.
9

Análise do jogo "New Super Mario Bros" para Wii escrito por Eurogamer

Escrito por Eurogamer, nota 9 de 10, enviado por KiliK190,
Este jogo vem do Japão, é obra cozida nos melhores fornos, carregadinho de nostalgia, temperado por um salto evolutivo, pondo em cartaz não apenas uma personagem, mas um ícone, uma marca que perpassou gerações de jogadores, que acompanhou o crescimento destes, sempre à beira de novos desafios de equilíbrio, como saltos sob abismos, transportes em exíguas plataformas, turras às caixinhas, colecção de moedas, quedas de rabo sobre os Koopa Troopas e os perdidos de maldade sincera, os dinásticos Bowser - Koopalings -, entre outras inesgotáveis definições de um período saudoso de memórias que a Nintendo incentivou e ainda hoje continua a predominar. O protagonista é o Mario ou ??? os (são tantos) Marios - como uma vez me disseram quando lançaram a versão Mario 64. O canalizador está de regresso ao castelo de Mushroom Kingdom, envolto numa chama super(lativa). Não cede um palmo. Adapta-se com destreza aos princípios da plataforma que lhe serve de montra. Desta vez, Mario descansa da deslumbrante e incansável demanda galáctica, bombeada de planetas a sapatear, para recuperar os moldes clássicos, os saltos calculados sobre as plataformas conservadoras da série, ao mesmo tempo que encaixilha um novo sentido para a confraternização entre adeptos da velha guarda. E é assinalável a forma como a Nintendo conduz a série nesta geração. De Mario Galaxy, uma incomensurável explosão de imaginação num universo tridimensional, e no fundo uma elevação notável de Mario 64, passa para New Super Mario Bros. Wii, para uma representação nostálgica, bidimensional e que marca o regresso ao baú das recordações e até primórdios da evolução da série em Super Mario Bros, com todos os níveis de ponto a ponto. Os mundos continuam concebidos ao abrigo das descrições geográficas imaginárias que ganharam referência como o deserto, a neve, a selva, a floresta, as nuvens, as planícies, a montanha, num total de oito mundos (mais um secreto) a percorrer, devendo o canalizador superar as pequenas e simpáticas criaturas que barram a progressão, assim como os obstáculos metodicamente alinhados. Se Mario Galaxy alcançou uma extrema dimensão à custa dos infindáveis pequenos mundos pejados de objectos e aplicativos que propunham actuações diversas, também não deixou de ser um título de maior acessibilidade, capaz de agradar aos fãs de longa data mas também aos recém-convertidos à Nintendo Wii. Já jogar NSMBW pode dizer mais aos fãs de longa data das plataformas, principalmente os adeptos do legado Mario Bros, preparados para lidar com uma dificuldade especialmente incrementada. E este é um dos pontos que serve desde logo para afastar qualquer tentativa de caracterizar este jogo como uma reconstrução simplista do NSMB para a DS. Convenhamos que há semelhanças no design dos níveis, orientação gráfica e na progressão pelos mundos, no fundo este é um NSMB para a Wii mas também divergem sobremaneira e pode-se mesmo concluir que esta versão para a Wii é indubitavelmente mais forte. Se os níveis para a versão DS tendem a ser curtos e de menor dificuldade, mesmo nos mundos finais, nesta versão, chegar à bandeira final é um processo mecânico que exige bem mais esforço e atenção, pelo que encarar os níveis com excesso de optimismo pode ser o primeiro passo para cair no poço, voltar atrás e repetir tudo outra vez. E a dificuldade não tarda em aparecer. O primeiro mundo serve de introdução, mas a partir daí o jogo começa a proporcionar um bom desafio sem que, todavia, se possa caracterizar como sendo frustrante. Não é. Muitas vezes o que se requer é sangue frio e calculismo para evitar saltos precipitados que podem acabar mal e optar por um avanço com mais cautela, por forma a esquivar das investidas dos adversários. O tempo para o salto e distância também exigem atenção Além disso, os níveis em NSMBW são bem maiores, ainda que possam gravar a posição, geralmente a meio da progressão, o que acaba por ser uma salvação sobretudo pelas secções finais mais complicadas. Pela superação com sucesso dos obstáculos se descortina como NSMBW detém uma organização de puzzles e mecanismos de rotação que encaixam na perfeição para proporcionar um desafio acrescido, mais difícil. Observar e dirigir Mario ao longo da estreita válvula de escape, ou seja, o sentido da oportunidade do movimento dentro do chorrilho de objectos em movimento, é como uma melodia agradável que se escuta depois de se acertar no tempo e com ritmo certos os movimentos solicitados. Este é um dos aspectos onde o jogo mais brilha; uma movimentação praticamente melodiosa, quando acertada e cumprida dentro dos moldes