.
9.3

Análise do jogo "Grand Theft Auto: San Andreas" para PC escrito por Finalboss

Escrito por Finalboss, nota 9.3 de 10, enviado por marped,
A prova de que o crime compensa Basta que as ferramentas certas caiam nas mãos certas e então os resultados dificilmente desapontam os fãs. Depois do sucesso estrondoso de Grand Theft Auto: San Andreas de PlayStation 2, a RockStar Games passou a se dedicar a trazer o seu hit (e o principal responsável pelos altos rendimentos da Take-Two em seu último fiscal) para PC e Xbox. Existem certas diferenças entre os sistemas que receberiam o game depois e plataforma onde San Andreas se hospedou originalmente e a promessa era de aproveitar essas vantagens para melhorar ainda mais o que já era excelente. Foram oito meses a mais de espera para pcmaníacos e xboxmaníacos e, depois de tanto tempo, será que esperar por suas respectivas versões realmente valeu a pena? A resposta é: com certeza. O título é basicamente o mesmo, e o jogador encarna em Carl Johnson (CJ para os íntimos ??? lê-se "Ci-Jay"), um rapaz de origem humilde, negro, que fugiu de Ganton, seu bairro, há cinco anos para deixar de lado as pressões da vida em Los Santos, uma das cidades do estado de San Andreas. Carl só não imaginava que agora, meados dos anos 90, um fato catastrófico o faria voltar, e dessa vez para ficar. Sua mãe foi assassinada e sua gangue, a Grove Street Families (a mais antiga de Los Santos), encontra-se enfraquecida nas ruas, sob ataque de rivais e dividida por brigas internas. CJ retorna e, ao longo do game, não só tentará reconquistar a confiança de seus familiares e amigos, mas também extinguir os conflitos internos, acabar com as gangues rivais e retomar o controle das ruas de Los Santos e, porque não, de San Andreas. O que tornou San Andreas um sucesso instantâneo foi o simples fato dele conseguir superar, em todos os quesitos, GTA III e Vice City, os dois bem sucedidos episódios anteriores. O nível de liberdade deste game é imenso, e seu enredo é tão extenso quanto de muitos RPGs por aí. Nessa série da RockStar, o jogador pode fazer muitas coisas legais e ilegais. Assim como na vida real, cada ação gera uma reação e você não andar na linha, a polícia vai te caçar. Entretanto, o foco do jogo é justamente o contrário, já que para prosseguir nas variadas missões será necessário roubar, atirar, atropelar, matar, traficar e mais. Leiam nossa análise completa da versão PS2 para ficar por dentro de todos os detalhes. A versão para PC e Xbox, como prometido, traz melhorias em diversos aspectos, sem downgrades, com exceção da IA que eu, particularmente, achei levemente mais bugada, mas nada que atrapalhe muito a diversão. Um dos principais benefícios desses sistemas com relação ao PS2 é o HD. Com ele, a RockStar conseguiu diminuir e muito não só o tempo de carregamento entre as passagens de cenários fechados para fases abertas como também extinguiu quase que totalmente os infames pop-ins/pop-ups que, apesar de não ter diminuído a diversão que o game vem propiciando desde novembro, não são muito bonitos de se ver, vamos dizer assim. No caso da versão PC, é possível aumentar e diminuir a qualidade das texturas, a resolução do game (até 1920 x 1440 dependendo do monitor), bit de cor (32 bits, obviamente, é bem mais pesado), e nível de distância, ou seja, você pode ver mais ou menos objetos ao fundo. Se você quiser dar uma diminuída nos jaggies existentes, poderá usar até 4x de anti-aliasing, o que também só é aconselhável caso você tenha uma placa de vídeo bem potente. Entretanto, mesmo com todas essas ferramentas e opções não esperem por milagres. Os modelos dos personagens, por exemplo, mesmo com 3X de AA, High Quality nas texturas, 1920x1440 de resolução continuam muito arcaicos, já que a contagem de polígonos deles, das construções, veículos e afins é reduzida por causa da grande quantidade de objetos simultâneos na tela e para que o carregamento do jogo não atrapalhe a gameplay. Levemos em consideração que estamos diante de um sacrifício mínimo perto dos benefícios. Mesmo