mario-karteiros", no Grand Prix você corre em 8 diferentes torneios, 4 originais com 16 novas pistas que fazem alusão a diversos games da empresa (Luigi's Mansion, Wii Music, DK Jungle, etc) e outros 4 torneios com pistas clássicas da série que foram refeitas dando um total de 32 pistas. As pistas exclusivas do Nintendo 3DS e as clássicas de Mario Kart 7 possuem algo em comum, ambas estão preparadas para dois acessórios criados especialmente para este game: a asa delta e a hélice. Com a asa delta é possível saltar de penhascos e planar para atingir locais na pista e sobrevoar corredores, assim se o piloto for bom pode ultrapassar os adversários por cima. Já a hélice impulsiona o carro embaixo da água, onde o possante fica mais instável flutuando levemente. Debaixo da água existem alguns locais propícios para se coletar moedas, sim as Coins estão de volta. Coletando 10 moedas durante a corrida, o jogador ganha uma potência extra no motor, além de abrir partes de carros que podem ser personalizadas no menu antes da corrida. Nesta versão o encanador tem a disposição uma boa quantidade de opções, além de seu famoso possante vermelho. Cada carcaça, roda e asa delta que você escolhe para o carango incrementado pode lhe dar vantagem ou desvantagem na competição. Além do Grand Prix, você pode jogar o modo Mirror, onde corre nas pistas com tudo no sentido invertido, e no modo Balloon Battle, onde o jogador precisa estourar as bexigas amarradas nos carros dos adversários. Itens ineditos e visão em primeira pessoa Durante a corrida os pilotos tem a sua disposição uma série de itens para atrapalhar os adversários, com a adição de três ineditos: Fire Flower, Tanooki Tail e o Lucky 7. Pegando a Fire Flower, os jogadores podem arremessar bolas de fogo como nos games clássicos do encanador, já com o Tanooki Tail o kart ganha um rabo de tanooki que pode ser usado para tirar inimigos da pista, mas no geral não é muito interessante, e por último o Lucky 7 que dá ao jogador nada menos do que 7 itens que pode ser usados na pista. O Lucky 7 é de longe um dos itens mais arrasadores de Mario Kart 7 e poucos conseguem tira-lo. De qualquer maneira é bom usa-los assim que possível, pois basta esbarrar em algo na pista ou em algum inimigo para perder tudo. Mesmo com todos estes acréscimos ao gameplay, os produtores resolveram colocar um modo de visão em primeira pessoa como mais uma forma de dirigir. Ao apertar o direcional, o jogador terá a visão de dentro do cockpit. De lá só é possível controlar o carro através do giroscópio, ou seja balançando o portátil na direção em que deseja virar. Essa forma de jogar é divertida, mas completamente desnecessária. É um adendo curioso, mas não passa disso. Jogar dessa maneira usando o 3D ligado no aparelho é quase impossível. Como sempre, o multiplayer é a melhor pedida Jogando sozinho e sem um Mission Mode, como no DS, Mario Kart 7 não tem metade da diversão que o cartucho pode lhe proporcionar com o modo multiplayer. O fato é que jogar com amigos aumenta (e muito) o tempo de vida do cartucho. E os programadores da Nintendo sabiam disso quando pensaram no Multiplayer tanto que é possível joga-lo via conexão com outros aparelhos localmente ou online via internet. Antigamente, seus amigos precisavam estar próximos para que todos pudessem jogar Mario Kart no portátil, mas agora você pode desafiar pessoas que não precisam nem mesmo estarem no mesmo país que você. No modo online, é possível criar uma comunidade apenas com seus amigos ou escolher aleatoriamente outras pessoas que estão jogando naquele momento. E são sempre pessoas de vários países diferentes o que aumenta a possibilidade de você conhecer outros "karteiros" pelo globo. De qualquer maneira, Mario Kart 7 tem pontos negativos que poderiam ser melhorados em versões posteriores. Na minha opinião, a visão em primeira pessoa é inútil e o 3D desnecessário, além disso falta mais velocidade nas disputas. Mesmo no modo mais difícil, o 150 cc, a noção de velocidade do kart não é satisfatória. De qualquer maneira, o game é uma boa pedida por ser portátil e multiplayer com um bom volume de pistas e personagens. Ao adquirir um game como esse você sabe exatamente o que está comprando sem muitas surpresas.
Fonte: GameTV
label