exigidos. Até porque os níveis continuam em grande no que respeita à organização dos objectos que rodam, sobem e descem, disposição dos inimigos, colocação de moedas em áreas de difícil acesso, percursos alternativos como forma de colher mais moedas. E esse ritmo entra logo após a conclusão do primeiro mundo. Mesmo numa perspectiva de progressão exclusivamente individual, os veteranos e adeptos de um bom despique de plataformas em 2D têm aqui motivos de sobra para regozijar. No entanto, também se compreende o interesse em não deixar ficar ninguém de fora à custa dos momentos em que o fim antecipado do jogo teima a persistir de forma crónica e o comando da Wii, perigosamente, pode dar lugar a um objecto de arremesso. Por isso, ao fim de oito tentativas frustradas, logo no início ou numa zona intermédia aparece uma caixinha chamada Super Guia. Tocando nela, entra de forma automática Luigi que tentará a suas expensas percorrer o nível e escapar ileso. A qualquer altura, e sentindo confiança, poderão solicitar o controlo e continuar a demanda. Neste caso, porém, as moedas que tenham colhido e os pontos entretanto conquistados, não são averbados à pontuação total. Um dos pontos que também contribui para a manutenção da dificuldade é a impossibilidade de gravar definitivamente a progressão depois de percorrida uma área intermédia. Por regra o jogo oferece a hipótese de gravação depois de derrotado um bowser na torre ou num castelo de fim de nível, mas também se pode dar uso à função de gravação rápida, embora esta opção tenha validade quando se pretende sair do jogo e retomar noutra altura. Além disso, este save só pode ser utilizado por uma vez. Por isso não fica afastada a hipótese de alguma angústia neste sistema de gravação se chegarem ao castelo e esgotarem o conjunto de vidas, tilitando ???game over???. Têm de voltar para trás e fazer de novo um bom conjunto de áreas. Contudo também aqui a intransigência não é absoluta. Ao longo dos pontos que terão de percorrer em cada mapa mundo, sobram muitas casas dos Toads a visitar e nelas há sempre prémios e bónus para acumular, como cogumelos de crescimento, vidas adicionais, aumentos de potência e outros efeitos especiais. Os mini-games dos Toads abrem sempre uma boa dose de ofertas e é raro sair de mãos a abanar num desses jogos. Além disso, alguns Toads ficam aprisionados por Koopas em secções já percorridas. Quando libertados oferecem preciosas recompensas. A dada altura os bónus arrumados já formam um bom pecúlio e devem ser utilizados para superar as secções mais complicadas. Fiel às raízes da série Mario Bros., não faltam as áreas secretas, secções subterrâneas acedidas por intermédio dos tubos e até um mundo suplementar a desbloquear. Entre moedas especiais, vermelhas e azuis, o destaque vai também para as moedas de estrela, particularmente úteis. Muitas delas estão guardadas em zonas de difícil acesso, pelo que só perscrutando bem as áreas e perdendo algum tempo se consegue acumular em número suficiente para desbloquear excertos que revelam segredos e muitos dos caminhos secretos e alternativos até determinada zona do mapa mundo. ?? discutível se esta opção facilita a progressão e retira alguma magia à descoberta do jogo. Mas tal como sucede com a opção ???Super Guide??? só colhem e aproveitam destas dicas se assim entenderem. Podem sempre optar pela via mais clássica e pôr de parte estas ajudas. Os confrontos com a linhagem ???Bowser??? continuam divididos entre dois rounds por mundo; o primeiro numa torre intermédia é tecnicamente mais simples enquanto que o segundo gera uma dificuldade suplementar em virtude do feitiço lançado que tanto pode provocar uma alteração no cenário, como noutros elementos. Em qualquer dos casos os confrontos mantêm o carácter frenético e de sufoco enquanto não forem aplicados os três imprescindíveis golpes na cabeça das criaturas. Também aqui NSMBW continua a perfilhar as características que marcaram as anteriores investidas nas plataformas a duas dimensões. A introdução de personagens e objectos tridimensionais dentro de uma perspectiva de jogo clássica a duas dimensões acrescenta o paralelismo com a versão prévia lançada para a DS. Esta opção desperta o quadro visual e o movimento das personagens faz-se com outra leveza, especialmente o protagonista. Pois mesmo relegado para um quadro a duas dimensões, as reacções e movimentos do Mario mais parecem tirados da versão tridimensional, especialmente quando é conduzido na plenitude dos seus poderes. Quanto ao design e organização dos mundos, tal como dissemos atrás, é grande o conservadorismo no que respeita às geografias eleitas. Cada mundo tem a sua especificidade e o naipe extenso de rivais volta para assentar desafios nos