assim, a versão GTA dessas três importantes cidades dos States - Los Santos, San Fierro e Las Venturas, que são as versões "RockStar" de Los Angeles, San Francisco e Las Vegas, respectivamente ??? continua causando um grande impacto visual e oferecendo grandes áreas para vasta exploração e entretenimento, incluindo zonas urbanas e as periferias que separam as três cidades. O filtro visual criado para representar o calor da área urbana de Los Santos no original foi removido dessa versão já que muitas pessoas acharam que o game ficou com uma cara meio "alaranjada". De qualquer forma, o filtro deu lugar a um efeito de mormaço muito interessante, que distorce o cenário de maneira bem verossímil e dá uma sensação de calor semelhante, e sem colorir exageradamente o céu. Os efeitos climáticos, como as tempestades, ganharam um pouco mais de qualidade nessa versão, mas nada excepcionalmente gritante. A trilha sonora de GTA: San Andreas para PC e Xbox não poderia ser melhor. Além de contar com todas as 11 estações de rádio e, conseqüentemente, as músicas (de artistas e bandas famosas e variadas como Depeche Mode, Guns n' Roses, James Brown, Bobby Byrd ou Kool G) e programas do game original, o novo game ainda conta com a exclusiva opção de você poder montar sua própria rádio. Quando você instala o jogo no PC, por exemplo, e entra na opção "User Track List", automaticamente é criada uma pasta em seu "My Documents/Meus Documentos" para onde você poderá jogar, posteriormente, seus arquivos de música. De fábrica, o jogo suporta os formatos wav e ogg, mas você poderá usar outros formatos (wma, mp3, m4a), desde que os respectivos codecs estejam instalados em sua máquina (não incluídos no pacote). Há também a opção para intervalar suas músicas com os comerciais fictícios das rádios do jogo, ouvi-las seqüencialmente na ordem em que estão no diretório ou aleatoriamente. O restante da parte sonora continua na mesma qualidade do game original, ou seja, uma biblioteca de sons bem coerente e competente e um dos melhores trabalhos já vistos em termos de dublagem de jogo, garantindo que o substancioso enredo criado seja contado e vivido de maneira ultra-realista, algo difícil de se ver em games. No final das contas, temos o mesmo cheio de defeitos, mas com tantas qualidades que muitas vezes você esquece que ele é tão bugado. A complexidade e variedade do título da RockStar está agora disponível para PC e XBox e com melhorias que, apesar de não darem uma cara nova ao jogo, servem como consolo pela demora que afligiu os usuários desses sistemas em ter a cópia em suas mãos. Assim como terminei meu review da versão PS2, digo novamente que não consigo imaginar alguém que tenha essas plataformas que não estejam pensando em jogar San Andreas. Fica apenas o desejo no ar que a próxima versão não seja uma exclusividade de um sistema, mesmo que temporariamente. Basta que as ferramentas certas caiam nas mãos certas e então os resultados dificilmente desapontam os fãs. Depois do sucesso estrondoso de Grand Theft Auto: San Andreas de PlayStation 2, a RockStar Games passou a se dedicar a trazer o seu hit (e o principal responsável pelos altos rendimentos da Take-Two em seu último fiscal) para PC e Xbox. Existem certas diferenças entre os sistemas que receberiam o game depois e plataforma onde San Andreas se hospedou originalmente e a promessa era de aproveitar essas vantagens para melhorar ainda mais o que já era excelente. Foram oito meses a mais de espera para pcmaníacos e xboxmaníacos e, depois de tanto tempo, será que esperar por suas respectivas versões realmente valeu a pena? A resposta é: com certeza. O título é basicamente o mesmo, e o jogador encarna em Carl Johnson (CJ para os íntimos ??? lê-se "Ci-Jay"), um rapaz de origem humilde, negro, que fugiu de Ganton, seu bairro, há cinco anos para deixar de lado as pressões da vida em Los Santos, uma das cidades do estado de San Andreas. Carl só não imaginava que agora, meados dos anos 90, um fato catastrófico o faria voltar, e dessa vez para ficar. Sua mãe