.
7.6

Análise do jogo "Prototype" para PC escrito por GameStart

Escrito por GameStart, nota 7.6 de 10, enviado por Alan Bessa,
[b]O lema do jogo é apenas um: Destrua tudo em seu caminho[/b] Minutos antes de sua própria autópsia, Alex Mercer acorda para descobrir poderes que ele nunca imaginou possuir. Em meio ao caos, aprendendo sobre a extensão de suas habilidades, ele descobre que o projeto que deu origem a um ser como ele está para por um fim na cidade de Nova York - já ouviu algo parecido em algum lugar? Prototype, desenvolvido pela nossa querida Radical Entertainment, é um jogo aberto no qual você controla um ser super poderoso e afeta a vida de milhares de habitantes. As comparações foram inevitáveis: Prototype ou InFamous? Que jogo conseguiria passar melhor a sensação de viver como um super-herói e suas difíceis escolhas? Bom, a nota de InFamous você já pode ver há algumas semanas atrás, então continue lendo para entender mais sobre a criação dos mesmos desenvolvedores do surpreendente Hulk: Ultimate Destruction. O que precisa ser dito logo de primeira: Prototype não tenta o mesmo que InFamous. Eles podem ser parecidos, afinal, você vê um herói altamente acrobáticos, super poderes impressionantes em uma cidade cuidadosamente erguida, porém, nas sutilezas, eles se desviam totalmente. Enquanto o título da Sucker Punch busca escolhas e conseqüências, Prototype, como seu primo distante Hulk, se resume à vingança e destruição - e seu enredo deixa isso bem claro. Uma das coisas mais legais de Prototype é que você pode fazer tudo. Os poderes de Alex Mercer envolvem super velocidade, super força, metamorfose, incorporação de habilidades e transformar partes de seu corpo em verdadeiras armas, como seu braço que vira literalmente uma foice. Fica difícil não se deixar levar pela sensação, pois Alex não para para nada, e nunca se importa com aqueles que estão a sua volta. Então, em sua batalha, seja contra as mutações criadas pelo vírus ou as forças armadas, carros explodem, edifícios despencam e cidadãos são jogados, à medida que você literalmente corta tudo em seu caminho. O jogo começa fácil, mas termina um pouco mais difícil do que deveria ser, por razões de puro design. Vamos por partes: as missões são até que variadas, de explodir certos locais, escoltar veículos, infiltrar-se em bases e proteger uma determinada área da cidade. A graça, como já deve ter ficado claro, é a forma como você aplica os poderes de Alex às missões. Por exemplo, você pode utilizar a metamorfose para se transformar em um soldado do exército e facilmente adentrar a base, ou ao invés de escoltar de longe um helicóptero, absorver as habilidades do piloto e você mesmo dirigi-lo. Só que o panteão de habilidades de Alex cresce tanto que cada vez mais, ironicamente, você vai perdendo o controle do protagonista. Assim, várias vezes você percebe que morreu em uma missão especificamente por causa do caos que explodia na tela e, sem enxergar nada, tentou fazer algo que não aconteceu. O tipo de coisa que você só resolve acostumando mesmo. Fora isto, Prototype poderia ter mais encontros contra chefões poderosos. Não que não exista batalhas tensas, mas na maioria das vezes você sabe que enfrenta alguém bem mais fraco e que a vitória é só questão de tempo e (um pouco) estratégia. E enquanto falamos da estrutura do jogo, as missões secundárias, que geralmente tratam-se de correr de um lado a outro da cidade em um espaço de tempo, não são de toda inúteis, mas frustram principalmente pelo fato de não existir a opção de retry, ou seja, se você falhar, tem que voltar todo o caminho que percorreu para acioná-la novamente. Prototype também não é o jogo mais bonito que você vai ver, mas garante alguns eventuais "uau", quando se explode uma avenida com uma chuva de tentáculos sombrios, ou mesmo quando você literalmente voa rumo a um helicóptero e o rapta em pleno ar. Ainda assim, há aquele show de serrilhados aqui e acolá, além de engasgadinhas tanto da câmera quanto na animação dos personagens, que, aliás, poderiam ser mais variadas. Ainda em variação, as músicas, que de fato casam com o clima imposto, poderiam ser mais variadas, ao invés de ficar naquela troca clássica de "música tensa - música mais tensa ainda". Já a dublagem, enquanto não altamente inspirada, retrata até que bem os personagens e suas emoções, não que o jogo dê muita atenção para elas, claro. Terminando de judiar da cidade: Prototype, em alguns momentos, parece mesmo o protótipo básico do título do Incrível Hulk, que milagrosamente fez sucesso. Falamos de um jogo que você arremessa carros longe, explode edifícios e salta literalmente bairros inteiros - o que não quer dizer que não seja divertido, pois é. Falamos do verdadeiro "jogo desestressante". O tema basicamente é: "você está bravo e o mundo inteiro é culpado". Se for disso que você precisa vale até a compra, caso contrário, nada como a boa e velha locação. Prós________________________________ Destruição, muita destruição Variedade de poderes Jogabilidade descompromissada Contras_____________________________ Não é a criança mais bonita da classe Ocasionais bugs visuais Falta de batalhas épicas Jogabilidade: 8.0 Gráficos: 8.0 Diversão: 7.5 Som: 7.0
Fonte: GameStart
Alan Bessa
Enviado por Alan Bessa
Membro desde
23 anos, Santo André/SP
label