lugares que tão bem habituaram os fãs da série. ?? apreciável o grau de detalhe e efeitos com que se distinguem as áreas de jogo, muito embora, o desenho aqui desenvolvido, não deva tanto, com as devidas distâncias temporais, aos mundos de Super Mario Bros 3, Super Mario Yorld e sobretudo Yoshi???s Island ainda hoje poços de surpresa e autênticos tratados das boas plataformas em duas dimensões. A passagem de Mario Galaxy para NSMBW também provocou algumas alterações em termos de utilização do comando. ?? possível continuar a privilegiar o Wii Remote e Nunchuk como via elementar para controlar a personagem, mas num momento de maior nostalgia, porque não evocar adoptar o tradicional e simples formato de controlo? Segurando o Wii remote de lado o acesso está assegurado aos botões elementares para a execução das tarefas tradicionais. ?? natural que algumas pessoas com mãos mais volumosas tenham dificuldade em pressionar o d-pad com firmeza, até porque falta algum apoio naquela parte do comando. No entanto esta solução revela-se eficaz e assertiva por ser capaz de proporcionar uma interface muito similar à utilizada na NES A movimentação de Mario, na forma básica, continua a obedecer aos movimentos regra, pelo que as novidades foram introduzidas a expensas do Wii remote. Podiam ter ido um pouco mais longe e abarcado outro novos movimentos, mas talvez para não desconfigurar a experiência clássica do jogo, os produtores incluíram o salto rotativo (agitar o comando para Mario saltar e rodar sobre si mesmo), a movimentação das plataformas osciláveis (deslizando o wii remote para a esquerda ou direita) e o movimento giratório sobre parafusos de modo a elevar ou descer algumas plataformas. As novidades no equipamento passam pelo ???Propeller Mario??? e pelo ???Penguin Mario???, estas a adicionar aos já conhecidos ???Ice???, ???Fire??? e ???Mini-Mario???, configurações e habilidades para ultrapassar com mais ligeireza muitos dos obstáculos. Estas opções dinamizam a exploração das áreas, especialmente através da hélice, a forma mais célere para chegar a zonas secretas altas bem como para evitar alguns perigos junto ao solo. A propulsão do Mario fica dependente da agitação que se faça no Wii remote, controlando o movimento posterior, já em fase descendente, a partir do d-pad. Vestindo o fato de Pinguim, Mario não só tem outra facilidade para se movimentar no gelo, como pode efectuar uma patinagem polar, colocando-se de barriga encostada ao solo ao mesmo tempo que salta sobre os poços e acede a zonas vedadas na sua forma normal. Além disso ainda pode atirar bolas de neve e congelar os inimigos, mesmo que estes permaneçam no ar de forma a alcançar uma plataforma cimeira, podendo também quebrar o bloco de gelo. O mais espantoso é que todas estas especialidades continuam aditivas, com uma física perfeita e sempre utilizadas em situações que ao longo do tempo se tornaram familiares. Do quadro de selecção no menu inicial até aos temas escolhidos para as áreas de jogo a componente sonora divide-se entre os temas clássicos da série, particularmente os das casas assombradas pelos boos, as torres e castelos dos bowser, as zonas de lava, entre outros bem conhecidos, sendo que para as secções exteriores há uma recuperação dos temas musicais desenvolvidos para NSMB. Com uma sonoridade muito rítmica chega a ser hilariante observar os koopas e outras figuras entrarem no ritmo. Dando unicamente função às possibilidades para jogador individual, NMSBW é por si um jogo enorme, pejado de desafios, com uma dificuldade superior, próxima de SMB3, mas sem nunca frustrar. O Super Guide e a facilidade em desbloquear segredos não formam uma solução automática. Devem ser antes entendidos como pequenos estímulos para superar uma situação mais complexa, sem, no entanto, retirar ao jogador a palavra final quanto à utilização. E depois este jogo marca pelo brutal ???sum up??? que faz de uma época dos videojogos. ?? primeira vista são as plataformas, tão típicas e saudosas. A interface continua aditiva, com uma física notável, apetrechada por aqueles sons característicos das caixas a rebentar, dos sons emitidos cada vez que Mario salta e tomba, aquilo que Matt Groening uma vez tão lapidarmente evocou num episódio dos Simpsons quando colocou o italiano Mario a escapar às investidas do adversário Homer. Por muito que as actuais produções de videojogos continuem a investir em sumptuosos motores gráficos que dinamitam quadros de absoluto foto realismo, entre dinâmicas de jogo forjadas a rebate de emoções, não se pode menosprezar uma boa costela da indústria que dificilmente cai em desuso, especialmente quando a Nintendo intervém, a expensas do engenho de Miyamoto, sempre disposto a supervisionar e garantir