foi assassinada e sua gangue, a Grove Street Families (a mais antiga de Los Santos), encontra-se enfraquecida nas ruas, sob ataque de rivais e dividida por brigas internas. CJ retorna e, ao longo do game, não só tentará reconquistar a confiança de seus familiares e amigos, mas também extinguir os conflitos internos, acabar com as gangues rivais e retomar o controle das ruas de Los Santos e, porque não, de San Andreas. O que tornou San Andreas um sucesso instantâneo foi o simples fato dele conseguir superar, em todos os quesitos, GTA III e Vice City, os dois bem sucedidos episódios anteriores. O nível de liberdade deste game é imenso, e seu enredo é tão extenso quanto de muitos RPGs por aí. Nessa série da RockStar, o jogador pode fazer muitas coisas legais e ilegais. Assim como na vida real, cada ação gera uma reação e você não andar na linha, a polícia vai te caçar. Entretanto, o foco do jogo é justamente o contrário, já que para prosseguir nas variadas missões será necessário roubar, atirar, atropelar, matar, traficar e mais. Leiam nossa análise completa da versão PS2 para ficar por dentro de todos os detalhes. A versão para PC e Xbox, como prometido, traz melhorias em diversos aspectos, sem downgrades, com exceção da IA que eu, particularmente, achei levemente mais bugada, mas nada que atrapalhe muito a diversão. Um dos principais benefícios desses sistemas com relação ao PS2 é o HD. Com ele, a RockStar conseguiu diminuir e muito não só o tempo de carregamento entre as passagens de cenários fechados para fases abertas como também extinguiu quase que totalmente os infames pop-ins/pop-ups que, apesar de não ter diminuído a diversão que o game vem propiciando desde novembro, não são muito bonitos de se ver, vamos dizer assim. No caso da versão PC, é possível aumentar e diminuir a qualidade das texturas, a resolução do game (até 1920 x 1440 dependendo do monitor), bit de cor (32 bits, obviamente, é bem mais pesado), e nível de distância, ou seja, você pode ver mais ou menos objetos ao fundo. Se você quiser dar uma diminuída nos jaggies existentes, poderá usar até 4x de anti-aliasing, o que também só é aconselhável caso você tenha uma placa de vídeo bem potente. Entretanto, mesmo com todas essas ferramentas e opções não esperem por milagres. Os modelos dos personagens, por exemplo, mesmo com 3X de AA, High Quality nas texturas, 1920x1440 de resolução continuam muito arcaicos, já que a contagem de polígonos deles, das construções, veículos e afins é reduzida por causa da grande quantidade de objetos simultâneos na tela e para que o carregamento do jogo não atrapalhe a gameplay. Levemos em consideração que estamos diante de um sacrifício mínimo perto dos benefícios. Mesmo assim, a versão GTA dessas três importantes cidades dos States - Los Santos, San Fierro e Las Venturas, que são as versões "RockStar" de Los Angeles, San Francisco e Las Vegas, respectivamente ??? continua causando um grande impacto visual e oferecendo grandes áreas para vasta exploração e entretenimento, incluindo zonas urbanas e as periferias que separam as três cidades. O filtro visual criado para representar o calor da área urbana de Los Santos no original foi removido dessa versão já que muitas pessoas acharam que o game ficou com uma cara meio "alaranjada". De qualquer forma, o filtro deu lugar a um efeito de mormaço muito interessante, que distorce o cenário de maneira bem verossímil e dá uma sensação de calor semelhante, e sem colorir exageradamente o céu. Os efeitos climáticos, como as tempestades, ganharam um pouco mais de qualidade nessa versão, mas nada excepcionalmente gritante. A trilha sonora de GTA: San Andreas para PC e Xbox não poderia ser melhor. Além de contar com todas as 11 estações de rádio e, conseqüentemente, as músicas (de artistas e bandas famosas e variadas como Depeche Mode, Guns n' Roses, James Brown, Bobby Byrd ou Kool G) e programas do game original, o novo game ainda conta com a exclusiva opção de você poder montar sua própria rádio. Quando você instala o jogo no PC, por exemplo, e