.
4.5

Análise do jogo "James Bond 007: Legends" para PS3 escrito por GameTV

Escrito por GameTV, nota 4.5 de 10, enviado por JoaoManoel15,
[img]hide:aHR0cDovL3d3dy5wbGF5dHYuY29tLmJyL3BsYXl0dm1uZ3IvY2tlZGl0b3IvY2tmaW5kZXIvdXNlcmZpbGVzL2ltYWdlcy8wMDctbGVnZW5kcy0tLWdvbGRlbi1naXJsLWdvbGRmaW5nZXIuanBn[/img] Sabe quando rola aquela sensação gratificante de encontrar um jogo à frente da sua época? 007 Legends é a situação contrária, game entregue pela super galerinha da Eurocom, que também desenvolveu o remake de GoldenEye para o PS3e Xbox 360. Então, vamos fingir embarcar nessa viagem no tempo para uma época longínqua, em que os jogos de tiro em primeira pessoa eram bem mais simples. [b]Passo para trás[/b] Utilizando as mesmas ferramentas de desenvolvimento do remake de GoldenEye, 007 Legends se propõe a entregar, em uma mecânica de jogo similar, a compilação de seis filmes do agente 007 de uma única vez. A ideia era comemorar o aniversário de 50 anos com os melhores momentos das seis gerações de agentes secretos no cinema. Goldfinger, On Her Majesty's Secret Service, Moonraker, Licence do Kill e Die Another Day. Skyfall será lançado posteriormente, como um DLC gratuito. O primeiro grande problema de 007 Legends é que nem essas gerações de atores eles conseguiram homenagear. Todo o jogo é protagonizado pelo modelo digital de Daniel Craig, o último Bond. Na trama, o espião é atingido por um tiro durante uma luta em cima de um trem (cena de Skyfall) e enquanto perdura entre a vida e a morte, começa a lembrar de suas aventuras passadas, como se Craig tivesse sido o único Bond que já existiu. [b]"Assim como na moda, que dizem voltar a cada cinco anos, 007 Legends veio com tudo, mas atrasado"[/b] Outra particularidade que precisa ser notada, é que é muito interessante quando Legends te apresenta as Bond Girls e elas precisam ser sensuais. É a função primordial de uma Bond Girl ser desejada, não é mesmo? Acontece que elas são tão feias e quadradas no jogo que fica difícil se sentir atraído ali. A situação fica um pouco mais cômica quando elas aparecem com decotes insinuantes. [img]hide:aHR0cDovL3d3dy5wbGF5dHYuY29tLmJyL3BsYXl0dm1uZ3IvY2tlZGl0b3IvY2tmaW5kZXIvdXNlcmZpbGVzL2ltYWdlcy8wMDctTGVnZW5kcy1OZXctUHJlc2VudGF0aW9uLVRyYWlsZXJfMi5qcGc=[/img] A qualidade visual de Legends é bastante precária. Texturas mal acabadas, cenários pouco desenvolvidos e repetitivos, personagens criados sem a menor gota de imaginação, repetindo-se à exaustão. Com exceção dos chefes de fase e personalidades caricatas do mundo do espião, todos os modelos de inimigos são iguais. A adição de um modo 'stealth' para o jogo o deixa mais desafiador. A inteligência artificial trabalha bem com suspeitas, e até que você esteja bastante acostumado com as mecânicas do jogo - se é que jogaria o suficiente para isso - será muito surpreendido pelos soldados inimigos. Para manter-se imperceptível, Bond conta com seus utensílios clássicos de espião. Canetas atiradoras, relógios mágicos e celulares 'MacGuyver'. A caneta nem tanto, mas o relógio e o celular serão comumente utilizados em diversas situações, e sempre na forma de mini-games interativos. O relógio serve como um radar para prever a aparição dos inimigos (não é muito útil), queimar aparatos de vigilância (maneiro) e abrir cofres de segurança. No caso dos cofres, é preciso alinhas todas as peças que aparecem no visor do relógio e o cofre será destravado - e agradeça aos céus por não existir nenhum fator de velocidade implicante. [img]hide:aHR0cDovL3d3dy5wbGF5dHYuY29tLmJyL3BsYXl0dm1uZ3IvY2tlZGl0b3IvY2tmaW5kZXIvdXNlcmZpbGVzL2ltYWdlcy8wMDctTGVnZW5kcy1TbWFydC1QaG9uZS1jb3B5LmpwZw==[/img] Para o celular, assim como em Blood Stone, ele é multi-uso. Com ele você procura e escaneia digitais, descobre passagens secretas e tira fotos. O mini-game de hacking é bem ok, mas imutável. Complicado é quando você precisa hackear algo no meio do tiroteio. É rezar para ter aquela alma de protagonista que nunca leva tiro nos filmes de ação. Ah, é, você é um desses. Algo que pode ser considerado um ponto positivo em 007 Legends, é a opção pela utilização do sistema clássico de vida em jogos de tiro. Nada de geléia na tela e ficar escondido para recuperar energia. O tiroteio de raiz com vida limitada deixa o game um pouco mais interessante. E também a possibilidade de ganhar experiência durante o jogo para a compra de novas habilidades e utensílios. O multiplayer não traz novidades, apesar de tentar simular a experiência do consagrado GoldenEye. Não sei se é puro escárnio da minha parte, ou se minha infância não foi feliz e isso fez de mim uma pessoa mais ranzinza, mas dividir a tela em quatro para o multiplayer local não é do meu agrado. Já o online suporta até 12 jogadores ao mesmo tempo. Assim como na moda, que dizem voltar a cada cinco anos, 007 Legends veio com tudo, mas atrasado. E no mundo dos videogames isso não é legal - a menos que seja proposital como alguns jogos aí (Mega Man, Cave Story, FEZ). Sem surpresas, com uma mecânica funcional, mas castigada pela idade e com a certeza de não ter acrescido em nada às comemorações do cinquentenário do herói, o lance é passar despercebido perto dele, melhor para a sua carteira. [img]hide:aHR0cDovL2ltZzUzNC5pbWFnZXNoYWNrLnVzL2ltZzUzNC80MjAwL2FuYWxpc2UwMDdsZWdlbmRzLnBuZw==[/img]
Fonte: GameTV
JoaoManoel15
Enviado por JoaoManoel15
Membro desde
21 anos, São Paulo, Brasil
label