que um novo jogo da série Super Mario não se dissocie dos padrões de excelência a que a série nos habituou. Mas NSMBW está longe de encerrar a experiência se contarem somente com a já de si muito boa experiência individual. Acrescentem três comandos para outros três colegas na mesma sala e não só terão de partilhar o mesmo quadro de jogo, como terão de reunir esforços para superar cada ponta de obstáculo ou optar por uma postura matreira, tendente a seguir em frente à medida que alcançam a dianteira, enviando os adversários para os poços. Mas é a partir daqui que as coisas ficam hilariantes, porque tudo pode estar a correr de feição numa acesa competição, como de repente é dado um passo em falso e todo o avanço acumulado esfuma-se. E o divertimento para vários jogadores pode começar a qualquer altura, mesmo que estejam a progredir de forma individual na demanda pela busca da princesa Peach, outra vez levada pelos excomungados Bowser. O modo para vários jogadores não se limita ao percurso pelos nove mundos. Foram adicionados o modo livre, para o qual basta seleccionar uma área das que preenchem os nove mundos, e partir com o objectivo de estabelecer a pontuação máxima, havendo uma tabela de liderança no final do nível. O outro modo, a batalha das moedas, é uma estreita competição pelo maior número de moedas, com muitos obstáculos pelo meio, dentro de níveis especialmente editados para o modo e que potenciam uma acesa, vingativa e enérgica disputa. E se neste núcleo adicional de competição vale sobretudo cada um por si, já a exploração da aventura na máxima amplitude de participantes abre uma grande margem para a conjugação de esforços. As personagens a escolher são quatro: Mario, Luigi e dois Toads. A partir daqui não só devem progredir como se estivessem a jogar de forma individual, como podem optar por acções concertadas, como levar um colega às costas, projectá-lo e içá-lo no ar se a personagem que estiver por cima der uso ao salto hélice. Depois há as bombas sincronizadas, que abalam literalmente o solo, pondo em sentido as tropas adversárias. E os momentos de invencibilidade podem ser aproveitados por mais colegas. Este processo de colaboração traz à memória a execução de Little Big Planet, mas aqui o processo de cooperação acrescenta mais entusiasmo e não há o problema das ligações on-line. Discute-se se a Nintendo devia arriscar um modo para vários jogadores em rede. ?? plausível, mas num jogo onde cada fracção de segundo é vital e um ligeiro atraso pode significar um passo em falso, a experiência poderia desligar-se e gerar alguma instabilidade, enfraquecendo visivelmente a progressão ou combate. Dentro do mesmo espaço, as margens para erro são as mesmas que vigoram para a progressão individual, e por isso a experiência fica mais intensa, mas também exigente. ?? um quadro notável, participar e observar os restantes jogadores a tentarem o melhor, podendo ultrapassar as áreas com recurso a percursos alternativos (entre o primeiro e o último jogador se houver grande espaço a perspectiva alarga o quadro de jogo). Nalguns casos trava-se diálogo: - Sobe para a plataforma e salta. Estamos à espera e depois vai cada um à vez para que não fique mais alguém preso na lava. Se perderem uma vida podem sempre regressar à demanda, dentro de uma bolha passível de movimentação pelo comando wii. Se um vosso camarada tocar nela, ela rebenta e voltam à ginástica dos movimentos. Pode não ser fácil juntar mais três amigos para os combates ou prosseguimento pela aventura, mas é uma função que alarga o divertimento e que justifica por demais o investimento. Para desfrutar do jogo, ponham com o comando na posição devida, como se tivessem na mão o comando de uma NES e livrem-se daquela terrível protecção de plástico. Só estorva e naquela posição não há risco de arremessos inadvertidos. No final e por todas as razões percorridas, é difícil categorizar e enquadrar este jogo como sendo apenas um tributo do melhor que se fez com a série Super Mario Bros. Considerá-lo como uma evolução de NSMB para a DS também não é adequado. Tem as suas semelhanças, mas NSMBW assinala um rejuvenescimento, orientado para projectar uma nova experiência sobretudo a nível colectivo, tendo por premissa os tempos saudosos das boas plataformas em duas dimensões absolutamente materializadas na vertente singular, embora sem redefinir a experiência projectada nos clássicos. Porém, efectiva e coroa uma época, sendo interessante acompanhar este percurso da Nintendo, na passagem entre modernidade e evolução a três dimensões de Galaxy para um quadro clássico, do reino Mushroom Kingdom com divertimento a multiplicar por quatro.
Fonte: Eurogamer
KiliK190
Enviado por KiliK190
Membro desde
21 anos
label