entra na opção "User Track List", automaticamente é criada uma pasta em seu "My Documents/Meus Documentos" para onde você poderá jogar, posteriormente, seus arquivos de música. De fábrica, o jogo suporta os formatos wav e ogg, mas você poderá usar outros formatos (wma, mp3, m4a), desde que os respectivos codecs estejam instalados em sua máquina (não incluídos no pacote). Há também a opção para intervalar suas músicas com os comerciais fictícios das rádios do jogo, ouvi-las seqüencialmente na ordem em que estão no diretório ou aleatoriamente. O restante da parte sonora continua na mesma qualidade do game original, ou seja, uma biblioteca de sons bem coerente e competente e um dos melhores trabalhos já vistos em termos de dublagem de jogo, garantindo que o substancioso enredo criado seja contado e vivido de maneira ultra-realista, algo difícil de se ver em games. No final das contas, temos o mesmo cheio de defeitos, mas com tantas qualidades que muitas vezes você esquece que ele é tão bugado. A complexidade e variedade do título da RockStar está agora disponível para PC e XBox e com melhorias que, apesar de não darem uma cara nova ao jogo, servem como consolo pela demora que afligiu os usuários desses sistemas em ter a cópia em suas mãos. Assim como terminei meu review da versão PS2, digo novamente que não consigo imaginar alguém que tenha essas plataformas que não estejam pensando em jogar San Andreas. Fica apenas o desejo no ar que a próxima versão não seja uma exclusividade de um sistema, mesmo que temporariamente. Basta que as ferramentas certas caiam nas mãos certas e então os resultados dificilmente desapontam os fãs. Depois do sucesso estrondoso de Grand Theft Auto: San Andreas de PlayStation 2, a RockStar Games passou a se dedicar a trazer o seu hit (e o principal responsável pelos altos rendimentos da Take-Two em seu último fiscal) para PC e Xbox. Existem certas diferenças entre os sistemas que receberiam o game depois e plataforma onde San Andreas se hospedou originalmente e a promessa era de aproveitar essas vantagens para melhorar ainda mais o que já era excelente. Foram oito meses a mais de espera para pcmaníacos e xboxmaníacos e, depois de tanto tempo, será que esperar por suas respectivas versões realmente valeu a pena? A resposta é: com certeza. O título é basicamente o mesmo, e o jogador encarna em Carl Johnson (CJ para os íntimos ??? lê-se "Ci-Jay"), um rapaz de origem humilde, negro, que fugiu de Ganton, seu bairro, há cinco anos para deixar de lado as pressões da vida em Los Santos, uma das cidades do estado de San Andreas. Carl só não imaginava que agora, meados dos anos 90, um fato catastrófico o faria voltar, e dessa vez para ficar. Sua mãe foi assassinada e sua gangue, a Grove Street Families (a mais antiga de Los Santos), encontra-se enfraquecida nas ruas, sob ataque de rivais e dividida por brigas internas. CJ retorna e, ao longo do game, não só tentará reconquistar a confiança de seus familiares e amigos, mas também extinguir os conflitos internos, acabar com as gangues rivais e retomar o controle das ruas de Los Santos e, porque não, de San Andreas. O que tornou San Andreas um sucesso instantâneo foi o simples fato dele conseguir superar, em todos os quesitos, GTA III e Vice City, os dois bem sucedidos episódios anteriores. O nível de liberdade deste game é imenso, e seu enredo é tão extenso quanto de muitos RPGs por aí. Nessa série da RockStar, o jogador pode fazer muitas coisas legais e ilegais. Assim como na vida real, cada ação gera uma reação e você não andar na linha, a polícia vai te caçar. Entretanto, o foco do jogo é justamente o contrário, já que para prosseguir nas variadas missões será necessário roubar, atirar, atropelar, matar, traficar e mais. Leiam nossa análise completa da versão PS2 para ficar por dentro de todos os detalhes. A versão para PC e Xbox, como prometido, traz melhorias em diversos aspectos, sem downgrades, com exceção da IA que eu, particularmente, achei levemente mais bugada, mas nada que atrapalhe muito a diversão. Um dos principais benefícios desses sistemas com relação ao PS2 é o HD. Com ele, a RockStar conseguiu diminuir e muito não só o tempo de carregamento entre as passagens de cenários fechados para fases abertas como também extinguiu quase que totalmente os infames pop-ins/pop-ups que, apesar de não ter diminuído a diversão que o game vem propiciando desde novembro, não são muito bonitos de se ver, vamos dizer assim. No caso da versão PC, é possível aumentar e diminuir a qualidade das texturas, a resolução do game (até 1920 x 1440 dependendo do monitor), bit de cor (32 bits, obviamente, é bem mais pesado), e nível de distância, ou seja, você pode ver mais ou menos objetos ao fundo. Se você quiser dar uma diminuída nos jaggies existentes, poderá usar até 4x de anti-aliasing, o que também só é aconselhável caso você tenha uma placa de vídeo bem potente. Entretanto, mesmo com todas essas ferramentas e opções não esperem por milagres. Os modelos dos personagens, por exemplo, mesmo com 3X de AA, High Quality nas texturas, 1920x1440 de resolução continuam muito arcaicos, já que a contagem de polígonos deles, das construções, veículos e afins é reduzida por causa da grande quantidade de objetos simultâneos na tela e para que o carregamento do jogo não atrapalhe a gameplay. Levemos em consideração que estamos diante de um sacrifício mínimo perto dos benefícios. Mesmo assim, a versão GTA dessas três importantes cidades dos States - Los Santos, San Fierro e Las Venturas, que são as versões "RockStar" de Los Angeles, San Francisco e Las Vegas, respectivamente ??? continua causando um grande impacto visual e oferecendo grandes áreas para vasta exploração e entretenimento, incluindo zonas urbanas e as periferias que separam as três cidades. O filtro visual criado para representar o calor da área urbana de Los Santos no original foi removido dessa versão já que muitas pessoas acharam que o game ficou com uma cara meio "alaranjada". De qualquer forma, o filtro deu lugar a um efeito de mormaço muito interessante, que distorce o cenário de maneira bem verossímil e dá uma sensação de calor semelhante, e sem colorir exageradamente o céu. Os efeitos climáticos, como as tempestades, ganharam um pouco mais de qualidade nessa versão, mas nada excepcionalmente gritante. A trilha sonora de GTA: San Andreas para PC e Xbox não poderia ser melhor. Além de contar com todas as 11 estações de rádio e, conseqüentemente, as músicas (de artistas e bandas famosas e variadas como Depeche Mode, Guns n' Roses, James Brown, Bobby Byrd ou Kool G) e programas do game original, o novo game ainda conta com a exclusiva opção de você poder montar sua própria rádio. Quando você instala o jogo no PC, por exemplo, e entra na opção "User Track List", automaticamente é criada uma pasta em seu "My Documents/Meus Documentos" para onde você poderá jogar, posteriormente, seus arquivos de música. De fábrica, o jogo suporta os formatos wav e ogg, mas você poderá usar outros formatos (wma, mp3, m4a), desde que os respectivos codecs estejam instalados em sua máquina (não incluídos no pacote). Há também a opção para intervalar suas músicas com os comerciais fictícios das rádios do jogo, ouvi-las seqüencialmente na ordem em que estão no diretório ou aleatoriamente. O restante da parte sonora continua na mesma qualidade do game original, ou seja, uma biblioteca de sons bem coerente e competente e um dos melhores trabalhos já vistos em termos de dublagem de jogo, garantindo que o substancioso enredo criado seja contado e vivido de maneira ultra-realista, algo difícil de se ver em games. No final das contas, temos o mesmo cheio de defeitos, mas com tantas qualidades que muitas vezes você esquece que ele é tão bugado. A complexidade e variedade do título da RockStar está agora disponível para PC e XBox e com melhorias que, apesar de não darem uma cara nova ao jogo, servem como consolo pela demora que afligiu os usuários desses sistemas em ter a cópia em suas mãos. Assim como terminei meu review da versão PS2, digo novamente que não consigo imaginar alguém que tenha essas plataformas que não estejam pensando em jogar San Andreas. Fica apenas o desejo no ar que a próxima versão não seja uma exclusividade de um sistema, mesmo que temporariamente. Basta que as ferramentas certas caiam nas mãos certas e então os resultados dificilmente desapontam os fãs. Depois do sucesso estrondoso de Grand Theft Auto: San Andreas de PlayStation 2, a RockStar Games passou a se dedicar a trazer o seu hit (e o principal responsável pelos altos rendimentos da Take-Two em seu último fiscal) para PC e Xbox. Existem certas diferenças entre os sistemas que receberiam o game depois e plataforma onde San Andreas se hospedou originalmente e a promessa era de aproveitar essas vantagens para melhorar ainda mais o que já era excelente. Foram oito meses a mais de espera para pcmaníacos e xboxmaníacos e, depois de tanto tempo, será que esperar por suas respectivas versões realmente valeu a pena? A resposta é: com certeza. O título é basicamente o mesmo, e o jogador encarna em Carl Johnson (CJ para os íntimos ??? lê-se "Ci-Jay"), um rapaz de origem humilde, negro, que fugiu de Ganton, seu bairro, há cinco anos para deixar de lado as pressões da vida em Los Santos, uma das cidades do estado de San Andreas. Carl só não imaginava que agora, meados dos anos 90, um fato catastrófico o faria voltar, e dessa vez para ficar. Sua mãe foi assassinada e sua gangue, a Grove Street Families (a mais antiga de Los Santos), encontra-se enfraquecida nas ruas, sob ataque de rivais e dividida por brigas internas. CJ retorna e, ao longo do game, não só tentará reconquistar a confiança de seus familiares e amigos, mas também extinguir os conflitos internos, acabar com as gangues rivais e retomar o controle das ruas de Los Santos e, porque não, de San Andreas. O que tornou San Andreas um sucesso instantâneo foi o simples fato dele conseguir superar, em todos os quesitos, GTA III e Vice City, os dois bem sucedidos episódios anteriores. O nível de liberdade deste game é imenso, e seu enredo é tão extenso quanto de muitos RPGs por aí. Nessa série da RockStar, o jogador pode fazer muitas coisas legais e ilegais. Assim como na vida real, cada ação gera uma reação e você não andar na linha, a polícia vai te caçar. Entretanto, o foco do jogo é justamente o contrário, já que para prosseguir nas variadas missões será necessário roubar, atirar, atropelar, matar, traficar e mais. Leiam nossa análise completa da versão PS2 para ficar por dentro de todos os detalhes. A versão para PC e Xbox, como prometido, traz melhorias em diversos aspectos, sem downgrades, com exceção da IA que eu, particularmente, achei levemente mais bugada, mas nada que atrapalhe muito a diversão. Um dos principais benefícios desses sistemas com relação ao PS2 é o HD. Com ele, a RockStar conseguiu diminuir e muito não só o tempo de carregamento entre as passagens de cenários fechados para fases abertas como também extinguiu quase que totalmente os infames pop-ins/pop-ups que, apesar de não ter diminuído a diversão que o game vem propiciando desde novembro, não são muito bonitos de se ver, vamos dizer assim. No caso da versão PC, é possível aumentar e diminuir a qualidade das texturas, a resolução do game (até 1920 x 1440 dependendo do monitor), bit de cor (32 bits, obviamente, é bem mais pesado), e nível de distância, ou seja, você pode ver mais ou menos objetos ao fundo. Se você quiser dar uma diminuída nos jaggies existentes, poderá usar até 4x de anti-aliasing, o que também só é aconselhável caso você tenha uma placa de vídeo bem potente. Entretanto, mesmo com todas essas ferramentas e opções não esperem por milagres. Os modelos dos personagens, por exemplo, mesmo com 3X de AA, High Quality nas texturas, 1920x1440 de resolução continuam muito arcaicos, já que a contagem de polígonos deles, das construções, veículos e afins é reduzida por causa da grande quantidade de objetos simultâneos na tela e para que o carregamento do jogo não atrapalhe a gameplay. Levemos em consideração que estamos diante de um sacrifício mínimo perto dos benefícios. Mesmo assim, a versão GTA dessas três importantes cidades dos States - Los Santos, San Fierro e Las Venturas, que são as versões "RockStar" de Los Angeles, San Francisco e Las Vegas, respectivamente ??? continua causando um grande impacto visual e oferecendo grandes áreas para vasta exploração e entretenimento, incluindo zonas urbanas e as periferias que separam as três cidades. O filtro visual criado para representar o calor da área urbana de Los Santos no original foi removido dessa versão já que muitas pessoas acharam que o game ficou com uma cara meio "alaranjada". De qualquer forma, o filtro deu lugar a um efeito de mormaço muito interessante, que distorce o cenário de maneira bem verossímil e dá uma sensação de calor semelhante, e sem colorir exageradamente o céu. Os efeitos climáticos, como as tempestades, ganharam um pouco mais de qualidade nessa versão, mas nada excepcionalmente gritante. A trilha sonora de GTA: San Andreas para PC e Xbox não poderia ser melhor. Além de contar com todas as 11 estações de rádio e, conseqüentemente, as músicas (de artistas e bandas famosas e variadas como Depeche Mode, Guns n' Roses, James Brown, Bobby Byrd ou Kool G) e programas do game original, o novo game ainda conta com a exclusiva opção de você poder montar sua própria rádio. Quando você instala o jogo no PC, por exemplo, e entra na opção "User Track List", automaticamente é criada uma pasta em seu "My Documents/Meus Documentos" para onde você poderá jogar, posteriormente, seus arquivos de música. De fábrica, o jogo suporta os formatos wav e ogg, mas você poderá usar outros formatos (wma, mp3, m4a), desde que os respectivos codecs estejam instalados em sua máquina (não incluídos no pacote). Há também a opção para intervalar suas músicas com os comerciais fictícios das rádios do jogo, ouvi-las seqüencialmente na ordem em que estão no diretório ou aleatoriamente. O restante da parte sonora continua na mesma qualidade do game original, ou seja, uma biblioteca de sons bem coerente e competente e um dos melhores trabalhos já vistos em termos de dublagem de jogo, garantindo que o substancioso enredo criado seja contado e vivido de maneira ultra-realista, algo difícil de se ver em games. No final das contas, temos o mesmo cheio de defeitos, mas com tantas qualidades que muitas vezes você esquece que ele é tão bugado. A complexidade e variedade do título da RockStar está agora disponível para PC e XBox e com melhorias que, apesar de não darem uma cara nova ao jogo, servem como consolo pela demora que afligiu os usuários desses sistemas em ter a cópia em suas mãos. Assim como terminei meu review da versão PS2, digo novamente que não consigo imaginar alguém que tenha essas plataformas que não estejam pensando em jogar San Andreas. Fica apenas o desejo no ar que a próxima versão não seja uma exclusividade de um sistema, mesmo que temporariamente. A favor: A recriação quase fiel de três importantes cidades americanas (embora com nomes fictícios); Alto número de opções para a customização de seu personagem incluindo e roupa e porte físico; Dezenas de empolgantes side-missions tornando a longevidade do título quase infinita; Enredo complexo, intrigante, de deixar alguns RPGzinhos no chinelo; Trilha sonora indescritivelmente fenomenal e com a opção de poder ser totalmente customizada com seus próprios arquivos de música; Muitos veículos para se roubar como carros, motos, mountain bikes, bicicletas, caminhões, aviões, lanchas e outros para se seqüestrar como trens; Efeitos climáticos bem elaborados e o adeus do filtro alaranjado da versão original; Bem menos pop-ups que na versão PS2; Loading muito mais rápidos; Possibilidade de se usar resoluções mais altas; Contra: Personagens permanecem com poucos polígonos e, em resoluções mais baixas, cheios de jaggies e quebras de polígonos; Texturas simples em alguns objetos e cenários; Bugs ocorrem em muitas ocasiões;
Fonte: Finalboss
marped
Enviado por marped
Membro desde
Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
label